A Evolução dos Movimentos de Protesto

Para confrontar a ameaça permanente da guerra híbrida e das revoluções coloridas é necessário se manter atualizado em relação às principais organizações motrizes por trás da maioria dos movimentos de protesto contemporâneos e quais são as táticas que elas utilizam. Aqui se apresenta um panorama básico das recomendações dadas pela CANVAS, pelo Instituto Tavistock, pela Open Society e outras organizações vinculados a esforços de desestabilização em prol da agenda globalista.

As revoluções coloridas e outras formas de interferência externa em assuntos de Estado estão mudando. Isto é lógico e natural, uma vez que os órgãos governamentais se adaptam às mudanças, encontram formas de combater as ameaças e retêm o direito de usar a força legítima, que, segundo Max Weber, é uma das características do Estado moderno. Mas, tão logo os principais centros mundiais de interferência e desestabilização começam a sentir novas vulnerabilidades nos sistemas estatais, então há mais uma tentativa de golpe ou um ataque a um sistema estatal. Este tipo de instabilidade não é desejável para nenhum país, pois poderia gradualmente enfraquecer a imunidade da soberania. Como conseqüência, a transformação dos movimentos de protesto deve ser de particular interesse, uma vez que, ao entender seu desenvolvimento, será possível prever o curso de ação dos manifestantes e desordeiros. Os protestos em Belarus mostram que não foi isso que aconteceu lá, e as autoridades foram forçadas a responder rapidamente à situação.

Para uma compreensão adequada das estratégias anti-governamentais, é necessário recorrer, antes de tudo, aos métodos utilizados pelos organizadores dos protestos e golpes de Estado.

Em seu artigo “Protestos e Princípios“, Srđa Popović, um conhecido ativista, organizador de revoluções coloridas e diretor executivo da CANVAS, escreve que os fatores ideológicos e geopolíticos enfocados pela mídia são insuficientes para compreender plenamente o que está acontecendo e avaliar os protestos. Ele sugere prestar atenção às condições estruturais que diferem nos diferentes países, bem como aos resultados dos movimentos. Popović conclui que os protestos dos últimos anos mostraram uma certa tendência – “as formas tradicionais e institucionais de criar mudanças – eleições, sistemas legais e diálogo com as elites – não são suficientemente eficazes. Portanto, os manifestantes decidiram utilizar outra forma de poder para forçar uma mudança construtiva”.

Srđa Popović, diretor executivo da CANVAS

Mais adiante, ele pergunta: “Se a geografia e a ideologia não determinam o sucesso, o que determina”? Ele delineia quatro princípios-chave. Um – uma visão clara do futuro. Dois – uma oposição unida que deve ter uma boa compreensão de quem são seus aliados e de quem é neutro. Três – pilares-chave, que poderiam ser a mídia, os setores empresariais, as instituições sociais e as agências governamentais (particularmente as agências de segurança que poderiam ser atraídas para a oposição). Quatro – a atração, que é um elemento comum em muitos movimentos de protesto, já que eles se posicionam como inimigos da injustiça.

Ao mesmo tempo, Popović admite que a raiva (e portanto também a violência) é uma ferramenta eficaz de mobilização, mas deve ser combinada com a esperança, caso contrário, ela desempenhará um papel destrutivo.

É com um suspiro de lamento que Popović escreve sobre as “revoluções” fracassadas em Hong Kong e na Venezuela, pelas quais ele culpa parcialmente a oposição. O problema com a primeira teria sido a violência usada contra a polícia, e com a segunda foi que Juan Guaidó empenhou todos os seus esforços para conquistar os militares e derrubar Maduro com um golpe.

Em resumo, Srđa Popović argumenta que as condições iniciais e o contexto são importantes, mas as habilidades estratégicas são ainda mais importantes. E é difícil discordar. Afinal de contas, um flash inicial de protesto pode ser suprimido, células ativistas podem ser liquidadas e multidões podem ser dispersas. E se não houver um plano de ação definido de como agir em uma determinada situação, então qualquer protesto, seja ele pacífico ou violento, não dará em nada.

Escusado será dizer que as informações no artigo de Popović são para leitores ingênuos e escritas com o maior cuidado para descartar quaisquer possíveis acusações de atividades anti-estatais. Todos os conselhos são dados sob o ponto de vista da proteção dos valores democráticos. Portanto, é preciso ser capaz de ler nas entrelinhas e tirar conclusões a partir de golpes passados.

Da Euromaidan da Ucrânia em 2014, sabemos que a esperança pode ser bastante enganosa e elusiva. Ela paira a uma distância próxima durante os protestos e é um incentivo adicional, mas nunca se torna uma realidade. A desilusão e a frustração só se instalam quando já é tarde demais, quando o poder já caiu nas mãos daqueles que imediatamente apertam os parafusos e não têm a intenção de discutir nada com o povo.

A CANVAS, no entanto, é uma organização que desenvolve planos de ação estratégicos para determinados países. A julgar por sua recente academia online de verão, a CANVAS esteve ativamente envolvida na derrubada do presidente boliviano Evo Morales, apoiou protestos no Sudão, Zimbábue e Brasil, e tem laços estreitos com grupos de oposição na Malásia, nas Filipinas e na Geórgia.

Peter Ackerman, ex-presidente do conselho diretor da Freedom House, e membro do Conselho de Relações Exteriores (CFR) e do Conselho Atlântico da OTAN

A opinião de Popović sobre o planejamento estratégico dos golpes é compartilhada por Peter Ackerman, ex-presidente do conselho diretor da Freedom House, e membro do Conselho de Relações Exteriores e do Conselho Atlântico da OTAN. Ackerman acredita que “a execução talentosa até mesmo das mais simples táticas não violentas pode alterar a psicologia de uma população e o comportamento de um regime“. Ele também acredita que os esforços consolidados de centenas de pequenas organizações podem ter um efeito cumulativo e fazer parecer que existe uma unidade de opinião e esforço. Isto explica porque, na Ucrânia, o Ocidente apoiou ativamente tanto os nacionalistas radicais quanto os liberais, o que é basicamente como cruzar uma cobra herbívora com uma víbora, dado que estes dois grupos têm ideologias radicalmente diferentes. Uma situação semelhante pode ser vista em Belarus, onde o músculo foi proporcionado por nacionalistas nativos (simbolismo associado aos colaboradores nazistas durante a guerra foi usado abertamente em protestos), enquanto representantes de minorias sexuais foram incluídos em vários conselhos de oposição.

O Centro Internacional sobre Conflitos Não Violentos, fundado por Ackerman e cuja sede está em Washington, faz um trabalho semelhante ao da CANVAS. Em parceria com a Universidade Rutgers (Nova Jersey), o centro vem realizando cursos on-line para ativistas desde 2012. Estes não apenas cobrem a teoria dos movimentos de protesto e fornecem exemplos específicos, mas também adaptam novas técnicas. É perceptível que os desenvolvedores dos cursos estão buscando novas fronteiras nos movimentos de resistência – como explorar a cultura e a religião, ou como visar corporações (uma vez que as corporações podem ser estatais, concentrando-se em um problema relacionado às atividades da empresa, a atenção pode então ser voltada para o próprio governo).

Alexander Soros, filho de George Soros, com Hashim Thaçi, presidente do Kosovo

As atividades de outra instituição, o Instituto da Paz dos Estados Unidos, cobrem 52 Estados e, em vários países (como China e Irã), são realizadas indiretamente, utilizando agentes locais e manipulando fatos em seu benefício. Assim, um relatório recente sobre o interesse da Rússia em zonas de conflito afirma que “as atividades da Rússia em zonas de conflito geralmente são direta ou indiretamente contrárias aos interesses ocidentais“. A verdade, entretanto, é que são as atividades do Ocidente que são contrárias aos interesses da Rússia, que então tem que responder de alguma forma. A Rússia não tem bases militares nas Américas, ao passo que existem bases da OTAN e tropas dos EUA nas fronteiras da Rússia. As tropas russas estão na Síria legitimamente, enquanto que as tropas americanas no país são efetivamente ocupantes.

O Instituto Tavistock em Londres está fazendo um trabalho bastante sério na área de engenharia e manipulação social. Suas principais atividades são realizadas sob o ardil de apoiar a auto-organização e as relações humanas.

Assim, o Instituto Tavistock começou a desenvolver a teoria dos sistemas sócio-técnicos nos anos 50, começou a colocá-la em prática nos anos 80, e continua a utilizá-la agora.

A proliferação de pervertidos ao redor do mundo sob a cortina de fumaça da tolerância se deve em grande parte a esta organização (uma agenda sendo realizada sob o disfarce politicamente neutro de “Relações de Grupo“).

Destes exemplos pode-se ver que a região em que se situa o quartel-general dos protestos e para a destruição sistemática dos fundamentos da identidade nacional é o mesmo – o Ocidente, principalmente a América.

Junto com as tentativas de manter a flexibilidade tática durante os protestos, pode-se ver com freqüência ajustes sendo feitos em resposta às circunstâncias. Assim, o slogan “Flores são melhores que balas” nos cartazes dos grupos de oposição bielorrussos é apenas uma reformulação do slogan “Alimentos não bombas” usado na campanha descentralizada antiguerra que teve origem nos EUA nos anos 80, antes de se espalhar para a Europa. Um ramo deste movimento apareceu em Belarus em 2005, com a ajuda de anarquistas locais. Uma característica do movimento é a distribuição de alimentos vegetarianos para os pobres e os sem-teto. Dependendo de quem está por trás da campanha, nuances políticas locais são sobrepostas em vários países.

Bernard-Henri Levy com a ex-candidata presidencial de Belarus, Svetlana Tikhanovskaya

Muitos movimentos de protesto dependem da criatividade. Assim, em 14 de abril de 2020, as feministas polonesas bloquearam o trânsito em uma das principais ruas de Varsóvia. Apesar de a polícia ter aplicado grandes multas (acima de 6.000 euros) a muitas das ativistas, ninguém vai pagá-las, e o bloqueio do trânsito foi explicado pelas próprias diretrizes das autoridades de observar o distanciamento social de dois metros devido à pandemia. No final, e com a ajuda de advogados, os projetos de lei foram encaminhados ao Parlamento, e uma comissão especial foi nomeada para revisá-los. Assim, as feministas mataram dois pássaros com uma cajadada só: elas conseguiram derrubar as medidas de quarentena do governo e também realizaram um protesto que chamou mais atenção para suas atividades (que são dirigidas contra os conservadores, inclusive para a legalização do aborto e o apoio às minorias sexuais).

Também não se deve esquecer as atividades de indivíduos que visam à desestabilização de vários governos. Normalmente, eles o fazem por crenças ideológicas, muitas vezes usando seu próprio dinheiro e trabalhando com contatos internacionais. Um desses indivíduos é o filósofo neoliberal francês Bernard-Henri Lévy, que apoiou ativamente golpes na Iugoslávia e na Ucrânia, terroristas na Líbia e na Síria, e que atualmente está ajudando a líder da oposição bielorrussa Svetlana Tikhanovskaya, que perdeu nas recentes eleições presidenciais do país.

George Soros com seu filho Alexander Soros

O filho de George Soros, Alexander Soros, está diligentemente realizando o trabalho de seu pai, servindo como presidente adjunto das Fundações para a Sociedade Aberta. Recentemente, ele tem feito visitas freqüentes aos Bálcãs, onde tem sido visto na companhia de muitos políticos importantes. Além da Europa, Alexander Soros visita freqüentemente Myanmar e está envolvido em projetos em vários países africanos.

As atividades dessas pessoas e organizações representam uma rede internacional multinível com múltiplas dimensões de comunicação e estratégias ocultas preparadas com vistas ao futuro.

Portanto, para estabelecermos um mecanismo de resposta adequado aos desafios atuais e futuros, as atividades desses grupos, indivíduos e instituições devem ser monitoradas em nível sistêmico – de forma constante, completa e abrangente.

Fonte: Oriental Review

Leonid Savin

Leonid Savin é escritor e analista geopolítico, sendo editor-chefe do Geopolitica.ru, editor-chefe do Journal of Eurasian Affairs, diretor administrativo do Movimento Eurasiano e membro da sociedade científico-militar do Ministério da Defesa da Rússia.

Deixe uma resposta