O Colapso do Modelo Ocidental

O modelo ocidental, baseado em capitalismo e democracia liberal, não é mais capaz de defender o interesse da maioria ou garantir soberania popular. Ao acumular esses dois fracassos, esse modelo une os ingredientes para o fomento de revoltas generalizadas.
Crumpled dollar isolated on black

A Crise do Capitalismo

Historicamente, a crise do Ocidente começou com a crise do capitalismo americano, em 1929. Naquela época, a maioria dos livros e jornais afirmava que a concentração de capital esterilizava a economia, impedindo a concorrência em muitas áreas. Enquanto a fome grassava nos EUA, três modelos políticos foram propostos pela imprensa na época para quebrar o impasse econômico:

  • O leninismo com a nacionalização de todos os bens produtivos com o risco de destruir toda iniciativa individual;
  • O fascismo do antigo representante de Lenin na Itália, Benito Mussolini, que planejava não lutar contra a concentração do capital, mas organizá-lo dentro de corporações, com o risco de fazer com que os empregados perdessem toda a possibilidade de resistir a empregadores abusivos;
  • o progressismo de Franklin Roosevelt, para quem a tecnologia deveria reviver a economia e fornecer a solução desde que a concorrência fosse restaurada através do desmantelamento de grandes corporações (de acordo com a doutrina de Simon Patten).

Foi o próprio Lênin que notou o fracasso de sua teoria econômica durante a Guerra Civil. Ele então liberalizou o comércio exterior e até permitiu algumas empresas privadas na União Soviética (a Nova Política Econômica – NEP). O fascismo só pôde se desenvolver ao preço de uma terrível repressão. Ele foi varrido pela Segunda Guerra Mundial. O progressismo permaneceu a regra até os anos 80, quando foi desafiado pela desregulamentação de Ronald Reagan e Margaret Thatcher.

Este quarto modelo é agora também desafiado pela destruição da classe média causada pela globalização. O Presidente Bush Sr. pensava que com o desaparecimento da URSS, a busca pela prosperidade deveria substituir a rivalidade militar entre Washington e Moscou. Ele permitiu que algumas empresas americanas formassem uma aliança com o Partido Comunista Chinês e transferissem fábricas para a costa chinesa. Mesmo que os trabalhadores chineses não fossem treinados, sendo o custo de sua mão-de-obra vinte vezes menor na China do que nos EUA, estas empresas acumularam lucros colossais que lhes permitiram impor uma concentração muito maior em certos setores do que em 1929. Além disso, elas obtiveram a maior parte de seus lucros não com a produção de bens e serviços, mas com a renda de seus ativos líquidos. O capitalismo mudou mais uma vez sua natureza. Ele não era mais produtivo, mas havia se tornado financeiro.

Os trabalhadores chineses, tendo se treinado gradualmente, tornaram-se agora tão caros quanto os trabalhadores americanos, de modo que a relocalização agora afeta seu próprio país em benefício do Vietnã e da Índia desta vez. Estamos de volta ao ponto de partida.

As empresas americanas que se comprometeram a realocar seus empregos para a China e a financiar suas atividades conseguiram fundir sua ideologia de “globalização econômica” com a globalização do uso de novas técnicas; duas coisas não relacionadas. De fato, embora novas técnicas possam ser usadas em qualquer lugar do mundo, elas não podem ser usadas ao mesmo tempo, pois requerem energia e matérias-primas.

Assim, convenceram o Secretário de Defesa Donald Rumsfeld a dividir o mundo em dois: por um lado uma zona de consumo global, ao redor dos EUA, Rússia e China, e por outro, uma zona de recursos para alimentar a primeira. O Pentágono decidiu então destruir as estruturas estatais do Grande Oriente Médio para que o povo da região não pudesse resistir a este projeto; o que George W. Bush chamou de “guerra sem fim”. Na verdade, guerras eternas começaram no Afeganistão, Iraque, Líbia, Síria, Iêmen, cada vez por razões diferentes, mas sempre com os mesmos agressores, os jihadistas.

Em 2017, Donald Trump e Xi Jinping decidiram ao mesmo tempo lutar contra este fenômeno, o primeiro através do nacionalismo protecionista e o segundo através do nacionalismo econômico. Entretanto, a reforma fiscal proposta por Trump foi rejeitada pelo Congresso: a Lei de Ajuste de Fronteiras teria liberalizado as exportações e tributado todas as importações em 20%. Por sua vez, Xi Jinping criou um órgão para monitorar a conformidade dos objetivos corporativos com os da nação, a Frente Unida, no 19º Congresso do PCC. Um representante do estado foi introduzido no conselho de administração de cada grande empresa.

O fracasso do Trump em fazer passar seu plano fiscal o levou a tentar obter os mesmos benefícios declarando uma guerra alfandegária apenas contra a China. O PCC respondeu tentando tanto desenvolver seu mercado interno quanto direcionar sua superprodução para a Europa. Este pagou o preço imediatamente. Como sempre, quando os governos não estão atentos à situação de seu povo, o problema econômico causa uma crise política.

A Crise da Democracia

Ao contrário da crença popular baseada na aparência das coisas, não é a escolha de um novo regime político, mas a defesa dos interesses coletivos que provoca revoluções. No mundo moderno, trata-se sempre de patriotismo. Em todo caso, aqueles que se revoltam pensam, com ou sem razão, que seus governantes estão a serviço de interesses estrangeiros, que já não são mais aliados, mas inimigos.

A ordem internacional que foi imposta após a Segunda Guerra Mundial deveria servir ao interesse geral, seja através de alguma forma de democracia ou através de alguma forma de ditadura do proletariado. Entretanto, este sistema não poderia funcionar no longo prazo em Estados não soberanos como os da OTAN ou do Pacto de Varsóvia. Em uma época ou outra, os governantes desses Estados foram levados a trair seu povo e servir ao seu suserano, os EUA ou a URSS. Este sistema foi aceito por todo o tempo todo durante o qual, com ou sem razão, todos o consideraram indispensável para viver em paz. Esta motivação não existe mais hoje, mas a OTAN ainda está lá, agora sem legitimidade.

A OTAN, uma espécie de Legião Estrangeira dos Estados Unidos e do Reino Unido, pensou e criou o que se tornou a União Européia. Inicialmente, era uma questão de ancorar a Europa Ocidental no campo ocidental. Hoje, através de tratados, a União Européia subordina sua defesa à OTAN. Na prática, para os povos da UE, a Aliança do Atlântico Norte é o componente militar de um todo do qual a UE é o componente civil. A OTAN impõe suas normas, constrói a infra-estrutura de que necessita e é financiada através de instituições opacas. Tudo isso é escondido dos olhos de seus habitantes, que são explicados, por exemplo, que o Parlamento Europeu vota as normas, enquanto se limita a ratificar os textos da OTAN apresentados pela Comissão.

Não há dúvida que, embora sofram sem vacilar, os cidadãos não aceitam esta organização: não deixaram de se opor à idéia de uma Constituição Européia.

Ao mesmo tempo, o conceito de democracia foi profundamente transformado. Não se trata mais de garantir o “poder do povo”, mas de submeter-se ao “Estado de Direito”; dois conceitos irreconciliáveis. De agora em diante, os magistrados decidirão pelo povo que terá o direito de representá-lo e que será privado deste direito. Esta transferência da soberania dos povos para os sistemas judiciais é indispensável para manter o domínio efetivo dos anglo-saxões sobre os membros da UE. Daí a implacabilidade de Bruxelas em impor o “Estado de Direito” à Polônia e à Hungria.

A Revolta

O colapso do padrão de vida das pessoas pequenas nos EUA sob Barack Obama levou à eleição de Donald Trump. A aceleração das relocalizações da Europa como resultado da guerra alfandegária entre os EUA e a China provocou o movimento dos Coletes Amarelos na França.

Esta revolta popular se materializou nas primeiras semanas deste movimento (com a exigência do Referendo de Iniciativa Cidadã -RIC- por Étienne Chouard). Estava de acordo com a candidatura do humorista Coluche à presidência francesa em 1981 (“Todos juntos pelo cu”) e com as manifestações do humorista italiano Beppe Grillo em 2007 (“Vaffanculo”, que significa “Fodam-se”). Gradualmente, o escárnio é acompanhado de uma raiva cada vez mais forte e obscena.

Deve-se entender que a questão da rejeição do domínio militar americano precedeu a da globalização econômica, mas foi esta última que abriu a revolta. Da mesma forma, é necessário distinguir as exigências patrióticas dos Coletes Amarelos, com a bandeira nacional à cabeça, daquelas dos trotskistas que rapidamente assumiram o controle de seu movimento e o sequestraram atacando símbolos da Nação, vandalizando o Arco do Triunfo e a estátua da Marselhesa.

Em resumo, a revolta atual é fruto tanto de três quartos de século de domínio anglo-saxão sobre os membros da União Européia como da hiperconcentração do capital globalizado. Em conjunto, estas duas crises formam uma bomba relógio que, se não for desarmada, explodirá em detrimento de todos. Esta revolta atingiu agora uma real consciência do problema, mas ainda não está madura o suficiente para não ser subvertida pelos governantes europeus.

Ao nem mesmo tentar resolver os problemas colocados, eles esperam gozar de seus privilégios pelo máximo de tempo possível, sem ter que assumir suas responsabilidades. Ao fazer isso, eles não têm outra escolha senão insistir na guerra ou correr o risco de serem derrubados com grande violência.

Fonte: Voltaire Network

Thierry Meyssan

Intelectual francês, presidente e fundador da Rede Voltaire e da conferência Axis for Peace, é autor de diversos artigos e obras sobre política externa, geopolítica e temas correlatos.

Deixe uma resposta