Superliga: Triunfo do Liberalismo no Futebol

Escrito por Jean Ernice
O projeto da Superliga, uma liga internacional de futebol exclusiva para os maiores clubes, está naufragando. Mas ele é a consequência de um projeto de liberalização que vem de longa data, e consiste em uma busca por afastar ainda mais o futebol, um esporte proletário por excelência, das pessoas comuns e de suas bases.

Durante os últimos dias, a mídia e os torcedores de futebol têm estado em alvoroço. A causa desta comoção é o fato de doze dos clubes mais ricos do mundo terem decidido unir forças para criar uma liga privada de futebol inspirada no futebol americano.

Pode-se deplorar este projeto do ponto de vista de um futebol romântico, mas outros provavelmente o farão melhor e estarão mais legitimados a falar sobre isso. Mais interessante é que esta superliga é mais um exemplo da secessão das elites. Como no resto da sociedade, os mais ricos estão se isolando das classes trabalhadoras. Sejamos claros, estamos testemunhando a culminação de anos de liberalismo no futebol.

Há anos, o futebol vem sendo desregulamentado e liberalizado. Agora estamos chegando ao fim da estrada. Os órgãos que supostamente controlam o futebol têm caminhado para um maior liberalismo, e estão pagando um alto preço por isso. Como os políticos, os diretores dos clubes indignados não estão em posição de ficar indignados.

Bossuet nos ensinou uma frase que está terrivelmente em sintonia com esta situação atual: “Deus ri dos homens que se queixam das conseqüências enquanto acarinham as causas”.

Olhando para trás

O governo Bosman, nos anos 90, permitiu aos clubes recrutar quantos jogadores europeus desejassem. Era o fim do futebol nacional e a corrida para recrutar os melhores jogadores. O dinheiro proporcionaria aos clubes o talento que eles mesmos não conseguiriam desenvolver. Esta abolição de fronteiras agora continua com a criação de uma liga fechada com clubes de vários países (Inglaterra, Itália, Espanha, nesta fase).

A criação desta competição também representa a inversão da pirâmide de tomada de decisão. Até então, o futebol era governado de acordo com esta ordem (do menos para o mais importante):

Apoiadores

Jogadores

Clubes

Federações e ligas nacionais de futebol (incluindo seleções nacionais)

Federações continentais (UEFA, CAF…)

Federação Internacional (FIFA)

Esta liga privada perturba esta ordem estabelecida e os clubes se posicionam à margem das federações para viver melhor sem elas. O objetivo é claro, confessado, de ter mais fundos para os grandes clubes de futebol. Para liberar mais dinheiro, alguns atores devem ser privados dele, o que significa o fim da ajuda aos “pequenos” clubes. Isto é pura e simples predação de riqueza para o benefício apenas dos “grandes” clubes.

Os dias do futebol por e para a classe trabalhadora não são mais nem mesmo uma memória, é agora um fato histórico. Outras coisas mudaram drasticamente na economia do futebol.

O patrocínio, um modelo ultrapassado

Entre os gigantes do futebol, o patrocínio desapareceu.

Estamos testemunhando operações de marketing e “soft power” (uma forma suave de convencer), como no caso do Qatar, que está investindo no PSG, ou dos Emirados Árabes Unidos, que está investindo em Manchester City.

A outra possibilidade para um clube é ser de propriedade de um ou vários fundos de investimento. Este é o caso de mais e mais clubes. A começar pelo Manchester United, comprado com empréstimos, os acionistas pagam o empréstimo com o dinheiro gerado pelo clube.

Em seguida, eles esperam dividendos como em qualquer negócio, estima-se que entre 2005 e 2015, 1,5 bilhões de euros foram recuperados pelo acionista. Na frente esportiva, o clube às vezes fez escolhas arriscadas e alguns observadores explicam sem pestanejar que o clube favorece a rentabilidade financeira em detrimento dos títulos esportivos.

Os pequenos clubes vão manter seus patrocinadores, cada vez mais raros, e serão apoiados pelas autoridades locais para proteger a economia local… Uma economia desregulamentada no topo e sob perfusão pública para manter os menores.

O organizador da “Super Liga” é um banco de investimentos conhecido e reconhecido, o JP Morgan. Seu papel na crise do subprime de 2008 é bem conhecido. O banco também foi condenado por ter hospedado as contas do Madoff… O banco está obviamente embarcando nesta aventura com a ambição de ter lucro.

A emissora da competição ainda não é conhecida, mas sabe-se que será um novo operador no campo do esporte, a criação de uma Netflix esportiva poderia ser a plataforma de lançamento ideal para tal competição. A mídia tradicional, os grandes criadores de dinheiro no futebol, correm o risco de ser ultrapassados nesta corrida econômica para o topo…

Somente um jogador pode parar esta concorrência: o consumidor. Se eles não assinarem, tudo pára.

Fonte: Rébellion

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *