A Crise Social Americana

Escrito por Ali Reza Jalali
O copo transbordou nos EUA e milhares de apoiadores da base eleitoral de Trump foram a Washington e tomaram de assalto o Capitólio durante a certificação da vitória eleitoral de Joe Biden pelo Congresso. A última vez em que isso aconteceu foi há mais de cem anos, e nunca um movimento de protesto abalou tanto o coração do poder americano. A crise social dos EUA, que não começou com Trump, se aprofunda.

Há vários anos, muitos analistas vêm falando sobre a crise da democracia e do sistema político americano, especialmente desde que Donald Trump chegou ao poder em 2016, revelando as contradições da sociedade norte-americana. “O Donald” foi provavelmente a ponta de um iceberg que sem sua eleição há quatro anos não teria se manifestado tão rapidamente; Trump apenas acelerou o curso dos acontecimentos, nada mais. Neste sentido, a crise das hipotecas subprime entre 2007 e 2008 foi o início de um pesadelo e o fim do “sonho americano”; o movimento “Occupy Wall-Street” em 2011 foi mais uma peça da deriva política e social dos EUA; e a ascensão de Donald Trump ao poder nos últimos anos foi o mais recente passo para certificar a crise que vem ocorrendo há pelo menos cerca de 15 anos.

Em outras palavras, se o século 20 foi o do “sonho americano”, do “país líder do mundo livre”, o novo século representou até agora e representará também no futuro a era do redimensionamento progressivo do sistema americano do ponto de vista da política interna. Para dizer a verdade, não tem faltado matéria para pensar sobre a crise americana no que diz respeito à política externa e à hegemonia americana no mundo. Desde a ascensão da China como a principal economia mundial, uma questão que, de acordo com os últimos estudos e graças à crise Covid-19, se materializará ainda mais cedo do que o esperado, até a incapacidade de resolver disputas regionais em alguns pontos quentes do mundo, como o Oriente Médio – onde o papel das potências “alternativas” à hegemonia mundial dos Estados Unidos está crescendo constantemente (pense-se principalmente no papel fundamental da Rússia nesta região, desconhecido até alguns anos atrás) – o declínio do império americano no mundo tem sido o foco das atenções por algum tempo.

Poucos, entretanto, discutiram seriamente a crise que a sociedade americana está atravessando internamente: a forte laceração social entre ricos e pobres, entre alta burguesia cosmopolita e pequena burguesia e proletariado nacionalista, o redimensionamento do papel dos partidos em favor de novas entidades sociais e líderes carismáticos, o contraste racial entre o componente WASP e “os outros”, a crise industrial que desertificou cidades e áreas economicamente desenvolvidas são todos sintomas da decadência imperial, mesmo dentro das fronteiras nacionais. Poderíamos responder que todos esses fenômenos existiram no passado e não são novidade absoluta do século XXI nos EUA. Certamente é assim: a oposição entre o norte industrial (alta burguesia) e o sul agrícola (pequena burguesia) existe desde os dias de “E O Vento Levou”, o KKK não é uma invenção do Trump, a crise industrial não data de alguns anos atrás, os problemas relacionados à imigração em uma nação fundada por imigrantes ilegais sempre existiram. Afinal, a Guerra da Independência não foi uma luta entre imigrantes, antigos e novos colonos por domínio sobre terras que pertenciam a terceiros (os nativos americanos)?

Mas em tudo isso há uma verdade totalmente nova sobre os anos da administração Trump, a saber, uma especificidade de nossa época não encontrada em outros períodos da história americana. Este evento certifica inequivocamente a crise do sistema americano: a agressividade sem precedentes dos movimentos de “extrema direita” (uma galáxia variada e heterogênea, desde os racistas até as seitas evangélicas). No passado, estes grupos eram ativos em nível local nos bastiões tradicionais do extremismo ultra-conservador, as regiões do sudeste. O clássico KKK e seus derivados ou imitações eram “conteúdo” para atacar os aparatos estatais, os “comunistas”, os imigrantes e os negros nas remotas charnecas do profundo sul, longe dos centros do poder político e econômico do norte rico, progressista e opulento (Nova Iorque e Washington). Mesmo quando foi além disso, fomos confrontados com “loucos” individuais que através de grandes mas isoladas ações demonstrativas procuraram impressionar a opinião pública (ver o atentado a bomba em Oklahoma em 1995). Graças à ascensão de Trump e sua dialética “alternativa” com respeito aos cânones tradicionais da política americana (Republicanos vs. Democratas), os impulsos mais selvagens do “extremismo de direita” explodiram sem controle. Além disso, enquanto no passado tais grupos eram apoiados por uma minoria de sulistas, agora uma parte importante do proletariado do norte (predominantemente branco, mas também há exceções) se aliou aos herdeiros dos Cavaleiros Brancos et similia, criando um grupo grande e ativo em todo o país.

Os eventos desses dias e o ataque ao coração do sistema americano pelos apoiadores de Trump mostram como a crise social e política norte-americana não diz respeito apenas à hegemonia global de Washington. É uma realidade interna do país do outro lado do oceano; será difícil para Biden silenciar as almas inquietas deste movimento de protesto que, ao contrário do clássico movimentismo americano, não vem dos bons salões (sabe-se que muitos sessenta-e-oitistas tinham seus “pais” ou “amigos” no “Palácio”), mas tem suas raízes no desconforto histórico de algumas classes sociais que ainda têm as feridas do passado sobre elas e se sentem saqueadas pelo que é corretamente ou erroneamente chamado de “lobbies maçônicos” de Nova Iorque e Washington. A diferença é que no passado esta visão se limitava aos círculos mais exaltados de algumas pequenas cidades e aldeias no Tennessee e Alabama, enquanto hoje a base social dos apoiadores maximalistas do presidente cessante é muito mais ampla e heterogênea, com uma notável capacidade paramilitar e a vontade de realizar seus projetos anti-sistemas a qualquer custo.

Talvez, antes de se concentrar em exercícios militares no Mar da China, no Mar Báltico e no Golfo Pérsico, o centro do poder político americano (que vai muito além de Trump ou Biden) deva se preocupar seriamente com o que está acontecendo em Washington por causa da aliança sui generis entre os remanescentes da extrema-direita americana, o proletariado branco (e não branco) e Donald Trump, o amigo (ou suposto amigo) ultra-capitalista dos marginalizados (possivelmente WASPs).

Fonte: Eurasia Rivista

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *