O Bicentenário da Morte de Napoleão

Escrito por Marine Le Pen
Aos 200 anos do falecimento de Napoleão Bonaparte, maior líder militar da história humana, e uma figura ímpar a ponto de ter sido chamado pelo filósofo Hegel de “O Espírito do Mundo a cavalo” é interessante revisitar a sua memória e examinar a sua importância, que não é apenas francesa, mas mundial.

O bicentenário da morte do Imperador Napoleão I, é um convite para tirar de nossa história a poderosa evocação da alma de nosso povo, de um grande povo, o povo francês.

São os períodos de grande agitação que revelam grandes personalidades. Sem a guerra não haveria De Gaulle, sem a Revolução não haveria Bonaparte e muito menos Napoleão. Talvez sem esses grandes homens, sem essas personalidades extraordinárias, o turbilhão de acontecimentos teria varrido nosso país e a história teria apagado a França de seu grande livro.

Visitando o imenso destino do Imperador dos franceses, como não ficar marcado, pela precocidade deste destino, pela velocidade e pelo apogeu desta ascensão.

O que ainda é impressionante é a imortalidade que adquire uma espada que, em poucos anos, construiu um império mais extenso do que o de Carlos Magno.

Igualmente prodigiosa é a coroação de um nome que, como um César romano, eclipsa os maiores nomes que normalmente moldam a imaginação das pessoas. O Imperador Napoleão I pertence não apenas à história dos franceses, mas à história da humanidade. Esquecê-lo seria cometer um crime memorial.

“O Espírito do Mundo a Cavalo”

“Eu ganho minhas batalhas nos sonhos de meus soldados” disse este estrategista militar que o general prussiano Clausewitz, o teórico da guerra, não hesitou em considerar como “o maior líder de guerra moderna”. Conquistador, diplomata, estadista e fundador de Estados, a simples menção de seu primeiro nome inspira reverência mundial e, para os franceses, orgulho legítimo de saber que ele era um deles.

Em 13 de outubro de 1806, o filósofo alemão Hegel, que o havia visto sair da cidade de Jena para fazer um reconhecimento, teve a sensação, com a imagem deste cavaleiro cavalgando em direção à batalha, de ter visto “o espírito do mundo a cavalo”. Como César ou Alexandre, o filósofo do absoluto viu neste herói épico o homem de ação por excelência, “aquele que não é o que ele pensa, nem o que ele esconde, mas aquele que age”. Ele é aquele que toma a liderança nos eventos, que resiste ao poder das circunstâncias, aquele cuja vontade acaba dirigindo o movimento do mundo. Assim, domando a torrente tempestuosa dos acontecimentos e canalizando as convulsões humanas e a fúria dos conflitos, ele escreveu, através do real e do imaginário, o que os séculos chamam de “História”.

O Braço Armado da História

Trazido à luz por uma revolução da qual foi prisioneiro por muito tempo, este “Príncipe das Batalhas” foi durante todo o seu curto mas grande reinado um prisioneiro da história. Ele foi forçado a um conflito incessante por potências unidas contra o movimento do mundo, e pagou com uma guerra perpétua pela glória que seu gênio lhe abriu. O homem que Victor Hugo enquanto criança havia visto “passar mudo e grave como um Deus de latão”, viu-se, por um pacto faustiano, condenado a uma vitória perpétua.

O herói mítico escapa de sua pessoa.

Não dizemos desses personagens lendários que eles pertencem à história, como se já não pertencessem a si mesmos?

De fato, ele foi o braço armado de um movimento histórico que ultrapassou o homem, um momento da grande História que ele forjou com seu ferro, que ele ordenou com sua caneta, que ele organizou com sua mente.

Os Louros Imortais da Vitória

Como a cavalgada de seus cavalos de batalha, como a marcha da invencível Guarda Imperial, com ele, a fama de nossas bandeiras espalhadas pelo mundo: aos pés das pirâmides onde quarenta séculos contemplaram a coragem dos franceses; na batalha dos “três imperadores” sobre a neve de Austerlitz onde o sol de sua glória ainda brilha; na sangrenta Moscóvia onde nada menos que quarenta e oito generais pereceram para abrir o caminho de Moscou para o Grande Armée.

As façanhas de Toulon, Castiglione, Rivoli, Arcole ou Aboukir fizeram a fama do Pequeno Cabo, impetuoso general da revolução; a de Marengo a popularidade do Cônsul Bonaparte; as brilhantes vitórias de Austerlitz, Jena, Friedland ou Wagram, trançaram em sua testa os louros da imortalidade.

Bainville, um historiador monarquista, mas que o admirava, escreveu sobre ele: “Ele desconcertou o inimigo com uma arte de combate tão ousada e nova quanto sua arte de negociação é sutil”. Ao concentrar a superioridade numérica em um determinado ponto, ao surpreender com rapidez e astúcia e ao dar prioridade ao ataque, ele aplicou os princípios da tática ofensiva e já de uma guerra de movimento.

Com a informação e a comunicação como parte integrante da conquista, ele dará a sua visão estratégica e política uma modernidade incrível.

O Grande Sopro da Emancipação dos Povos

Seu legado na Europa é um apelo à liberdade, uma mensagem de emancipação dos sistemas feudais que séculos haviam fossilizado, o despertar dos povos que se abrem para uma consciência nacional legítima, essas nações libertadas que eventualmente prevalecerão, inclusive contra os impérios. Ele aprenderia isto ao seu custo.

Napoleão não é apenas o homem que trouxe o ideal de liberdade a uma Europa oligárquica que ele queria libertar dos jugos dinásticos, ele é também o homem que tirou a França da terrível lágrima francesa que foi a Revolução, esta revolução de ideais, mas também de sangue, de sentimentos nobres, mas também de terríveis explosões. Foi ele quem, numa França “em chamas”, nesta França tragicamente regicida, domou esta fúria fratricida que teria levado os franceses ao caos se não fosse por sua vontade pacificadora e unificadora.

Com o estabelecimento de uma nova dinastia, ele se esforçou para combinar os ideais revolucionários reordenados e a instituição monárquica à qual os franceses permaneceram fundamentalmente ligados. Ele formalizou os direitos dos cidadãos em um Código Civil que refletia um pensamento coerente e completo; ele afirmou a autoridade de um Estado que respeitava as religiões, mas estava livre de supervisão eclesiástica; ele respondeu à aspiração por justiça através de uma reforma tributária. Ele trabalhou na educação das mentes através do desenvolvimento de escolas e universidades. Seu legado, que nem a Restauração acreditava que deveria ser posto em questão, foi a base de nosso Estado moderno, aquele no qual, durante dois séculos, a França baseou seu poder, sua influência e sua influência.

Homem de Estado e Homem da Nação

Através de seu trabalho como legislador e estadista, que permitiu que a construção de um Estado Nacional fosse concluída, Napoleão acelerou em vez de contradizer a obra de mil anos dos reis capetianos. A reorganização da França, bem como a unidade da Nação, são alguns dos títulos de glória mais marcantes de nosso Primeiro Império.

A epopeia napoleônica também nos lembra que nada no mundo é alcançado sem paixão.

Sua paixão era a França, a nação que havia acolhido sua família em seu seio um ano antes de ele nascer em 1769, a nação à qual, arrancando-se de sua bela ilha nativa da Córsega, o ex-bolsista do Rei na École de Brienne, entrando na história, consagrou sua genialidade e o oficial de artilharia de dezesseis anos ofereceu sua espada.

Orgulho versus Arrependimento

Mesmo que nenhuma figura histórica esteja livre de reprovações que teria sido legítimo evocar, será necessário limitarmo-nos à ingratidão histórica, às tristes jeremíadas em que se afundam as chamadas elites, escravizadas à ideologia da desconstrução, prontas para todos os Waterloos éticos, para derrotas sem luta, para fugas em campo aberto? Esta tentação inglória de autoflagelação, aquela que falsifica ou atrofia a história, acaba minando os fundamentos morais e nacionais de um país por causa de sua alergia a toda transcendência. Chateaubriand, que disse admirar a genialidade deste homem e abominar seu despotismo, foi obrigado a concluir com uma nostalgia muito romântica: “Decair de Bonaparte e do Império no que os seguiu foi cair da realidade no nada”.

Naquele dia 5 de maio de 1821, quando a morte libertou o “General Bonaparte” do exílio, um prisioneiro de Santa Helena, um sol se apagou. “Ele morreu, como um astro se apaga” (Victor Hugo), dedicando suas últimas palavras ao povo francês que ele tanto amou e serviu tão imperialmente: “França, França …chefe …exército”.

Os arcos de triunfo e as colunas de bronze que estão orgulhosamente em nossas cidades lembram às crianças da França sua vocação para a grandeza, uma grandeza que só visão e vontade podem construir, que só talentos e sacrifícios podem deixar como legado, que só memória e orgulho podem restaurar.

Nestes tempos de dúvida e divisão, esta é a mensagem deste bicentenário, a celebração mobilizadora de uma lenda francesa que se tornou eterna, que repousa no coração de nossa capital, sob uma majestosa cúpula dourada.

Fonte: Revue Politique

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *