O Golpe contra Evo Morales e a Primeira Guerra do Lítio

Está na hora de recordar a conspiração que derrubou Evo Morales. Após o retorno triunfante de Morales ao país e a vitória eleitoral de seu partido, bem como a prisão da maioria dos conspiradores, foram vazados documentos que comprovam a participação direta do governo britânico e da CIA na conspiração. O objetivo: roubar o lítio boliviano.

Lembre-se da derrubada do presidente boliviano Evo Morales no final de 2019. Na época, a grande imprensa afirmou que ele havia transformado seu país em uma ditadura e que acabara de ser deposto por seu povo. A Organização dos Estados Americanos (OEA) emitiu um relatório certificando que as eleições haviam sido manipuladas e que a democracia estava sendo restaurada.

Entretanto, o presidente Morales, que temia acabar como o presidente chileno Salvador Allende e havia fugido para o México, denunciou um golpe de Estado organizado para confiscar as reservas de lítio do país. Mas ele não identificou os mandantes e foi recebido com nada mais do que sarcasmo no Ocidente. Apenas nós revelamos que a operação tinha sido realizada por uma comunidade de católicos croatas, presentes no país em Santa Cruz desde o final da Segunda Guerra Mundial; uma rede de apoio à OTAN.

Um ano depois, o partido do presidente Morales venceu as novas eleições por uma grande maioria. Não houve nenhum desafio e ele foi capaz de retornar triunfantemente ao seu país. Sua chamada ditadura nunca havia existido, enquanto a de Jeanine Áñez havia acabado de ser derrubada nas urnas.

O historiador Mark Curtis e o jornalista Matt Kennard tiveram acesso aos documentos desclassificados do Ministério das Relações Exteriores, que eles estudaram. Eles publicaram suas descobertas no site Declassified UK, baseado na África do Sul desde sua censura militar no Reino Unido.

Ao longo de seu trabalho, Mark Curtis mostrou que a política britânica pouco foi alterada pela descolonização. Citamos seu trabalho em dezenas de artigos na Rede Voltaire.

Parece que a derrubada do Presidente Morales foi uma comissão do Ministério das Relações Exteriores e de elementos da CIA que escaparam à administração Trump. Seu objetivo era roubar o lítio do país, que o Reino Unido cobiça no contexto da transição energética.

A administração Obama já havia tentado um golpe de Estado em 2009, que foi reprimido pelo presidente Morales e levou à expulsão de vários diplomatas e funcionários americanos. Em contraste, a administração Trump aparentemente deu aos neoconservadores uma mão livre na América Latina, mas os impediu sistematicamente de concretizar seus planos.

O lítio é um componente das baterias. Ele é encontrado principalmente nas salinas dos desertos salgados de elevada altitude nas montanhas do Chile, Argentina e especialmente na Bolívia (“o triângulo do lítio”), e até mesmo no Tibete, os “salares”. Mas também na forma sólida em certos minerais extraídos das minas, particularmente na Austrália. Ele é essencial para a transição de carros a gasolina para veículos elétricos. Tornou-se, portanto, uma questão mais importante do que o petróleo no contexto dos Acordos de Paris, supostamente para combater o aquecimento global.

Em fevereiro de 2019, o Presidente Evo Morales deu permissão a uma empresa chinesa, o Grupo TBEA, para explorar as principais reservas de lítio de seu país. O Reino Unido, portanto, concebeu um plano para roubá-lo.

Evo Morales, um índio aymara, tornou-se presidente da Bolívia em 2006. Ele representava os produtores de coca; uma planta local essencial à vida em alta altitude, mas também uma poderosa droga banida mundialmente. Sua eleição e governança marcaram o retorno dos índios ao poder, do qual haviam sido excluídos desde a colonização espanhola.

  • Já em 2017-18, o Reino Unido enviou especialistas à empresa nacional da Bolívia, Yacimientos de Litio Bolivianos (YLB), para avaliar as condições para a mineração de lítio boliviano.
  • Em 2019-20, Londres financiou um estudo para “otimizar a exploração e produção de lítio boliviano utilizando tecnologia britânica”.
  • Em abril de 2019, a Embaixada do Reino Unido em Buenos Aires organizou um seminário com representantes da Argentina, Chile e Bolívia, empresas de mineração e governos, para apresentar os benefícios do uso da Bolsa de Metais de Londres. A administração Morales foi representada por um de seus ministros.
  • Imediatamente após o golpe, descobriu-se que o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) estava financiando os projetos britânicos.
  • O Ministério das Relações Exteriores havia encomendado – muito antes do golpe – a uma empresa de Oxford, a Satellite Applications Catapult, para mapear as reservas de lítio. Só foi paga pelo BID após a derrubada do Presidente Morales.
  • Alguns meses depois, a embaixada do Reino Unido em La Paz organizou um seminário para 300 interessados com a ajuda do Watchman UK. Esta empresa é especializada em como envolver as pessoas em projetos que violam seus interesses, a fim de evitar que elas se revoltem.

Antes e depois do golpe, a embaixada britânica na Bolívia negligenciou a capital La Paz e concentrou-se na região de Santa Cruz, onde os croatas ustasha haviam tomado legalmente o poder. Lá, ela multiplicou os eventos culturais e comerciais.

Para neutralizar os bancos bolivianos, a embaixada britânica em La Paz organizou um seminário sobre segurança informática oito meses antes do golpe de Estado. Os diplomatas apresentaram a DarkTrace (uma empresa criada pelos serviços de segurança internos britânicos), explicando que somente os bancos que usavam a DarkTrace para sua segurança poderiam trabalhar com o governo britânico.

De acordo com Mark Curtis e Matthew Kennard, os EUA não participaram da trama enquanto tal, mas as autoridades deixaram a CIA para prepará-la. A DarkTrace, por exemplo, recrutou Marcus Fowler, um especialista em operações cibernéticas da CIA, e especialmente Alan Wade, o antigo chefe de inteligência da agência. A maioria do pessoal da operação era britânico, incluindo os chefes da Watchman UK, Christopher Goodwin-Hudson (um ex-militar de carreira, então diretor de segurança da Goldman-Sachs) e Gabriel Carter (um membro do Clube das Forças Especiais muito particular em Knightsbridge, que se distinguira no Afeganistão).

O historiador e o jornalista também afirmam que a embaixada britânica forneceu à Organização dos Estados Americanos os dados que usou para “provar” que a eleição tinha sido manipulada; um relatório que foi posteriormente refutado por pesquisadores do Massachusetts Institute of Technology (MIT) antes de ser refutado pelos próprios bolivianos durante as eleições seguintes.

A situação atual prova o trabalho de Mark Curtis como um historiador correto. Por exemplo, nos três anos desde o golpe na Bolívia (2019), mostramos o papel de Londres na Guerra do Iêmen (2020) e na Guerra de Nagorno-Karabakh (2020).

O Reino Unido conduz guerras curtas e operações encobertas, se possível sem que a mídia tome conhecimento de suas ações. Ele controla a percepção de sua presença através de uma multidão de agências de notícias e veículos de mídia que ele subsidia secretamente. Ele cria condições de vida incontroláveis para aqueles aos quais as impõe. Utiliza-as para explorar o país em seu benefício. Além disso, pode manter esta situação o máximo de tempo possível, na certeza de que suas vítimas ainda apelarão a ele, sendo apenas capaz de acalmar o conflito que ele mesmo criou.

Fonte: Voltaire Network

Thierry Meyssan

Intelectual francês, presidente e fundador da <em>Rede Voltaire</em> e da conferência <em>Axis for Peace</em>, é autor de diversos artigos e obras sobre política externa, geopolítica e temas correlatos.

1 Comment

  1. Isto posto,descoberta as falcatruas do golpe seus patrocinadores externos,seus colaboradores internos e o retorno de EVO MORALES ao país,creio que é chegada a hora da caça ÀS BRUXAS! Fazer uma fachina completa no País!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *