Palestina: As Apostas Revolucionárias de um Conflito

Para entender as raízes do conflito entre Israel e Palestina é necessário entender as raízes do sionismo enquanto projeto neocolonialista de uma burguesia judaica ocidental em um território fora do controle direto das potências europeias. A Palestina nem era a única opção, já que havia projetos de uma pátria judaica na África, na Ásia ou na América do Sul. Hoje, o expansionismo israelense é sustentado pelo dinheiro estadunidense, mobilizado pela atuação e pressão do lobby sionista internacional.

Que linha política devemos seguir no conflito do Oriente Médio? É certo que nosso compromisso revolucionário socialista europeu nos leva, quase naturalmente, a apoiar a causa dos povos sírio, libanês e palestino. Esta posição em nome da solidariedade com aqueles que lutam contra o imperialismo sionista merece ser aprofundada. É importante explicar que isto não decorre da busca por uma luta revolucionária substituta ou de um ódio inabalável. Nosso antissionismo não é antisemitismo ou judeofobia disfarçada, não é uma postura pseudo-rebelde (um simples keffiyeh ao redor de seu pescoço nunca fará de você um revolucionário…). É uma oposição a uma ideologia que tem servido como base da política israelense desde a criação do Estado hebraico. Esta política joga com os interesses do sistema globalista na região e participa da destruição de todos os obstáculos à sua dominação. Seria errado acreditar que este conflito só tem consequências de um ponto de vista local. Diz respeito a todos aqueles que não aceitam ver seus povos esmagados pela globalização capitalista.

As origens do sionismo

O sionismo político, fundado por Theodor Herzl, tem origem nas concepções nacionalistas e colonialistas que prevaleceram na Europa no século XIX. Não se baseando diretamente na fé judaica, quis dar uma resposta “nacional” e burguesa à situação muito particular das comunidades judaicas européias.

De fato, “até a difusão do modo de produção capitalista no século XVIII, os judeus permaneceram, na região euromediterrânea, uma das poucas comunidades pré-capitalistas a ter sobrevivido ao deslocamento geográfico. Esta comunidade tinha conseguido se manter tão tardiamente ao se tornar o agente social do comércio de mercadorias e dinheiro nas sociedades feudais europeias, onde constituía uma base fora do processo de produção pré-capitalista. Foi nesta base que os judeus conseguiram manter sua comunidade, com sua organização interna relativamente autônoma, como uma ilha, embora precária, no meio da sociedade vizinha” [1]. Quando o capitalismo se tornou o modo de produção dominante na Europa, a sociedade judaica teve que enfrentar um desafio a suas fundações comunitárias. Não tendo mais seu papel reservado, os judeus foram forçados a se adaptar ou se integrar a este novo sistema em cuja gênese tinham desempenhado um papel importante no nível financeiro (capitalização da economia).

Assim, este fenômeno de desestruturação de sua comunidade tradicional não só foi sofrido, mas também assumido voluntariamente pelo movimento do “Iluminismo Judaico”, o Haskalah. Eles queriam tirar seus co-religionários dos guetos e integrá-los à sociedade moderna. Rejeitando práticas e tradições religiosas em nome do “humanismo” e da “assimilação” com os “povos progressistas do Ocidente”, ele foi bem recebido. Este movimento foi muito bem recebido pela burguesia judaica da Europa Ocidental, que o viu como uma oportunidade de reintegrar seu lugar na crescente vida econômica. Quando a Convenção de 1792, que saiu da Revolução Francesa, decretou a emancipação política dos judeus, ratificou a divisão da comunidade em indivíduos atomizados, afirmando que queria “conceder tudo aos judeus como indivíduos, e nada a eles como nação”. “O princípio da atomização dos indivíduos na competição mercantil, o próprio fundamento da sociedade democrática, estava lá perfeitamente expresso”.

