As Gigantes Tecnológicas Ocidentais estão se tornando Tirânicas

As gigantes de TI recrudesceram a aplicação de censura e tem empreendido uma perseguição sem precedentes contra páginas e usuários que não se adequem à cosmovisão político-ideológica de seus CEOs. Se antes essas corporações se limitavam a esticar a aplicabilidade de seus termos de serviço, hoje a censura já é aplicada mesmo em contrariedade dos próprios termos de serviço. De todo modo, a única solução para isso é o surgimento de ferramentas tecnológicas autóctones nos países não alinhados ao atlantismo.

Na noite de 27 e 28 de julho, o Google bloqueou as contas no YouTube de vários veículos de mídia russos (o canal de TV Tsargrad, a Sociedade Águia de Duas Cabeças, o grupo antiaborto “Za Zhizn!”, o Geopolitika.ru) e as contas de e-mail de indivíduos. A motivação para todos eles era a mesma – a violação das leis de exportação. Um pouco antes, vários outros veículos de mídia russos (Anna News, News Front, Crimea 24, Agência Federal de Notícias) também sofreram censura.

A situação foi comentada pelo Secretário de Imprensa Presidencial Dmitry Peskov e pela porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia Maria Zakharova, que condenaram as ações da empresa americana, mas sem dizer se seriam tomadas medidas para proteger os direitos e interesses dos cidadãos russos.

Enquanto costumava ser o Facebook e o Twitter que empreendiam tais ataques, apagando e bloqueando as contas de grupos, políticos, líderes de opinião e veículos de mídia, o bastão agora foi passado para outro gigante da TI, e este é ainda mais duro. No mínimo, o Google está contradizendo suas próprias regras, uma vez que seus Termos de Serviço estabelecem que a empresa deve primeiro avisar o proprietário da conta se este estiver violando os termos. Isso não foi feito. E mais, se bloquear os canais do YouTube de certos veículos de mídia não se encaixa na visão da empresa, então o que dizer das contas de e-mail privadas? Quando perguntado sobre a legalidade de suas ações, entretanto, o Google respondeu que as contas foram removidas de acordo com a lei.

E não foram apenas os cidadãos e organizações russas que sofreram nas mãos dos monopolistas ocidentais. No passado, países europeus também foram afetados por esse bloqueio generalizado. Na maioria das vezes, eram os meios de comunicação patrióticos e patriotas individuais que eram alvo.

Não estamos vendo aqui simplesmente censura, mas várias questões muito mais importantes.

Primeiro, como não são apenas os cidadãos da Rússia, mas também de países do Ocidente que estão sendo submetidos à filtragem e à proibição da liberdade de expressão, poderíamos dizer que a morte do contrato social na sociedade democrática liberal está diante nós. De acordo com este conceito, os cidadãos cedem alguns de seus direitos ao governo em troca da salvaguarda de seus interesses. Agora, porém, os governos do Ocidente são impotentes para proteger os interesses de seus cidadãos. Embora ainda haja uma aparência de democracia e os cidadãos votem nos representantes de vários partidos para emendar as leis e continuar cuidando de seus interesses de acordo com o espírito dos tempos, várias grandes empresas de TI estão agora impondo agressivamente seus produtos e regras.

É revelador que os representantes da ideologia liberal, que aparentemente deveriam estar protegendo a liberdade de expressão, responderam com otimismo ao bloqueio e à eliminação das contas. Em particular, o deputado francês Meyer Habib, comentando a prisão do escritor francês Alain Soral, declarou que “o Facebook e o YouTube finalmente começaram a limpar um pouco, a França deve seguir”.

Não é de se admirar que Google, Amazon, PayPal, Facebook, Twitter e várias outras grandes empresas americanas tenham sido apelidadas de Máfia do Silício, uma vez que nem sempre são responsáveis perante o governo dos EUA, e podem usar seu capital para fazer lobby por seus interesses no Congresso e na Casa Branca. Estas empresas estabelecem suas próprias regras do jogo que estão longe das normas democráticas.

Enquanto Google, Facebook e Twitter procuram e excluem as contas dos “dissidentes”, PayPal é famoso por ser capaz de bloquear o dinheiro dos usuários sem nenhuma razão. É praticamente impossível recuperar, como as vítimas do PayPal têm escrito sobre em vários fóruns por anos. A Amazon está censurando autores de vários países, negando-lhes a oportunidade de usar seu mercado.

Provavelmente há perguntas que as autoridades reguladoras de vários países deveriam fazer ao Google e a outras empresas com relação ao local onde armazenam os dados dos usuários e em quais servidores. De um ponto de vista de segurança nacional, o Google Maps e seu navegador da web devem ser analisados. Não se deve esquecer que a empresa trabalha no interesse do Pentágono, desenvolvendo projetos de armazenamento em nuvem e inteligência artificial.

Este tipo de colaboração mostra que, apesar da retórica de Donald Trump contra certas empresas devido a diferentes visões políticas (o proprietário da Amazon e do Washington Post, Jeff Bezos, sempre foi crítico de Trump, por exemplo), os interesses do governo dos EUA coincidem com as aspirações da máfia do silício na maioria dos casos. Além disso, há uma clara simbiose no relacionamento.

A Aliança de Cibersegurança Nacional dos EUA trabalha em estreita colaboração com empresas líderes em tecnologia como Google, Facebook, Dropbox e Microsoft. E parte do financiamento dado à Máfia do Silício vem diretamente das agências de inteligência dos EUA. Por exemplo, a Palantir foi criada como parte de um projeto pelo fundador do PayPal,, Peter Thiel em 2004, e seu primeiro investidor externo foi a empresa de capital de risco da CIA, a In-Q-Tel. A lista de clientes da Palantir inclui o Departamento de Estado dos EUA, a CIA, o FBI, o Exército, a Marinha, a Força Aérea, departamentos de polícia em Nova Iorque e Los Angeles, e um grande número de instituições financeiras americanas. Deve-se notar que Palantir foi implicada em um escândalo em 2011, quando foi acusada de “criar dossiês eletrônicos sobre os opositores políticos da Câmara por meios ilícitos”.

Em 2012, a Diretora da DARPA Regina Dugan foi trabalhar para o Google. De acordo com Dugan, ela simplesmente não podia dizer “não” a uma empresa tão “inovadora”. E um dos fundadores do Google, Eric Schmidt, é consultor técnico da Alphabet e membro do conselho de administração da empresa. Ele também atua como presidente do Conselho de Inovação em Defesa do Departamento de Defesa dos EUA.

Google, Jigsaw e a Fundação Hewlett estão fornecendo apoio financeiro para o Projeto Defendendo a Democracia Digital no Centro Belfer da Universidade de Harvard, que foi lançado em julho de 2017. Naturalmente, a idéia da interferência russa nas eleições (tanto passadas quanto futuras) está sendo promovida de todas as maneiras possíveis.

E a manipulação das contas da mídia social é uma tentativa de destruir qualquer ponto de vista alternativo. Isto é confirmado por um relatório especial lançado em 4 de agosto de 2020 pelo Departamento de Estado dos EUA. O título do relatório é “Pilares do Ecossistema de Desinformação e Propaganda da Rússia”, e tem cerca de 80 páginas. O relatório menciona os meios de comunicação cujas contas já foram apagadas, uma série de outras publicações e certos websites no Ocidente. A maioria das reivindicações feitas pelos autores do relatório (seus nomes não são dados) são infundadas e carentes de evidência.

Em 5 de agosto, houve um briefing com o enviado especial do Departamento de Estado dos EUA sobre o relatório, que foi referido como a “primeira análise abrangente do ecossistema de desinformação e propaganda da Rússia”. De acordo com o Departamento de Estado, “a Rússia normalmente procura minar as instituições democráticas e as normas democráticas, e espalhar o medo e a confusão, bem como tenta criar dúvidas sobre as normas democráticas”.

Não há dúvida de que tal trabalho descuidado foi feito em auxílio às próximas eleições presidenciais para que o Departamento de Estado pudesse se justificar perante os contribuintes americanos e provar seu valor. Mas se os autores tentassem analisar o que está acontecendo em seu próprio país e o número de websites dos EUA envolvidos na disseminação de teorias conspiratórias e no incitamento à violência e ao ódio inter-étnico (inter-religioso), então haveria trabalho suficiente para mantê-los ocupados por muitos anos ainda.

É claro a partir destes exemplos que a Máfia de Westpoint, como é chamada a atual instituição política dos EUA, trabalha em estreita colaboração com a Máfia do Silício, que também está se tornando irresponsável em outros países. Sua presença também está se tornando cada vez mais tóxica. Se olharmos o problema do ponto de vista do consumidor comum, então ele ou ela está confiando seus dados (mensagens pessoais, armazenamento de arquivos) a um grupo duvidoso de empresas. E estes dados poderiam ser utilizados sem seu consentimento ou simplesmente desaparecer um dia.

Enquanto coisas como estas estão acontecendo em um país, é impossível dizer que esse país tem plena soberania. A questão precisa ser tratada com urgência. Embora o Google tenha sido multado em 1,5 milhões de rublos por um tribunal de Moscou em 10 de agosto por se recusar a filtrar conteúdo proibido, a medida está sendo considerada insuficiente. No passado, esses gigantes tóxicos de TI dos EUA foram frequentemente multados em proporções muito maiores por vários países europeus. Em nome da justiça e da proteção dos direitos individuais, pode ser que os esforços internacionais sejam exatamente o que é necessário para limitar a crescente influência da Máfia do Silício.

Fonte: Oriental Review

Leonid Savin

Leonid Savin é escritor e analista geopolítico, sendo editor-chefe do Geopolitica.ru, editor-chefe do Journal of Eurasian Affairs, diretor administrativo do Movimento Eurasiano e membro da sociedade científico-militar do Ministério da Defesa da Rússia.

Deixe uma resposta