Afeganistão: A Grande Fuga Ocidental

A fuga americana do Afeganistão é uma das maiores derrotas geopolíticas dos EUA. E mais uma derrota que se soma a diversas outras derrotas sofridas pelos EUA nos últimos anos. Todos esses recuos são sinais do colapso da unipolaridade com os EUA como hiperpotência hegemônica, e apontam para a substituição dessa hegemonia por uma ordem multipolar, em que diversas potências continentais e regionais terão que sentar na mesa uns com os outros, e os EUA serão apenas uma entre essas e não mais a polícia do mundo.

Os talibãs estão assumindo o Afeganistão muito mais rapidamente do que a maioria dos observadores esperava, o que está provocando um êxodo ocidental do país devastado pela guerra. Mais de uma dúzia de capitais regionais caíram para o grupo na última semana, incluindo a segunda maior cidade de Kandahar. Todos estão agora se preparando para o que parece ser a marcha inevitável do Talibã sobre Cabul, mesmo que a comunidade internacional ainda esteja tentando desesperadamente fechar um acordo de paz de última hora para evitar esse cenário sombrio. Alguns países também estão ameaçando não reconhecer o Talibã se ele retornar ao poder pela força, mas isso pode não detê-lo.

A “Grande Fuga Ocidental” do Afeganistão está agora em andamento. Os EUA acabam de destacar vários milhares de fuzileiros para facilitar a evacuação de seus cidadãos e estão implorando ao Talibã que não ataque sua Embaixada. O Canadá e o Reino Unido também estão enviando algumas forças para ajudar seus compatriotas a este respeito. A Índia já evacuou alguns de seus cidadãos e está se preparando para o cenário de contingência de como completar sua própria retirada civil e diplomática completa se o Talibã chegar à capital afegã. Todos esses países apoiaram plenamente Cabul, mas agora não têm nada para mostrar como resultado, apesar dos investimentos de duas décadas.

O pânico palpável na comunidade internacional e especialmente entre os países ocidentais e países aliados ao Ocidente, como a Índia, deve-se à sua incapacidade de se adaptar pragmaticamente às circunstâncias em rápida mudança que seus estrategistas deveriam ter visto chegar há muito tempo. O Exército Nacional Afegão (ANA) sempre foi um tigre de papel apoiado pelo apoio aéreo estrangeiro. Ele nunca comandou nenhum poder real no solo fora de algumas cidades. Uma vez que os EUA pararam de bombardear o Talibã tanto quanto antes, seus combatentes se reagruparam em massa e começaram a tomar conta de capital regional após capital regional, concentrando-se primeiro nas regiões fronteiriças e agora avançando em direção ao interior.

Eles sabiamente previam o cenário de forças estrangeiras apoiando os proxies anti-Talibã de países vizinhos e agora, proverbialmente (ou talvez literalmente) estão indo para a matança, potencialmente capturando Cabul. Todo o dinheiro que os aliados de Cabul investiram no Afeganistão foi desperdiçado em corrupção e projetos ulteriores, como a utilização daquele país como um trampolim para desestabilizar os vizinhos através de militantes armados que alvos como o Paquistão consideram como terroristas. Nada de substancial foi investido na melhoria real das vidas dos afegãos comuns e na conquista progressiva dos corações e mentes necessários para sustentar seu governo.

Para seu crédito, a Índia realmente investiu muito em projetos de infraestrutura e desempenhou um papel de liderança no apoio aos proxies anti-Talibã, mas os primeiros foram considerados pelos locais como algo que eles justamente mereciam e não como uma recompensa de qualquer tipo por manter o Talibã à distância enquanto os segundos eram brutais, corruptos e, assim, contraproducentemente, melhoraram a percepção da população sobre o Talibã. A Índia poderia ter entrado em conversações de emergência com o Talibã após seus sucessos iniciais, depois que os EUA anunciaram seus planos de retirada total, mas se recusaram a fazê-lo por qualquer razão, às custas de seus interesses.

A Índia está agora fugindo do Afeganistão junto com seus aliados ocidentais, todos os quais estão saindo envergonhados e sabendo que este resultado não era inevitável. Se tivessem investido sinceramente no povo do Afeganistão, nada disso teria acontecido, mas todos eles perseguiram motivos estratégicos ulteriores que nunca tiveram verdadeiramente nada a ver com a reconstrução deste país devastado pela guerra. Cada um deles também fez propaganda para o público estrangeiro de que seus próprios tomadores de decisão acabaram por acreditar, após algum tempo, que os Talibãs não eram genuinamente populares e estavam, portanto, condenados a ser derrotados.

A “Grande Fuga Ocidental” do Afeganistão traz consigo imagens poderosas que falam dos incontáveis fracassos da coalizão internacional. O soft power das forças em retirada é destruído por ninguém menos que suas próprias mãos depois de terem mostrado ao mundo que não podiam realizar nada do que oficialmente se propuseram a fazer, apesar de duas décadas e literalmente trilhões de dólares no total investidos para esse fim. Nada era como parecia ser e nenhum deles foi honesto sobre o que realmente estava acontecendo ali. Mas a verdade finalmente foi revelada e ela não é bonita, mas esperamos que seja uma lição para todos se escolherem aprender com ela.

Fonte: Oriental Review

Andrew Korybko

Analista político e jornalista do Sputnik, é também autor do livro <em>"Guerras Híbridas"</em>.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *