Como a Ucrânia passou de Domínio Oligárquico para Colônia do Ocidente

Escrito por Pavel Volkov
O Maidan, a revolução colorida ucraniana que derrubou um governo mais ou menos simpático à Rússia para colocar em seu lugar um governo pró-Washington, pró-OTAN e pró-UE, foi saudado ao redor do mundo como uma “grande esperança”, dentro da lógica da designação da Rússia como inimiga da humanidade. Mesmo muitos nacionalistas embarcaram no apoio desse projeto. Hoje a Ucrânia é um Estado falido, em situação ainda pior do que antes do Maidan, e totalmente sob o controle de megacorporações estadunidenses e europeias.

O Triunfo e Agonia dos Oligarcas Ucranianos

O tempo dos oligarcas ucranianos passou. Eles apoiaram o golpe do Maidan na esperança de que empresas russas mais fortes não entrassem na Ucrânia no âmbito da União Aduaneira e lhes tirassen tudo. Apesar da assinatura da associação com a UE, que dava preferências às empresas ocidentais e restringia severamente as empresas ucranianas, os sacos de dinheiro da Ucrânia ainda não viram uma catástrofe. É compreensível: seu presidente, o oligarca Poroshenko, manobrou com a destreza de um dedal entre o cumprimento quase inquestionável das exigências políticas do Ocidente (agora sabemos isso bem pelas fitas de Derkach) e o enriquecimento de si mesmo e de seus amigos em vários esquemas: do “Ukroboronprom” ao “Rotterdam+”. Os oligarcas esperavam a chegada de Zelensky com ainda mais esperança, pois com um palhaço fantoche, seria possível libertar-se da pressão de um único oligarca e criar o governo dos sete boiardos. Mas depois houve um erro de cálculo, já que a mega holding “Embaixada dos EUA” entrou diretamente na arena da pilhagem da Ucrânia. A crise econômica, que foi estimulada pela pandemia do coronavírus, resultou em 25 milhões de desempregados americanos e nos motins do BLM. Portanto, os gatos gordos americanos precisavam urgentemente de dinheiro adicional que pudesse ser retirado, inclusive da Ucrânia, só que agora sem pagar pelos serviços dos oligarcas.

No outono deste ano, BuzzFeed, um website associado ao Partido Democrata dos EUA, vazou materiais do FinCEN, uma estrutura do Departamento do Tesouro dos EUA que controla todas as transações em dólares no mundo. Dos dados divulgados, conclui-se que os maiores bancos dos EUA e da Europa durante quase 20 anos lavaram mais de 2 trilhões de dólares em todo o mundo, incluindo o capital dos oligarcas ucranianos Klyuev, Firtash, Kolomoisky, Poroshenko, Akhmetov, etc. Não é segredo que todos os novos órgãos anticorrupção na Ucrânia (como a NABU ou a SAP) têm apenas um objetivo – manter os funcionários ucranianos e empresas relacionadas sob controle, ameaçando com processos criminais por retenção de renda nas declarações de impostos.

Com o desenvolvimento do coronavírus os negócios oligárquicos se desmoronaram. As usinas metalúrgicas estão tendo prejuízos, as minas de carvão estão sendo fechadas, porque os “proprietários efetivos” de empresas soviéticas privatizadas não investiram praticamente um copeque na renovação de ativos fixos por 30 anos, e a obsoleta indústria ucraniana simplesmente não pode competir com a chinesa. Mas as empresas ocidentais que estão envolvidas na exportação predatória de grãos e minérios da Ucrânia estão cobertas de chocolate.

Em geral, o leito procrusteano da integração ocidental, incluindo a competição com jogadores mais fortes, começou a pesar sobre a oligarquia, e ela tentou livrar se do jugo pelo menos um pouco.

“Filhos” de Yanukovych, “sobrinhos” de Poroshenko e “enteados” de Soros

No final de outubro, o Tribunal Constitucional, cujos juízes Zelensky havia recentemente chamado de “filhos” de Yanukovych e “sobrinhos” de Poroshenko, aboliu a responsabilidade criminal por declarar dados falsos e declarou inconstitucional a nomeação do chefe do Escritório Nacional Anticorrupção (NABU) Artem Sytnik. O mesma Sytnik anti-corrupção, que foi considerado culpado de um delito relacionado à corrupção pelo Tribunal de Apelação de Rovno em 2019. Mas Sytnik, que assegura o controle de Washington sobre as autoridades ucranianas, não saiu, porque ninguém podia demiti-lo. Em particular, o Ministro da Justiça Denis Malyuska disse que não sabia a que ramo do governo ucraniano a NABU pertencia. É claro que ele não sabe, porque o escritório pertence às autoridades americanas, não às autoridades ucranianas.

Quanto à abolição da responsabilidade criminal por declaração de dados falsos, como sabemos, começou uma verdadeira crise constitucional, que na verdade terminou com um novo golpe de estado em nome de “salvar as conquistas da Revolução da Dignidade”. Zelensky fez um escândalo ao apresentar ao Rada um projeto de lei sobre a dissolução do Tribunal Constitucional (TCU), embora de acordo com a Constituição, a Rada não possa fazer isso. A Europa criticou o TCU, mas não aprovou esta abordagem para resolver a questão, e teve que recuar. Enquanto isso, os “sobrinhos” de Poroshenko continuaram a recuar e votaram pela abolição de outra lei pró-ocidental – a venda de terras. Entretanto, não tiveram tempo para anunciar oficialmente a decisão, sem a qual ela não pode entrar em vigor, já que as pessoas certas tiveram uma conversa profissional com vários juízes e eles não vieram trabalhar. Não há quorum, tudo está paralisado. Então a TCU decidiu assustar o Gabinete do Presidente, colocando na agenda a consideração da inconstitucionalidade da lei linguística.

Em resposta, o Escritório de Investigações do Estado abriu um processo criminal contra o chefe do TCU Tupitsky por traição estatal e aquisição de terras na Crimea “temporariamente ocupada”. Então, em 21 de dezembro, o programa “Schemes”, do pool midiático de Soros, publicou as conhecidas gravações de áudio vazadas das conversas de Tupitsky a partir dos materiais do caso criminal sobre a apreensão ilegal da usina mecânica de energia Zuevsky no território da L/DPR. E em 24 de dezembro, o chefe do TCU foi convocado ao Ministério Público, mas ele não apareceu “por razões familiares”.

Em 25 de dezembro, em uma entrevista com a revista “Fokus”, Zelensky revelou todas as cartas e confessou ter cometido um golpe:

“Peço a vocês que não toquem na terra, nos bancos e nas questões linguísticas, para não dividir a sociedade”, disse Zelensky sobre seu encontro com Tupitsky. “Depois da Agência Nacional de Prevenção da Corrupção, sabíamos o que aconteceria a seguir: terra, idioma, bancos. Ou seja, tudo isso é uma grande operação. Especial ou não, não estou interessado nisso como presidente. Depois houve minha decisão, como acredito, difícil, que impediu completamente as possíveis intenções do TCU de revogar certas leis”.

O presidente, que bloqueou o trabalho de um dos ramos do poder estatal cuja posição ele não gostava, assinou um golpe de estado.

“Acredito que Tupitsky não pode ser o presidente do Tribunal Constitucional. A reinicialização do tribunal deve começar com isto. Eu não estou nem ameaçando. Conflito com o Estado, conflito com a sociedade, conflito com a Rada, conflito com o presidente. Parece-me que isto é suficiente para que uma pessoa saia”, acrescentou Zelensky.

É claro que ele não disse que se trata de um conflito com o estado americano, e a sociedade que está sendo dividida por questões fundiárias, bancárias e linguísticas – é a embaixada dos EUA e as tropas de choque nazistas, que (nós, é claro, não sabemos por ordem de quem) com gritos padrão sobre “agentes de Putin” jogaram preservativos no prédio do TCU.

Porta-Voz da Soberania e Fonte de Poder

Enquanto isso, a Embaixada dos EUA mostrou quem é o portador da soberania e a única fonte de poder na Ucrânia. Em meados de outubro, o Ministro da Saúde Maksim Stepanov, no calor do momento, disse à imprensa que não descartou a possibilidade de comprar uma vacina russa contra o coronavírus, e foi imediatamente chamado ao tapete pelo encarregado de negócios dos EUA na Ucrânia, Kristina Kvien. Após a reunião, a página do Facebook da embaixada emitiu uma mensagem dizendo que a Ucrânia não comprará uma vacina russa, mas uma americana da Pfizer. No entanto, mais tarde descobriu-se que a capacidade da Pfizer não permite fornecer rapidamente a droga à república “bananeira”, e que ainda há necessidade de comprar algo mais, mas estas são nuances. O mais importante é um mercado livre e uma concorrência justa, que é tão importante nos EUA.

Ao mesmo tempo, o chefe do Ministério das Comunicações da Ucrânia, Kuleba, criticou o Serviço Estatal de Comunicações Especiais, que assinou um memorando de cooperação nas áreas de cibersegurança e telecomunicações com o concorrente chinês do negócio americano de TI, a Huawei.

“Isto não é um capricho”, disse Kuleba. “Estamos trabalhando com alguns parceiros para reforçar a segurança cibernética, e o Serviço Estatal de Comunicações Especiais e Proteção de Informações da Ucrânia está assinando um memorando com outros”.

Os parceiros americanos ficaram furiosos e como resultado, em 16 de outubro, o Serviço Estatal para Comunicações Especiais e Proteção de Informações da Ucrânia removeu informações sobre a parceria com a Huawei de seu website e de suas redes sociais. A história continuou no dia 20 de dezembro. Após a reunião entre o Primeiro Ministro ucraniano Denis Shmygal e o Secretário de Estado Adjunto dos EUA Keith Krach, o Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia e vários outros departamentos decidiram desmantelar todos os equipamentos da Huawei em seus edifícios. Sentindo-se como um chefe completo de uma administração colonial, Krach nem sequer tentou manter a cortesia e chamou tanto isso como a recente recusa da Ucrânia em cooperar com Huawei no projeto de criar uma “cidade inteligente” em favor da empresa americana Cisco como “decisões sábias”. Além disso, ele realmente anunciou, em nome da Ucrânia, que ela vai se juntar à chamada iniciativa “Clean Network”, cujos membros estão abandonando as tecnologias chinesas 5G no interesse dos EUA.

No final de 2020, a União Européia também soluciona seus problemas às custas da Ucrânia. Assim, já em 2015, a Ucrânia introduziu uma moratória de 10 anos sobre a exportação de madeira não tratada. Isto, naturalmente, não significa que a Floresta dos Cárpatos não tenha sido cortada e contrabandeada. Foi simplesmente feita por uma união de oligarcas, oficiais da alfândega e forças de segurança além do Estado, na qual já sabemos quem é a fonte do poder. Na Europa, foi corretamente observado que a moratória viola as normas do Acordo de Associação. Não era isto, no final, para que servia o Maidan? Em geral, a arbitragem internacional começou, o que foi ligeiramente atrasado devido à COVID-19, mas em 11 de dezembro de 2020, ainda foi tomada uma decisão: as proibições de exportação são incompatíveis com o artigo 35 do Acordo de Associação. Agora a Ucrânia deveria levantar a moratória e exportar madeira redonda para a Europa, não mais silenciosamente contrabandeada, mas oficialmente, aberta e orgulhosamente. Bem, se não, a Europa terá todo o direito de aumentar os impostos de importação para os produtos ucranianos. Se valeu a pena organizar um golpe de estado armado e uma guerra civil para isso é uma questão retórica. Pelo menos não para as autoridades ucranianas, que não tinham subjetividade na época, e não a têm agora.

Não vamos comer o suficiente, mas vamos exportar

Os únicos setores rentáveis da economia ucraniana – a extração de recursos naturais e a agricultura de grãos – não podem ser controlados pelos oligarcas ucranianos, quando os gatos gordos americanos e europeus são tão intensamente afetados pela crise econômica. Portanto, no outono de 2019, o Ministério da Infra-estrutura anunciou o início das licitações para a transferência dos portos marítimos ucranianos para concessões estrangeiras. No verão de 2020, o primeiro foi embora – o porto “Olviya” foi entregue aos cataris. Bem, em meados de dezembro, o Ministro da Infra-estrutura Vladislav Krikly disse que dentro de quatro anos ele planeja transferir todos os portos da Ucrânia para concessão ou propriedade privada. Segundo ele, o Ministério está se preparando para transferir os terminais de Chernomorsk, Odessa, Berdyansk, Izmail, Belgorod-Dniester, Ust-Dunaysky e Skadovsk para estrangeiros. Os estrangeiros precisam de portos principalmente para exportar grãos para o exterior. E para entregar produtos do fabricante para o porto, há necessidade de transporte fluvial. E aqui, novamente em dezembro de 2020, a Verkhovna Rada adota a lei “Sobre o Transporte Aquaviário da Ucrânia”, que permite que embarcações estrangeiras operem em vias fluviais, e o Estado é obrigado a manter e reconstruir estruturas hidráulicas navegáveis (eclusas de barragens). Ou seja, as vias fluviais para empresas estrangeiras serão mantidas às custas do orçamento ucraniano. Esta abordagem foi muito pouco apreciada pelo principal oligarca agrário da Ucrânia Aleksey Vadatursky, que vem construindo uma frota fluvial há 10 anos com empréstimos do BERD. Ele explicou que navios estrangeiros compram combustível duas vezes mais barato e podem reabastecer em águas neutras sem pagar imposto especial de consumo à Ucrânia. Em resumo, as barcaças ucranianas não serão capazes de competir com as estrangeiras.

As vias navegáveis, como você sabe, não estão em toda parte, e há necessidade de exportar muitas coisas. Portanto, além dos portos, o Ministério da Infraestrutura está se preparando para transferir as estações ferroviárias para a concessão. E no final de novembro (quase nosso amado dezembro), a “Ukrzaliznytsya” permitiu que locomotivas privadas trabalhassem na ferrovia, e a primeira sortuda foi a LLC “Ukrainian Locomotive Company”, que, naturalmente, não constrói nenhuma locomotiva, mas tem 3.000 hryvnias de capital autorizado e 14 locomotivas soviéticas antigas, dos anos 70, 2M62, dizem que foram desativadas na Letônia. E esta estranha e minúscula empresa com trens antigos e tarifas altíssimas afirma que dentro de cinco anos levará 10% do tráfego ferroviário de carga ucraniano. Estamos esperando por estrangeiros com transporte mais moderno e tarifas mais baratas no futuro próximo.

E talvez a cereja no bolo para negócios estrangeiros em dezembro de 2020 seja a arbitragem internacional de investimento, onde a monopolista do tabaco Philip Morris International (PMI) entrou com uma ação judicial contra a Ucrânia.

O fato é que o Comitê Antimonopolista da Ucrânia (AMCU) multou o distribuidor offshore cipriota “Tedis-Ukraina” e quatro gigantes de tabaco americanos e britânicos (PMI, JTI, IT e BAT) em 6,5 bilhões de hryvnias por uma conspiração de cartel para monopolizar o mercado e não permitir que outros distribuidores lá fossem. A “Tedis” começou a intimidar, dizendo que “tal decisão pode levar não apenas à perda de bilhões de receitas fiscais para o orçamento estatal e local da Ucrânia, mas também à redução de empregos de milhares de famílias ucranianas em toda a Ucrânia durante a coronacrise”, e o PMI – que “a disputa entre o investidor e o Estado terá um impacto extremamente negativo sobre a atratividade do investimento na Ucrânia, bem como sobre a reputação do país como um todo”.

Que investimentos e de que empregos podemos falar se “Tedis” ocupar o oitavo lugar na lista “Forbes” das maiores empresas da Ucrânia em 2020, com receita de quase 50 bilhões de hryvnias por ano, e ao mesmo tempo o distribuidor dá trabalho a apenas 2321 funcionários. Para comparação, as empresas entre as dez maiores (estes são grandes metalúrgicas, agrícolas e varejistas) têm entre 15.000 e 55.000 empregados. Sinta a diferença. Tal é a “Tedis”. E os insatisfeitos produtores de tabaco americanos e britânicos? Philip Morris ocupa a 22ª posição no ranking com 25,6 bilhões de hryvnias em receita no ano e 503 funcionários, British American Tobacco – 31º lugar, 18 bilhões de hryvnias em receita e 1239 pessoas, JTI International Company – 37º lugar, 14,3 bilhões de hryvnias em receita e 462 pessoas, Imperial Tobacco – 81º lugar, 7,7 bilhões de hryvnias em receita e 700 pessoas. Em termos da diferença entre a renda e os empregos criados, não se trata de nada. Os monopolistas do tabaco ganham dinheiro de cidadãos da Ucrânia e sacam o dinheiro no exterior. E isto acontecerá agora em todas as esferas.

Afinal, não foi por nada que Zelensky, em uma reunião com Trump, o chamou de “nosso grande mestre”, mas deu parabéns pela vitória de Biden com as palavras “Nossa amizade só se tornará mais forte”, acrescentando que Joe Biden conhece a Ucrânia melhor que seu antecessor, porque “mesmo antes de sua presidência, ele, por assim dizer, tinha relações profundas com a Ucrânia”. Sobre estas relações, por exemplo, sobre como Poroshenko informou a Biden sobre a nomeação, a “pedido” deste último, de um novo Procurador Geral da Ucrânia, sabemos bem das fitas do Derkach divulgadas no ano passado.

Assim, a amizade fica mais potente, a relação se aprofunda, o roubo se fortalece. Resumindo os resultados de 2020, os apoiadores do Maidan podem repetir com um sentimento de profunda satisfação moral as palavras de um grande amigo muito famoso dos EUA e da Europa: “O processo começou”.

Fonte: Stalker Zone

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *