Manipulação, Infiltração, Provocação: O que um revolucionário precisa saber sobre a repressão

Desde o final do século XIX um dos grandes problemas que todo movimento revolucionário e dissidente enfrenta é a infiltração por agentes do Estado. Para responder a essa ameaça é necessário compreender como a polícia opera em relação a movimentos políticos considerados “subversivos”.

O recente movimento dos Coletes Amarelos terá revelado aos mais ingênuos a existência de métodos policiais tão antigos quanto o seu papel de manutenção da ordem do Capital. Policiais disfarçados de bandidos, bandidos utilizados por policiais para semear a desordem em um movimento social, o registo dos mais ativos e a infiltração das manifestações… Nada de novo, isto tendo sido já exposto e descrito em um pequeno livro escrito nos anos 1920. “O que todo revolucionário deve saber sobre a repressão” é uma das leituras importantes para todos aqueles que querem estar seriamente envolvidos na ação revolucionária.

Métodos Comprovados

Victor Serge, o seu autor, quis dar a todos os militantes comunistas europeus uma lição sobre os métodos policiais após a vitória da Revolução de Outubro de 1917 na Rússia. Os bolcheviques podiam contar para isso com os colossais arquivos deixados pela Okhrana, a polícia política do Czar. Eles detalhavam o funcionamento interno deste serviço de inteligência, o ensino e a implementação dos métodos que fizeram a sua reputação a partir dos finais do século XIX. Além disso, constatamos que ainda hoje são relevantes, mesmo que as novas tecnologias as tenham aperfeiçoado.

Toda vigilância policial começa com a monitorização e identificação de elementos potencialmente subversivos. É uma questão de seguir o homem, conhecer as suas ações e gestos, as suas ligações e depois descobrir o seu papel e objetivos. Victor Serge indica que é importante manter os olhos abertos nos seus deslocamentos quotidianos e durante as ações políticas.

A base de todo o trabalho policial é a inteligência e o registo dos ativistas. Já na segunda metade do século XIX, as instituições começaram a praticar a manutenção de registos de informações coletadas sobre ativistas revolucionários. Todas as inovações científicas modernas encontram rapidamente aplicações policiais (da fotografia aos registros genéticos) e o conhecimento das organizações revolucionárias é um conhecimento ensinado nas academias de polícia. Como no caso dos bandos criminosos, alguns agentes da polícia são assim treinados para reconhecer os códigos e símbolos dos vários grupos políticos. Durante a era czarista, o ensino das estruturas internas dos futuros bolcheviques fazia parte do currículo. Hoje, um funcionário da inteligência especializar-se-á em cursos sobre os “novos perigos” da extrema-direita radical, do movimento salafista ou da ultra-esquerda. O princípio básico é simples: deixe o movimento se desenvolver, conheça-o para melhor o liquidar depois!

Infiltração e provocação, admissão de fraqueza do sistema

Victor Serge evoca no seu livro um dos elementos que mais prejudicou o movimento revolucionário russo: a infiltração de agentes do Estado nas suas organizações. Com a queda do czarismo, os bolcheviques sabiam que a sua própria liderança tinha sido infiltrada por agentes provocadores sob remuneração do regime. Eles conseguiram descobrir, através dos arquivos dos serviços secretos, 35.000 “infiltrados” no movimento revolucionário.

A Okhrana tinha estabelecido uma abordagem precisa no recrutamento dos seus agentes. Ela revelou um bom conhecimento das áreas sombrias da alma humana e dos meios para a sua utilização em trabalhos sujos. Os elementos predispostos a prestar serviço são “revolucionários de carácter fraco, decepcionados ou feridos pelo partido, vivendo na miséria, fugidos de locais de deportação ou designados para deportação”. Recomenda-se que as suas fraquezas sejam “cuidadosamente” estudadas e utilizadas, que se faça acreditar que têm acusações suficientemente graves para condenações pesadas. A fim de os convencer, é também necessário aproveitar as querelas internas do grupo militante de que são membros, a miséria emocional e as feridas da autoestima.

A infiltração deve fornecer informação direta sobre a vida e os desenvolvimentos do movimento revolucionário, mas pode muito rapidamente deslizar para a provocação. O seu objetivo é desacreditar um movimento ou dar um motivo para esmagá-lo. É uma admissão da fraqueza de um sistema que não encontra outra forma de parar o progresso de ideias revolucionárias. Ele utiliza o medo que inspira para cortar o apoio popular, mas também pode escapar ao sistema. A execução do Ministro Stolypin, que tinha tentado salvar o conservadorismo czarista, por um anarquista que pertencia à polícia política do Czar, é um exemplo disso.

Nada pode deter uma revolução

“A polícia czarista tinha de ver tudo, ouvir tudo, saber tudo, ter todo o poder… E no entanto, não conseguia impedir nada”, escreveu Victor Serge.

“Seria errado ficar impressionado com o esquema do mecanismo aparentemente tão aperfeiçoado da sociedade imperial. No topo havia alguns homens inteligentes, alguns técnicos de alto valor profissional: mas toda a máquina se baseava no trabalho de um enxame de funcionários públicos ignorantes. Nos relatórios mais bem feitos serão encontrados os mais divertidos absurdos. O dinheiro lubrificou todas as engrenagens da vasta máquina; o ganho é um sério incentivo, mas não é suficiente. Nada de grande é feito sem desinteresse. E a autocracia não tinha defensores desinteressados.”

Em 1917 o czarismo entrou em colapso sem que o aparelho repressivo conseguisse deter o curso da história. Pois a Revolução foi fruto de causas econômicas, psicológicas, políticas e morais, acima e além do seu alcance.

Na verdade, a polícia foi esmagada pela crescente popularidade de uma ideia que tinha a simpatia instintiva da grande maioria dos russos. A revolução tinha assim “para eles o poder moral, o poder das ideias e dos sentimentos. A autocracia já não era um princípio vivo. Ninguém acreditava na sua necessidade. Ela já não tinha uma ideologia. A própria religião, através da voz dos seus pensadores mais sinceros, condenou o regime”. Agora uma sociedade já não baseada em ideias vivas, cujos princípios fundamentais estão mortos, pode, no máximo, manter-se por algum tempo pela força da inércia.

Um partido revolucionário terá como objetivo ser tão impermeável quanto possível ao aparelho repressivo do Estado. A principal lição de Victor Serge é que um movimento que não tem uma base sólida não precisa da Polícia para se dissolver. Alguns pequenos grupos pela sua própria fraqueza (tanto a nível teórico como pelo seu recrutamento nas portas dos hospitais psiquiátricos) são elementos úteis para todas as provocações policiais ou midiáticas.

Victor Serge dá regras simples a seguir para que os militantes se tornem “revolucionários profissionais”: “Cuidado com a mania da conspiração, com os ares iniciados, com os ares misteriosos, com a dramatização de coisas simples, com as atitudes conspirativas. A maior virtude do revolucionário é a simplicidade, o desdém por qualquer pose, mesmo que revolucionária”.

Fonte: Rébellion-SRE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *