Por um nacional-comunismo revolucionário e crioulo

Juan Gabriel Caro Rivera

Durante o século XX, na América Latina, havia apenas três tipos de estado: o liberal-capitalista, o socialista e o populista. Nenhum outro tipo de estado conseguiu se estabelecer na prática ou se estabelecer como modelo. Estados liberais, socialistas e populistas existem. As outras classes de estado estão ausentes ou não existem. Na América Latina, houve sobretudo um estado liberal-capitalista e os guerrilheiros comunistas falharam em criar verdadeiros estados socialistas, sendo esses estados uma caricatura deles. Nunca houve um estado populista.

1. Contra o Capitalismo Liberal
O capitalismo liberal é a forma de Estado adotada pelo sistema político e econômico da América Latina como meio de exploração das classes mais baixas. Baseia-se na criação de uma elite política e econômica que controla todos os aspectos da vida nacional, da mídia às empresas e rotas comerciais. Esse sistema foi adotado pelas classes altas quando a independência política da Espanha foi consumada e a experiência da Grã-Colômbia de Bolívar afundou. A elite latino-americana substituiu a independência política pela dependência econômica, introduziu o capitalismo internacional e criou a democracia política. Até agora, esse tem sido o sistema político atual que, apesar das guerras civis, das revoltas de artesãos e camponeses, das diferentes lutas políticas e das crises sistemáticas, foi mantido na América Latina.

O liberalismo latino-americano tem como base a exploração econômica da nação para criar um capitalismo nacional que, pouco a pouco, se torna capitalismo internacional. Esse capitalismo é a base econômica da burguesia nacional protegida por intelectuais conservadores e liberais, sempre prontos a honrar seus senhores. A aliança entre a burguesia e os intelectuais moldou a realidade política da nação, criando a estrutura ideológica sobre a qual subsistem todas as anteriores. Desde que a elite latino-americana nasceu da negação de seu próprio passado latino-americano, todos os tipos de flagelos internos e tentativas de “embranquecimento do sangue” que cercam o masoquismo estão nela. Daí a vergonha da cultura nacional e de sua herança bárbara espanhola, mestiça, indígena ou africana. A intelligentsia (classe intelectual e artística) latino-americana tentou preencher essa lacuna adotando modas literárias europeias e norte-americanas, enquanto as elites nacionais se entregaram à Nordomania e à celebração da Anglofilia. Todos os legados históricos foram rejeitados, preferindo a celebração do estrangeiro, do forâneo, do exótico. No entanto, essa atitude criou uma esquizofrenia social: a distância entre a elite alienada em relação ao povo se tornou cada vez mais profunda. Este último acabou conservando, embora de forma fragmentada e diluída, a herança hispânica e pré-hispânica negada por seus capatazes e chefes, alienadas nos fatuosos fogos da deslumbrante cultura ocidental moderna.

O nacional, sua identidade própria, foi sistematicamente negado pelas elites e intelectuais colombianos. Nossa cultura foi reduzida a uma pilha de restos expostos em museus ou a shows sem sentido exibidos a espectadores estrangeiros. Como o capitalismo, o liberalismo latino-americano age como uma sanguessuga que vive na terra natal para sobreviver. É fruto de um duplo movimento combinado: o liberalismo nega a identidade nacional em favor de dissolvê-la na civilização mecânica ocidental; enquanto isso, o capitalismo destrói formas de produção comunitárias, enraizadas nas tradições históricas hispânicas e indígenas, baseadas no trabalho coletivo da terra, na solidariedade e nos laços de sangue. A corrupção foi inoculada no sistema sanguíneo da nação através do triunfo do egoísmo, das sociedades acionárias e da redução da vida nos seus menores impulsos.

A sociedade colombiana reagiu a esse sistema das mais diversas formas: a criação de guerrilhas organizadas, movimentos agrários, ondas populistas, eleição de líderes nacionalistas, explosões violentas e terrorismo. Cada uma dessas tentativas falhou ou terminou em uma transação com o inimigo em favor da obtenção de benefícios econômicos e quotas de poder. Os inimigos da nação têm sido mais astutos que os filhos da pátria. E no final, eles acabaram caindo em sonolência e fatalismo.

A nova resposta nacional, portanto, terá que aprender com os erros do passado e iniciar uma nova guerra de libertação nacional: para uma Pátria que reivindica valores nacionais e promove a justiça.

2. O Nacional-comunismo crioulo
O nacional-comunismo crioulo será o projeto articulador de uma nova sociedade. A expressão de nacionalismo que defende a identidade nacional, valores nacionais, história nacional, juntamente com um programa econômico que reivindique a justiça, um retorno ao comunismo primitivo, as formas arcaicas de vida. O nacional-comunismo é a combinação de uma orientação político-cultural fiel ao solo nacional, às tradições, à ética nacional, raízes históricas, com um programa econômico que exige restrição do livre mercado, o retorno à autarquia, a construção de uma troca justa, a libertação da sociedade da escravidão da dívida, o primado do trabalho honesto e retorno ao sindicalismo e agrarismo. É a síntese de tudo o que foi descartado pela sociedade atual. Portanto, não se trata do antigo marxismo-leninismo, que hoje se revelou um tremendo fracasso. Não. Será um novo comunismo que, longe do dogmatismo do passado, se adapta às demandas dos povos e manifesta neles a grandeza de seu sistema. Não se trata de colombianos para o comunismo (a visão clássica dos movimentos marxistas e guerrilheiros), mas de comunismo para os colombianos. Esse comunismo será baseado no resgate das antigas tradições pré-hispânicas, hispânicas e nacionais, será a expressão da justiça social de nossa nação, de nossas tradições, de nossa ética econômica, e não a imposição de um socialismo científico abstrato.

Esse comunismo será mais agrário que urbano, mais regionalista que centralista, mais cooperativo e municipal que estatista ou internacionalista; serão essas especificidades que serão refletidas na teoria e na prática. Todas as opções acima requerem uma rejeição de qualquer tentativa de padronizar nossa situação com a de outra nação ou forma histórica estranha a nós. Vamos esclarecer uma coisa: o novo nacionalismo não será exclusivo, mas inclusivo. Um que decide incluir em seu seio todas as nações que compartilham os mesmos valores, que têm o mesmo passado. Esse novo nacionalismo defenderá o império, a união histórica de nações gêmeas pela mesma origem. O primeiro império pré-hispânico foi o Inca; o segundo império hispânico foi o vice-reinado do Peru, cortado pelos Bourbons e desfigurado pelas independências; o terceiro império será o comunismo milenar dos novos homens que reconstruirão o legado perdido dos ancestrais.

3. O Novo Homem
O nacional-comunismo crioulo será construído por um novo homem: um novo tipo de homem que reivindicará a revolução e restaurará a ordem. A classe de heróis e guerreiros, os novos templários do proletariado. As alternativas que o sistema nos oferece são medíocres e sem gosto. A direita neoconservadora nos propõe como alternativa o empresário, o capitalista internacional, a burguesia cosmopolita. A esquerda, por sua vez, oferece-nos um modelo deformado da tribo e, na sua falta, o do homem mantido no conforto de um capitalismo social sem conteúdo. Ambos os modelos implodem como mofo podre.

Pelo contrário, o novo homem deve se erguer acima das ruínas do passado, olhando para o futuro, cujo único horizonte não é outro senão a chegada do milênio comunista. Este milênio, onde o comunismo nacional será erguido como uma bandeira, será seu objetivo final. A figura do novo homem do comunismo nacional terá que encarnar em um ser concreto para existir: esse ser concreto nos oferece três tipos diretos na forma de camponês, guerreiro e profeta. A nova revolução será feita por eles e por eles. Não será uma revolução de cima, feita por alguns para manter a mesma ordem das coisas existentes. Essa revolução terá que liquidar, através de sua ação, as velhas estruturas de putrefação que ainda existem e sobre as quais se baseia o poder das elites atuais.
A revolução desencadeará as forças arcaicas primitivas, os arquétipos ocultos. Por essa razão, o comunismo será o fogo que aquece essas energias atávicas e dá ao profeta, ao guerreiro e ao camponês o impulso de superar os tempos atuais. Então o fogo descerá do céu e queimará a terra com tanto ardor que todos os que não estiverem dispostos a abraçá-lo serão evaporados. O êxtase e a fúria, a reflexão e o impulso, a vontade férrea tomarão os novos revolucionários nacionais: jovens, destemidos, apaixonados, violentos, niilistas, homens sem fronteiras que partem para a aventura de purificar o mundo. Construirão e destruirão, desprezarão e louvarão, seguirão ordens e desprezarão as normas estabelecidas, unirão em si o angelical e o sobre-humano. Eles descarregarão sua ferocidade sobre os inimigos da nação e cuidarão ternamente dos idosos e crianças. Neles o terrível se unirá ao sublime. O novo homem é chamado a fazer o impossível: a abertura dos portões da Idade do Ouro, a descida da cidade celestial à terra, a abolição do tempo.

O nacional-comunismo, portanto, não será a consolidação do capitalismo de estado disfarçado de comunismo, nem a defesa de um nacionalismo estreito e sem objetivo. Será o comunismo dos primeiros tempos e o ideal de união das nações em um império. Longe de nós a defesa de um capitalismo nacional, pardo e marrom. Em vez disso, desejamos a transmutação do mundo e o eterno retorno dos séculos.

Fonte: Geopolitica.ru

Deixe uma resposta