Eleições Americanas: Os EUA Retornam ao Intervencionismo Global

Escrito por Kerry Bolton
Joe Biden, após ter sua vitória antecipadamente anunciada pela mídia de massa, disse que a “América está de volta”. Para alegria dos liberais de esquerda, sua equipe militar e de segurança é composta por mulheres, pessoas trans e não brancos. A possível ascensão de Biden é o triunfo do Deep State e do intervencionismo ilimitado.

A Plutocracia vence com a ajuda da Extrema-Esquerda

Em novembro de 2016, escrevi sobre a vitória do Trump como tendo a possibilidade de ser um “evento epocal”, sem subestimar as forças espirituais, culturais, políticas e econômicas entrincheiradas que provavelmente o tornariam natimorto. [1] O Trump em si era fundamentalmente falho, embora não na medida da oposição. Ele não tinha uma base ideológica, e embora tenha sido elogiado como sendo capaz de falar com o “homem comum”, sua falta de uma visão de mundo em torno da qual basear suas ações significava que ele seria soprado de um lado para o outro por facções, forças históricas e interesses arraigados, enquanto lhe faltava um movimento coerente, incluindo uma mídia alternativa que ajudasse a combater essas forças. O fato de um presidente dos EUA ser reduzido a “tuitar” para divulgar sua mensagem, embora freqüentemente censurado, indica o caráter sitiado da presidência de Trump. A Fox News, de propriedade do globalista Rupert Murdoch, não preencheria o papel de uma mídia ‘America First’, tampouco o projeto sionista Breitbart. Esta falta de uma direção ideológica também deixa em aberto a questão de se os mais de 70 milhões de trumpistas irão forjar um verdadeiro movimento de mudança ou se serão submersos de volta ao mainstream republicano.

Apesar da oposição que vai desde a oligarquia até seus idiotas úteis da esquerda, Trump conseguiu temporariamente afundar vários projetos-chave globalistas, tais como o Acordo de Parceria Trans-Pacífico. Em contraste com a russófoba beligerante Hillary Clinton, ele conseguiu manter um diálogo razoável com a Rússia, acalmar as relações com a Coréia do Norte e se abster de escalar conflitos locais, declarando sua intenção de fazer recuar os EUA enquanto polícia mundial. Já tardiamente em sua presidência, em junho de 2020, ele disse aos cadetes de West Point na cerimônia inaugural:

“O trabalho do soldado americano não é reconstruir nações estrangeiras, mas defender, e defender fortemente, nossa nação dos inimigos estrangeiros. Estamos terminando a era das guerras intermináveis. Em seu lugar está um foco renovado e claro na defesa dos interesses vitais dos Estados Unidos. Não é dever das tropas americanas resolver conflitos antigos em terras distantes, dos quais muitas pessoas nunca ouviram falar. Nós não somos a polícia do mundo. Mas deixem que os inimigos estejam sob aviso. Se nosso povo for ameaçado, nunca hesitaremos em agir. E quando lutarmos, de agora em diante, só lutaremos para vencer”. [2]

Poder-se-ia pensar que a extrema-esquerda, que se postula como a oposição à globalização, ficaria encantada com um presidente que repudiou o “neo-imperialismo”. Mas não. A esquerda apoiou Hilary Clinton, cuja política externa era de beligerância internacional e apoio ao livre-comércio global, assim como agora apoiou Biden. A esquerda alegava ser contra o TPPA, e a Trump rasgou o acordo. A esquerda é mera pose a mando dos globalizadores.

Financiamento para Biden

À época da vitória de Trump, salientei a discrepância de financiamento entre as campanhas Trump e Clinton: entre os doadores bilionários de Clinton, Soros era de longe o maior, doando mais de 11 bilhões de dólares. O maior doador de Trump foi o empresário americano Bradley Wayne Hughes, que doou menos de meio milhão de dólares”. [3]

A esquerda se agarrou dogmaticamente a um cenário imaginário em que o bilionário Trump e seus poucos apoiadores bilionários são o “Establishment”, o que eles de fato não são. Na verdade, eles estão na camarada “exterior”. Em 2016, a campanha publicitária de Trump, que foi difamada como “antissemita”, indicou que ele e seus assessores entendiam o que estavam enfrentando: “É uma estrutura de poder global responsável pelas decisões econômicas que roubaram nossa classe trabalhadora, despojaram nosso país de sua riqueza e colocaram esse dinheiro nos bolsos de um punhado de grandes corporações e entidades políticas”. [4]

Em 2016, Trump contou com seu próprio dinheiro e com numerosas pequenas doações. Bloomberg comentou:

“Ele não ganhou a corrida por financiamento, mas Donald Trump será o próximo presidente dos EUA. Nas primárias e eleições gerais, ele desafiou a sabedoria convencional, superando os candidatos mais bem financiados dominando as ondas aéreas de graça. Trump também utilizou seu próprio dinheiro, assim como os bens e a infraestrutura de seus negócios, de forma sem precedentes. Ele doou 66 milhões de dólares de seu próprio dinheiro, voou pelo país em seu jato particular e usou seus recursos para encenar eventos de campanha. Ao mesmo tempo, o bilionário pôde sacar cerca de 280 milhões de dólares de pequenos doadores doando 200 dólares ou menos. Os Super-PACs, que podem receber contribuições ilimitadas em tamanho, foram igualmente inclinados para sua oponente, Hillary Clinton. Por fim, Trump ganhou a presidência apesar de ter arrecadado menos do que qualquer candidato presidencial de um grande partido desde John McCain em 2008, o último a aceitar fundos federais para pagar sua disputa eleitoral geral”. [5]

Em 2020 Trump enfrentou o mesmo massacre econômico: “O Presidente Trump entrou nas últimas semanas de campanha com uma severa desvantagem financeira para o candidato democrata Joe Biden, de acordo com as revelações de arrecadação de fundos feitas na terça-feira à noite na Comissão Eleitoral Federal. A campanha de Biden terminou em setembro com US$ 180,6 milhões no banco, enquanto o comitê do Trump relatou US$ 63,1 milhões”. [6] Entre os apoiadores de Biden estavam James Murdoch, e sua esposa Kathryn, filho e nora do proprietário da Fox News, Rupert. A CNBC noticiou:

“A poderosa família Murdoch é freqüentemente ligada à política conservadora, particularmente através de seu controle da Fox News. No entanto, James Murdoch, um dos milionários filhos do magnata da mídia Rupert Murdoch, e a esposa Kathryn Murdoch estão trabalhando para criar seu próprio legado, apoiando causas em todo o espectro político. Eles usaram seu dinheiro e sua influência para se tornarem um casal de poder político em uma Washington fraturada. Uma lista do Centro de Política Responsiva não partidária mostrando os principais doadores do ciclo eleitoral de 2020 classifica James e Kathryn Murdoch em 13º lugar entre um grupo de 100 contribuintes de ambos os partidos. Os dados mostram que os Murdochs contribuíram com mais de 11 milhões de dólares para causas políticas, sendo que mais de 2,5 milhões de dólares foram para os democratas. Eles também concentraram alguns de seus esforços na oposição ao Presidente Donald Trump. … Os dois se juntarama p em junho para contribuir com mais de US$ 1,2 milhões para o Fundo Biden Victory…”. [7]

A Fox News foi a primeira a chamar o Arizona para Biden, enquanto mesmo a mídia anti-Trump do Establishment permanecia cautelosa. Os partidários de Trump foram subitamente corrigidos em suas suposições sobre a mídia de Murdoch e desabafaram nos comícios pró-Trump. [8]

Um dos principais apoiadores de Biden foi Haim Saban, magnata do entretenimento e defensor do “Israel First”. Noticiou a revista Los Angeles Magazine:

“Os conhecidos filantropos de Hollywood e ativistas políticos pró-Israel, Haim e Cheryl Saban, entraram em grande estilo na segunda-feira para a arrecadação de fundos de 2020, organizando um evento virtual para o candidato presidencial democrata Joe Biden, que arrecadou um total de US$ 4,5 milhões. … Sabans fez recentemente uma doação de 50 milhões de dólares para o próximo Museu do Movimento da Academia de L.A., que deveria ser inaugurado no final deste ano. E para cada dólar que os Sabans doam neste país, eles correspondem a um dólar para Israel”. [9]

Saban também deu US$ 1,5 milhão aos candidatos democratas nas disputas pelo Senado. [10]

A maioria das grandes contribuições dos gigantes tecnológicos globalistas foram para os candidatos ao Senado de Biden e ao Senado Democrata. O CEO da Asana Dustin Moskovitz, também co-fundador do Facebook, doou US$ 24 milhões; o CEO da Twilio (comunicações em nuvem) Jeff Lawson e sua esposa, Erica, doaram US$ 7 milhões; o CEO do Google Eric Schmidt, doou US$ 6 milhões para a Future Forward USA, um PAC que apoiou Biden e os democratas. Reed Hastings, da Netflix, e sua esposa, Patty Quillin, doaram mais de US$ 5 milhões, principalmente para o PAC Senate Majority, um grupo que apoiou os candidatos democratas nas disputas mais acirradas. Reid Hoffman, sócio da empresa de capital de risco Greylock Partners, contribuiu com US$ 14 milhões, incluindo US$ 2 milhões para o PAC Senate Majority e US$ 1 milhão cada um para o Unite the Country e o American Bridge 21st Century. Vinod Khosla, co-fundador da Sun Microsystems e da Khosla Ventures, doou US$ 1 milhão cada ao PAC Senate Majority e à American Bridge 21st Century. Michael Moritz da Sequoia Capital contribuiu com mais de US$ 3 milhões, incluindo US$ 1,5 milhões para a Pacronym, que apóia os democratas em estados muito disputados. Jessica Livingston, co-fundadora da Y Combinator, doou US$ 5 milhões à Tech for Campaigns, que fornece assistência digital e técnica a grupos do Partido Democrata. [11]

A Forbes relatou em agosto: “Os bilionários parecem amar Joe Biden. Com menos de 100 dias até a eleição, Joe Biden recebeu doações de 131 membros da crosta superior, enquanto Donald Trump recebeu doações de apenas 99 de seus colegas magnatas, de acordo com uma análise dos arquivos da Comissão Eleitoral Federal”. [12]

Outros doadores de Biden listados pela Forbes incluem: Mark Pincus, CEO da Zynga (jogos sociais para celular) $626.200; Barry Diller, Presidente da InterActiveCorp (mídia online), $626.200; Jeff Skoll, eBay, $620.600; George Soros, $505.600; Ev e Sara Williams, Twitter, $250, 500; Nicole Systrom, esposa de Kevin Systrom, do Instagram, $250.000; Sean Parker, Facebook, $100.000; Nicole Shanahan, esposa de Sergey Brin do Google, $25.000; Merryl Zegar, esposa de Charles Zegar da Bloomberg LP, $12.000; et al. [13]

Estratégia de Tensão

Uma estratégia de tensão foi mantida durante toda a presidência de Trump para tornar os EUA ingovernáveis. É análogo aos motins da Nova Esquerda apoiados pela oligarquia durante os anos 60 para empurrar os EUA para a esquerda, ao mesmo tempo que se afirmava que este era o caminho da “moderação” e da “reconciliação”, ou para trazer a “unidade de volta aos EUA”, como é agora denominado, em comparação com os motins da Nova Esquerda e dos Negros daquela época. O Black Lives Matter surgiu em 2016, o ano da inauguração de Trump, não por acaso. O financiamento inicial veio da Fundação Ford, que havia apoiado a Nova Esquerda durante os anos 60. A Ford anunciou: “Ao fazer parceria com a Borealis Philanthropy, a Movement Strategy Center e a Benedict Consulting para fundar o Black-Led Movement Fund, a Ford fez investimentos de seis anos nas organizações e redes que compõem o Movement for Black Lives”. [14]

A morte acidental de George Floyd por uma combinação de drogas e covid, enquanto resistia à prisão, foi o pretexto necessário para a escalada dos tumultos BLM/Antifa, enquanto a mídia de massas retratava estes tumultos como algo nobre e comedido. A CNet, um portal eletrônico de notícias, anunciou:

“O assassinato de George Floyd no mês passado, enquanto estava sob a custódia da polícia de Minneapolis, desencadeou uma onda de protestos e diálogo sobre a injustiça racial que continuou sem cessar por semanas. E muitas corporações, grandes e pequenas, se juntaram à narrativa, emitindo declarações jurando estar ao lado do movimento Black Lives Matter. Alguns gigantes da tecnologia – como Apple, Amazon, Microsoft e outros – também deram seguimento às suas palavras de apoio com grandes promessas de doação”. [15]

Entre outras corporações que doam para a BLM estão Coca-Cola, Facebook, Nike, YouTube, et al. [16]

Stephen B. Heintz, CEO e Presidente do Fundo Rockefeller Brothers, escreveu no rescaldo do fiasco do Floyd, colocando-o em um contexto globalista mais amplo:

“Os acontecimentos das últimas duas semanas despertaram muitos em nosso país para a injustiça que persiste há séculos para outros. Contra o pano de fundo de uma pandemia mortal, do crescente isolacionismo internacional e do crescente autoritarismo global, a morte de George Floyd marca um momento de virada na história: Nossas ações agora determinarão se voltamos para um passado sombrio ou avançamos em direção a um futuro mais brilhante, com paz e justiça para todos”. [17]

De acordo com o perfil de Heintz, ele estava engajado no enfraquecimento dos Estados que não estão de acordo com a agenda globalista: “No cenário internacional, Heintz atuou como vice-presidente executivo e diretor de operações do Instituto EastWest durante os anos 90. Com sede em Praga, ele ajudou a impulsionar o desenvolvimento da sociedade civil, a reforma econômica e a segurança internacional como a base das democracias em expansão da Europa Central e Oriental”. Ou seja, ele se especializou em incorporar os destinos do antigo bloco soviético na economia global, destacando-os da esfera russa e empurrando-os para a esfera globalista dos EUA, por trás da fachada da “democracia” e dos supostos benefícios do livre-comércio internacional. [18]

O dinheiro Rockefeller foi proeminente durante os anos 60 no financiamento dos motins dos antifas e do movimento negro, incluindo o guru da “revolução”, Saul Alinksy. [19] Estariam os oligarcas apoiando outro movimento niilista nos EUA para manter uma adaga na garganta de Trump, e até mesmo para mobilizar uma “revolução colorida” nos EUA caso uma “mudança de regime” se torne necessária? A turba desordeira foi financiada por uma razão, e seria preciso ser muito ingênuo para acreditar que a razão é uma razão de pura humanidade por parte dos maiores exploradores do mundo. Poderíamos nos lembrar da maneira como o Duque de Orleans usou sua riqueza para financiar as multidões de rua da França que anunciavam a Revolução Jacobina. Que Trump esperava uma ruptura em massa no caso de sua reeleição é indicado por seu despedimento do secretário de defesa Mike Esper, que se opôs ao uso de tropas americanas para reprimir motins, sob a Lei da Insurreição. [20]

Confrontando os Intervencionistas

Em novembro de 2016, afirmei que o “Establishment” que Trump irá confrontar além das salas do Congresso e do Senado, seus tentáculos alcançando longe e amplamente, e perguntei se Trump tentará lidar com as ramificações mais profundas disso?

“Wall Street continuará a existir, assim como Hollywood. Entretanto, sob Trump, será que o Departamento de Estado Americano continuará a patrocinar o multiculturalismo em todo o mundo, incluindo shows de Hip Hop na Europa, como um meio de quebrar as culturas tradicionais, em consonância com os programas da rede Soros, da Freedom House e muitas outras, listadas como ONGs indesejáveis pela Rússia? Espera-se que não. Será que o Congresso dos EUA continuará a fornecer fundos para que o National Endowment for Democracy, dirigido pela iniciativa privada, continue patrocinando organizações subversivas para criar ‘revoluções coloridas’, e interfira na política interna de diversas nações; a Rússia em particular? Trump questionou a missão dos EUA de ‘policiar o mundo’, e a sabedoria de ter derrubado Gaddafi e Saddam, cobrando a estrutura de poder global, encabeçada por Clinton e Obama, por ter ‘criado o ISIS’. Surge a questão sobre se a Administração Trump pode ou irá subjugar as ONGs com base principalmente nos EUA que criaram o que o estrategista globalista Ralph Peters elogiou como ‘conflito constante’.” [21]

Trump realmente tentou frear o intervencionismo do National Endowment for Democracy e das inúmeras organizações que fazem parte de uma rede global perpetuando uma revolução mundial no interesse da oligarquia globalista e em nome da “democracia”. Ele tentou deter este internacionalismo e fracassou. Em 2012, uma lei de registro de “agentes estrangeiros” foi aprovada na Rússia contra ONGs estrangeiras, e a USAID foi expulsa. Em 2015 Putin expulsou a NED, a Open Society Foundation e outras ONGs globalistas que estavam interferindo com a política interna da Rússia.

Apesar da NED ser financiada pelo Congresso, Trump não conseguiu prevalecer contra os globalistas dentro do Congresso. O Washington Post, o principal porta-voz do Establishment globalista, declarou em 2018: “Falando ao Parlamento Britânico em 1982, o Presidente Ronald Reagan exortou os Estados Unidos a ‘promover a infraestrutura da democracia’ para ajudar a garantir que as pessoas em todo o mundo tivessem poder para determinar seus próprios destinos. Agora, neste momento cada vez mais tenso para a liberdade no mundo inteiro, a administração Trump quer desmantelar essa infraestrutura”. [22]

A “infraestrutura da democracia” é um eufemismo para “mudança de regime” com base em uma ordem internacional de instituições políticas, cultura, sociedade e economia de tamanho único para todos; a “nova ordem mundial”; a “globalização”. Fundada em meio à Guerra Fria para substituir o desacreditado Congresso pela Liberdade Cultural, que havia servido como um braço da CIA com financiamento de Rockefeller, Ford, et al, tal como o CCF o NED foi estabelecido por ex-trotskistas e mencheviques cujo ódio pela URSS os tornou os mais ávidos dos combatentes da Guerra Fria. Um fator primordial na desconstrução do bloco soviético, o NED, em vez de ser desmantelado após o fim da URSS, continuou em ritmo acelerado, com a Rússia pós-soviética permanecendo o perene “bicho-papão”, trabalhando em conjunto com a rede Soros, a Freedom House, e uma gama aparentemente interminável de outras “ONGs”. Trump tentou acabar com esta intromissão nos assuntos de outros Estados:

“Enterrado no pedido de orçamento fiscal do Departamento de Estado para 2019 está uma proposta não apenas para cortar o orçamento do Fundo Nacional para a Democracia, mas também para desmontar suas relações com seus institutos centrais, incluindo o Instituto Nacional Democrático e o Instituto Republicano Internacional. Para o NED e esses institutos, a proposta é um ataque não apenas às suas organizações, mas também à missão pró-democracia à qual se dedicam. Se implementada, a proposta estriparia o programa, forçaria demissões paralisantes e o seu significado simbólico também seria estilhaçado, enviando um sinal amplo de que os Estados Unidos estão virando as costas para apoiar pessoas corajosas que compartilham nossos valores”, disse o presidente do NED, Carl Gershman. [23]

Observe as referências à “missão” mundial dos EUA, à sua autopercepção como o líder de uma revolução mundial. Gershman, presidente da NED, é um desses esquerdistas veteranos, co-fundador do Partido Social Democrata dos EUA, uma facção do Partido Socialista dos EUA, de orientação trotskistas, que via os EUA como o guardião da revolução mundial quando a URSS se tornou azeda com eles. É de notar que ele o primeiro presidente honorário dos social-democratas americanos foi o professor Sidney Hook, decano menchevique dos combatentes americanos na Guerra Fria, que dirigiu o Congresso da CIA para a Liberdade Cultural durante a Guerra Fria, e que, com John Dewey, dirigiu o comitê americano que tentou exonerar Trotsky durante o Grande Expurgo da época de Stalin. Um diretor fundador da NED foi Albert Glotzer, que havia servido como guarda-costas e secretário de Trotsky em 1931, e que também havia sido diretor da Social-Democracia dos EUA. O NED havia sido criado por iniciativa de Tom Kahn, diretor de assuntos internacionais do sindicato dos trabalhadores da AFL-CIO, ativo na desestabilização do bloco soviético. Kahn era um protegido de Max Shachtman, um notável trotskista que liderou a Liga Socialista Independente. Deste meio trotskista e menchevique vieram os chamados “neoconservadores”, cuja ideologia não é nem “neo” nem “conservadora”, mas uma renovação do internacionalismo intervencionista wilsoniano que forma a base ideológica tanto do Partido Republicano como do Partido Democrata. [24]

O presidente da NDI, Kenneth Wollack, declarou que “a USAID, o Departamento de Estado e o NED são um banquinho de três pernas. O desmantelamento de uma dessas pernas minaria um pilar fundamental da política externa dos EUA – uma política que representa uma convergência de nossos interesses e valores”. [25] É interessante que a USAID esteja incluída como um pilar fundamental de uma trindade a serviço da política externa dos EUA, quando isso sempre foi veementemente negado. Como então se pode afirmar que Putin estava indo longe demais quando a USAID, trabalhando por trás da fachada do humanitarismo, foi expulsa da Rússia?

O senador John McCain, presidente do Instituto Republicano Internacional, uma das ONGs expulsas da Rússia em 2015, disse a Rogin que “O trabalho que nosso governo faz para promover os valores democráticos no exterior está no coração de quem somos enquanto país”. Mais uma vez, há a referência à “missão mundial” americana.

Trump não só fracassou em impedir os globalistas do NED et al, mas o Congresso aumentou o financiamento em 2019. O NED anunciou o triunfo:

“O National Endowment for Democracy (NED) e seus quatro principais beneficiados, o National Democratic Institute (NDI), o International Republican Institute (IRI), o Solidarity Center, e o Center for International Private Enterprise (CIPE) estão profundamente gratificados com o forte apoio bipartidário do Congresso dos EUA ao nosso trabalho, com um aumento substancial da dotação anual do NED. Na terça-feira, 17 de dezembro, a Câmara dos Deputados aprovou um pacote de gastos que aumenta o financiamento anual para o National Endowment for Democracy de US$ 180 milhões para US$ 300 milhões. O Senado aprovou a medida em 19 de dezembro e ela foi assinada pelo Presidente Trump na sexta-feira, 20 de dezembro”. [26]

A Política Externa na Tradição Washingtoniana

Ironicamente, os internacionalistas objetaram que o “America First” de Trump é “não-americana”, mas esta foi a doutrina que George Washington deu ao povo americano em seu discurso de despedida, em um momento em que ele havia sido amargamente oposto por Thomas Jefferson e pelos jacobinos americanos, que mesmo à época viam a América como tendo uma missão revolucionária mundial em aliança com a França jacobina. A política externa que Washington aconselhou para a América era de estrita neutralidade e não-interferência:

“… A nação que devota ao outro um ódio ou carinho habitual é, em algum grau, uma escrava. É escrava de sua animosidade ou de seu afeto, o que é suficiente para desviá-la de seu dever e de seu interesse. A antipatia em uma nação contra outra dispõe cada uma mais facilmente a oferecer insultos e ferimentos, a se apegar a mínimas causas de incômodo e a ser altivo e intratável, quando ocorrem ocasiões acidentais ou insignificantes de disputa. Assim, colisões freqüentes, disputas obstinadas, envenenadas e sangrentas.

[…]

Assim também, o apego apaixonado de uma nação por outra produz uma variedade de males. A simpatia pela nação favorita, facilitando a ilusão de um interesse comum imaginário em casos onde não existe um interesse comum real, e infundindo em um as inimizades do outro, trai o primeiro em uma participação nas brigas e guerras do segundo sem indução ou justificação adequada.

[…]

Como caminhos para a influência estrangeira de inúmeras maneiras, tais apegos são particularmente alarmantes para o patriota verdadeiramente iluminado e independente. Quantas oportunidades elas oferecem para manipular as facções nacionais, para praticar as artes da sedução, para enganar a opinião pública, para influenciar ou assombrar os conselhos públicos. Tal apego de uma nação pequena ou fraca a uma nação grande e poderosa condena a primeira a ser o satélite da segunda.

[…]

A grande regra de conduta para nós em relação às nações estrangeiras é estender nossas relações comerciais, para ter com elas o mínimo de conexão política possível. Até onde já formamos compromissos, que eles sejam cumpridos com perfeita boa fé. E paremos por aqui. A Europa tem um conjunto de interesses primários que para nós não têm nenhum; ou uma relação muito remota. Por isso, ela deve estar envolvida em controvérsias freqüentes, cujas causas são essencialmente alheias às nossas preocupações. […] [27]

Na política externa, Trump procurou se retirar dos enredos estrangeiros tanto políticos quanto econômicos, na tradição de George Washington.

Biden para acabar com o “America First”.

Biden promete devolver os EUA a toda a intromissão global ocorrida desde 1918. Um artigo da CNN descreveu como Biden iniciaria prontamente a morte do “America First”:

“Depois de quatro anos de distorsão das normas, desrespeito aos tratados e de uma política externa perturbadora das alianças empreendida pela administração Trump, o candidato presidencial democrata Joe Biden promete devolver aos EUA seu papel mais tradicional no cenário mundial. […] ‘O America First de Trump tem sido America Alone, disse Brian McKeon, conselheiro de política externa de Biden e ex-assessor da Casa Branca e do Pentágono na administração Obama. ‘Em seu primeiro dia no cargo, [Biden] irá telefonar aos principais aliados e dizer que a América está de volta e a América vai apoiá-los’. Trump ‘colocou seu dedo nos olhos de todos os nossos amigos e aliados e abraçou todos os autocratas do mundo … perdemos todos os nossos amigos’, disse Biden ao Jake Tapper da CNN em setembro. ‘Trump questionou e denegriu publicamente o valor das alianças mais antigas dos EUA, inclusive com a OTAN, a Alemanha, a Coréia do Sul e o Japão. Ele também tirou os EUA do acordo nuclear iraniano, do acordo climático de Paris, da Organização Mundial da Saúde e de uma série de outras agências das Nações Unidas”. [28]

Durante seu primeiro dia no cargo, Biden estará novamente ditando lei para governos estrangeiros. Ele reunirá os líderes estrangeiros para uma “cúpula” para restabelecer um consenso imposto para a eufemisticamente chamada “comunidade global”. A NED e a multidão de outras ONGs serão revigoradas para melhorar suas atividades contra os Estados-alvo. Biden tranquilizou a oligarquia internacional, delineando sua política externa em Relações Exteriores, órgão da casa do Conselho de Relações Exteriores, onde o internacionalismo wilsoniano foi incubado há um século:

“Biden convocará uma ‘Cúpula para a Democracia’ no primeiro ano de sua presidência para ‘reunir as democracias do mundo para fortalecer nossas instituições democráticas, enfrentar honestamente as nações que estão recuando na democracia e forjar uma agenda comum’, escreveu o ex-vice-presidente em um ensaio sobre Relações Exteriores. A corrupção, os direitos humanos e a luta contra o autoritarismo serão os temas principais”. [29]

A incorporação da China no “sistema mundial”, um sonho de longa data da oligarquia globalista, continua sendo um objetivo primordial. [30]

“Em comentários públicos, Biden refletiu a visão da administração Obama de que a incorporação da China no sistema mundial é a maneira mais eficaz de garantir que ela adira às regras e normas internacionais. No passado, Biden apoiou o status de nação mais favorecida para a China e permitiu que ela fosse incorporada à Organização Mundial do Comércio. ‘Nós queríamos que a China crescesse. Não queremos ter uma guerra com a China’, disse Biden em uma recente entrevista com Jake Tapper, da CNN, quando perguntado sobre seu apoio a essas iniciativas no passado”. [31]

Se os globalistas estão exercendo pressão sobre a China através, por exemplo, dos motins de Hong Kong, que têm todas as marcas da interferência da NED/Soros, para instigar reformas, a atitude em relação à Rússia é bem diferente. Na Rússia há uma diferença existencial que só pode ser resolvida quando a Rússia não apenas se “reformar”, mas for totalmente desconstruída e subjugada à podridão do liberalismo. Biden declarou que Moscou “pagará o preço”, “declarando a Rússia a maior ameaça à segurança da América”, relata Atwood e Gaouette [32].

Conclusão

O regime Trump foi um interregno, uma aberração na época moderna impulsionada por uma massa de americanos que sentem que esta não é sua América, mas a criação de uma elite distante que é difícil de definir e identificar. Trump foi um pequeno jogador que rompeu fileiras com essa elite, tendo anteriormente se alinhado com os Clintons e o mesmo Establishment que ele passou quatro anos enfrentando como presidente. [33] Os mais de 70 milhões trumpistas careciam de coesão e profundidade ideológica, e a disciplina organizacional de um movimento para sustentar o que poderia ter sido uma revolta nacional. As raízes não foram afundadas suficientemente longe, especialmente metapoliticamente. Trump parecia ter um instinto do que era necessário, presumivelmente informado por seus próprios antecedentes dentro do Establishment. Ele sabia que não estava apenas enfrentando um Establishment político e econômico, mas aquele cujos tentáculos estão embutidos na mídia e na cultura, e tem definido por gerações o que é ser um “americano” de formas muito distantes e afastadas da visão de George Washington em seu discurso de despedida de 1796, que forma uma base sucinta e coerente para o nacionalismo americano. O potencial de um movimento populista de massa permanece. Uma fundação ideológica e cultural precisa ser construída, e é preciso iniciar uma “marcha através das instituições” em múltiplos níveis além da política partidária. A elite globalista e seus especialistas esperam nervosamente para ver se a breve revolta populista sob Trump assumirá uma forma mais coerente, ou se se dissipará e se dissolverá na corrente dominante do Partido Republicano.

Notas

[1] K. R. Bolton, Trump victory: an epochal event?, Geopolitica.ru, https://www.geopolitica.ru/en/article/trump-victory-epochal-eventhttps://www.geopolitica.ru/en/article/trump-victory-epochal-event
[2] Nick Allen, Donald Trump tells West Point cadets: we are not the policeman of the world, The Telegraph, 12 June 2020, https://www.telegraph.co.uk/news/2020/06/13/donald-trump-tells-west-point-cadets-not-policeman-world/
[3] Hillary is outraising tump 20-to-1 among billionaires, Bloomberg, Sept. 26, 2016; http://www.bloomberg.com/news/articles/2016-09-26/billionaire-donors-led-by-soros-simons-favor-clinton-over-trump
[4] Donald Trump’s final ad evokes ‘centuries-old anti-Semitic dog whistles’, Nathan Guttmann, Forward, November 6, 2016; http://forward.com/news/national/353563/donald-trumps-final-ad-evokes-centuries-old-anti-semitic-dog-whistles/
[5] Bill Allison, Mira Rojanasakul, Brittany Harris and Cedric Sam, Bloomberg, 9 December 2016, https://www.bloomberg.com/politics/graphics/2016-presidential-campaign-fundraising/
[6] Biden campaign had three times more money than Trump’s as they entered the final phase, L.A. Times, 20 October 2020, https://www.latimes.com/politics/story/2020-10-20/biden-trump-fundraising
[7] Brian Schwartz, How James and Kathryn Murdoch became a political power in the Trump era, CNBC, 9 September 2020, https://www.cnbc.com/2020/09/09/how-james-and-kathryn-murdoch-became-a-political-power-couple-in-the-trump-era.html
[8] Is Rupert Murdoch dumping Trump?, Japan Times, 7 November 2020, https://www.japantimes.co.jp/news/2020/11/07/world/politics-diplomacy-world/rupert-murdoch-donald-trump/
[9] Merle Ginsberg, Joe Biden just brought in $4.5 million with the help of a Hollywood mogul, Los Angeles Magazine, 15 September 2020, https://www.lamag.com/citythinkblog/joe-biden-fundraiser-haim-saban/
[10] Merle Ginsberg, ibid.
[11] Ari Levy, Here’s the final tally of where tech billionaires donated for the 2020 election, CNBC, 2 November 2020, https://www.cnbc.com/2020/11/02/tech-billionaire-2020-election-donations-final-tally.html
[12] Michela Tindera, Biden pulls away in race for billionaire donors, with 131 to Trump’s 99, Forbes, 8 August 2020.
[13] Michela Tindera, ibid.
[14] Why Black Lives Matter to Philanthropy, Ford Foundation, 19 July 2016, https://www.fordfoundation.org/ideas/equals-change-blog/posts/why-black-lives-matter-to-philanthropy/
[15] Mercey Livingston, These are the major brands donating to the Black Lives Matter movement, CNET, 16 June 2020, https://www.cnet.com/how-to/companies-donating-black-lives-matter/
[16] Want to know where all those corporate donations to #BLM are going? NBC News, 6 June 2020, https://www.nbcnews.com/business/consumer/want-know-where-all-those-corporate-donations-blm-are-going-n1225371
[17] S. B. Heitz, A hinge moment in history, RBF, 4 June 2020, https://www.rbf.org/people/stephen-heintz
[18] Stephen B. Heintz, https://www.rbf.org/people/stephen-heintz
[19] Saul David Alinsky, RF Illustrated, Rockefeller Foundation, Vol. 1, No. 1, October 1972, p. 3.
[20] Katrina Manson, Donald Trump sacks defense secretary Mike Esper, Financial Times, 10 November 2020.
[21] Bolton, Trump victory: an epochal event?, op. cit.
[22] Josh Rogin, The Trump administration wants to dismantle Ronald Reagan’s ‘infrastructure of democracy’, Washington Post, 5 March 2018.
[23] Josh Rogin, ibid.
[24] K. R. Bolton, Revolution from Above, Arktos Media, London, 2011, pp. 218-219.
[25] Rogin, op. cit.
[26] National Endowment for Democracy (NED), NDI, IRI, CIPE and Solidarity Center welcome increased funding from Congress, National Endowment for Democracy, press release, 21 December 2019.
[27] George Washington, Farewell Address to the American People, 1796.
[28] Kylie Atwood and Nicole Gaouette, How Biden plans to undo Trump’s ‘America First’ foreign policy and return US to world stage, CNN, October 31, 2020, https://edition.cnn.com/2020/10/31/politics/biden-foreign-policy-plans/index.html
[29] Atwood and Gaouette, ibid.
[30] Bolton, Revolution from Above, pp. 42-44.
[31] Atwood and Gaouette, op. cit.
[32] Ibid.
[33] Maureen Dowd, When Hilary and Donald were friends, New York Times Magazine, 2 November 2016, https://www.nytimes.com/2016/11/06/magazine/when-hillary-and-donald-were-friends.html

Fonte: Geopolitica.ru

Deixe uma resposta