O Triunfo do Liberalismo Social: Lições do Colapso do Catolicismo na França

Escrito por Guillaume Durocher
A França, que séculos atrás era o coração da Catolicidade, hoje é um dos países menos católicos do hemisfério ocidental. A religião católica foi substituída pelas crenças liberais e humanistas de teor niilista. Na medida em que a Catolicidade também faz parte da essência brasileira e que ela serve como um escudo contra uma série de males sociais, bem como contra a proliferação de seitas anti-sociais e perigosas, devemos estudar com atenção o fenômeno do colapso do catolicismo ocidental para entender como responder a esse problema.

A obra O Arquipélago Francês, de Jérôme Fourquet, oferece uma espécie de radioscopia dinâmica da nação francesa, tal como ela se desenvolveu nas últimas décadas. O quadro, como detalhado em minha resenha do livro, é de um desvanecimento das velhas esquerda e direita sociológicas, deixando para trás uma paisagem subcultural e política fragmentada, dividida de múltiplas formas ao longo das linhas educacional/econômica, étnica e religiosa.

Como parte disto, Fourquet documenta meticulosamente o declínio do catolicismo e o triunfo dos valores socialmente liberais na França do pós-guerra. A pesquisa identifica uma série de padrões que são instrutivos tanto para a França quanto para outras nações ocidentais, que estão praticamente todas passando por mudanças similares.

O declínio do catolicismo na França é esmagador e aparente em inúmeras áreas:

  • Batismo: outrora avassalador, caiu para cerca de 30% dos recém-nascidos em 2015 (p. 25)
  • Ida regular à missa: de 35% em 1961 para 6% hoje.
  • Divórcio: tabu até os anos 60, a partir de então em constante ascensão.
  • Casamento: outrora uma “norma social hegemônica”, em declínio desde a Crise do Petróleo de 1973 (p. 37). Os nascimentos fora do casamento subiram constantemente de 5,9% em 1965 para 59,9% em 2017. Uma ressalva: este número não é sinônimo de lares desfeitos e mães solteiras, pois muitos casais não casados vivem juntos, normalmente dentro de uma união civil (PACS, p. 42).
  • Aborto: 48% dos franceses apoiavam em 1974 (mais entre os jovens), com 75% de apoio hegemônico entre as gerações em 2014 (p. 44).
  • Casamento gay: apoio constante de mais de 60%, embora apenas cerca da metade dos franceses apóiem a adoção por casais gays, com alguma flutuação (p. 48). A opinião dos mais velhos sobre o assunto está convergindo rapidamente com os jovens, com pouca divisão de classes.
  • Crianças gays: Existe uma grande divisão entre homens e mulheres quanto à aceitação da homossexualidade entre os filhos. Em 2000-03, dois terços das mulheres disseram que ficariam perfeitamente felizes com seu filho sendo gay, mas apenas a metade dos homens disse o mesmo (p. 52).
  • Procriação medicamente assistida: metade dos franceses apoiam permitindo que lésbicas e mães solteiras concebessem crianças através da fertilização in vitro, com a menção de que “crianças sem pai” nasceriam. Dois terços dos jovens apóiam a medida (p. 55).

O declínio do catolicismo à marginalidade e mesmo ao esquecimento na França é evidente a partir do número de padres católicos. Em 1950, havia cerca de tantos padres e monges na França quanto durante a Revolução Francesa de 1789 (cerca de 170.000, tendo em vista que a população em geral mais do que dobrou). Hoje, eles são apenas 51.500 e os autores prevêem que os párocos católicos serão uma raça praticamente extinta dentro de 30 anos (p. 28).

No final do século XIX e no início do século XX, a França fornecia três quartos dos missionários católicos que proselitistavam na África e na Ásia. Hoje, numa dramática inversão, o grosso dos novos padres católicos vem do Terceiro Mundo. Alguns prelados africanos, como o Cardeal Robert Sarah, expressaram, eles mesmos, um grave alarme diante da impiedade, infertilidade e invasão da Europa pela imigração muçulmana.

O catolicismo passou de formar o núcleo de uma das duas subculturas primárias da França para apenas uma subcultura para os 6-12% de franceses que continuam católicos praticantes (6% são os que vão à missa, 12% os que afirmam estar praticando). Mesmo estes têm abraçado muitos aspectos do liberalismo social (por exemplo, a aceitação do sexo antes do casamento). Os católicos praticantes tendem a ser mais velhos do que a população em geral.

Fourquet também documenta outras mudanças sociais. Somente muçulmanos e católicos praticantes ainda preferem a prática funerária tradicional do enterro, com a maioria dos franceses desejando agora ser incinerados após a morte (p. 57). Fourquet liga isto ao fato de que a maioria das pessoas não vive mais em suas antigas aldeias próximas aos túmulos de seus antepassados e, portanto, não sente mais a importância da linhagem.

Tuatuagem costumava ser uma prática muito marginal (marinheiros, soldados . . .), mas tem crescido constantemente e agora se estabilizou, com um quarto dos jovens tendo tatuagens (p. 59). As tatuagens e a adoção de nomes raros representam “um grande fenômeno das sociedades atuais: o narcisismo em massa” (60). Também tem havido um crescimento constante no número de jovens que praticam sexo oral.

A atitude dos franceses em relação aos animais também está mudando. No molde do Antigo Testamento, os franceses costumavam considerar os animais como essencialmente escravos das pessoas, para serem usados da forma que julgassem adequada. Hoje, dois terços dos franceses se opõem ao uso de animais de circo ou ao recheio de gansos para fazer a famosa iguaria francesa do foie gras. O “anti-especismo” é uma nova moda entre os acadêmicos e influenciadores.

O Significado Evolutivo da Cultura Tradicional

Muitos vêem no declínio da prática e dos costumes católicos um triunfo sobre as superstições irracionais herdadas do passado ignorante. Mesmo um secularista deveria perguntar: como estes valores vieram a predominar e o que eles representam?

Em A Descida do Homem, o próprio Charles Darwin havia enfatizado que as culturas tradicionais tendem de forma rude e primitiva a ser guiadas pelo que é bom para a comunidade: “O julgamento da comunidade geralmente será guiado por alguma experiência rude do que é melhor a longo prazo para todos os membros; mas este julgamento não raramente errará por ignorância e por fracos poderes de raciocínio”.

Muitas culturas tradicionais, incluindo as do Ocidente, enfatizam o patriarcado, a especialização das normas de gênero, a educação dos filhos e as responsabilidades familiares. É fácil conceber como nações e famílias que aderem a tais normas naturalmente superariam aquelas que não o fizessem. Isto é especialmente assim se recordarmos as condições da vida pré-moderna: um risco de fatalidade bastante alto para mães grávidas, alta mortalidade infantil e luta constante – empreendida especialmente por homens – no mundo físico e social para garantir sua segurança e subsistência.

Após a Segunda Guerra Mundial, a emergência de uma sociedade afluente significou que as tendências igualitárias e individualistas do liberalismo, sempre presentes desde pelo menos o século XVIII, radicalizariam e subverteriam dramaticamente a ordem social.

Os seres humanos sempre se irritaram contra os rigores e restrições aparentemente, e muitas vezes de fato, arbitrários de sua cultura particular. Como o sofista Hípias supostamente disse há cerca de 2400 anos: “Eu os considero a todos como parentes e familiares e concidadãos – por natureza, não por costume. Pois, por natureza, semelhante é igual a semelhante, mas a convenção é um tirano sobre a humanidade e muitas vezes constrange as pessoas a agir contrariamente à natureza” (Platão, Protagoras, 337c-d).

Dito de maneira simples, os jovens cada vez mais não conseguiam mais aceitar as tradicionais restrições familiares e religiosas do passado e nenhum outro sistema coerente de valores poderia surgir para substituí-los – além, precisamente, de um ethos de direito individual. Mais que isso, a prosperidade crescente e o estado de bem-estar realmente significava que as pessoas poderiam, cada vez mais, se sustentar materialmente com laços familiares cada vez mais frouxos. As responsabilidades econômicas do pai e do marido para com a família foram sendo cada vez mais substituídas pela empresa e pelo Estado.

Padrões de mudança cultural: profundas mudanças geracionais, não eventos

Fourquet identifica um padrão recorrente nestas tendências: os novos valores emergem primeiro entre a juventude francesa e o núcleo geográfico secularizante (a grande bacia parisiense em particular), depois se espalham gradualmente a toda a população e território. Ele não discute se a mídia e os sistemas educacionais moldam essas atitudes juvenis, ou se elas surgem de forma mais espontânea.

É fácil subestimar a escala e a velocidade das mudanças sociais devido a um efeito de atraso geracional: mesmo quando os jovens adotam esmagadoramente uma nova prática, pode-se ter a impressão de que o país não mudou muito porque as gerações mais velhas, que representam a maior parte da população, não as adotaram. O efeito se acentuou à medida que a população francesa envelheceu, sendo que a média agora é superior a 41 anos.

Quando a população está dividida uniformemente em relação a uma nova prática social, Fourquet descreve isto como um “equilíbrio instável” químico que pode mudar rapidamente à medida que a velha geração morre e a nova norma se torna hegemônica. De fato, eventualmente os velhos adotam as novas normas, às vezes até mesmo antes de morrerem. Todas estas tendências nos lembram a importância dos jovens, contra as obsessões e tabus peculiares das gerações mais velhas.

Em todas estas questões, Fourquet mostra que os eventos tendem a ter um impacto marginal sobre a tendência geral. Nem os infames protestos de maio de 68, nem a encíclica Humanae vitae do Papa Paulo VI, de julho de 1968, lembrando a proibição da contracepção, parecem ter tido muito impacto. O declínio do comparecimento em massa teve um impacto quando deixou de ser obrigatório atender sistematicamente para receber a comunhão, mas isto foi apenas um acelerador.

Os espetaculares protestos anti-casamento gay na França em 2012, com centenas de milhares de pessoas marchando pelo país, podem ter servido como um momento de organização e consolidação para o conservadorismo francês, mas parece ter tido pouco impacto na opinião pública. Parece haver um efeito fato consumado pelo qual uma parcela da população passa a apoiar uma medida uma vez que ela é aprovada em lei.

O apelo do niilismo liberal

O impulso humano básico por baixo destas mudanças parece bastante simples: uma rejeição das restrições tradicionais em favor de novas normas preocupadas principalmente com a maximização da escolha pessoal e da segurança econômica.

Não está claro quais são os limites, se é que existem, para a desintegração de normas, papéis e identidades tradicionais. Os franceses desligaram o sexo da procriação (contraceptivos, aborto), a complementaridade mãe-pai na parentalidade (divórcio, casamento gay), e a idéia da pessoa como parte de uma família, linhagem ou nação duradoura.

Fourquet destaca como exemplo do relativismo moral reinante os comentários de Jean-François Delfraissy, Presidente do Conselho Nacional Consultivo de Ética (CCNE), que disse em 2018 que “a recusa de estabelecer uma estrutura ou de dar pontos de referência é vista em todos os níveis da sociedade”, que “cada um tem sua própria visão da ética”, e que ele sabia o que são “o bem e o mal” (p. 56). Em última análise, para Fourquet, o que importa é a demografia: “Você [o lado perdedor das guerras culturais] está filosoficamente errado porque você está sociologicamente e demograficamente em minoria” (p. 64).

As biotecnologias de aprimoramento… e desintegração

Podemos ir muito mais longe no caminho da desintegração identitária. Os jovens aceitarão a ideologia de gênero – ou seja, a rejeição do sexo biológico enquanto tal, deixando as pessoas “escolherem” seu sexo, qualquer que seja seu cromossomo ou genitália, através da auto-mutilação genital e manipulação hormonal? Atualmente, há pouca reação no Ocidente, com a exceção parcial da mutilação irreversível de crianças por ativistas transgênero (ver a recente decisão judicial na Inglaterra que exige que crianças menores de 16 anos obtenham aprovação judicial para acessar bloqueadores de puberdade).

Com as novas biotecnologias, a desintegração das identidades tradicionais pode ir muito mais longe. Atualmente, técnicas reprodutivas aprimoradas (procréation médicalement assistée ou PMA, incluindo notadamente fertilização in vitro ou FIV) só são legais na França para casais heterossexuais. Entretanto, há esforços em andamento, que provavelmente terão sucesso e serão amplamente aceitos, para ampliar o acesso a PMA para mães solteiras e casais lésbicas. Afinal de contas, muitos perguntam, por que tais mulheres não deveriam poder ter filhos? O efeito será o de ter novas gerações de crianças voluntariamente privadas de seu pai biológico. O filho sem pai pode muito bem se tornar uma normalidade. Tais práticas já são legais na Bélgica, vizinha da França.

Mulheres solteiras e lésbicas com acesso à FIV podem, é claro, escolher entre uma grande variedade de espermatozóides sem ter que seduzir o pai. Isto provavelmente tem efeitos eugênicos e nordicistas, pois as mulheres escolhem desproporcionalmente o esperma de pais brancos bem educados, saudáveis e atraentes. A demanda parece ser mais forte precisamente onde as características nórdicas são escassas. As mulheres sérvias, incluindo as ciganas ao que parece, estão fertilizando seus óvulos com esperma dinamarquês. De fato, o esperma dinamarquês é talvez o mais popular do mundo. No Brasil multirracial, o esperma dos americanos brancos é extraordinariamente popular. Tais práticas afrouxam ainda mais os laços entre paternidade, família e raça.

Depois, há a prática da barriga de aluguel ou gestação pour autrui (GPA), na qual uma mulher carrega o embrião de outra pessoa. As mulheres que não podem ou não querem enfrentar as dificuldades e riscos da gravidez podem pagar a outra mulher para carregar seu filho por elas. Os homens homossexuais, que obviamente não podem engravidar, poderiam fazer o mesmo. Isto poderia tornar-se um negócio particularmente lucrativo no qual as mulheres do Terceiro Mundo, em particular, poderiam carregar os filhos de casais ricos. Pierre Bergé, o rico proprietário homossexual da marca de moda Yves Saint Laurent, outrora notoriamente defendeu a mercantilização da barriga de aluguel na TV dizendo: “Eu sou por todas as liberdades Se você aluga sua barriga para fazer uma criança ou aluga seus braços para trabalhar em uma fábrica, qual é a diferença? É a distinção que é chocante”.

Outra técnica é a gametogênese artificial. Os cientistas estão aprendendo a criar espermatozóides ou óvulos a partir de outras células de um organismo. A aplicação mais óbvia está em permitir que casais heterossexuais inférteis criem espermatozóides ou óvulos que funcionem e assim concebam. Entretanto, existem possibilidades mais radicais: tais técnicas poderiam permitir criar espermatozóides a partir de uma mulher ou de um óvulo a partir de um homem. Os casais lésbicos poderiam então ter filhos biológicos como um casal como tal. (Tente envolver sua cabeça com as implicações para “maternidade” e “paternidade”).

As técnicas mais promissoras para eugenistas são a seleção de embriões e a edição do gene CRISPR. A primeira já ocorre em um certo sentido: é prática comum em muitos países que uma mulher aborte seu feto se for encontrado com defeitos congênitos graves, como a síndrome de Down. Uma seleção mais ampla de embriões permitiria aos pais escolher uma criança com mais genes predisponentes a certos traços, tais como inteligência ou boa saúde, sem modificação genética. O CRISPR poderia permitir possibilidades quase ilimitadas, incluindo a criação de monstruosidades.

Tais biotecnologias, que em princípio não são boas nem más e de qualquer forma são provavelmente inevitáveis a longo prazo, tornam-se perigosas em um contexto niilista como o nosso.

Brasas Católicas

Mesmo assim, ainda não devemos descartar os valores tradicionais. Fourquet também destaca outra tendência: as regiões francesas mais atrasadas economicamente, mais pesadas do ponto de vista agrícola e religioso em 1960 – especialmente concentradas nas regiões ocidentais – estão hoje entre as mais dinâmicas economicamente e socialmente mais coesas. Os demógrafos Hervé Le Bras e Emmanuel Todd atribuíram isto ao que eles chamam de “catolicismo zumbi”, embora possa ser mais justo falar de valores tradicionais católicos residuais. Fourquet “concorda completamente com sua análise quando descrevem, por exemplo, o maior desempenho educacional e maior coesão social que reina no Grand Ouest como sendo a sombra do catolicismo, cuja chama se apagou desde então” (p. 14).

Em contraste, as regiões precocemente descristianizadas e industrializadas do norte e leste da França estão agora economicamente deprimidas e culturalmente alienadas. Os brancos de lá muitas vezes se encontram em mau estado. Isto pode ser devido ao colapso dos valores tradicionais que impunham alguma estrutura à vida dos brancos de classe inferior. Esta é uma hipótese intrigante. Mais uma vez, a reversão das fortunas econômicas entre o oeste e o nordeste da França também pode fazer parte de um ciclo de difícil reconversão econômica para regiões fortemente investidas em indústrias agora obsoletas.

Em qualquer caso, as minorias religiosas freqüentemente têm alta fertilidade enquanto os niilistas liberais, compreensivelmente, não têm. Para aqueles que não vêem nenhuma importância particular para a linhagem, nação ou Deus, que consideram que todos os seres humanos são basicamente átomos iguais em um universo vazio, criar crianças naturalmente parece uma tarefa sem sentido ou, na melhor das hipóteses, uma mera escolha de estilo de vida. A reprodução aprimorada ou modificada, nesta fase, constitui uma minoria muito pequena de nascimentos.

Na França, a religiosidade católica não é sinônimo de ser um caipira. Ao contrário, as famílias católicas burguesas provinciais são famosas por serem altamente funcionais, educadas e de alta fertilidade, fornecendo os quadros para o movimento anti-casamento gay do país nos últimos anos. Um amigo meu dos tempos de universidade é um católico desse tipo, um engenheiro, apologista do Marechal Philippe Pétain (achando “Trabalho, Família, Pátria” um slogan muito mais construtivo do que “Liberdade, Igualdade, Fraternidade”), e está atualmente esperando seu quinto filho.

Mas quão significativos são realmente os católicos praticamentes e funcionais? Isto é difícil de dizer, pois há uma falta de dados. É digno de nota que os católicos franceses praticantes de hoje são muito mais propensos a serem religiosos por zelo individual sincero do que por pressão socialmente conformista. Se olharmos um ou dois séculos à frente, supondo que os humanos ainda estejam governando o planeta, parece provável que a Terra pertencerá naturalmente aos crentes.

Fonte: UNZ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *