Biden e a Exploração da Mão-de-Obra Chinesa

Quais são as intenções de Biden em relação à China? E de que maneira a China pretende se aproveitar dos interesses econômicos dos bilionários estadunidenses para a própria estratégia de desenvolvimento nacional?

A administração Biden não adotará uma estratégia definitiva contra seu rival chinês até junho. Um comitê ad hoc do Pentágono terá então que apresentar propostas à Casa Branca.

Sob a autoridade do Presidente Xi Jinping, a China começou seu posicionamento fora de suas fronteiras. Ela já colocou 3.000 soldados nas forças da ONU e abriu uma base em Djibuti. Logicamente, ela deveria, como fazia na época da histórica Rota da Seda, estabelecer postos militares ao longo das estradas que está construindo para assegurar seu comércio internacional. Por último, mas não menos importante, ela está se deslocando para as ilhotas que havia abandonado no século XIX no Mar da China.

A China pretende primeiro recuperar seu espaço vital, que foi roubado por neocolonialistas ocidentais. Ela está segura de seu direito e considera que tem todo o direito de se vingar.

Entretanto, de acordo com a estratégia delineada em 1999 pelo General Qiao Liang e pelo Coronel Wang Xiangsui, a China pretende evitar qualquer confronto militar direto com os Estados Unidos. Ela prefere contornar seu adversário e tem se envolvido em guerras não declaradas nos níveis comercial, econômico, financeiro, psicológico, midiático e outros.

O irredentismo chinês implica em excluir os ocidentais que ocupam o Extremo Oriente há um século e meio. Deve ser distinguido da estratégia de desenvolvimento chinesa que conseguiu em poucos anos tirar centenas de milhões de seus cidadãos da pobreza.

A nova estratégia econômica da China começou em 1978 sob a liderança de Deng Xiaoping, mas só deu frutos em 1994. Nessa época a União Soviética havia desaparecido; o exército americano havia sido desmobilizado em grande parte; o Presidente Bush Sr. havia declarado que havia chegado a hora de ganhar dinheiro e seu sucessor, o Presidente Clinton, havia sido solicitado por grandes empresas para abrir o mercado de trabalho chinês. De fato, um trabalhador chinês, embora sem formação, custava cerca de 20 vezes menos do que um trabalhador americano.

O Presidente Clinton, portanto, dissociaria as negociações sobre direitos humanos (no sentido anglossaxão) das questões comerciais. Então, ele traria a China para a Organização Mundial do Comércio (OMC). Em poucos anos, as grandes corporações transfeririam suas fábricas de produção para a costa chinesa, em benefício dos consumidores e em detrimento dos trabalhadores americanos.

Duas décadas depois, os EUA estão consumindo maciçamente os produtos chineses, enquanto suas grandes corporações, que se tornaram transnacionais, viram seus lucros crescer exponencialmente. Mas, ao mesmo tempo, as fábricas americanas de bens de consumo foram relocadas ou fechadas enquanto o desemprego se espalhou. A distribuição da riqueza foi alterada de modo que agora não resta quase nenhuma classe média, mas basicamente pessoas pobres e alguns ultra-bilionários.

Este fenômeno começou a afetar a Europa quando os eleitores americanos escolheram Donald Trump como seu presidente. Ele primeiro tentou resolver a questão da balança de pagamentos com a China (imposto de ajuste de fronteira), mas foi impedido de fazê-lo pelos democratas e por parte dos republicanos. Incapaz de fazer passar um relativo fechamento de fronteira, embarcou numa guerra tarifária na qual o Congresso não tinha como intervir.

Em 2021, o Presidente Biden o sucedeu oficialmente. Ele foi apoiado pelas corporações transnacionais que derivaram sua imensa fortuna da globalização econômica. Imediatamente, ele declarou seu desejo de normalizar as relações EUA-China. Ele chamou o Presidente Xi Jinping para falar com ele sobre a situação dos uigures e Hong Kong, mas imediatamente admitiu que o Tibete e Taiwan eram chineses, o que seu antecessor havia contestado parcialmente. Acima de tudo, em uma entrevista coletiva, ele disse que cada país tinha seus “próprios padrões” e que as posições políticas da China e dos Estados Unidos tinham, cada um, sua própria lógica. Assim, ele pôde dizer, uma vez na Casa Branca, que “compreendiaeu” a repressão chinesa ao terrorismo uigur, enquanto algumas semanas antes ele havia acusado a China de “genocídio” do povo uigur sob o pretexto da repressão ao terrorismo.

Nos próximos quatro anos, a administração Biden deve, portanto, continuar o trabalho dos presidentes Clinton, Bush Jr. e Obama, em benefício dos multibilionários e em detrimento de seu povo. Ela dependerá de uma classe dominante que deriva benefícios pessoais deste sistema.

A fim de entender este arranjo, resumimos as oito principais personalidades que apoiam a aliança comercial EUA-China. Primeiro no nível político: um dos principais ícones democráticos e a chefe dos republicanos no Senado; depois no nível econômico, os dois mais importantes distribuidores de bens de consumo; finalmente no nível governamental, os tomadores de decisões da administração Biden.

Apoiadores Partidários

Dianne Feinstein

Prefeita de São Francisco (1978-88); Senadora (desde 1992). Partido Democrata.

Quando foi prefeita de São Francisco, em 1978, ela se uniu a Jiang Zemin, que participou da repressão da revolução colorida de Tienanmen (1989) e depois se tornou sucessor de Deng Xiaoping. Graças a este contato, Feinstein se tornou a intermediária das multinacionais americanas para a instalação de fábricas na China. Ela construiu assim a fortuna de seu terceiro marido, o financista Richard C. Blum (sócio da Blum), entre outros.

A sra. Feinstein é famosa por ter obtido a divulgação de informações sobre 119 prisioneiros da CIA, incluindo os de Guantánamo, e as torturas que sofreram em troca de seu silêncio sobre os 80.000 prisioneiros secretos da Marinha em águas internacionais.

Mitch McConnell

Senador (desde 1984); atual presidente da minoria republicana no Senado.

Ele conseguiu impor sua esposa, Elaine Chao, como Secretária de Transportes na administração Trump em troca do apoio do Partido Republicano a suas políticas. Seu sogro, o empresário James S. C. Chao, é um generoso doador para a Harvard Business School. Ele pôde assim exigir que ela treinasse uma geração de líderes chineses.

Apoio dos grandes varejistas

Família Walton

Walmart: Propriedade da família Walton. Doadores do Partido Democrata. Hillary Clinton era membro de seu conselho de administração. Primeira distribuidora de bens de consumo nos EUA. Considerada em 2020 como a família mais rica do mundo.

Amazon: Jeff Bezos

Jeff Bezos, CEO da Amazon, Blue Origin e do Washington Post. Doador do movimento transhumanista. O principal distribuidor caseiro de bens de consumo do Ocidente. Considerado em 2020 como o homem mais rico do mundo.

Apoiadores da Administração Biden

Ron Klain

Chefe de Gabinete do Vice-Presidente Al Gore e depois do Vice-Presidente Joe Biden (1999-2011); Chefe de Gabinete da Casa Branca (isto é, coordenador da administração Biden) (desde 2021). Partido Democrata.

Sua esposa, Monica Medina, trabalhou para a Fundação Família Walton, ou seja, para o Walmart.

Antony Blinken

Conselheiro Nacional de Segurança do Vice-Presidente Biden (2009-13); Conselheiro Nacional de Segurança Adjunto do Presidente Obama (2013-15); Secretário de Estado Adjunto (2015-17); co-fundador da WestExec Advisior (2017-21); Secretário de Estado (desde 2021). Neoconservador.

Sua firma lobista, WestExec Advisor, é formada por ex-membros da administração Obama. Está encarregada de colocar as multinacionais americanas em contato com o Departamento de Defesa dos EUA ou com o governo chinês.

Avril Haines

Vice-Diretora da CIA (2013-15); Assessora Adjunta de Segurança Nacional (2015-17); Lobista na WestExec Advisors (2018-21); Diretora de Inteligência Nacional (desde 2021). Partido Democrata.

Durante seu tempo na WestExec Advisors, ela defendeu os interesses das grandes empresas americanas de transferir suas fábricas para a China.
A Sra. Haines é apelidada de “a rainha dos drones” por projetar o programa global de assassinatos com drones direcionados. Foi ela quem negociou com Feinstein para não tornar públicos os sequestros e torturas da Marinha.

Neera Tanden

Diretora do Centro para o Progresso Americano; Escritório de Administração e Orçamento (desde 2021). Neoconservadora. Amiga pessoal de Hillary Clinton.

Enquanto diretora do think-tank dos Democratas, ela era membro da agora dissolvida Fundação de Intercâmbio China-Estados Unidos (CUSEF). Esta organização foi encarregada pelo governo chinês de neutralizar as críticas nos EUA contra as políticas das corporações transnacionais de realocar suas fábricas para a China.

Também deve ser lembrado que durante a campanha eleitoral, tudo foi feito para impedir que os eleitores lessem a investigação do New York Post sobre o filho do presidente Biden, Hunter. Hunter roubou 1 bilhão de dólares na Ucrânia com a cumplicidade da CEFC China Energy, uma empresa que agora foi dissolvida.

A Posição Chinesa

A eleição do Presidente Biden é uma dádiva dos céus para a China, que ainda não emergiu do subdesenvolvimento. Ela espera jogar com o gosto por dinheiro fácil dos ultra-bilionários americanos para construir novas fábricas, às custas deles, no interior do país.

A China sabe que isto não vai durar pra sempre. De fato, à medida que se desenvolve, seus trabalhadores são cada vez mais especializados e cada vez mais caros. Aqueles que vivem na costa do Mar da China já estão em pé de igualdade com os trabalhadores americanos. Portanto, eles não podem mais trabalhar para o mercado externo e estão se voltando para o agora solvente mercado interno.

A China já está, portanto, protegendo a parte desenvolvida do país contra possíveis relocalizações. Ela está forçando todas as empresas ocidentais a agir através de joint ventures controladas parcialmente por cidadãos chineses. Além disso, ela introduziu a presença de um representante do Partido em cada conselho de administração dessas empresas, para que elas nunca sigam uma estratégia antinacional.

Eventualmente, a China está se preparando para expulsar investidores estrangeiros e inundar seu próprio mercado. Mas, desta vez, em nome próprio.

Fonte: Oriental Review

Thierry Meyssan

Intelectual francês, presidente e fundador da <em>Rede Voltaire</em> e da conferência <em>Axis for Peace</em>, é autor de diversos artigos e obras sobre política externa, geopolítica e temas correlatos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *