Quem Venceu em Washington?

Escrito por Andrei Raevsky
A mídia norte-americana comemorou em alto e bom som que a “plebe” não conseguiu a vitória com o assalto ao Capitólio dos EUA. Nesse caso, uma semana após o evento, chega o momento de refletir: quem venceu? Quais são as forças que guiarão os EUA nos próximos 4 anos? E o que o futuro reserva para a potência hegemônica mundial?

A turba não venceu! Foi assim que a supostamente conservadora FoxNews celebrou a suposta derrota de uma suposta turba. Veja por si mesmo:

A FoxNews finalmente mostrou sua verdadeira face durante o roubo eleitoral quando declarou que Trump havia perdido a eleição muito antes que qualquer evidência em apoio a esta tese se materializasse. Agora está muito claro que, com algumas exceções (notadamente Tucker Carlson), a FoxNews está muito bastante alinhada com a a CNN e o resto deles. Então o que acabou de acontecer e o que está acontecendo agora?

Os norte-americanos foram submetidos a uma lavagem cerebral para chamar coisas de que não gostam, ou que não compreendem, de “socialista” ou mesmo “marxista”. A triste realidade é que a maioria dos americanos acredita sinceramente que Alexandria Ocasio-Cortez ou Bernie Sanders são “socialistas”, e quando eles vêem filmes modernos ridiculamente cheios de “minorias” e aberrações genderfluid – este é um caso de “marxismo cultural” (um termo totalmente sem sentido, a propósito!). Tudo isto é um completo absurdo, nem o marxismo nem o socialismo têm nada a ver com BLM, Antifa, Nancy Pelosi ou Chuck Schumer (de fato, o marxismo valoriza lei e ordem em um sentido autêntico!). Não vou usar o tempo e o espaço aqui para discutir marxismo, mas acredito que existe uma ferramenta analítica que podemos tomar emprestado do pensamento marxista para tentar dar sentido ao que acabou de acontecer nos EUA. Vamos começar fazendo uma pergunta simples:

Se “a turba” não venceu, quem venceu?

Certamente não o conceito abstrato de “lei e ordem”. Por um lado, está agora muito claro que alguns policiais deixaram deliberadamente um subconjunto (bastante pequeno) de manifestantes passarem não apenas através das linhas policiais, mas até mesmo entrarem no próprio edifício do Capitólio. Isso não é exatamente lei e ordem, não é mesmo? Além disso, agora também está claro que Ashli Babbitt foi muito deliberadamente baleada por um policial (aparentemente negro) que então foi rapidamente escondido pelas autoridades. Também não é exatamente lei e ordem.

Nem o conceito abstrato de “democracia” ganhou nada naquele dia. Muitos manifestantes foram gravados dizendo que o edifício do Capitólio pertencia ao povo, não às pessoas que nele trabalhavam em nome do povo. Eles estão certos. Mas mesmo que aceitemos a noção de que aqueles que entraram no edifício estavam invadindo o edifício, a repressão maciça da liberdade de expressão que se seguiu imediatamente aos acontecimentos no Capitólio é um sinal claro de que a “democracia” não venceu naquele dia. Mais sobre isso mais tarde.

Então, quem ganhou?

Bem, vejam quem está celebrando e quem agora exige que medidas punitivas e até repressivas sejam tomadas contra os partidários do Trump:

  • Os Democratas
  • O legado unificado da mídia sionista corporativa
  • As agências federais e seus principais funcionários
  • A maioria dos líderes do Partido Republicano
  • O Lobby de Guerra (incluindo muitos que estiveram envolvidos na Guerra Fria)
  • O Grande Capital (Complexo Militar-Industrial, Petróleo, Farmacêutico, Prisões, etc.)
  • O Lobby de Israel (especialmente a ADL – ver aqui e aqui)
  • O Lobby Anti-Rússia
  • Antifa/BLM/etc
  • As muitas aberrações da natureza que lideram várias “minorias”
  • As megacorporações da Big Tech como Google e Amazon.

A lista é mais longa, é claro, e inclui praticamente todas as pessoas afligidas com a agora famosa Síndrome de Transtorno de Trump.

Nossa lista parece um coquetel de atores muito diferentes, mas será que esse é realmente o caso?

Eu digo que se olharmos atentamente esta lista de possíveis “vencedores”, podemos ver rapidamente que estamos lidando com uma única categoria/grupo social cuja “diversidade” é apenas aparente. Eis o que todos estes grupos têm em comum:

  • Eles são numericamente pequenos, definitivamente uma minoria
  • Eles são muito ricos
  • Eles estão muito próximos dos verdadeiros centros de poder
  • Eles compartilham a mesma ideologia narcisista (neocon) de auto-adoração
  • Eles são movidos pela mesma ideologia de vingança baseada no ódio
  • Eles não se importam com o povo dos EUA
  • Eles querem desmantelar a ordem constitucional dos EUA

Com base nestas características comuns, acredito que podemos falar de uma classe social unida por uma ideologia comum.

Agora, é claro, na oligarquia plutocrática (que os Estados Unidos na realidade são), a noção de “classe” foi declarada herética e substituída por políticas de identidade – a melhor maneira para uma classe dominante a) se esconder atrás de uma falsa ilusão de pluralismo e b) dividir o povo e governar sobre ele.

Já escrevi sobre o que considero ser uma versão americana da Nomenklatura soviética, uma classe dominante especial que era oficial no sistema soviético (comparativamente muito mais honesta), mas que é sempre mantida oculta pelos governantes dos Estados Unidos.

A palavra efetiva que usamos não é tão importante assim: Nomenklatura, classe, casta, Establishment, Deep State, etc. – todos elas se aproximam da realidade de um pequeno bando de “elites” autodeclaradas (em oposição aos “deploráveis”) que governa com total impunidade e sem pesos e contrapesos para mitigar sua ditadura de facto. Algumas pessoas bem intencionadas começaram a falar sobre o “1%” – o que não é ruim, mesmo que o número real seja ainda menor do que apenas um por cento. Outros usaram “Wall Street” (como no movimento “Ocupar WS”), novamente – não é uma má tentativa de descrever o problema. Quaisquer que sejam os termos escolhidos, o que é certo é que esta entidade tem o que Marx chamaria de “consciência de classe” que produz uma única “ideologia de classe” caracterizada por um sentido extremamente forte de “nós contra eles”.

A propósito, embora eu discorde de qualquer noção de que a Nomenklatura norte-americana seja marxista ou socialista em qualquer sentido, eu concordo plenamente que estas “elites” estão demonstrando um zelo ideológico muito semelhante ao que os trotskistas ou nazistas normalmente exibem, especialmente quando confrontados com os “deploráveis” ou, como diz a FoxNews, com a “turba” (a palavra polonesa “bydło” – gado – transmite este desprezo pelas massas com muita precisão).

Na verdade, eles vêem a todos nós como seus “inimigos de classe”. E eles estão bastante corretos, a propósito.

Sua ideologia é messiânica, racista, violenta e cheia de ódio enquanto os membros desta Nomenklatura americana se vêem como a nata, o “povo escolhido”, cujo “destino” é governar sobre a “turba” “escura e primitiva”.

Este desprezo pela “turba” é algo que os auto-declarados “liberais” (de esquerda) sempre tentam esconder, mas que sempre emerge, seja na Rússia de 1917 ou nos EUA de 2021. A propósito, há uma lógica estranha nisto. É algo parecido com isto: “somos claramente superiores aos plebeus, mas estes plebeus parecem rejeitar esta noção, estes plebeus são, portanto, uma ‘turba escura’ que precisa absolutamente ser estritamente governada por nós”. A suposição subjacente é de que os plebeus são perigosos, eles podem sempre se revoltar e “nos” ameaçar. Daí a necessidade de um Estado de Polícia. QED.

Todos nos lembramos como a gangue Clinton tinha a mais absoluta certeza de que Hillary derrotaria facilmente o Trump. E só para ter certeza de que os “plebeus” americanos não fariam nada estúpido, o legado corporativo da mídia sionista dos EUA se envolveu na operação de propaganda mais histérica da história apenas para descobrir que os “deploráveis” não votaram como lhes foi dito, eles votaram em “Trump O Novo Hitler” em vez disso.

Que verdadeira afronta imperdoável destes servos contra os mestres que Deus, ou o Destino Manifesto, colocou acima deles!

E assim como seus colegas pseudo-liberais do passado, os liberais americanos decidiram que este voto era uma bofetada em suas faces, o que, é claro, está bastante correto (eu ainda acredito que a maioria dos votos a favor de Trump não foram votos nele, mas votos contra Hillary; foram, por assim dizer, um gigantesco “f**k you!” dos servos em revolta contra seus mestres). E a consciência de classe disse à Nomenklatura americana que este era um pogrom contra os senhores, uma “Jacquerie” americana, se você quiser. Esta “revolta dos servos” tinha que ser reprimida, imediatamente, e foi: Trump cedeu aos neocons em menos de um mês (quando ele traiu o General Flynn) e desde então a Nomenklatura americana tem usado Trump como um presidente descartável que faria todas as loucuras imagináveis para agradar a Israel, e que depois seria descartado. E, no entanto, agora ficou bastante claro que os “deploráveis” americanos votaram novamente a favor do candidato “errado”! Daí a necessidade de um (muito mal escondido) “roubo eleitoral” seguido de um “teste de lealdade” (é melhor vocês virem conosco, senão…) que acabou resultando na situação que temos hoje.

Qual é exatamente essa situação?

Simplificando, desta vez a Nomenklatura americana alcançou realmente o poder total. Eles não apenas controlam os três ramos oficiais do governo, mas agora também controlam totalmente o 4º, o “espaço midiático”, cortesia dos gigantes da tecnologia dos EUA que agora estão silenciando abertamente qualquer um que discorde da Verdade Única e Oficial tal como representada pelos veículos de propaganda. Esta é a primeira vez na história recente dos Estados Unidos que uma pequena cabala de agentes do “Deep State’ alcançou tal controle total de todos os verdadeiros instrumentos de poder. A má notícia é que eles sabem que são uma pequena minoria e percebem que precisam agir rapidamente para garantir seu domínio sobre o poder. Mas para isso, eles precisavam de um pretexto.

Não é surpreendente que, depois de conseguir realizar a operação de falsa bandeira do 11 de setembro, a Nomenklatura dos EUA não tenha tido nenhum problema para conseguir a bandeira falsa do “Capitólio”.

Pense nisso: o protesto legalmente organizado e programado dos partidários do Trump foi anunciado com pelo menos uma semana de antecedência. Quão difícil seria para os responsáveis pela segurança garantir que os manifestantes permanecessem em um local específico? No mínimo, os responsáveis pela segurança poderiam ter feito o que Lukashenko acabou fazendo em Mink: colocar forças militares e policiais em torno de todos os edifícios e monumentos simbólicos importantes e dizer “você é bem-vindo para protestar, mas nem pense em tentar tomar qualquer propriedade do governo” (essa abordagem funcionou muito melhor do que espancar manifestantes, que é o que Lukashenko havia tentado inicialmente). No entanto, o que vimos foi exatamente o contrário: em DC os manifestantes foram convidados pela polícia através das linhas policiais. Não apenas isso, mas até mesmo aqueles manifestantes que entraram no Capitólio não eram, aparentemente, suficientemente violentos, então foi necessário um dos policiais atirar em uma mulher desarmada e claramente não perigosa, fornecendo assim a “vítima sacrificial” necessária para justificar a histeria sobre “violência” e “Estado de Direito”.

E o pior é que funcionou, mesmo Trump acabou condenando a “violência” e denunciando aqueles que, de acordo com Trump, não representavam o povo.

A dura verdade é muito mais simples: os manifestantes do “pare o roubo” não cometeram nenhuma violência real! Sim, eles quebraram alguns móveis, tiveram algumas brigas com policiais (que inicialmente convidavam as pessoas a entrar, só para depois se voltarem violentamente contra elas com bastões, sprays de pimenta e granadas flashbang). Alguns relatos dizem que um policial foi atingido por um extintor de incêndio. Se for verdade, isso seria um caso de agressão com uma arma mortal (sob a lei americana qualquer objeto capaz de ser usado para matar pode ser considerado uma arma mortal quando usado para esse fim). Mas considerando a histeria incessante sobre armas, a NRA e as “milícias armadas”, isto claramente não foi um assassinato planejado. Finalmente, algumas pessoas morreram, aparentemente de causas naturais, possivelmente agravadas pelo fato de as pessoas pisotearem umas às outras. Em outras palavras, os apoiadores do Trump não mataram ninguém deliberadamente, no máximo eles podem ser acusados de criar as circunstâncias que resultaram em homicídio culposo. Não se trata de assassinato. Nem de perto. Querem ver o que é um homicídio doloso? Basta ver as imagens do assassinato de Ashli Babbitt por algum tipo de oficial armado. Isso é um assassinato real, e foi cometido por um funcionário armado. Então qual dos lados é o mais culpado de violar leis e regulamentos?

Além disso, nenhum valor moral pode ser respeitado, a menos que seja universal e igualmente aplicado. O que, considerando que o Deep State dos EUA se envolveu em um ano completo de violência em massa contra centenas de cidadãos inocentes dos EUA, torna inacreditavelmente hipócrita para os esquerdistas americanos denunciar “a turba” agora. Francamente, do meu ponto de vista, todos os Democratas deveriam agora “se ajoelhar” diante dos manifestantes pró-Trump e declarar que este foi um evento “majoritariamente pacífico”, o que, objetivamente falando, é verdade.

Isso não vai acontecer. Eu sei.

O que acontecerá a seguir será uma repressão cruel à liberdade de expressão em todas as suas formas. Na verdade, e apenas para usar uma noção marxista, o que vem a seguir é uma guerra de classes.

Todos nós vimos Pelosi e os demais exigindo que Trump seja removido por Pence e pelo Gabinete (25º Emenda.), ou eles vão desencadear outro impeachment. Em primeiro lugar, se o impeachment for implementado, Trump não será capaz de concorrer em 2024 (o que os liberais percebem plenamente que é um grande risco para eles). Mas ainda mais importante, é humilhá-lo, fazê-lo pagar, mostrar de uma vez por todas “quem manda”! Estas pessoas prosperam na vingança e a vitória nunca é suficiente para apaziguá-las, eles simplesmente odeiam qualquer um que ouse se opor a elas e querem fazer um exemplo de todo e qualquer servo que ouse desobedecê-los. É por isso que eles sempre enviam “mensagens”, por mais incipientes que sejam: eles querem intimidar todos os deploráveis do planeta na total subserviência.

Mas eles não vão parar apenas com Trump. Oh não! Eles também irão atrás de todos aqueles servos que ousaram desafiar esta Nomenklatura e que se opuseram ao repúdio total da Constituição dos EUA. Por exemplo, em um movimento verdadeiramente orwelliano, a Ordem dos Advogados do Estado de Nova Iorque agora quer expulsar Giuliani por atuar como advogado de Trump (não é uma brincadeira, veja aqui). O que, considerando que Trump já perdeu vários advogados para tais táticas, não deveria ser uma surpresa para ninguém: aparentemente, nos “Novos EUA Politicamente Corretos de 2021”, alguns têm mais direito a representação legal do que outros.

Não espere que a ACLU proteste, a propósito – a proteção igual perante a lei não é um tópico de interesse para eles.

Aqui estão algumas screenshots tiradas de seu site, portanto veja por si mesmo.

Claramente, a prioridade para o pessoal da ACLU é destruir Trump e qualquer um que se atreva a assumir sua defesa.

Por um lado, isto é realmente um desastre absoluto, porque quando a Nomenklatura concorda em abandonar qualquer velha pretensão de objetividade, ou mesmo decência, é porque as coisas vão definitivamente ficar feias. Por outro lado, porém, esta imensa “saída do armário” da Nomenklatura americana é, naturalmente, insustentável (basta olhar para a história, toda vez que estas pessoas pensavam que haviam esmagado os “plebeus”, estes últimos acabavam se erguendo e mostrando a seus supostos “mestres” a porta; isto também acontecerá aqui).

Por último, mas não menos importante, vamos manter outra coisa crucial em mente: mesmo que você odeie absolutamente Trump, você realmente deveria perceber que não foi apenas “o voto” que foi roubado, foi toda a ordem constitucional dos EUA. Embora muitas vezes nos concentremos na Suprema Corte, não devemos nos lembrar dos muitos tribunais inferiores que mostraram uma total ausência de coragem ou dignidade e que cederam às exigências histéricas da Nomenklatura norte-americana. É impossível ter um país sob o Estado de Direito quando os tribunais se esquivam de sua obrigação de sustentar o referido Estado de Direito e, em vez disso, colocam a conveniência política acima da letra e do espírito da lei.

Além disso, quando conceitos como “legal” e “ilegal” perdem qualquer significado objetivo, como qualquer ação pode ser considerada ilegal ou punível?

Aqui está, apenas como exemplo, o juramento de posse feito por todos os Ministros da Suprema Corte: (grifo nosso)

“Eu, [NOME], juro (ou afirmo) solenemente que administrarei a justiça sem distinguir as pessoas, e que farei igual direito aos pobres e aos ricos, e que cumprirei fiel e imparcialmente e desempenharei todos os deveres que me incumbem como [TÍTULO] segundo a Constituição e as leis dos Estados Unidos. Assim que Deus me ajude”.

E isto é o que jura cada membro das Forças Armadas dos EUA: (grifo nosso)

“Eu, (nome do alistado), juro (ou afirmo) solenemente que apoiarei e defenderei a Constituição dos Estados Unidos contra todos os inimigos, estrangeiros e domésticos; que terei verdadeira fé e lealdade à mesma; e que obedecerei às ordens do Presidente dos Estados Unidos e às ordens dos oficiais nomeados acima de mim, de acordo com os regulamentos e o Código Uniforme da Justiça Militar. (Assim que Deus me ajude)”.

Não é preciso um gênio para descobrir que a Suprema Corte está agora nas mãos de uma pequena cabala de pessoas que claramente são “inimigos domésticos” da Constituição dos EUA.

Finalmente, eis o que diz o Preâmbulo da Declaração de Independência: (ênfase acrescentada)

Consideramos estas verdades como evidentes por si mesmas, que todos os homens são criados iguais, dotados pelo Criador de certos direitos inalienáveis, que entre estes estão a vida, a liberdade e a procura da felicidade. Que a fim de assegurar esses direitos, governos são instituídos entre os homens, derivando seus justos poderes do consentimento dos governados; que, sempre que qualquer forma de governo se torne destrutiva de tais fins, cabe ao povo o direito de alterá-la ou aboli-la e instituir novo governo, baseando-o em tais princípios e organizando-lhe os poderes pela forma que lhe pareça mais conveniente para realizar-lhe a segurança e a felicidade. Na realidade, a prudência recomenda que não se mudem os governos instituídos há muito tempo por motivos leves e passageiros; e, assim sendo, toda experiência tem mostrado que os homens estão mais dispostos a sofrer, enquanto os males são suportáveis, do que a se desagravar, abolindo as formas a que se acostumaram. Mas quando uma longa série de abusos e usurpações, perseguindo invariavelmente o mesmo objeto, indica o desígnio de reduzi-los ao despotismo absoluto, assistem-lhes o direito, bem como o dever, de abolir tais governos e instituir novos Guardiães para sua futura segurança“.

Não creio que haja necessidade de insistir e vou simplesmente resumir:

O regime que em breve substituirá a Administração Trump é um governo de ocupação ilegal, com fortes laços com interesses estrangeiros (e não me refiro aqui à China ou à Rússia!), aos quais todos aqueles que serviram no exército dos EUA fizeram um juramento de oposição; este é precisamente o tipo de regime de ocupação que os Pais Fundadores previram em sua Declaração de Independência. Além disso, o Estado de Direito entrou claramente em colapso, pelo menos em nível federal, isto deveria dar aos estados mais liberdade de movimento para resistir aos decretos deste novo regime (pelo menos aqueles estados ainda dispostos e capazes de resistir, penso no TX e FL aqui). Os líderes desta Nomenklatura americana compreendem isto, pelo menos em algum nível, e não devemos esperar nenhuma decência deles; nem devemos esperar nenhuma misericórdia. A vingança é o que alimenta essas pessoas ideológicas e cheias de ódio que odeiam e temem todo o resto da humanidade porque ninguém está disposto a adorá-los como nossos “senhores e mestres”. Mas este é também o começo do seu fim.

Conclusão: agora somos todos palestinos!

É verdade que nenhuma “turba” venceu no Capitólio, a menos que nos refiramos ao Congresso (desonrado, odiado e inútil) como “a turba”. E, é claro, nem “o povo” nem os manifestantes. O único verdadeiro vencedor em toda esta operação foi o Deep State dos EUA e a Nomenklatura dos EUA. Mas eles não ganharam nenhuma guerra, apenas a batalha inicial de uma guerra que será muito mais longa do que eles imaginam em sua ignorância.

Já o disse muitas vezes, Trump realmente destruiu os EUA externamente, em termos de política mundial. Os Democratas fizeram a mesma coisa, apenas internamente. Por exemplo, Trump é o que mais arrogantemente ignorou o Estado de Direito em assuntos internacionais, mas foram os Democratas que destruíram o Estado de Direito dentro dos EUA. Foi Trump quem, com sua tosquice e suas ameaças narcisistas urbi et orbi destruiu qualquer credibilidade que ainda restava para os EUA como país (ou mesmo do Império Anglo-Sionista como um todo), mas foram os Democratas que realmente decidiram sabotar o próprio sistema político que lhes permitiu tomar o poder em primeiro lugar.

O que se segue é o governo ilegal de um regime ilegítimo que chegou ao poder pela violência (BLM, Antifa, falsa bandeira do Capitólio). Esta será uma gerontocracia ao estilo soviético com figuras senis fingindo estar no poder (pense aqui Biden vs Chernenko). Olhando para os velhos nomes da Era Obama que agora circulam para futuras posições no Gabinete, podemos apostar em duas coisas: os novos governantes serão tão malignos quanto grosseiramente incompetentes, principalmente devido à sua crua falta de educação (até Nuland e Psaki estão de volta, ao que parece!). A Administração Biden será semelhante ao governo de Kerensky na Rússia “democrática”: caos, violência, muitos e muitos discursos e caos social e econômico total. A próxima questão crucial, e até assustadora, agora é: o que irá substituir esta versão americana de um regime Kerensky?

É muito cedo para responder a esta pergunta, mas devemos ao menos começar a pensar nisso, para não sermos completamente apanhados desprevenidos.

Mas até lá, o “terrorismo doméstico” se tornará, mais uma vez, o bicho-papão que dirão que devemos temer. E, como todos os bons rapazes e moças sabem, a melhor maneira de lidar com uma ameaça tão horrível de “terrorismo doméstico” é desmantelar a Primeira e Segunda Emendas da Constituição. Ter tribunais de fachada corruptos em todos os níveis, desde o nível das pequenas ações até a Suprema Corte, ajudará muito neste esforço. Naturalmente, haverá resistência dos deploráveis que ainda amam seu país e sua Constituição.

Mas não importa quanto tempo isso demore (pode ser décadas) e quão violento esse confronto se torne (e, se pelo menos porque o regime precisa vitalmente de mais falsas bandeiras para sobreviver!), o que acontecerá com este regime de ocupação é o que aconteceu com todos eles ao longo da história (poderia ser essa a razão pela qual não se ensina mais história?).

Como escreveu o poeta e bardo russo, Vladimir Vissotski, “é impossível pisar nas almas com botas” (сапогами не вытоптать душу). Agora somos todos palestinos. E nós, como eles, venceremos!

Fonte: The Saker

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *