A Situação Atual no Myanmar

O levante militar em Myanmar foi fustigado pelos líderes ocidentais e pela mídia global como um ataque aos direitos humanos e todo aquela retórica verborrágica que estamos cansados de ouvir. Os típicos protestos no estilo das “revoluções coloridas” foram iniciados para derrubar o governo militar e restaurar a presidente pró-ocidental no poder. Mas 3 meses após a tomada do poder pelo Tatmadaw birmanês não há o menor indício de que o novo governo esteja enfraquecendo.

Em um artigo anterior que apareceu no site de informática “Eurásia” intitulado “O que está acontecendo em Myanmar”, foi feita uma tentativa de interpretar os eventos birmaneses à luz da situação interna convulsiva e da dinâmica geopolítica potencial que poderia ser desencadeada. Nessa ocasião, apenas alguns dias após a ação militar que subverteu os resultados eleitorais com base em acusações de irregularidades, o artigo concluiu com a esperança de que a presença de agentes externos (pouco interessados na proteção da democracia) não provocaria uma maior desestabilização do país. Alguns meses após os fatos, estas esperanças não foram em grande parte satisfeitas. Nesta análise, será feita uma tentativa de descrever a estratégia ocidental para a criação de um “cenário sírio” no Estado da Ásia meridional.

No Fórum de Segurança Internacional Halifax 2011, o então senador republicano e antigo candidato à Casa Branca John McCain declarou: “Há um ano, Ben Ali e Kaddafi não estavam mais no poder. Assad não estará no poder desta vez no próximo ano. Esta Primavera Árabe é um vírus que irá atacar Moscou e Pequim”[1].

Em tempos de pandemia, a comparação de McCain entre os esquemas estratégicos usados pelo “Ocidente” para desestabilizar países não alinhados (da primavera árabe às revoluções coloridas) e um vírus parece ser de alta atualidade e particularmente eficaz. Acima de tudo, à luz do fato de que a Rússia e a China, como aconteceu com a Covid-19, foram as primeiras a encontrar uma saída. No entanto, o “vírus”, tanto o biológico quanto o geopolítico, continua sendo um inimigo traiçoeiro e difícil de erradicar completamente. O caso birmanês demonstra isso de uma forma emblemática.

Neste contexto, não vamos insistir nos aspectos que levaram à intervenção militar dos primeiros dias de fevereiro. Estes aspectos já foram amplamente investigados, também em seus termos constitucionais, no referido artigo publicado no website “Eurasia”[2]. Aqui, de acordo com o que então foi argumentado (ou seja, a atribuição do evento à dinâmica ligada à partilha interna do poder), será dada prioridade à evolução da situação birmanesa em relação à crescente tensão e rivalidade entre o “Ocidente” e o “bloco eurasiático”.

De fato, o que estamos testemunhando é a aplicação de uma estratégia precisa destinada a manipular informações provenientes de Myanmar para difundir e consolidar teorias antichinesas (também com sabor conspiratório) tanto dentro como fora do país do sul da Ásia. E isto está sendo feito por várias ordens de razões.

Primeiro, é preciso considerar a perspectiva geopolítica. Há um claro desejo de usar Myanmar como um “peão” para sabotar e enfraquecer o potencial de integração do espaço eurasiático inerente ao projeto da Nova Rota da Seda. Após a intervenção do Tatmadaw e a destituição do poder da Liga Nacional para a Democracia, os Estados Unidos, o Reino Unido e o Canadá rapidamente tomaram medidas para impor novas sanções à junta militar. A Índia, por sua vez, seguiu seus aliados ocidentais no esquema “Quad” antichinês, apontando o dedo ao Tatmadaw também à luz do fato de que, durante o governo da Liga Nacional para a Democracia, conseguiu impor sua projeção geopolítica a Naypyitaw através da exportação consistente de vacinas anti-covid.

Entretanto, a imposição de novas sanções levou a temer que a junta militar pudesse se abrir ainda mais para Moscou e Pequim. Isto realmente aconteceu, especialmente no que diz respeito à Rússia. Durante o desfile anual do Dia das Forças Armadas realizado na capital do país do Sul da Ásia, a chefe da junta militar Min Aung Hlaing recebeu representantes da Rússia, China, Bangladesh, Paquistão, Índia, Laos, Vietnã e Tailândia, e reiterou ao vice-ministro da Defesa russo Alexander Fomin a profunda amizade entre Myanmar e a Rússia.

Em resposta, o “Ocidente” disseminou amplamente informações falsas, tanto para desacreditar a junta militar aos olhos de Moscou e Pequim, como para desacreditar as duas capitais aos olhos dos manifestantes birmaneses. Uma dessas desinformações diz respeito à contratação pelo Tatmadaw (nunca confirmada por aqueles diretamente envolvidos na Birmânia) do lobista israelense-canadense Ari Ben Menashe, proprietário do Grupo Dickens e Madson, sediado em Montreal[4]. Um ex-agente secreto israelense, notório mentiroso e agente duplo com fins lucrativos, Ben Menashe alegou ter sido contratado pela soma de US$ 2 milhões mais possíveis bônus se o objetivo for alcançado.

Este objetivo seria melhorar a imagem da junta militar no “Ocidente” (com a consequente remoção das sanções) revelando as verdadeiras razões para a ação de fevereiro: a saber, derrubar o governo pró-chinês de Aung San Suu Kyi a fim de evitar que Myanmar se torne um fantoche de Pequim.

Agora, há poucas dúvidas de que Pequim não estava particularmente entusiasmada com uma ação suscetível de ser explorada por seus rivais geopolíticos para gerar o caos em suas fronteiras. No entanto, não parece inteiramente credível que os militares birmaneses tenham deliberadamente decidido cortar os laços com o maior parceiro comercial do país (e seu principal fornecedor de armas), na esperança de uma improvável redenção aos olhos de Washington.

A este respeito, sempre com o objetivo de minar os laços entre a China e a Tatmadaw, o apoio chinês ao anterior governo birmanês também foi exagerado. Este último, de fato (ainda que esta prática tenha sido aplicada durante todo o período da chamada “transição democrática”), favoreceu a difusão em todo o país de organizações não governamentais responsáveis pela propagação de modelos ocidentais ligados ao que poderia ser definido como “cultura sorosiana”. Estas organizações, como reiterou Xu Luping (Diretor do Centro de Estudos do Sul da Ásia da Academia Chinesa de Ciências Sociais), trabalharam para produzir uma verdadeira “colonização espiritual” de Myanmar[5]. Não surpreende que a própria Aung San Suu Kyi, de 2014 a 2017, tenha se encontrado quatro vezes com o especulador/filantropista George Soros e nada menos que seis vezes, de 2017 a 2020, com seu filho Alexander. A este respeito, além disso, não deve ser surpresa que uma das primeiras medidas tomadas pela junta militar, também para poder investigar as transações financeiras das ONGs durante os anos de governo da Liga Nacional para a Democracia, foi fechar as contas bancárias referentes à Open Society Foundation em Myanmar[6].

O objetivo “ocidental”, portanto, é gerar uma forma de antagonismo multicamadas entre Myanmar e a China a fim de arruinar o que foi descrito em várias ocasiões como uma relação de amizade fraterna (não menos importante foi o encontro entre o Ministro das Relações Exteriores chinês Wang Yi e o atual chefe da junta militar Min Aung Hlaing em janeiro passado)[7]. Por exemplo, várias das organizações não governamentais acima mencionadas (juntamente com outros agentes “ocidentais”) que operam dentro e fora de Myanmar também difundiram a ideia de que Pequim apoiou a ação militar a fim de fazer com que os manifestantes direcionassem sua raiva diretamente para a China. Ao mesmo tempo, ataques e sabotagem da infraestrutura relacionada à Nova Rota da Seda foram instigados (juntamente com a divulgação de notícias falsas sobre este assunto também) para fazer com que a China interviesse diretamente dentro de Myanmar e a envolvesse na espiral de tensão.

Parece claro que o “Ocidente”, em relação à situação birmanesa, parece muito pouco interessado em defender os direitos humanos e muito mais em criar problemas para a China. Entre as ONGs que trabalham nessa direção, destacam-se a Burma Human Rights Watch, sediada em Londres (no mesmo nível da famosa organização de notícias falsas Syrian Observatory for Human Rights), o jornal virtual Myanmar Now, o “reservatório de pensamento” Institute for Strategy and Policy e a associação Justice for Myanmar. Todos esses grupos se enquadram de uma forma ou de outra dentro da esfera de influência “ocidental”. Burma Human Rights Watch e Myanmar Now, por exemplo, são abertamente apoiadas pelo National Endowment for Democracy [8] da América do Norte. E todos esses grupos são particularmente ativos em plataformas sociais privadas, especialmente desde que o processo de “colonização espiritual” do país permitiu que mais de 20 milhões de novos usuários tivessem acesso a elas (a maioria concentrada em áreas urbanas).

Entre os mais ativos, mais uma vez, estão Burma Human Rights Watch e Myanmar Now. Enquanto a primeira, como já mencionado, instigou abertamente a sabotagem da infraestrutura e indústrias chinesas no país em resposta à repressão da junta militar (não está claro, entre outras coisas, como a destruição de uma fábrica que fornece trabalho pode melhorar as condições do povo birmanês), a segunda promoveu o uso da violência pelos manifestantes ou mesmo a formação de um exército federal que inclui todas as forças que se opõem ao governo central (incluindo grupos armados ligados a minorias étnicas)[9].

Sem mencionar as repetidas invocações à infeliz prática de R2P – Responsibility to Protect: um esquema ideológico do momento unipolar (aplicado com resultados trágicos na Líbia) através do qual os Estados Unidos (e mais geralmente o “Ocidente”) se entregaram ao papel de policial global para manter seu projeto hegemônico inalterado.

Não menos merecedora de atenção é a influência que outra organização de estilo “sorosiano” está exercendo nos protestos: a Milk Tea Alliance, que também nasceu e é extremamente ativa em plataformas sociais privadas, que lhe deram uma visibilidade comparável à dos movimentos Me Too e Black Lives Matter. O objetivo da Milk Tea Alliance, ligada às principais figuras do separatismo pró-ocidental de Hong Kong (como Nathan Law, que primeiro fugiu para Londres e mais tarde se tornou parte do programa Pritzker Fellows da Universidade de Chicago), é criar uma frente comum de oposição a Pequim entre Hong Kong, Taiwan, Tailândia (outro país central nas rotas da Nova Rota da Seda) e Myanmar.

O conflito civil aberto parece ser, ainda hoje, a evolução esperada pelo “Ocidente” em relação à situação em Myanmar. Em 2011, a agressão planejada contra a Síria interrompeu o desenvolvimento da interconexão (também em termos de gasodutos e oleodutos) entre os países do chamado “Crescente Fértil” (Irã, Iraque, Síria e Líbano). A desestabilização e sabotagem das infraestruturas sino-burmesas (entre as quais se destaca um oleoduto de mais de 800 km que vai da Baía de Bengala à China) complicaria os projetos chineses destinados a diversificar o fluxo de fornecimento de energia para reduzir a dependência da passagem pelo Estreito de Malaca. De fato, 80% do petróleo bruto destinado à China passa atualmente pelo Estreito, de modo que no caso de um choque militar, seu fechamento colocaria Pequim em sérias dificuldades.

É por isso que a China tem repetidamente declarado que quer promover a reconciliação entre as forças políticas civis e militares em Myanmar. A estabilidade do país do sul da Ásia é do maior interesse de Pequim. Sua destruição é do pleno interesse do “Ocidente”.

Notas

[1]The Arab Spring: ‘a virus that will attack Moscow and Beijing’, www.theatlantic.com.
[2]O artigo 417 da Constituição de 2008 prevê a possibilidade de declarar o “estado de emergência” por um período de um ano (prévia coordenação entre o Escritório da Presidência e o Conselho de Defesa e Segurança Nacional) caso se verifiquem condições capazes de ameaçar a integridade da União, a solidariedade nacional ou a plena soberania da mesma. A Constituição de Myanmar pode ser consultada em www.constituteproject.org.
[3]Não se pode esquecer que os principais fornecedores de tecnologia militar para o Myanmar são exatamente China, Rússia e Índia. Ver Myanmar junta holds military parade with Russian attendance, www.asia.nikkei.com.
[4]Israel (que é parte do grupo de principais fornecedores militares de Myanmar) declarou não possuir qualquer ligação com a pessoa de Ari Ben Menashe.
[5]Ver West utterly manipulates Myanmar situation as a tool in anti-China campaign, www.globaltimes.cn.
[6]Ver Myanmar regime seizes bank accounts of Soros Open Society Foundation, www.irrawaddy.com.
[7]Wang Yi meets with Myanmar’s Commander in Chief of defense services Min Aung Hlaing, www.fmrc.gov.cn.
[8]O National Endowment for Democracy é bastante conhecido por seu apoio ao separatismo uigur na Região Autônoma chinesa de Xinjiang. Ele, a partir do início dos anos 2000, além de ter promovido o nascimento do Uyghur Human Rights Project com a ajuda de diversos “dissidentes” expatriados nos EUA, garantiu sustentação financeira de $8.758.300 a diversos grupos uigires que se opõem ao governo central de Pequim. Ver Uyghur human rights policy act builds on work of NED grantees, www.ned.org.
[9]Ver GT investigates: western forces, HK secessionists behind China rumors in Myanmar, www.globaltimes.cn.

Fonte: Eurasia Rivista

Daniele Perra

Formado em Ciência Política pela Università DI Cagliari, é colaborador da <em>Rivista Eurasia</em>.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *