A Vida dos Simpsons é Hoje um Sonho Inatingível para a Maioria dos Americanos

Escrito por Dani Alexi Ryskamp
Quando surgiu, a série animada Os Simpsons pretendia representar, de maneira humorística, a vida precária e conturbada da classe trabalhadora americana pós-Guerra Fria. Nesse sentido, parte da graça para os americanos pobres e da classe média baixa que assistiam era o quanto era possível se identificar com a família Simpson. Hoje, por incrível que pareça, a vida dos Simpsons se tornou quase um sonho para o americano médio.

A família disfuncional mais famosa da televisão dos anos 90 tem desfrutado, pelos padrões atuais, de uma existência quase onírica e segura que agora parece fora do alcance de muitos americanos. Eu me refiro, é claro, aos Simpsons. Homer, que tem apenas o diploma do ensino médio e cujo trabalho sindical na usina nuclear exigia pouca habilidade técnica, sustentava uma família de cinco pessoas. Uma casa, um carro, comida, consultas médicas regulares e sobras suficientes para muita cerveja no bar local, tudo isso era alcançável com um único salário da classe trabalhadora. Bart pode ter tido que encontrar $1.000 para que a família viajasse para a Inglaterra, mas ele nunca teve que se preocupar que seus pais perdessem sua casa.

Este estilo de vida não era fantástico, por exemplo, como os apartamentos ridiculamente grandes em Manhattan de Friends. Pelo contrário, os Simpsons costumavam ser bastante comuns – eles eram muito parecidos com a minha família da classe trabalhadora de Michigan nos anos 90.

O episódio de 1996 “Muito Apu por Quase Nada” mostra o salário de Homer. Ele ganha 479,60 dólares por semana, fazendo com que sua renda anual gire em torno de 25 mil dólares. Os salários de meus pais, em meados dos anos 90, eram semelhantes. Assim como seu histórico educacional. Meu pai tinha um diploma de dois anos da faculdade comunitária local, que ele pagava enquanto trabalhava à noite; minha mãe não tinha nenhuma educação além do ensino médio. Até o divórcio de meus pais, éramos uma família de três pessoas que viviam principalmente com o salário de minha mãe como recepcionista de um médico, um trabalho da classe trabalhadora como o de Homer.

Em 1990 – ano em que meu pai completou 36 anos e minha mãe 34 – eles estavam divorciados. E significativamente, ambos eram proprietários de suas casas – uma enorme façanha para duas pessoas recém solteiras.

Nenhum dos dois lugares era particularmente extravagante. Eu estimaria que a metragem quadrada combinada de ambos era aproximadamente igual à da casa dos Simpsons. Suas casas eram sua única fonte de dívidas; meus pais nunca tiveram um saldo de cartão de crédito. Dentro de 10 anos, ambos haviam pago suas hipotecas.

Nenhum dos meus pais tinha muito espaço de manobra no orçamento. Lembro-me dos Natais que, em retrospectiva, eram muito parecidos com o retratado no primeiro episódio de Os Simpsons, que foi ao ar em dezembro de 1989: decorações feitas à mão, lâmpadas queimadas e apenas um punhado de presentes. Meus pais não tinham nenhum bônus de Natal ou economias, então os melhores presentes geralmente vinham de pessoas de fora de nossa família imediata.

A maioria de meus amigos e colegas de classe vivia da maneira como nós vivíamos – isto é, da maneira que os Simpsons viviam. Algumas famílias tinham orçamentos mais seguros, com espaço para férias familiares anuais para a Disney World. Outras viviam mais perto dos limites, com os pais arrumando um segundo emprego como Papai Noel do shopping ou motorista de removedor de neve para preencher as lacunas financeiras. Mas todos nós acreditávamos que os objetivos podiam ser alcançados, com apenas uma quantidade média de preocupação.

Ao longo dos anos, Homer e sua esposa, Marge, também enfrentaram sua quota-parte de lutas e dificuldades. No primeiro episódio, Homer se torna um Papai Noel de shopping para trazer algum dinheiro extra depois que Homer descobre que não receberá um bônus de Natal e da família gastar todas as suas economias de Natal para fazer com que a nova tatuagem de Bart seja removida. Ocasionalmente, eles também dão uma olhada em um tipo de vida diferente. Na segunda temporada, Homer compra o produto de restauração capilar “Dimoxinil“. Sua cabeça cheia de cabelo o promove ao nível executivo, mas ele é rebaixado depois que Bart derrama acidentalmente o tônico no chão e Homer perde todo o seu novo cabelo. Marge encontra um terno Chanel vintage em uma loja de descontos, e vestindo-o garante sua entrada nos escalões superiores da sociedade.

Os Simpsons iniciaram sua 32ª temporada no outono passado. Homer ainda é o ganha-pão da família. Embora ele tenha tido muitos empregos durante toda a série – ele foi até mesmo brevemente um roadie para os Rolling Stones – ele está de volta à usina de energia. Marge ainda é uma dona de casa, assumindo a liderança na criação de Bart, Lisa e Maggie e mantendo a casa suburbana da família. Mas sua vida não se assemelha mais à realidade para muitas famílias de classe média americana.

Ajustado pela inflação, a renda de Homer em 1996 de $25.000 seria de aproximadamente $42.000 hoje, cerca de 60% da renda mediana dos EUA de 2019. Mas o salário à parte, o mundo para alguém como Homer Simpson é muito menos seguro. A sindicalização, que protege salários e benefícios para milhões de trabalhadores em posições como a de Homer, caiu de 14,5% em 1996 para 10,3% hoje. Com esse declínio veio a perda da segurança de renda e de muitos benefícios garantidos, incluindo seguros de saúde e planos de pensão. No episódio “Última Saída para Springfield“, de 1993, Lisa precisa de aparelho ao mesmo tempo em que o plano odontológico de Homer se evapora. Incapaz de pagar a ortodontia de Lisa sem esse seguro, Homer lidera uma greve. O Sr. Burns, o chefe, eventualmente capitula com a demanda do sindicato por cobertura odontológica, resultando em novos aparelhos brilhantes para Lisa e uma dor de cabeça financeira a menos para seus pais. O que Homer teria feito hoje sem o apoio de seu sindicato?

O poder de compra do salário de Homer, além disso, encolheu drasticamente. A casa mediana custa 2,4 vezes mais do que em meados da década de 90. As despesas de saúde de uma pessoa são três vezes maiores do que eram há 25 anos. A mensalidade média para uma faculdade de quatro anos é 1,8 vezes o que era na época. No mundo de hoje, Marge também teria que conseguir um emprego. Mas mesmo assim, eles teriam dificuldades. A inflação e a estagnação dos salários levaram a um aumento das famílias de duas rendas, mas também a uma erosão da estabilidade econômica para essas famílias.

No ano passado, minha renda bruta foi de cerca de 42 mil dólares – o valor que Homer estaria ganhando hoje. Foi o segundo ano mais lucrativo de minha carreira. Eu queria comprar uma casa, mas nenhum banco estava disposto a financiar uma hipoteca, especialmente porque eu tinha menos de $5.000 para fazer um adiantamento. Entretanto, meu pai me ofereceu um contrato sem juros. Sem ele, eu não teria podido comprar a casa.

Finalmente paguei minha dívida médica. Mas depois de levar em conta todas as minhas despesas, minha renda bruta ajustada foi de apenas $19. E com os juros capitalizados sobre meus empréstimos estudantis somando milhares ao saldo, meu patrimônio líquido ainda é negativo.

Eu não tenho Bart, Lisa e Maggie para alimentar, vestir ou comprar presentes de Natal. Não tenho certeza de como eu conseguiria viver se tivesse.

Alguém que eu sigo no Twitter, Erika Chappell, recentemente encapsulou meus sentimentos sobre os Simpsons em um tweet: “Que um programa que originalmente era sobre uma bagunça disfuncional de uma família que mal conseguia se manter na vida de classe média no rescaldo da administração Reagan agora se tornou aspiracional é, francamente, a mais flagrante manifestação do declínio capitalista americano”.

Para muitos, uma vida de constante incerteza econômica – na qual alguns de nós estamos a uma emergência de perder tudo, não importa o quanto trabalhemos – é normal. Os segundos empregos não são mais para dinheiro extra; eles são para a sobrevivência. Nem sempre foi assim. Quando os Simpsons foram ao ar pela primeira vez, poucos teriam previsto que os americanos eventualmente veriam a vida daquela família como um sonho inatingível. Mas para muitos de nós agora ela é.

Fonte: The Atlantic

Deixe uma resposta