Irã: Perspectivas Pós-Eleitorais

Na última sexta-feira o Irã viu a realização de eleições presidenciais serem celebradas. E com o término da contagem dos votos, consagrou-se a vitória de Ebrahim Raisi, o candidato revolucionário totalmente alinhado com o Guia da Nação, Aiatolá Khamenei. Agora que o governo iraniano está finalmente harmonizado, os desafios sã combater a crise econômica e voltar a despertar o entusiasmo do povo pela política.

Na sexta-feira, 18 de junho, foi realizado o décimo terceiro turno das eleições presidenciais na República Islâmica do Irã. O candidato da ala revolucionária (“ultraconservador” segundo os esquemas ocidentais), Ebrahim Reisi, que até agora foi chefe do Judiciário, triunfou com mais de 60% dos votos; atrás dele, a uma distância intransponível, o conservador moderado Rezai e o reformista moderado Hemmati.

Na frente doméstica, o governo liderado por Ebrahim Reisi terá que lidar com a grave crise econômica que está dominando o país (com a inflação oficial permanentemente em números duplos, com picos de mais de 50% nos últimos anos). Basicamente, o novo governo terá que tentar trazer a inflação de volta abaixo do limiar de 20%, um número que, embora elevado, representa a normalidade para uma nação que há várias décadas vem lutando com sanções da chamada “comunidade internacional” e que nos últimos tempos tem visto a situação piorar ainda mais devido ao choque com os Estados Unidos, que se tornou mais radical com a administração Trump. O rial, a moeda nacional, perdeu tanto em relação às moedas estrangeiras; por exemplo, se em 2016 um euro valia 50.000 riais, agora vale pelo menos 280.000.

O segundo problema que o novo executivo terá que enfrentar na frente doméstica é o progressivo afastamento dos iranianos da política. Desde meados dos anos 90 do século passado, as eleições presidenciais sempre registraram um comparecimento de mais de 60%, com picos de 85% em 2009; entre 2013 e 2017, elas registraram um comparecimento de mais de 70%. Desde o ano passado, com as eleições parlamentares de 2020, a participação caiu subitamente para 50%; de acordo com dados do Ministério do Interior, neste turno, a porcentagem estava um pouco acima de 48%.

Por que o súbito desafeto dos iranianos em relação às eleições? Alguns apontam a situação econômica como a causa; outros culpam o coronavírus, que certamente não encoraja a participação em eventos públicos, especialmente se eles estiverem lotados. De acordo com outra análise, seria um sintoma de resfriamento que exigiria que o novo presidente tomasse medidas decisivas. Em outras palavras, a tarefa de Ebrahim Reisi consistirá em reforçar a confiança dos iranianos nas instituições da República Islâmica, a fim de evitar que esta forma de governo corra o risco de decair – Deus nos livre – até o nível de uma vulgar autocracia do Oriente Médio. Em um sistema em que a participação na votação é considerada por uns como um dever religioso e por outros como uma espécie de referendo permanente sobre a forma de governo (os pregadores das sextas-feiras costumam dizer que a participação nas eleições é uma manifestação de consentimento em relação à República Islâmica), uma participação inferior a 50% dos eleitores não é um bom sinal.

Ao melhorar as condições de vida dos iranianos, Reisi poderá se apresentar aos eleitores dentro de quatro anos como uma espécie de salvador do país e da República Islâmica, também porque nesta missão ele poderá aproveitar o apoio do Chefe de Estado, Ali Khamenei, do Chefe do Parlamento, que é liderado pelo conservador Ghalibaf, e da solidariedade dos Pasdaran. Em resumo, Reisi tem todas as cartas para corrigir as coisas, considerando também o desaparecimento de Trump da administração dos EUA.

A este respeito, é preciso lembrar que as diretrizes da política externa iraniana são de responsabilidade do Guia e não do Executivo no sentido estrito. Mas há uma diferença decisiva entre o mandato de quatro anos no qual Raisi terá assento como Presidente da República Islâmica e o mandato de quatro anos do Rohani moderado, que agora expirou: agora o Guia e o Presidente estão em harmonia, na medida em que compartilham a mesma orientação; portanto, as políticas gerais serão implementadas ao pé da letra pelo governo, enquanto antes, devido às diferenças entre Khamenei e Rohani, a linha do Chefe de Estado era, por assim dizer, comprimida pelo governo. Agora, porém, tudo parece apontar para uma virada eurasianista decisiva, que poderia talvez incluir um certo distensão também com o Ocidente, já que o Ocidente não parece desdenhar um reequilíbrio em relação à política flagrantemente pró-saudita dos últimos anos.

Talvez seja um paradoxo, mas o governo revolucionário, devido à uniformidade ideológica que tem ocorrido dentro das instituições, tem uma chance maior de chegar a um bom acordo com os atores internacionais do que o governo de Rohani.

Em qualquer caso, a frente interna é agora a mais delicada. Apesar da crise econômica, o poder regional do Irã não foi de forma alguma afetado pelos oito anos da presidência Rohani, também porque os atores incisivos da política de força da República Islâmica dependem do Guia, que agora tem um homem de confiança à frente do governo. Entretanto, é bom lembrar que um Estado poderoso não é apenas aquele que tem um exército forte e mísseis precisos, mas é também aquele que sabe como responder às necessidades populares em cada situação e sabe como se adaptar aos vários contextos sociais.

Fonte: Eurasia Rivista

Ali Reza Jalali

Bacharel em Direito pela Universidade de Brescia, Doutor em Direito Constitucional pela Universidade de Verona. Professor de Direito Constitucional e Direito Internacional no Departamento de Direito na Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Islâmica de Shahrud.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *