Alain de Benoist: “A internet não é um espaço de liberdade, mas um espaço de policiamento”

Entrevista por Yann Vallerie
O filósofo francês Alain de Benoist aborda grandes temas desse início de 2021, como a ocupação do Capitólio americano por manifestantes pró-Trump, a censura generalizada empreendida pela Big Tech e a ditadura sanitária global que prevê um confinamento sem fim.

Qual foi sua reação à invasão do Capitólio pelos manifestantes pró-Trump?

Uma surpresa divertida. Ela se transformou em uma france hilaridade quando vi todos os representantes da ideologia dominante no palco público se declarando, como virgens assustadas, horrorizadas com a “profanação” deste “símbolo sagrado da democracia”. Se há um “símbolo” a ser visto no Capitólio, é um símbolo de esquemas e corrupção. Eu sei que os Estados Unidos sempre se apresentaram como um corajoso defensor da democracia e da liberdade, mas francamente, quem pode acreditar seriamente que os Estados Unidos são uma democracia quando são governados pela mais maléfica entre as oligarquias financeiras? Os manifestantes que invadiram o Capitólio o sabiam: seu gesto não era dirigido contra a democracia, mas ao contrário, testemunhava seu desejo de vê-la finalmente respeitada em seu aspecto mais essencial: a soberania popular.

É por isso que alguns estavam disfarçados de “selvagens”: os europeus se esqueceram disso, mas no famoso Boston Tea Party em dezembro de 1773, um evento marcante que precedeu a Guerra da Independência Americana, os rebeldes também se disfarçaram de índios (da tribo dos moicanos).

Na França, a grande imprensa saudou unanimemente a vitória de Biden e denunciou a “tentativa de golpe” de Donald Trump. O que devemos concluir a partir disto?

Essas palavras não têm mais nenhum significado hoje, porque aqueles que as usam são incultos. Falar de “golpe de Estado” é absolutamente absurdo. Um golpe de estado implica um plano preparado, táticas, instruções, palavras de ordem. Nada disso encontramos aqui. Não foi um remake do incêndio do Reichstag, da marcha sobre Roma, ou da captura do Palácio de Inverno, mas apenas um movimento espontâneo de multidão que durou apenas algumas horas, e que poderia muito bem ser comparado à tentativa dos Coletes Amarelos de ir ao Palácio do Eliseu (onde a fuga por helicóptero de Macron já tinha sido planejada!) há alguns meses.

O que é interessante, por outro lado, é que a grande maioria dos eleitores do Trump aprovou este movimento colérico, o que diz muito sobre a profundidade da fratura que agora divide os americanos. Essa divisão não vai desaparecer tão cedo. O senil Joe Biden finalmente ganhou, mas o fato importante é que em 2020, Trump recebeu 12 milhões de votos a mais do que em 2016: 74 milhões de votos a mais em comparação com 62 milhões quatro anos antes. Isto mostra, mesmo que o Partido Democrata – que não é mais o partido dos trabalhadores, mas o das minorias – se encontre em uma posição de força no Congresso, que o fenômeno Trump ainda está aí.

A onda de repressão e censura que tem ocorrido desde então (redes sociais, contas apagadas ou bloqueadas) deve nos preocupar?

Vejo tudo isso principalmente como uma confirmação. É claro que podemos achar esta censura escandalosa, e certamente é. Mas há um pouco de ingenuidade nessa reação. Se há uma lição a ser tirada do espetáculo da repressão orquestrada pelo GAFA (Big Tech), é que ela revela a ingenuidade de todos aqueles que, durante anos, celebraram as redes sociais como “espaços de liberdade”. Apesar de suas vantagens, a Internet não é um espaço de liberdade, mas um espaço de policiamento, lixo verbal e ego. Acho angustiante que tantas pessoas se entreguem ao autopoliciamento, contando suas vidas em redes sociais. Em vez de reclamar, simplesmente saiam! Da minha parte, escolhi, desde o início, nunca me expressar em redes sociais. Me felicito por isso todos os dias. Donald Trump, que não era um estadista, acreditava nas redes sociais. Ele vivia de tuitar, e o tuitar o destruiu.

Em seus escritos, o senhor tem muitas vezes advertido os europeus contra o excesso de preocupação, tanto negativa quanto positiva, com os americanos. Qual é a situação hoje?

Há décadas venho dizendo que os europeus devem se sentir solidários com o poder continental da Terra, não com a potência marítima do mar. Em outras palavras, que eles devem olhar para o Leste e não para o Oeste, para os países do sol nascente e não para os países do sol poente. Certamente não sou o único a ter dito isto, mas o tropismo “atlantista” continua poderoso. No entanto, parece-me que as coisas podem mudar nos próximos anos. O período de transição que estamos vivendo é também um período de apagamento gradual do mundo unipolar ou bipolar da era da Guerra Fria. Em sua inauguração, entre a Bíblia e Lady Gaga, em uma capital federal sitiada, guardada por mais soldados do que existem hoje na Síria, Iraque e Afeganistão, Joe Biden não deixou de reafirmar o compromisso dos Estados Unidos de “liderar o mundo”. Ele será cada vez menos capaz de fazer isso. Ninguém mais acredita que os Estados Unidos ainda são a “nação indispensável” e que sua presença nos isenta de procurarmos nos tornar uma potência autônoma por conta própria.

Desde 1945, os Estados Unidos têm feito uma campanha implacável de influência ideológica, especialmente na Europa. Como os europeus podem se proteger disso, quando tudo, desde MacDonald até Netflix, está sendo feito hoje para condicionar a juventude?

Obviamente, não há receita mágica. Os americanos continuarão a colher os benefícios de seu “poder suave” enquanto os europeus não se opuserem a ele com qualquer alternativa confiável. Mas também devemos levar em conta a evolução da imagem da América. Os Estados Unidos sempre se orgulharam de ser um país livre. Hoje, vemos cada vez mais claramente que eles estão espalhando a guerra civil e o caos pelo mundo, e que estão exportando para nossas sociedades novas formas de censura, comportamentos de um neo-puritanismo histérico, novas proibições, debates sobre sexo, “gênero” e “raças” que não correspondem à nossa cultura, todos os quais só atraem realmente o meio LGBT e os seguidores da “cultura do cancelamento”, que às vezes também são financiados. É claro que posso estar errado, mas tenho a sensação de que a atração que a América possa ter despertado vai gradualmente secar.

Na França, o mundo político foi abalado pelo caso Duhamel. Não seria a esquerda “moral” a mais repulsiva, considerando o número crescente de casos que se multiplicam?

Não sejamos ingênuos: se a “repulsividade”, como você diz, fosse uma prerrogativa de uma família política, seria simples. Mas isso não é verdade. A “repulsividade” é inerente à natureza humana. Mas você está certo: embora saibamos muito bem que um covarde pode escrever um admirável tratado sobre coragem militar, temos dificuldade em suportar as lições de virtude dadas por velhas prostitutas! Camille Kouchner acusa seu sogro, Olivier Duhamel, de ter tido relações incestuosas com seu irmão. O termo é mal escolhido. Tradicionalmente, o incesto tem sido definido como uma relação sexual com um pai biológico, que não é o mesmo que um genro (não era até 2016, bem depois do fato, que a definição legal de incesto foi ampliada). Olivier Duhamel era de fato culpado pela agressão sexual de um menor. Lembro que, na França, o incesto entre adultos não está sujeito a nenhuma lei penal.

De Édipo a O Sopro no Coração de Louis Malle (1971), o incesto é um caso antigo. Na tradição bíblica, toda a humanidade vem de um incesto inicial: Adão e Eva tendo tido apenas três filhos, Caim, Abel e Seth, é difícil ver como este último poderia ter gerado descendência sem dormir com a mãe!

No caso de Olivier Duhamel, por outro lado, o termo “incesto” é perfeitamente justificado metaforicamente. Neste caso, é como com uma bola de corda (ou o sistema de bonecas russo): puxa-se um fio e, pouco a pouco, aparece uma série inteira de personagens, todo um pequeno mundo: os Kouchners, os Pisiers, os Duhamels, os Jean Veils, os líderes do século, as figuras centrais da “esquerda caviar” dos anos 70. Que mundo lindo! Um belo mundo que tem mantido relações verdadeiramente incestuosas nos níveis midiático, político, acadêmico e financeiro. Todos ao vento, todos de esquerda, é claro, admiradores de Fidel Castro e Michel Rocard, todos social-democratas, todos relacionados de uma forma ou de outra, vendidos ou comprados, detentores de sinecuras, de fichas de conselhos administrativos. Um mundo incestuoso, no sentido de que era um mundo que funcionava exclusivamente entre si. Um mundo onde todos tratam uns aos outros pelo primeiro nome, onde todos dormem com todos os outros. É este mundo que aparece em seu esplendor repugnante no escândalo desencadeado por Camille Kouchner.

Ao ritmo das revelações, das queixas, do me-too incestuoso, pode-se prever que o caso continuará a se desenvolver. Tanto mais que, como toda vez que a palavra se “liberta”, vemos também um aumento de falsas acusações, acusações sem provas e uma enxurrada de fantasias: a imaginação é sempre uma boa garota! No final, ainda tenho a impressão de que Olivier Duhamel não tem muito o que temer. Dominique Strauss-Kahn construiu para si mesmo uma reputação em poucos anos. Não posso imaginar que Duhamel pudesse ser martirizado midiaticamente e politicamente como Gabriel Matzneff foi (e continua sendo), detentor de uma liberdade aristocrática de quem se pode pensar o que se queira, mas que nunca cometeu incesto, nunca estuprou ninguém e só dividiu sua cama com jovens amantes em idade de procriação.

Finalmente, do ponto de vista sanitário, parece que o reconfinamento é mais uma vez possível à medida que a economia vai entrando em colapso. Como você explica a passividade das categorias profissionais que estão morrendo sem reagir? E o terror que parece ter tomado conta de uma grande parte da população, que pede cada vez mais restrições sanitárias para “não morrer” e “não transmitir” a Covid? O que isto diz sobre as massas européias?

É de fato provável que fiquemos novamente confinados nos próximos dias. Seremos então desconfinados, depois reconfinados, redesconfinados e assim por diante! Restaurantes e cinemas não reabrirão até abril, a menos que seja junho ou mesmo setembro. Você está falando da passividade das categorias mais ameaçadas, e além disso, da população como um todo. Isto só é parcialmente verdadeiro. As categorias que mais vão sofrer ainda estão protestando, e quando não recebem mais a ajuda que o governo lhes destinou, podemos esperar que protestem ainda mais fortemente. Até lá, a sociedade continuará a ser dividida entre chicoteadores e chicoteados, confinadores e covidadores, covidáveis e covidados!

Mas a verdade é que as pessoas não aguentam mais e não entendem mais nada. Há quase um ano, elas vêem se suceder as confusões e os atrasos, as encomendas e os cancelamentos, as promessas e os desmentidos, sem nunca ver o fim do túnel. Na gestão desta crise sanitária, as autoridades públicas falharam miseravelmente em todas as áreas: máscaras, testes, vacinas. Não há uma única coisa que eles não tenham deixado de fazer! Entretanto, o déficit público está se transformando em um tsunami, a dívida ainda está aumentando, as falências continuarão a se acumular, e perceberemos que, no final, o custo econômico e social da crise terá sido muito pior do que o custo para a saúde.

Algumas pessoas se congratulam com isso. Elas gostariam de aproveitar a oportunidade para avançar em direção a uma sociedade onde ainda haverá fábricas de alimentos, mas sem mais restaurantes, sem mais centros comerciais, sem mais lojas de conveniência, onde as pessoas não irão mais a shows, mas assistirão filmes em casa, onde comprarão tudo na Internet, onde o dinheiro será gradualmente abandonado, onde os contatos sociais serão assim reduzidos a nada. Uma sociedade onde a expressão “distanciamento social” terá assumido seu pleno significado. Pois é isso que está em jogo hoje: o corpo social deve ser sacrificado para salvar corpos individuais? A parte mais dolorosa ainda está à nossa frente.

Fonte: Breizh

Alain de Benoist

Escritor, jornalista, ensaísta e filósofo, um dos autores chave da Quarta Teoria Política, é autor de numerosas obras sobre uma vasta gama de temas, incluindo arqueologia, tradições populares e história da religião.

Deixe uma resposta