Olimpíadas de Tóquio: Vitimismo Americano vs. Vitória Chinesa

As Olimpíadas de Tóquio, com seu quadro de medalhas liderado pela China e o drama de atletas americanos que foram à TV chorar e expor seus dramas psicológicos e pessoais, expõe uma profunda distinção cultural entre civilizações que põem ênfase moral no status de vítima e civilizações focadas na conquista da vitória e na realização de grandes feitos.

Os Jogos Olímpicos deveriam ser uma época de boa vontade global, não de polêmica política, mas o New York Times (NYT) tentou explorá-la para denegrir a China em um de seus últimos artigos intitulado “O Objetivo Olímpico da China: O Maior Número de Ouros, a Qualquer Custo”. Hannah Beech escreveu um artigo no qual aparenta ter ciúmes dos sucessos olímpicos da China, mas disfarça tudo sob o verniz insincero da preocupação com seus atletas. Ela observa como a China domina seis esportes – tênis de mesa, tiro, mergulho, badminton, ginástica e levantamento de peso – e que “mais de dois terços do ouro da China vieram por cortesia de campeãs femininas”.

Ela teoriza que isto se deve ao fato de “Pequim ter se concentrado em esportes menos proeminentes, que são subfinanciados no Ocidente ou em esportes que oferecem múltiplas medalhas de ouro olímpicas”. Em outras palavras, Beech está implicando que as campeãs olímpicas chinesas podem não merecer suas medalhas de ouro porque o Ocidente provavelmente poderia vencê-las se apenas investisse mais dinheiro em certos programas. Mais tarde em seu artigo, ela dramatiza a experiência de treinamento olímpico ao longo da vida para implicar que os participantes podem não estar fazendo isso de sua própria vontade depois de serem coagidos pelo governo ou atraídos por promessas de necessidades básicas que alguns atletas mais pobres podem não ter.

No entanto, os atletas olímpicos chineses perseveram em meio ao que o autor do NYT apresenta como condições desnecessariamente difíceis porque “seu dever é com a nação, não consigo mesmo”, como supostamente evidenciado pelo simples fato de que alguns atletas treinam em instalações onde sua bandeira nacional é orgulhosamente hasteada ao longo da parede, como é normal na maioria dos países. A insinuação é que os atletas ocidentais estão fazendo tudo por si mesmos, o que por contraste implícito é aparentemente uma coisa boa em sua mente devido à cultura majoritariamente individualista dos Estados Unidos, mas ela está alheia ao quão egoísta isso pode parecer para muitas das culturas majoritariamente coletivas do Sul Global.

O subtexto é que alguns atletas da China poderiam nem mesmo ter treinado para os Jogos Olímpicos, em primeiro lugar, se não fosse pela imensa pressão do governo e da sociedade civil. Ela sugere fortemente o mesmo quando teoriza que a visão do presidente Mao Tse Tung de restaurar a grandeza chinesa pode ser a razão pela qual o governo leva os Jogos Olímpicos tão a sério. Como o Presidente Mao é demonizado na cultura americana, Beech está basicamente denunciando a participação da China nos Jogos Olímpicos e as dificuldades supostamente desnecessárias que seus atletas enfrentam como parte de uma trama comunista puramente ideológica.

Ela vai ainda mais longe, trazendo à tona escândalos de doping do passado para implicar que talvez mais campeões olímpicos da China possam estar trapaceando, que já enfurecidos leitores americanos poderiam interpretar como sugerindo que tais esquemas poderiam estar ocorrendo diante de seus próprios olhos em Tóquio. A conclusão de Beech chega rapidamente quando ela finge simpatia por um atleta chinês antes de lamentar como aquela pessoa “não abordaou o pedágio mental do que ela tem feito, dia após dia, desde pequena”, “ao contrário de Simone Biles ou Naomi Osaka, atletas olímpicas de alto nível que têm falado da tensão emocional de tanta pressão”.

Tudo se torna imediatamente claro ao chegar a esse ponto. Beech está tentando celebrar a cultura de vitimismo americana de idolatrar aqueles atletas que ou desistiram dos jogos ou não ganharam medalhas de ouro por causa do que eles explicaram anteriormente serem seus desafios de saúde mental. Esses indivíduos merecem simpatia em nível pessoal, mas a mídia dominante global dos EUA não deve pressionar o mundo a aceitá-los como o novo padrão dos campeões olímpicos. Independentemente das razões e do que se pensa sobre isso, eles falharam em fazer o que se propuseram realizar em Tóquio, que é ganhar medalhas de ouro.

Muitos países do mundo não abraçam a cultura de vitimismo dos Estados Unidos de celebrar inquestionavelmente aqueles que se apresentam como vítimas sempre que falham em alcançar seus objetivos. Algumas pessoas são vítimas verídicas, mas outras não. Biles e Osaka são vítimas de problemas de saúde mental, mas isso não faz deles heróis olímpicos em virtude do fato de que estes últimos são apenas aqueles que ganham medalhas de ouro. São mulheres fortes para chegar tão longe apesar de seus problemas pessoais, e talvez alguns de seus compatriotas as vejam sinceramente como heroínas, mas muitos em todo o mundo não as veem. Elas perderam nas Olimpíadas, o que não é nada de especial, mas a norma.

Em contraste, a China e muitos outros países celebram a vitória, não a vitimização. Não há nada de errado com qualquer cultura que uma pessoa ou nação abrace, elas são apenas diferentes. Deve haver respeito pela decisão de todos de abraçar o que quer que queiram. Sendo assim, Beech não deveria ter desacreditado a cultura de vitória da China apenas para distrair os americanos de como muitos estão decepcionados com o fracasso de alguns de seus principais atletas em ganhar o ouro. Ela implicou que os atletas chineses são pressionados pelo Estado, vivem vidas terríveis e que seus sacrifícios não são apreciados, o que é falso e apenas destinado a fazer com que os americanos se sintam melhor.

Fonte: Oriental Review

Andrew Korybko

Analista político e jornalista do Sputnik, é também autor do livro <em>"Guerras Híbridas"</em>.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *