O mergulho em Dionísio e o Salto Apolíneo

Por Novas

O pensamento dionisíaco de Aleksandr Dugin é um dos, se não o caminho mais adequado para o embate escatológico de nosso tempo, o mergulho nas trevas à espera de um derradeiro momento, um salto heroico e vertical. Fora da esfera do Logos Sombrio, ainda há caminho para os apolíneos traçarem o caminho para os picos?

Em qualquer época da história, haverá alguém que, em maior grau do que qualquer outra pessoa, seja capaz de coletar e sintetizar o que é mais digno de se pensar, alguém capaz de renovar a sabedoria do passado, empregando elementos do presente.

Acredito que Hegel era esse homem no século XIX, Evola era esse homem no século XX e que, até agora, Dugin é esse homem no século XXI. Falhar em se envolver profundamente com o polo central do pensamento contemporâneo significa que você operará em algum lugar da periferia.

Quando o mundo atinge um estágio de decadência absoluta, a tal ponto que Apolo, sem nenhuma sacerdotisa virgem para dele se lembrar, partiu para Hiperbórea, Dioniso é o Deus que resta para defender a chama da Tradição. Para o homem de ação, ele é o deus a se invocar.

O gesto dionisíaco é afirmar o mundo em seu caos atual, o eterno retorno de Nietzsche. Isso significa suportar e ordenar ativamente a escuridão atual de tal maneira que ela possa ser interpretada como um desafio heroico da mais nobre e motivadora sorte.

Esse gesto dionisíaco é a chave para o estilo de pensamento afirmativo, fresco e vencedor, que caracteriza Evola e Dugin. O objetivo da “Revolta Contra o Mundo Moderno” de Evola e, talvez também da Noomaquia de Dugin é criar espaços para ações heroicas.

Hoje, o que é mais digno de pensar é tão fragmentado que, mesmo com uma vontade poderosa de coerência, tudo isso pode apenas de forma rudimentar ser ordenado de cima para um sistema unitário.

Para quem ainda tenta conquistar um amplo horizonte intelectual deve-se, até certo ponto, adotar a atitude dionisíaca de brincar com máscaras diferentes, empregando ideias diferentes que se ajustam à tarefa em questão, mesmo que possam se contradizer em diferentes níveis.

O indivíduo absoluto ou o sujeito radical e seu caminho de desenvolvimento formam uma narrativa coerente, visível para aqueles que seguem caminhos semelhantes. A fidelidade ao daimon de tal pessoa é o que importa, mais do que a fidelidade a seus sistemas de ideias em momentos diferentes.

Aleksandr Dugin representa algo que nunca vimos na história, talvez a maior tentativa de unir todas as peças fragmentadas de conhecimento de diferentes histórias, combinadas com um constante envolvimento experimental com os poderes do mundo.

Isso com uma abordagem ascética heideggeriana, concentrando-se não em suas realizações passadas, mas com uma abordagem aberta ao que deve ser feito e pensado no presente, momento vivo, pronto para sacrificar tudo, se necessário, para uma nova revelação.

As pessoas tendem a ver apenas um pequeno fragmento do trabalho ou das atividades de Dugin. Quando você começa a ver todo o campo de ação, é difícil não se perguntar como tudo isso é humanamente possível e, francamente, não é, deve ser Dionísio agindo através de Dugin.

Dionísio está em casa no apeiron, o ilimitado, como fonte de criatividade e brincadeira, mas uma brincadeira séria com o objetivo de criar um caminho de volta aos picos do Olimpo, até a clareira de Apolo.

Em Dugin, como em Heidegger, há o clima de preparação, o eterno “ainda não” e, talvez, em última análise, uma trágica afirmação de que não há fechamento à vista, o filósofo como a figura que tende a fechar, mas, ao contrário do xamã tradicional, nunca alcançá-lo completamente.

O pensador autêntico hoje pode não ter escolha a não ser seguir os passos de Dugin em sua iniciação dionisíaca, mergulhar no Logos Sombrio. Lá, baseado em parte em inclinações pessoais, ele pode optar por se tornar um discípulo de Dionísio ou pode ver outro caminho surgir.

Para alguns, talvez uma minoria hoje, pode haver um caminho que leva mais diretamente ao retorno de Apollo. Há um pensador italiano que deu passos ousados nessa direção, um pensador (como Dugin) imerso no platonismo e no tradicionalismo evoliano; Giandomenico Casalino.

Enquanto o trabalho de Dugin pode ser interpretado como uma ressurreição de ideias nietzschianas, heideggerianas e ortodoxas no contexto do tradicionalismo, o trabalho de Casalino pode ser interpretado como uma ressurreição de idéias hegelianas e romanas no mesmo contexto.

Em obras como “Il nome segreto di Roma”, Casalino interpreta a tradição romana à luz da tradição hermética e continua de onde Evola parou na interpretação da metafísica romana, que, em sua opinião, junto a filosofia grega, é crucial para o espírito ocidental.

Casalino também continua de onde Glenn Alexander Magee parou em sua obra-prima “Hegel e a tradição hermética”, lendo Hegel não apenas como hermetista, mas principalmente como pensador indo-europeu.

Para Casalino, Hegel representa o pico do pensamento não dualista ocidental, centrado no mundo e na comunidade, em oposição ao estilo asiático do pensamento acósmico, que é uma rejeição do mundo e a salvação individualista em favor de algo além.

Curiosamente, Casalino encontra o maior representante da metafísica asiática em René Guénon, o fundador do discurso tradicionalista, que Casalino admira por sua crítica ao mundo moderno, mas de quem ele quer se distanciar ao procurar nossas raízes ocidentais.

Enquanto os picos mais altos de revelação no pensamento dionisíaco parecem estar muito próximos do apeiron, do ilimitado, o momento de revelação no pensamento de Hegel é a visão do Todo como algo ordenado e fechado em si mesmo. O Ourobouros.

Enquanto Dugin nos desafia a respirar mais, uma respiração mais nos vapores tóxicos enlouquecedores da modernidade, metamorfoseando-os dionisicamente no espírito e ação tradicionais, Casalino nos chama para construir um novo templo em nosso pensamento a Apolo, para invocar seu retorno.

O caminho a escolher pode depender da sua equação pessoal e de onde você está em seu caminho. Para quem lê italiano, recomendo explorar as obras de Casalino. Elas apontam para uma direção interessante.

Fonte: Twitter

Deixe uma resposta