Como Putin expurgou a Oligarquia Russa

Escrito por Ister
O colapso da União Soviética levou diretamente ao maior esquema de fraudes, extorsões e lavagem de dinheiro da história da humanidade, quando pequenos burocratas de origem suspeita em aliança com bancos, fundações e governos ocidentais se tornaram bilionários da noite para o dia graças ao processo de privatizações dos bens públicos russos. Anos depois, boa parte dos envolvidos está morta ou presa, e os remanescentes se dobraram. Este é um resumo da história da ascensão e queda dos oligarcas russos após o colapso soviético.

Os anos 90 foram uma época de imenso sofrimento para o povo russo. Quando o colapso iminente da URSS se tornou discernível, figuras do sistema como Nikolai Kruchina, Viktor Gerashchenko e Leonid Veselovsky criaram um grupo de planejamento para assegurar a influência contínua dos funcionários da era soviética, transferindo ativos estatais russos para empresas de fachada offshore e assim despojando a riqueza do país. Uma dessas empresas offshore, a FIMACO, foi usada para roubar cerca de 50 bilhões de dólares da nação. Viktor Gerashchenko, o chefe do banco central da Rússia, enviou um memorando exigindo que as transferências da FIMACO fossem encobertas. Foi através deste saque que o capital líquido foi gerado e utilizado pelos futuros oligarcas para construir suas fortunas. Um dos primeiros beneficiários deste acordo foi Mikhail Khodorkovsky, que havia iniciado sua carreira como um pequeno burocrata soviético e cujo conglomerado petrolífero Yukos estava ligado à FIMACO. Em troca de sua ajuda, Viktor Gerashchenko recebeu mais tarde um cargo de presidente da Yukos por Khodorkovsky.

Em 1991, a União Soviética finalmente desmoronou. Em agosto, o tesoureiro estatal Nikolai Kruchina, responsável pelas reservas de ouro da Rússia, morreu ao cair de sua janela. Ele havia sido membro do grupo de planejamento que deu origem à trama para roubar bens do Estado. Seu sucessor, Georgy Pavlov, morreu após cair de uma janela dois meses depois: os oligarcas estavam fazendo a sua queima de arquivo.

Em setembro do mesmo ano, o banco central russo anunciou que as reservas de ouro do Kremlin haviam inexplicavelmente caído das estimadas 1000-1500 toneladas para apenas 240 toneladas. Dois meses mais tarde, Victor Gerashchenko anunciou que as reservas de ouro da Rússia haviam na verdade desaparecido por completo. Enquanto o público russo se horrorizava com a revelação, os banqueiros europeus estavam menos surpresos. Era sussurrado freqüentemente entre aqueles círculos que os aviões de transporte soviéticos vinham voando para e da Suíça há meses e vendendo grandes quantidades de ouro. Bóris Iéltsin anunciou seus planos de privatizar os bens da nação e o verdadeiro saque começou.

Durante o período de privatização, o capital internacional não perdeu tempo e oportunisticamente entrou em cena para assumir as indústrias russas. A administração Clinton procurou redesenhar as políticas econômicas da nascente Federação Russa de acordo com o Consenso de Washington: privatização, desregulamentação, austeridade e a abertura das empresas russas à compra por americanos ultrarricos. Eles deram a função de planejar a economia russa ao Instituto Harvard para o Desenvolvimento Internacional, que enviou economistas de Harvard para se encontrarem com Anatoly Chubais, chefe da privatização de Bóris Iéltsin. O estreito relacionamento com Anatoly Chubais permitiu que um seleto grupo de investidores americanos estivesse em um caminho interno de negociações financeiras na nova Rússia. Um graduado de Harvard envolvido neste esquema foi Jonathan Hay, condenado pelo uso de informações privilegiadas. Ele se tornou consultor sênior do GKI, o novo comitê estatal de privatização da Rússia.

Alguns membros desta rede, que incluía Hay, Jeffrey Sachs, Andrei Shleifer, Robert Rubin, Larry Summers, David Lipton e outros, usaram indevidamente fundos da USAID que se destinavam ao desenvolvimento econômico russo e fizeram acordos de privatização para obter o controle das principais indústrias russas em negociações de bastidores. Em um acordo de 1995, feito fora do mercado, Anatoly Chubais criou um processo fechado de licitação para propriedades nacionais de primeira linha no qual os únicos proponentes aprovados foram a Harvard Management Company e George Soros. Isto resultou na aquisição de participações importantes na Sidanko Oil, na Novolipetsk Steel e na Sviazinvest.

Investidores estrangeiros avançaram e o nível de ganância entre esta quinta coluna de novos moscovitas foi verdadeiramente surpreendente. O processo RICO de 1999 “Avisma Titano Magnes v. Dart Management” é particularmente esclarecedor. o RICO permite que as vítimas de uma conspiração de extorsão processem os conspiradores por danos causados por sua conduta ilegal, e os seguintes réus foram nomeados na ação judicial:

Kenneth Dart; Dart Management Inc., endereço desconhecido
Jonathan Hay; Dart Management Inc, endereço desconhecido
Michael Haywood; Dart Management Inc, endereço desconhecido
Michael Hunter; Dart Management Inc.;
Francis E. Baker; Andersen Group Inc.;
William Browder, Fundo Hermitage
Barclays Bank, PLC

O documento de acusação alega o seguinte: os réus e um banco cooperante chamado Banco Menatep, de propriedade de Mikhail Khodorkovsky, tinham o controle acionário na produtora de titânio Avisma. Eles forçaram a Avisma a vender seu titânio abaixo do preço de mercado para empresas offshore que eles controlavam secretamente. Em seguida, essas empresas offshore venderam o titânio a um preço correto nos mercados internacionais para obter lucro, que foi então canalizado de volta das empresas offshore para os réus e para o Banco Menatep. O dinheiro que deveria ter sido registrado como lucro para a Avisma foi desviado e os acionistas majoritários que estavam no esquema foram beneficiados à custa dos acionistas minoritários, da empresa e das autoridades fiscais russas.

O réu Francis E. Baker descreveu as ações em uma carta privada como: “Um imenso esquema de lavagem de dinheiro em bancos russos, claramente uma questão criminal”. De acordo com a denúncia, as ações foram descobertas quando os réus tentaram trocar as ações da Avisma por ações da empresa mineradora VSMPO e replicaram o mesmo esquema na VSMPO. Mais tarde, Baker e outros réus desculparam suas ações alegando que a ação era uma conspiração do governo russo. Soa familiar?

A criminalidade não se limitava a especuladores estrangeiros. Durante o período inicial da privatização nos anos 90, uma sociedade secreta de sete oligarcas russos controlava inteiramente a administração de Bóris Ieltsin. Este grupo chamava-se Semibankirschina, cujo nome vem dos Sete Boiardos que controlavam a Rússia durante o século XVII. A sociedade secreta incluía os seguintes oligarcas: Boris Berezovsky, Mikhail Khodorkovsky, Mikhail Fridman, Petr Aven, Vladimir Gusinsky, Vladimir Potanin, e Alexander Smolensky.

Um jornalista russo chamado Andrey Fadin descreveu seu poder esmagador em um artigo, “eles controlam o acesso ao dinheiro do orçamento e basicamente todas as oportunidades de investimento dentro do país. Eles possuem o gigantesco recurso de informação dos principais canais de TV. Eles formam a opinião do presidente. Aqueles que não queriam caminhar com eles ou eram estrangulados ou deixavam o círculo”. Menos de um ano após a publicação do artigo, Andrey Fadin foi morto. Por meio de seu porta-voz Anatoly Chubais, a Semibankirschina usou o controle das redes de TV para sustentar os baixos índices de aprovação de Bóris Ieltsin. De meados dos anos 90 a 1999, este grupo tinha autoridade total sobre as políticas e indústrias russas, usando judiciosamente a violência para impor seu monopólio. Em um caso, Mikhail Khodorkovsky e seu subalterno Leonid Nevzlin levaram a cabo o assassinato do prefeito Vladimir Petukhov, que perseguia a evasão fiscal da Petrolífera Yukos.

No final de 1999, Vladimir Putin tornou-se presidente da Rússia e a sorte desses autoproclamados governantes rapidamente se esvaiu. Um novo grupo de pessoas próximas a Putin e ligadas ao governo, como Gennady Timchenko, Vladimir Yakunin e Sergey Chemezov se formou e começou a suplantar o acesso anterior que a Semibankirschina tinha ao presidente. Em 2001, uma aquisição estatal da mídia apreendeu as redes de televisão anteriormente pertencentes aos oligarcas Boris Berezovsky, Vladimir Gusinsky e Badri Patarkatsishvili, levando Patarkatsishvili a denunciar a Rússia ao New York Times e a fugir do país. Enquanto exilado no Reino Unido, Patarkatsishvili morreu de forma suspeita aos 48 anos de idade. O governo georgiano chamou sua morte de assassinato. Boris Berezovsky também morreu de maneira suspeita no Reino Unido depois de ter vendido seus bens russos e denunciado Putin. Depois que suas redes de televisão foram apreendidas, Vladimir Gusinsky foi indiciado criminalmente por lavagem de dinheiro e forçado a fugir do país também.

A varredura continuou enquanto outros três aliados da Semibankirschina eram mortos: Nikolai Glushkov, Alexander Litvinenko e Boris Nemtsov. Bill Browder foi deportado em 2005, e mais tarde condenado à revelia por fraude. O fraudador Konstantin Ponomarev também foi condenado, sentenciado a 8 anos de prisão por crimes relacionados à sua extorsão de 1 bilhão de dólares da IKEA. Jamison Firestone, associado de Ponomarev e Browder, foi forçado a fugir da Rússia devido a seu envolvimento no caso Magnitsky, e seu associado Alexander Peripilichny morreu misteriosamente enquanto fazia jogging perto de Londres. George Soros foi banido da Rússia, da Bielorrússia e do Cazaquistão.

Outrora o homem mais rico do país, a sorte de Mikhail Khodorkovsky também mudou pior. No início dos anos 2000, Putin fez aprovar uma série de reformas populistas nos direitos penal, tributário e fundiário, às quais os oligarcas dos anos 90 se opuseram fortemente. Como o membro mais flagrantemente criminoso do Semibankirschina original, o Banco Menatep de Khodorkovsky tinha sido fundado com fundos roubados como parte do saque de bens estatais. O banco operava como um centro de lavagem de dinheiro e envolvia-se em inúmeros golpes financeiros, atrasando até mesmo fundos do governo para as vítimas de Chernobyl enquanto usava seu dinheiro para especular financeiramente. Foi o Banco Menatep através do qual os fraudadores americanos haviam alegadamente roubado os acionistas da Avisma com o esquema de dumping de titânio.

Em 2003, Khodorkovsky foi criminalmente processado por Putin por evasão fiscal e fraude, pela quais ele acabou cumprindo 10 anos de prisão. Seu protegido Leonid Nevzlin foi condenado por ordenar múltiplos assassinatos de aluguel em nome de Khodorkovsky, e condenado a prisão perpétua à revelia. O associado Platon Lebedev também foi condenado e encarcerado. Esta onda de processos enviou uma mensagem e deu a Putin uma posição forte, que foi usada para negociar uma “grande barganha” com os oligarcas remanescentes: eles retiveram a maior parte de seus bens existentes em troca do alinhamento com o governo vertical da Rússia de Putin. A era do gangsterismo financeiro dos anos 90 tinha acabado.

As reservas de ouro russo roubado foram agora restauradas e estão nos níveis mais altos da história. Devido à falta de colaboração com outros bancos centrais, é certo que o ouro russo está presente nos cofres de Moscou: não há nenhum dos acordos de arrendamento ou troca sub-reptícia que ponham em questão o tamanho reivindicado das reservas dos bancos ocidentais. Assim, em vez de comprar títulos do tesouro americano ou dólares para suas reservas, o Banco da Rússia pode exigir a entrega física do ouro nos cofres de Moscou. Isto pressionará continuamente os fraudulentos sistemas COMEX e London Bullion Market com a pressão de remessas físicas e ameaçará o dólar. Ao contrário da China, a Rússia está na posição de atacar o dólar como um exportador líquido de commodities, o que significa que quando suas compras de ouro aumentam o preço dos metais, ela está simplesmente aumentando as receitas de suas próprias empresas produtoras de commodities domésticas como a Norilsk Nickel e a VSMPO-AVISMA.

A crise econômica de 1998 influenciou fortemente a política financeira do Kremlin, e os últimos vinte anos gastos com a criação de um sistema resistente. Um dos primeiros itens da agenda de Putin foi o pagamento de todas as dívidas ao FMI e os empréstimos em holdover da era soviética. A Rússia está agora posicionada para atacar o dólar, como o único Estado poderoso que não opera em um sistema baseado em dívida. Uma década de guerra econômica sob a forma de sanções cortou o acesso a capital internacional: o resultado é um dos níveis mais baixos de dívida externa de qualquer país do mundo, com reservas de dinheiro suficientemente grandes para pagar toda a dívida de uma só vez. Estes baixos níveis de dívida têm benefícios tangíveis, principalmente que a Rússia é agora capaz de suportar grandes flutuações econômicas sem se desmoronar como resultado de inadimplências internas. Em comparação, o sistema financeiro dos Estados Unidos se desintegraria se tentasse deter o declínio do PIB que a Rússia sofreu a partir de 2013-2016.

O Banco da Rússia aplica ativamente padrões rigorosos de empréstimo a fim de evitar o surgimento de bolhas de crédito ao consumidor, e força os bancos a manter dinheiro extra em seus balanços (como resultado, a maioria dos pedidos de crédito pessoal é recusada). Assim, as sanções realmente tornaram o país mais forte, pois a arrogância da categoria McCain dos políticos americanos criou um Estado concorrente sem qualquer interesse pela sobrevivência da atual ordem financeira baseada em dívida. A missão da Rússia de criar resiliência e restaurar a soberania prevê um futuro tumultuado, enquanto a América aposta tudo na ideia de que o mundo permanecerá o mesmo. A conspiração concertada para saquear a Rússia foi frustrada.

Em dezembro de 1999, Edmond Safra foi assassinado em sua fabulosa mansão, a Villa Leopolda em Mônaco. Os Safras são uma das mais antigas e secretas famílias bancárias, com uma fortuna que remonta às caravanas de comércio de ouro do Império Otomano. Coincidentemente, Safra significa amarelo, ou ouro, em árabe. Foi Edmond Safra quem serviu como mentor de Bill Browder na Rússia, fornecendo-lhe um financiamento inicial de 25 milhões de dólares para iniciar seu Fundo Hermitage. Quando Browder precisou de proteção durante uma disputa comercial com um oligarca, Safra enviou a seu emissário quatro veículos blindados e quinze guarda-costas liderados por um antigo agente do Mossad. Enquanto Edmond Safra passou grande parte de sua vida posterior se defendendo de alegações de tráfico de drogas e lavagem de dinheiro, ele foi um homem realizado, no entanto. Ele fundou seu primeiro banco aos 23 anos de idade e havia sonhado em criar uma dinastia bancária que duraria 10.000 anos.

Logo após a ascenção de Putin como presidente, a Villa Leopolda foi invadida. O enfermeiro da Safra, um antigo Boina Verde chamado Ted Maher, foi esfaqueado por dois intrusos mascarados que entraram nas instalações, após o que Safra foi morto. Sob pressão das autoridades de Mônaco, Ted Maher foi forçado a assinar uma confissão sem sentido na qual alegou ter se esfaqueado e admitiu ter ateado o fogo para tentar ganhar a adoração de seu empregador. Desde então, ele se retratou desta confissão, dizendo que seus advogados de defesa o coagiram a assinar e ameaçaram que de outra forma ele nunca mais veria sua família. Jean-Christophe Hullin, o juiz do caso, revelou em 2007 que a condenação foi um resultado predeterminado que havia sido planejado em uma reunião secreta com ele mesmo, os advogados de Maher e o procurador-chefe de Mônaco: em resumo, Ted Maher foi um bode expiatório para os verdadeiros assassinos de Edmond Safra. Agora livre, ele acredita que o assassinato foi ordenado por Putin, “em retaliação a uma trama orquestrada por Safra e oligarcas russos para assumir o controle de todos os bens da Rússia”.

Foi durante a purga dos oligarcas e dos abutres capitalistas que foi lançado à luz o verdadeiro poder por trás de Mikhail Khodorkovsky. Quando se tornou provável que ele seria preso, ele conseguiu que todas as suas ações da Petrolífera Yukos fossem transferidas para a propriedade de Jacob Rothschild. A transferência ocorreu em novembro de 2003, dando a Lord Rothschild um controle de ações estimado pelo Sunday Times em 13,5 bilhões de dólares. Putin liquidou e nacionalizou posteriormente a Yukos, confiscando e vendendo suas ações a empresas petrolíferas estatais a um valor muito abaixo do valor de mercado.

Assim, Putin declarou guerra às pessoas mais poderosas do planeta.

Fonte: Vineyard of the Saker

Deixe uma resposta