Qual será a Política Externa do Próximo Presidente dos Estados Unidos?

Os dois programas para as candidaturas Trump e Biden não são semelhantes aos dos candidatos anteriores. Não se trata mais de ajustar os Estados Unidos ao mundo em mudança, mas de definir o que o que os EUA serão. A questão é existencial, então é bem possível que as coisas degenerem e acabem em violência. Para alguns, o país deve ser uma nação a serviço de seus cidadãos, para outros deve restaurar seu status imperial. Portanto, quais são as principais diferenças entre os projetos de Trump e Biden para a política externa estadunidense?

A campanha presidencial dos Estados Unidos para 2020 apresenta duas visões radicalmente diferentes dos Estados Unidos: império ou nação?

Por um lado, a pretensão de Washington de dominar o mundo pela “contenção” – estratégia articulada por George Kennan em 1946 e seguida por todos os presidentes até 2016 – e, por outro lado, a rejeição do imperialismo e o desejo de facilitar a sorte de americanos em geral – uma estratégia articulada pelo presidente Andrew Jackson (1829-37) e adotada apenas pelo presidente Donald Trump (2017-20).

Cada um desses dois campos exerce uma retórica que mascara sua verdadeira prática. Democratas e republicanos se apresentam como arautos do “mundo livre” diante das “ditaduras”, como defensores contra a discriminação racial, de gênero e orientação sexual e como campeões da luta contra o “aquecimento global”. Os jacksonianos, por sua vez, se revezam na denúncia da corrupção, da perversidade e, em última instância, da hipocrisia de seus antecessores, enquanto convocam a luta por sua nação e não pelo império.

Os dois campos têm em comum apenas o mesmo culto à força; seja a serviço do império (democratas e republicanos) ou da nação (jacksonianos).

O fato de que os jacksonianos inesperadamente se tornaram maioria no país e assumiram o controle do Partido Republicano aumenta a confusão, mas não se deve confundir o trumpismo com o que tem sido a ideologia republicana desde a Segunda Guerra Mundial.

Na realidade, democratas e republicanos tendem a ser pessoas prósperas ou profissionais em novas tecnologias, enquanto os jacksonianos – como os “coletes amarelos” na França – são bastante pobres e profissionalmente presos à terra da qual não podem escapar.

Para a campanha de 2020, democratas e republicanos estão unidos em apoio ao ex-vice-presidente Joe Biden. Ele e seus apoiadores são extremamente loquazes sobre suas intenções:

Em minha opinião, as principais disputas não são declaradas, mas constantemente implícitas.

A Agenda Jacksoniana

Assim que assumiu o cargo, Donald Trump questionou a estratégia Rumsfeld/Cebrowsky de aniquilar as estruturas estatais de todos os países do “Grande Oriente Médio” sem exceção e anunciou seu desejo de trazer para casa as tropas perdidas na “guerra sem fim” . Essa meta permanece no topo de suas prioridades em 2020 (“Acabar com as guerras sem fim e trazer nossas tropas para casa”).

Como resultado, ele excluiu o Diretor da CIA e o Presidente do Comitê de Chefes de Pessoal das reuniões regulares do Conselho de Segurança Nacional. Ao fazer isso, ele privou os partidários do imperialismo de sua principal ferramenta de conquista.

Ver:

Seguiu-se uma batalha pela presidência deste conselho com a acusação do general Michael T. Flynn, depois sua substituição pelo general H.R. McMaster, o excepcionalista John R. Bolton e, finalmente, Robert C. O’Brien.

Em maio de 2017, Donald Trump pediu aos aliados dos EUA que cessassem imediatamente seu apoio aos jihadistas encarregados de implementar a estratégia Rumsfeld/Cebrowski. Este foi o discurso de Riad aos chefes de estado sunitas e depois aos chefes de estado e de governo da OTAN. O presidente Trump declarou a OTAN obsoleta antes de mudar de ideia. No entanto, ele conseguiu não o abandono da política de contenção da Rússia, mas a redução da metade dos créditos usados ​​para esse fim e a alocação dos fundos assim preservados para o combate ao jihadismo. Ao fazê-lo, deixou parcialmente de fazer da OTAN um instrumento do imperialismo e transformou-a numa aliança defensiva. Portanto, exigiu que seus membros contribuíssem para seu orçamento. O apoio ao jihadismo, no entanto, foi buscado pelos defensores do imperialismo com meios privados, notadamente o Fundo KKR.

Ver:

Daí suas palavras de ordem: “Acabar com os terroristas globais que ameaçam prejudicar os americanos” e “Fazer com que os aliados paguem sua parte justa”.

Como os democratas e republicanos, o jacksoniano Donald Trump está empenhado em restaurar as capacidades de seus exércitos (“Manter e expandir a força militar incomparável da América”). Ao contrário de seus predecessores, ele não procurou transformar a gestão delirante do Pentágono privatizando um departamento por vez, mas desenvolveu um plano para recrutar pesquisadores para competir tecnologicamente mais uma vez com os exércitos russo e chinês.

Ver:

Apenas o desejo de Donald Trump de recuperar a primazia em questões de mísseis é apoiado por democratas e republicanos, embora eles não concordem sobre como alcançá-lo (“Construir um Grande Sistema de Defesa de Segurança Cibernética e Sistema de Defesa de Mísseis”): o inquilino da Casa Branca quer que os EUA se equipe sozinho com essas armas que eles podem eventualmente implantar no território de seus aliados, enquanto seus oponentes querem envolver os aliados para mantê-los sob controle. Do ponto de vista dos democratas e republicanos, o problema obviamente não é a retirada dos tratados de desarmamento da Guerra Fria para construir um novo arsenal, mas a perda dos meios de pressão diplomática sobre a Rússia.

Um político profissional, Joe Biden espera restaurar o status imperial da antiga Primeira Potência Mundial.

O programa dos democratas e dos republicanos sem partido

Joe Biden propõe focar em três objetivos: (1) revigorar a democracia (2) treinar a classe média para lidar com a globalização (3) recuperar a liderança global.

Revigorar a democracia: em suas palavras, isso significa basear a ação pública no “consenso informado” dos americanos. Ao fazer isso, ele usou a terminologia de 1922 de Walter Lipmann, segundo a qual a democracia pressupõe “fabricar consenso”. Esta teoria foi discutida longamente por Edward Herman e Noam Chomsky em 1988. Obviamente, não tem nada a ver com a definição formulada pelo presidente Abraham Lincoln: “Democracia é governo do povo, pelo povo, para o povo”.

Joe Biden acredita que está alcançando seu objetivo ao restaurar a moralidade da ação pública por meio da prática do “politicamente correto”. Por exemplo, ele condena “a prática horrível [do presidente Trump] de separar famílias e colocar os filhos de imigrantes em prisões privadas”, sem dizer que o presidente Trump estava apenas aplicando uma lei democrata para demonstrar a sua futilidade. Ou ele anuncia que quer reafirmar a condenação à tortura que o presidente Trump justificou, sem dizer que este, como o presidente Obama, já proibiu a prática mantendo, porém, a prisão perpétua sem julgamento em Guantánamo.

Ele anunciou sua intenção de convocar uma Cúpula pela Democracia para lutar contra a corrupção, defender o “Mundo Livre” contra regimes autoritários e fazer avançar os direitos humanos. Em vista de sua definição de democracia, trata-se de unir os estados aliados denunciando os bodes expiatórios pelo que está errado (os “corruptos”) e promovendo os direitos humanos no sentido anglo-saxão e, principalmente, no francês. Ou seja, para acabar com a violência policial e não para ajudar os cidadãos a participarem na tomada de decisões. Esta cúpula lançará um apelo ao setor privado para que as novas tecnologias não possam ser usadas por Estados autoritários para monitorar seus cidadãos (mas os EUA e sua NSA podem sempre usá-las no interesse do “Mundo Livre”).

Por fim, Joe Biden conclui este capítulo destacando seu papel na Comissão Transatlântica para Integridade Eleitoral ao lado de seus amigos, o ex-Secretário-Geral da OTAN Anders Fogh Rasmussen, que derrubou a Jamahiriya Árabe Líbia, e Michael Chertoff, ex-Secretário de Segurança Interna dos EUA, que colocou todos os cidadãos americanos sob vigilância. Sem esquecer John Negroponte que organizou os Contras na Nicarágua e o ISIS no Iraque.

 Educar a classe média para lidar com a globalização. Joe Biden acredita que a política seguida desde a dissolução da URSS levou ao rápido desaparecimento da classe média e que treinar a classe média remanescente no uso de novas tecnologias impedirá a realocação de seus empregos.

Renovar a liderança dos EUA . Em nome da democracia, isso significa deter a ascensão de “populistas, nacionalistas e demagogos”. Essa formulação nos ajuda a entender que a democracia, segundo Joe Biden, não é apenas a fabricação do consenso, mas também a erradicação da vontade popular. Se os demagogos pervertem as instituições democráticas, os populistas servem à vontade popular e os nacionalistas servem à comunidade.

Joe Biden então especifica que ele parará as guerras “para sempre”; uma formulação que parece apoiar o mesmo objetivo dos jacksonianos, mas difere na terminologia. Na verdade, trata-se de validar a adaptação atual do sistema aos limites impostos pelo presidente Trump: por que fazer os soldados americanos morrerem no exterior quando se pode seguir a estratégia Rumsfeld/Cebrowski com os jihadistas a um custo menor? Ainda mais porque, quando era apenas um senador da oposição, Joe Biden deu seu nome ao plano de divisão do Iraque que o Pentágono estava tentando impor.

Um versículo segue sobre o alargamento da OTAN para incluir aliados da América Latina, África e Pacífico. Longe de ser obsoleta, a Aliança voltará a ser o coração do imperialismo dos EUA.

Finalmente, Joe Biden pleiteia a renovação do acordo 5 + 1 com o Irã e os tratados de desarmamento com a Rússia. O acordo com o presidente Hassan Rohani visa dividir classicamente os países muçulmanos em sunitas e xiitas, enquanto os tratados de desarmamento visam confirmar que o governo Biden não prevê um confronto global, mas a contenção contínua de seu concorrente.

O programa do candidato do Partido Democrata e dos republicanos não partidários termina com a garantia de adesão ao Acordo de Paris e de assumir a liderança na luta contra o aquecimento global. Joe Biden especifica que não dará presentes à China, que está transferindo suas indústrias mais poluentes ao longo da Rota da Seda. Por outro lado, ele omite que seu amigo Barack Obama, antes de entrar na política, foi o redator dos estatutos da Chicago Carbon Emissions Trading Exchange. A luta contra o aquecimento global não é tanto uma questão ecológica, mas sim uma questão de banqueiros.

Conclusão

É preciso dizer que tudo se opõe a um esclarecimento. Quatro anos de convulsões do presidente Trump só conseguiram substituir as “guerras sem fim” por uma guerra privada de baixa intensidade. Certamente há muito menos mortes, mas ainda é uma guerra.

As elites que desfrutam do imperialismo não estão dispostas a abrir mão de seus privilégios.

Portanto, é de se temer que os EUA sejam forçados a passar por um conflito interno, uma guerra civil, e se fragmentar como a União Soviética outrora.

Fonte: Voltaire Network

Thierry Meyssan

Intelectual francês, presidente e fundador da Rede Voltaire e da conferência Axis for Peace, é autor de diversos artigos e obras sobre política externa, geopolítica e temas correlatos.

Deixe uma resposta