Na Europa Ocidental, os judeus foram rapidamente assimilados às classes média baixa e alta, e seu “judaísmo” não era mais do que a religião privada dos indivíduos atomizados. Na Europa Oriental, por outro lado, a integração era quase impossível porque as sociedades do Oriente não estavam economicamente desenvolvidas o suficiente para dar lugar aos judeus. “A lei do dinheiro havia se imposto a toda a sociedade, havia desestruturado o modo de vida tradicional, mas devido à pressão concorrente das nações mais avançadas, o novo modo de produção não pôde se desenvolver o suficiente para integrar as massas desenraizadas como um todo. Em Iídichelândia, esta situação tornou impossível a assimilação e a retenção na comunidade ao mesmo tempo. As consequências do surgimento do capitalismo destruíram o frágil equilíbrio de todas as sociedades do Leste Europeu. Um antissemitismo popular, nascido nas massas em ruínas, afetou os judeus que foram considerados responsáveis pela convulsão econômica e social.

Em resposta, um retorno ao misticismo se desenvolveu nas comunidades judaicas com o hasidismo (baseado no estudo da Cabala) que tentou reconstruir um vínculo comunitário com a tradição. Suas características eram tanto o culto ao sacrifício redentor quanto um desprezo soberano pelos aspectos materiais da vida, o que permitiu que uma grande proporção de judeus do Leste Europeu superasse a pobreza. De fato, a pauperização havia dado origem a um proletariado judeu que só podia permanecer dentro da comunidade sem poder ir além dela, e só podia se dedicar à produção doméstica em pequena escala para a burguesia judaica.

Mas a industrialização no final do século XIX reduziu ainda mais o espaço da comunidade moribunda, reduzindo-o ao desemprego ou à emigração para o Ocidente. Foi então que o proletariado judeu começou a aderir ao projeto socialista e que o marxismo se espalhou dentro dele. O socialismo surgiu como uma forma de sair do gueto, para superar a condição de ser excluído da sociedade, integrando os judeus na luta da classe trabalhadora nativa. Assim, na Rússia, os judeus secularizados foram encontrados entre os primeiros marxistas, bem como entre os socialistas-revolucionários, os comunistas e os populistas. Mas esta abordagem dizia respeito apenas a uma minoria, e as dificuldades de deixar a comunidade (devido tanto ao perene antissemitismo quanto ao surgimento de um sentimento nacional judeu específico) levou a uma retirada comunitária. O Bund deveria encarnar este giro separatista que o cortou do resto do movimento revolucionário europeu. O muito importante partido social-democrata judeu (estabelecido principalmente na “zona reservada” polaco-russa) optou pela reivindicação de um território judeu autônomo na Europa Oriental antes da guerra de 1914-1918. O fracasso deste projeto foi a condição para a vitória do sionismo.

A impostura sionista

Havia originalmente dois tipos de sionismo: o sionismo “burguês” e o sionismo “da classe trabalhadora”. O sionismo “burguês” foi uma resposta da burguesia judaica da Europa Ocidental à emigração maciça de proletários judeus da Europa Oriental. Este movimento populacional maciço reavivou o antissemitismo na classe trabalhadora no final do século XIX. Os empregadores usaram esses emigrantes como mão-de-obra barata em concorrência com os trabalhadores locais (pois nada muda no mundo do capital…). Preocupada com o desenvolvimento de um forte sentimento de hostilidade popular contra eles, a burguesia judaica decidiu desviar este fluxo de emigração para um “lar nacional judaico” sob a proteção das grandes potências coloniais europeias. “Para dizer a verdade, a escolha da Palestina foi de pouca importância para a burguesia judaica. Eles teriam aceitado a priori qualquer outra solução territorial, desde que se livrassem de seus correligionários do Oriente. Assim, em 1903, Herzl propôs seriamente ao movimento sionista Uganda, graciosamente oferecida por sua Majestade Britânica, como um futuro lar judeu. Mas a escolha da Palestina era natural por causa da sobrevivência entre os judeus da Europa Oriental de uma tradição cultural que transmitia a imagem de Sião e da Terra de Israel. Deve-se notar que entre os judeus tradicionalistas, a ideia de um retorno à Palestina era considerada sacrílega.

Desde o início, o empreendimento assumiu um aspecto colonial. O capital burguês foi usado para comprar terras de grandes proprietários árabes ausentes nas quais colonos judeus do leste foram instalados para supervisionar os trabalhadores palestinos. Ao mesmo tempo, o sionismo “burguês” tomou conta do comércio e da indústria das cidades. A Palestina estava longe de ser um deserto no início do século 20, era uma região rica cuja produção de cereais e frutas cítricas era exportada para todo o Oriente Próximo. Quando a Grã-Bretanha ocupou a região após a Primeira Guerra Mundial, permitiu que os colonos judeus se estabelecessem maciçamente na Palestina.

Mas muito rapidamente, o tipo colonial de exploração estava ultrapassado. As tensões emergentes entre os recém-chegados e as populações árabes forçaram os britânicos a controlar a emigração judaica.

Foi então que o sionismo burguês usou o ímpeto do socialismo judaico para dar origem a um sionismo “operário” destinado a realizar uma colonização de assentamento. O mito do “kibbutz” era para servir de máscara para o saque de um povo inteiro. Este sonho comunitário e igualitário seduziria uma grande parte dos judeus do Oriente. A chegada maciça desses colonos idealistas tornará desnecessário o uso de mão-de-obra palestina e servirá para estabelecer as fundações do futuro Estado hebraico. A combatividade da “classe trabalhadora” sionista acelerará o nascimento de Israel e o imporá pelas armas aos britânicos e aos árabes.

Um estado de exceção

Com a fundação do Fundo Nacional Judaico em 1901, o sionismo burguês havia estabelecido o primeiro marco de uma política de apropriação de terras na Palestina. De fato, ela adquiriu terras que não poderiam, a partir de então, ser revendidas ou simplesmente alugadas a não judeus. Com o sionismo “operário”, elas tinham que ser exploradas somente por judeus. Os palestinos se tornaram demais em suas próprias terras. Mesmo antes da fundação de Israel, o diretor do Fundo Nacional Judaico declarou em 1940: “Deve ficar claro para nós que não há lugar para dois povos neste país. Se os árabes a deixarem, será o suficiente para nós (…). Não há outra maneira a não ser movendo todos eles; não devemos deixar uma única aldeia, uma única tribo… Devemos explicar a todos os chefes de Estados amigos que a terra de Israel não é muito pequena se todos os árabes partirem, e se as fronteiras forem empurradas um pouco para o norte, ao longo do Litani (um rio no centro do atual Líbano), e para o leste, nas Colinas de Golã.

Com a ajuda de sucessivas guerras, os israelenses implementarão este programa de escolha étnica. A expulsão dos palestinos foi um empreendimento deliberado e sistemático que foi endossado por legislação excepcionalista. Expropriação de centenas de hectares de terras agrícolas, leis especiais permitindo o estabelecimento de zonas proibidas, expulsões de bairros inteiros das grandes cidades, proibição de circulação, tudo foi colocado em prática para que os árabes ainda vivendo em Israel fossem cidadãos de segunda classe (20% da população, de fé muçulmana ou cristã). A destruição sistemática das aldeias palestinas com bulldozers (incluindo cemitérios, mesquitas e igrejas) é o símbolo dessa vontade de apagar todos os vestígios da presença árabe em Israel.

A conquista dos territórios ocupados vai endurecer a política de expansão sionista. Enquanto o sionismo “da classe trabalhadora” ficou sem força nos anos 80, o sionismo “religioso” tomou o poder para legitimar as muitas agressões israelenses. Embora os partidos ultra-religiosos não tenham um grande eco na vida cotidiana de uma sociedade israelense modelada no modelo ocidental, eles, no entanto, fornecem aos sucessivos governos todo um discurso místico ligando as conquistas territoriais de Israel à vontade divina.

Condenado várias vezes pela ONU, Israel não parece temer aparecer como um Estado predatório. Beneficiando-se do silêncio da mídia sobre esses crimes, o sionismo sabe que deve isso a sua relação privilegiada com a superpotência mundial americana e seu alinhamento com sua estratégia no Oriente Médio.

O Oriente Médio na Nova Ordem Mundial

Durante a Guerra Fria, Israel tornou-se uma cabeça-de-ponte para o imperialismo americano no Oriente Médio. A fim de preservar esta região dos possíveis avanços do comunismo, o Estado sionista recebeu considerável ajuda financeira e militar-econômica. Como “Sentinela do Ocidente” diante de um mundo árabe-muçulmano que poderia tombar para o lado da URSS, tem vivido quase sob constante perfusão dos Estados Unidos. A segurança de Israel e seu papel como guardião da ordem regional justificam, juntamente com o controle dos recursos petrolíferos, a presença americana constante nesta região.

Tendo se livrado de seu rival soviético no início dos anos 90, a única superpotência tem mão livre para redesenhar o mapa do Oriente Médio de acordo com seus interesses. Isto começou com a Primeira Guerra do Golfo, em 1991, com a aprovação das autoridades internacionais. Em 2003, os EUA invadiram o Iraque sob o pretexto de restaurar a “democracia”.

Em 2006, a agressão sionista contra o Líbano foi patrocinada pelos EUA para acelerar o estabelecimento de seu projeto “Novo Oriente Médio”. “Segundo a revista New York, Bush pediu a Israel que abrisse uma frente contra o Hezbollah como prelúdio a um bombardeio americano às instalações nucleares do Irã. Esta agressão faz parte dos 10 anos de guerra anunciados por Bush na sequência do 11 de setembro de 2001, que visa o estabelecimento do Grande Oriente Médio. Este é um plano dos EUA para dividir a região em entidades artificialmente mantidas em conflito entre si por motivos étnicos, religiosos ou econômicos, mas todas dependentes dos Estados Unidos através de sua submissão aos ditames da OMC. Israel manteria então seu papel de gendarme encarregado de reprimir toda a resistência nacional. Para isso, “Israel quer estabelecer suas próprias fronteiras, já que os povos se recusam a capitular e renunciam a seus direitos”. A primeira fase foi a redistribuição para a Cisjordânia após a evacuação de Gaza, depois a construção do muro anexando ainda mais terras palestinas e tornando a vida impossível para as populações árabes” [2].

A invasão do Líbano visa controlar a área do Rio Litani, que há muito tempo é cobiçada por seus recursos hídricos e por sua posição estratégica.

O ataque contra o Hezbollah ofereceu ao Estado sionista a oportunidade de provar sua utilidade ao seu poderoso protetor. Ao fazer uma grande contribuição para a guerra contra o “terrorismo”, ele quis mostrar seu poder e eficiência. Mas seu “zero-a-zero” decepcionou os americanos que haviam investido nos preparativos para a invasão. A “Primavera Árabe” foi a oportunidade de provocar uma guerra civil na Síria (ver os artigos em nosso site). Hoje a ameaça é dirigida ao Irã.

O Estado de Israel sabe que deve se apressar, transformando-se em um bunker frente ao eixo de resistência (Irã/Hezbollah/Síria). Sua sobrevivência depende mais do que nunca de sua aliança com os Estados Unidos e de sua capacidade de provocar o caos na região, portanto, é infelizmente previsível que o Líbano, a Palestina e a Síria voltarão a ser o alvo das ambições sionistas.

Fonte: Rébellion

OSRE

A Organização Socialista Revolucionária Europeia é um movimento nacional-revolucionário francês engajado na libertação de seu continente do americanismo e do capitalismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *