Existem Armas Climáticas?

Para além das teorias da conspiração sobre HAARP e chemtrails, o que há de concreto sobre os boatos de “armas climáticas”? Seria possível instrumentalizar tecnologicamente o clima e os fenômenos climáticos para fins militares? As potências mundiais já fazem uso dessas supostas armas?

As fortes chuvas que atingiram países da Europa e da Ásia e os numerosos incêndios trouxeram à tona um tema antigo – será que o homem pode controlar os fenômenos naturais? Se tal tecnologia existe, então ela levanta automaticamente a questão: ela pode ser usada para fins destrutivos (como visto em filmes de ação de ficção científica como Geostorm)? Em outras palavras, as armas climáticas (geomagnéticas, estratosféricas, etc.) existem?

Deve-se ressaltar imediatamente que não vamos nos aprofundar em teorias conspiratórias como a ligação entre os chemtrails e o conceito do bilhão dourado ou o sistema HAARP, que há muito tempo foi desmantelado. Vamos considerar o tema de forma racional.

Não há dúvida de que existem tecnologias de modificação do clima. Basta pensar em como as nuvens estão dispersas durante várias celebrações urbanas para que o clima combine com o clima festivo e não interfira com eventos ao ar livre.

Em um contexto mais amplo, porém, estas tecnologias estão diretamente ligadas à ideologia política. O controle dos elementos foi discutido seriamente na América na primeira metade do século XIX e, ao mesmo tempo, a doutrina de um “destino pré-determinado” estava sendo desenvolvida que afirmava a função divina da América, incluindo o direito ao domínio mundial.

Tal tecnologia foi usada pela primeira vez com sucesso no Texas em 1916, quando Charles Hatfield usou uma invenção própria para causar chuvas fortes. É difícil chamá-la de sucesso, porém, porque as chuvas fortes causaram muita destruição e perda de vidas, e o papel do próprio Hatfield permanece questionável, já que tentativas anteriores não haviam sido bem sucedidas.

Desde os anos 90, tem se falado no Ocidente sobre a necessidade de tais tecnologias como parte da agenda ambiental. E, nos anos 2000, foi introduzido o termo “geoengenharia”, que é considerado por vários governos como uma estratégia específica inextricavelmente ligada à política externa.

Em 2011, por exemplo, o jornal britânico The Guardian, de limpeza à esquerda, escreveu: “Os esquemas de geoengenharia são projetos projetados para enfrentar diretamente os efeitos da mudança climática, geralmente removendo o CO2 do ar ou limitando a quantidade de luz solar que chega à superfície do planeta. Embora a geoengenharia em larga escala ainda esteja na fase de concepção, os defensores afirmam que ela pode eventualmente se tornar essencial se o mundo quiser evitar os piores efeitos da mudança climática. Os críticos, pelo contrário, afirmam que a geoengenharia não é realista – e pode ser uma distração da redução das emissões”.

A lista de esquemas inclui uma variedade de tecnologias, como o uso de polímeros plásticos; adição de calcário à água; enterrar carvão vegetal para fixar carbono nos solos; pastar o gado de uma forma específica; disparar aerossóis de sulfato na estratosfera para refletir a luz solar de volta ao espaço; usar navios não tripulados para aumentar a cobertura de nuvens oceânicas borrifando água do mar no ar; pintar telhados de branco para aumentar a refletividade; e até mesmo colocar pequenos espelhos no espaço entre a Terra e o sol.

Também tem havido muitas idéias teóricas, incluindo a possibilidade de usar a geoengenharia para a gestão rápida de desastres. Pensou-se que “[i]se os sulfatos estratosféricos liberados em uma grande erupção do norte fossem prontamente combatidos por uma liberação deliberada de sulfatos no hemisfério sul, ambos os hemisférios esfriariam. A ZCI [Zona de Convergência Intertropical] permaneceria parada, e uma seca poderia muito bem ser evitada. Para uma grande seca, isso seria uma grande vitória”. Devido à falta de oportunidade de realizar as experiências relevantes, porém, tais hipóteses permanecem no nível da especulação teórica.

Deve-se notar que o The Guardian reconhece que a administração de qualquer esquema de geoengenharia deste tipo levanta questões óbvias de geopolítica e governança global. Isto já é um claro conflito de interesses entre os Estados.

O Conselho de Relações Exteriores faz um ponto semelhante em seu blog, embora já se refira diretamente ao uso dessas tecnologias como armas: “A geoengenharia baseada nas comuns (CBG) são aqueles tipos de tecnologias de manipulação climática que são implantadas nas áreas comuns globais: estratosfera ou alto mar, e incluem injeção de aerossóis estratosféricos, fertilização de ferro oceânico, e esclarecimento de nuvens marinhas. A CBG ainda não é governada de forma abrangente pelo direito internacional; as leis ambientais e as leis da guerra só se aplicam indiretamente ou sob condições específicas. Entretanto, a estrutura de segurança nacional é inseparável das questões científicas, legais e éticas que envolvem a CBG, assim como foi para o desenvolvimento da bomba atômica. Se uma grande potência como os Estados Unidos decidir implantar a CBG, isto pode ser visto como permissão tácita para outras grandes potências como a China ou potências médias com capacidade científica como o Reino Unido para fazer o mesmo, especialmente se eles considerarem esta tecnologia como proporcionando uma vantagem estratégica ou tática. Isto poderia então resultar em uma espécie de corrida armamentista climática para ver qual Estado poderia manipular o clima em seu benefício primeiro”.

Aqui vemos um reconhecimento de que as armas climáticas existem. Ao mesmo tempo, a revista Foreign Affairs do Conselho de Relações Exteriores vem empurrando o tema da geoengenharia há muitos anos. Suas preocupações sobre uma corrida armamentista climática não devem ser mal compreendidas. O fato é que os EUA possuem uma série de patentes nesta área. A legalização de tais tecnologias e seu uso internacional não só trará enormes lucros às empresas americanas, mas também lhes dará uma espécie de direito moral de estar no topo da pirâmide na gestão desses processos.

Então, o que temos? Uma das primeiras patentes nesta área é US3613992. Nome: Método de modificação climática. O inventor está listado como Robert Knollenberg em nome dos EUA, e foi depositado para registro em março de 1966. Desde então, o governo dos EUA testou todos os tipos de inovações para modificar o clima.

Uma patente semelhante é US3564253: “Sistema e método para irradiação das áreas de superfície do planeta”. O inventor está listado como Arthur Buckingham da Westinghouse Electric Corporation, e a patente foi registrada em 16 de fevereiro de 1971. Com esta, não se trata mais simplesmente de “semear” as nuvens, o que pode ser feito com aeronaves, mas de uma aplicação mais direcionada que se assemelha à mecânica de uma arma.

De interesse entre as patentes mais recentes é US5762298: “Uso de satélites artificiais em órbitas terrestres adaptativamente para modificar o efeito que a radiação solar teria sobre o clima da Terra”. O inventor é Franklin Chen, e a patente foi concedida em junho de 1998.

Além disso, existem várias patentes fechadas, ou seja, os detalhes são secretos por razões militares ou de inteligência dos EUA.

Existem empresas – já existentes ou em desenvolvimento – que produzem vários sistemas e dispositivos com base nestas tecnologias.

Mas há também organizações que monitoram o surgimento de tais tecnologias e descrevem seu impacto em detalhes.

Portanto, não é segredo que existem armas climáticas propriamente. O mais difícil é determinar a interdependência entre os fenômenos climáticos severos e o possível uso de tecnologias de geoengenharia. Por enquanto, porém, os globalistas do Ocidente estão botando toda a culpa no aquecimento global e propõem combatê-lo usando métodos de geoengenharia.

Fonte: Oriental Review

Leonid Savin

Leonid Savin é escritor e analista geopolítico, sendo editor-chefe do Geopolitica.ru, editor-chefe do Journal of Eurasian Affairs, diretor administrativo do Movimento Eurasiano e membro da sociedade científico-militar do Ministério da Defesa da Rússia.

2 Comments

  1. Boa tarde

    Acabei de ler o importante artigo sobre tecnologia de manipulação do clima.
    Estou em Moçambique e sendo torturado com tecnologia operada a distância e privado de liberdade com perseguição através do sistema que visualiza tudo que faço nas redes sociais e outras plataformas de acesso livre.
    O que sucede é que estão incluso lendo minha mente e transmitir imagens e sons e manipulação do sono e sonhos e afetar minha vida graças a issas techno.
    Queria saber se há alguma coisa que eu possa ter de bibliografia ou recursos para identificar as ferramentas de sou vítima.
    Problema é que não consigo me organizar para ir fazer uma queixa contra os que estão me destruír. E creio que só com informações credível e suporte técnico adequado é que posso me proteger ou garantir que tudo que estou pensando seja cobrado legalmente.
    Qualquer coisa que possam disponibilizar para este fim seria muito importante para por fim ao sofrimento e quiçá obter uma possível proibição do uso das torturas de que sou vítima.

  2. A ideia é poder contar com alguém ou algo que possa segurar que tudo que está por de trás seja revelado. Eles se escondem atrás do desconhecido e creio que manipulam meu cérebro e mente de forma a impossibilitar minha reação e acções contra eles.
    Até aqui não tenho meios de contrariar nada e já faz muito tempo que estão me perseguindo e escravizar. Pois creio que estão ganhando dinheiro ou promoção de alguma coisa, pela dedicação que dão às ações.
    Peço incluso, caso seja possível dar assistência necessária se vos parecer bem conveniente.
    Meu nome completo é do perfil e também consigo acessar regularmente ao Facebook, com perfil paciência tio ou Mavuie Azarias Carlos ou Carlos Mambane

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *