Conheça o Economista responsável pela Conquista dos EUA pelo Neoliberalismo

Escrito por Lynn Paramore
No estudo do desenvolvimento do neoliberalismo bastante atenção se dá à Escola de Chicago e à Escola Austríaca, e aos seus principais pensadores. Mas há um grupo de pensadores neoliberais tão influente quanto os supracitados, mas quase desconhecidos, tal como eles preferem: os da Escola de Virginia, e seu fundador, o economista James M. Buchanan. Se os pensadores de outras escolas neoliberais diziam estar tão somente preocupados com eficiência governamental e ética, Buchanan e seus alunos tinham como único interesse a defesa dos ricos, sem rodeios.

Peça às pessoas para citar as principais mentes que moldaram a explosão de ataques radicais da direita americana às condições de trabalho, aos direitos do consumidor e aos serviços públicos, e elas normalmente mencionarão figuras como o paladino do livre-mercado Milton Friedman, a guru libertária Ayn Rand, e os economistas liberais Friedrich Hayek e Ludwig von Mises.

James McGill Buchanan é um nome que você raramente ouvirá, a menos que tenha tido várias aulas de economia. E se o vencedor do Prêmio Nobel nascido em Tennesse estivesse vivo hoje, ele realmente que a maioria dos jornalistas bem informados, dos políticos de esquerda e até mesmo muitos estudantes de economia tivessem pouca compreensão de seu trabalho.

A razão? A historiadora Duke Nancy MacLean afirma que sua filosofia é tão dura que até mesmo os jovens acólitos libertários só são apresentados a ela depois de aceitarem a perspectiva comparativamente ensolarada de Ayn Rand. (Sim, você leu isso corretamente). Se os americanos soubessem realmente o que Buchanan pensava e promovia, e como sua visão está se manifestando destrutivamente debaixo dos seus narizes, perceberiam quão próximo o país está de uma transformação que a maioria não gostaria sequer imaginar, muito menos aceitar.

Temos aqui um perigoso ponto cego, argumenta MacLean em um livro meticulosamente pesquisado, “Democracia Acorrentada”, finalista do Prêmio Nacional do Livro na categoria não-ficção. Enquanto os americanos lidam com a caótica presidência de Donald Trump, podemos estar perdendo a chave para mudanças que estão ocorrendo muito além do nível da mera política. Uma vez que essas mudanças estejam dispostas, pode não haver retorno.

Uma Porta Destrancada na Virgínia

O livro de MacLean se desdobra como uma narrativa policial intelectual. Em 2010, ela se mudou para a Carolina do Norte, onde um partido republicano dominado pelo Tea Party assumiu o controle de ambas as casas do legislativo estadual e começou a impulsionar um programa radical para suprimir os direitos dos eleitores, dizimar os serviços públicos e cortar os impostos sobre os ricos, chocando um estado que há muito tempo tem sido um farol de moderação sulista. Até então, a figura de James Buchanan tremulava em sua visão periférica, mas quando ela começou a estudar seu trabalho de perto, os eventos na Carolina do Norte e também em Wisconsin, onde o governador Scott Walker liderava os ataques aos direitos de negociação coletiva, mudaram seu foco.

Será que esse pensamento relativamente obscuro do economista estava sendo colocado em ação diante de nossos olhos?

MacLean só pôde ter acesso aos trabalhos de Buchanan para testar sua hipótese depois de sua morte, em janeiro de 2013. Naquele ano, quando o governo estava sendo fechado por Ted Cruz & Co., ela viajou para a Universidade George Mason na Virgínia, onde os trabalhos do economista jaziam a torto e a direito pelos escritórios de um prédio agora abandonado pela faculdade financiada pelos irmãos Koch – para um novo e mais luxuoso centro em Arlington.

MacLean ficou atordoado. O arquivo do homem que havia procurado ficar sob o radar tinha sido deixado totalmente desordenado e desprotegido. A historiadora mergulhou e leu através de caixas e gavetas cheias de papéis que incluíam correspondência pessoal entre Buchanan e o bilionário industrial Charles Koch. Foi aí que ela perebeu algo surpreendente: aqui estava a peça intelectual fundamental de uma revolução furtiva atualmente em curso.

Uma Teoria da Supremacia da Propriedade

Buchanan, formado em 1940 pela Middle Tennessee State University, que mais tarde cursou a Universidade de Chicago para pós-graduação, começou como economista convencional de finanças públicas. Mas ele ficou frustrado com a forma como os teóricos da economia ignoravam o processo político.

Buchanan começou a trabalhar em uma descrição do poder que começou como uma crítica de como as instituições funcionavam nos anos 50 e 60, uma época em que as idéias do economista John Maynard Keynes sobre a necessidade de intervenção do governo nos mercados para proteger as pessoas de falhas tão claramente demonstradas na Grande Depressão prevalecia. Buchanan, nota MacLean, ficou indignado com o que via como um movimento em direção ao socialismo e profundamente desconfiado de qualquer forma de ação estatal que canalizasse recursos para o público. Por que o governo federal, cada vez mais poderoso, deveria forçar os ricos a pagar por bens e programas que servissem ao cidadão comum e aos pobres?

Ao pensar em como as pessoas tomam decisões e escolhas políticas, Buchanan concluiu que você só poderia entendê-las como indivíduos em busca de vantagens pessoais. Em entrevista citada por MacLean, o economista observou que, nos anos 50, os americanos comumente assumiam que os funcionários eleitos queriam agir no interesse público. Buchanan discordava veementemente – essa era uma crença que ele queria, como ele mesmo disse, “derrubar”. Suas idéias evoluíram para uma teoria que ficou conhecida como “escolha pública”.

A visão de Buchanan sobre a natureza humana era distintamente sombria. Adam Smith via os seres humanos como interessados e famintos por poder pessoal e conforto material, mas também reconhecia instintos sociais como compaixão e justiça. Buchanan, em contraste, insistia que as pessoas eram movidas principalmente pelo interesse próprio venal. Creditar pessoas com altruísmo ou desejo de servir aos outros era fantasia “romântica”: políticos e funcionários do governo estavam buscavam apenas os próprios interesses, e assim, aliás, eram professores, médicos e ativistas de direitos civis. Eles queriam controlar os outros e arrancar seus recursos: “Cada pessoa busca o domínio sobre um mundo de escravos”, escreveu em seu livro de 1975, “Os Limites da Liberdade”.

Isso parece com seu professor do jardim de infância? Para Buchanan parecia.

As pessoas que precisavam de proteção eram os proprietários, e seus direitos só podiam ser garantidos através de limites constitucionais para evitar que a maioria dos eleitores os violasse, uma idéia que Buchanan expõe em obras como “A Propriedade como Garantidora da Liberdade” (1993). MacLean observa que Buchanan via a sociedade como um reino de fabricantes (empreendedores) constantemente sitiados por tomadores (todos os outros). Sua própria linguagem era muitas vezes mais dura, advertindo as supostas “presas” de “parasitas” e “predadoras” que os estariam caçando.

Em 1965, o economista lançou um centro dedicado às suas teorias na Universidade da Virgínia, que mais tarde se mudou para a Universidade George Mason. MacLean descreve como ele treinou pensadores para se oporem à decisão Brown vs. Conselho de Educação de dessegregar as escolas públicas americanas e desafiar as perspectivas constitucionais e a política federal que a viabilizaram. Ela observa que ele teve o cuidado de usar preceitos econômicos e políticos, em vez de argumentos abertamente raciais, para fazer sua defesa, o que, no entanto, deu cobertura aos racistas que sabiam que soletrar seus preconceitos iria alienar o país.

Durante todo esse tempo, um fantasma pairava em segundo plano – o de John C. Calhoun da Carolina do Sul, senador e sétimo vice-presidente dos Estados Unidos.

Calhoun foi uma potência intelectual e política no Sul desde os anos 1820 até sua morte em 1850, gastando sua formidável energia para defender a escravidão. Calhoun, chamado pelo historiador Richard Hofstadter de “O Marx da Classe dos Senhores”, via a si mesmo e aos seus companheiros oligarcas do sul como vítimas da maioria. Portanto, como explica MacLean, ele procurou criar “engenhocas constitucionais” para constranger as operações do governo.

Os economistas Tyler Cowen e Alexander Tabarrok, ambos da Universidade George Mason, notaram as afinidades entre dois homens, anunciando Calhoun como “um precursor da moderna teoria da escolha pública” que “antecipa” o pensamento de Buchanan. MacLean observa que ambos se concentraram em como a democracia constringe os proprietários e visaram formas de restringir a latitude dos eleitores. Ela argumenta que, ao contrário até mesmo dos fundadores mais favoráveis à propriedade Alexander Hamilton e James Madison, Buchanan queria uma elite governante privada ligada ao poder corporativo que fosse totalmente liberada de qualquer responsabilidade pública.

Suprimir eleições, mudar os processos legislativos para que uma maioria normal não pudesse mais prevalecer, semear a desconfiança pública em relação às instituições governamentais – tudo isso eram táticas para atingir o objetivo. Mas o Santo Graal era a Constituição: altere-a e você poderia ampliar e assegurar o poder dos ricos de uma forma que nenhum político jamais poderia desafiar.

O Trem da Alegria para a Oligarquia

MacLean explica que a elite da Virginia e o presidente pró-corporativo da Universidade de Virginia, Colgate Darden, que havia se casado com a família DuPont, acharam as ideias de Buchanan bastante interessantes. Ao nutrir uma nova intelligentsia para se comprometer com seus valores, Buchanan afirmou que precisava de um “trem da alegria”, e com apoiadores como Charles Koch e fundações conservadoras como a Scaife Family Charitable Trusts, outros saltaram a bordo. O dinheiro, sabia Buchanan, pode ser uma ferramenta persuasiva na academia. Seu círculo de influência começou a se ampliar.

MacLean observa que a Escola da Virgínia, como é conhecida a linhagem de pensamento econômico e político de Buchanan, é uma espécie de primo das escolas mais conhecidas e orientadas para o mercado de Chicago e Áustria – os proponentes de todas as três eram membros da Sociedade Monte Pelerin, uma organização neoliberal internacional que incluía Milton Friedman e Friedrich Hayek. Mas o foco e as missões de carreira da Escola da Virgínia eram distintos. Em entrevista ao Instituto para um Novo Pensamento Econômico (INET), MacLean descreveu Friedman e Buchanan como yin e yang:

“Friedman era esse personagem genial e agradável que adorava estar na ribalta e fazia uma defesa otimista do mercado livre e da liberdade de escolha e assim por diante. Buchanan era o lado negro disso: ele pensava, ok, tudo bem, eles podem montar uma defesa para o livre-mercado, mas todos sabem que os mercados têm externalidades e outros problemas. Então ele queria evitar que as pessoas acreditassem que o governo poderia ser a alternativa para esses problemas”.

A Escola da Virgínia também difere de outras escolas econômicas em uma marcada dependência da teoria abstrata ao invés de matemática ou de evidências empíricas. Que um Prêmio Nobel foi concedido em 1986 a um economista que tão determinadamente contrariou as tendências acadêmicas de sua época foi nada menos do que impressionante, observa MacLean. Mas, então, aquele era o auge da era Reagan, uma administração à qual aderiram vários alunos de Buchanan.

A escola de Buchanan se concentrou na teoria da escolha pública, acrescentando mais tarde a economia constitucional e o novo campo do direito e da economia ao seu núcleo de pesquisa e defesa. O economista viu que sua visão nunca se concretizaria ao focar em quem governa. Era muito melhor focar nas próprias regras, e isso exigia uma “revolução constitucional”.

MacLean descreve como o economista desenvolveu um grande projeto de formação de operadores para instituições de pessoal financiadas por magnatas de mentalidade semelhante, principalmente Charles Koch, que se interessou pelo seu trabalho nos anos 70 e procurou a contribuição do economista para promover a “economia austríaca” nos EUA e para assessorar o Instituto Cato, um think-tank libertário.

Koch, cuja missão era salvar capitalistas como ele da democracia, encontrou a derradeira ferramenta teórica no trabalho do economista sulista. A historiadora escreve que Koch preferiu Buchanan a Milton Friedman e seus “Chicago Boys” porque, diz ela, citando um informante libertário, eles queriam “fazer o governo trabalhar mais eficientemente quando o verdadeiro libertário deveria estar arrancando-o pela raiz”.

Com o dinheiro e entusiasmo de Koch, a escola acadêmica de Buchanan evoluiu para algo muito maior. Nos anos 90, Koch percebeu que as idéias de Buchanan – transmitidas através de dissimulação e engano deliberado, como MacLean amplamente documenta – poderiam ajudar a derrubar o governo através de ataques incrementais que a mídia dificilmente perceberia. O magnata sabia que o projeto era extremamente radical, até mesmo uma “revolução” na governança, mas falava como um conservador para fazer seus planos soarem mais palpáveis.

MacLean detalha como, em parceria com Koch, o posto avançado de Buchanan na Universidade George Mason conseguiu conectar economistas libertários com atores políticos de direita e apoiadores de corporações como Shell Oil, Exxon, Ford, IBM, Chase Manhattan Bank e General Motors. Juntos eles puderam levar idéias econômicas para o público através da mídia, promover novos currículos para a educação econômica, e políticos em Washington, D.C.

No 50º aniversário da Sociedade Monte Pelerin, em 1997, MacLean relata que Buchanan e seu associado Henry Manne, um teórico fundacional das abordagens econômicas libertárias ao direito, focaram em afrontas aos capitalistas como o ambientalismo e a saúde e previdência públicas, expressando a vontade de desmantelar a Previdência Social, o Medicaid e o Medicare, bem como matar a educação pública, porque ela tendia a fomentar valores comunitários.

A Revolução Oligárquica se Desdobra

As idéias de Buchanan começaram a ter enorme impacto, especialmente na América e na Grã-Bretanha. Em seu país de origem, o economista esteve profundamente envolvido nos esforços para reduzir os impostos sobre os ricos nos anos 70 e 80 e aconselhou os proponentes da Revolução Reagan em sua busca para desatar os mercados e colocar o governo como o “problema” e não como a “solução”. A Escola da Virgínia, financiada pelos irmãos Koch, treinou estudiosos, advogados, políticos e empresários para aplicar perspectivas liberais em tudo, desde déficits a impostos e privatização de escolas. Na Grã-Bretanha, o trabalho de Buchanan ajudou a inspirar as reformas do setor público de Margaret Thatcher e sua descendência política.

Para colocar o sucesso em perspectiva, MacLean aponta para o fato de que Henry Manne, em cuja contratação Buchanan foi fundamental, criou programas jurídicos para professores de direito e juízes federais que poderiam se gabar de ter educado dois a cada cinco juízes federais. “40% do judiciário federal dos EUA”, escreve MacLean, “haviam sido recebido um currículo apoiado pelos Koch”.

MacLean ilustra que, na América do Sul, Buchanan foi capaz de colocar suas idéias em movimento, ajudando uma ditadura nua a garantir a permanência de grande parte da transformação radical que infligia a um país que havia sido um farol de progresso social. O historiador enfatiza que o papel de Buchanan no desastroso governo Pinochet do Chile tem sido subestimado em parte porque, ao contrário de Milton Friedman, que fez propaganda de suas atividades, Buchanan teve a astúcia de manter seu envolvimento em silêncio. Com sua orientação, a junta militar empregou a economia de escolha pública na criação de uma nova constituição, o que exigiu orçamentos equilibrados e, assim, impediu o governo de gastar para atender às necessidades públicas. Supermaiorias seriam necessárias para quaisquer mudanças substanciais, deixando ao público pouco recurso para desafiar programas como a privatização da previdência social.

Os abusos dos direitos humanos do ditador e a pilhagem dos recursos do país não pareciam incomodar Buchanan, argumenta MacLean, desde que os ricos tivessem se dado bem. “O despotismo pode ser a única alternativa organizacional à estrutura política que observamos”, escreveu o economista em “Os Limites da Liberdade”. Se você tem se perguntado sobre o resultado final da filosofia da escola da Virgínia, bem, o economista ajudou a soletrá-la.

Um Mundo de Escravos

A maioria dos americanos ainda não viu o que está por vir.

MacLean observa que quando o controle dos Kochs sobre o Partido Republicano entrou em alta após a crise financeira de 2007-08, muitos ficaram tão chocados com as táticas de “choque e pavor” de fechar o governo, destruir sindicatos e cortar serviços que atendem às necessidades básicas dos cidadãos que poucos perceberam que muitos dos líderes da investida haviam sido treinados em economia em instituições da Virgínia, especialmente na Universidade George Mason. Não era apenas uma nova e particularmente viciosa onda de política partidária?

Não era. MacLean ilustra convincentemente que foi algo muito mais perturbador.

MacLean não é o único estudioso a soar o alarme de que o país está passando por uma aquisição hostil que está a caminho de alterar radicalmente, e talvez permanentemente, a sociedade. Peter Temin, ex-chefe do departamento de economia do MIT, bolsista do INET e autor de “A Classe Média em Extinção”, assim como o economista Gordon Lafer da Universidade de Oregon e autor de “A Solução do Um Porcento”, forneceram análises realistas sobre para onde a América está se dirigindo e por quê. MacLean acrescenta outra dimensão a este grande quadro distópico, nos familiarizando com o que tem sido negligenciado no manual da direita capitalista.

Ela observa, por exemplo, que muitos esquerdistas não tem entendido estratégias como a privatização. Os esforços de “reforma” da educação pública e da previdência social não são apenas uma preferência pelo setor privado em detrimento do setor público, argumenta ela. Você pode embrulhar a sua cabeça nisso, mesmo que não concorde. Ao contrário, argumenta MacLean, o objetivo dessas estratégias é alterar radicalmente as relações de poder, enfraquecendo as forças pró-públicas e aumentando o poder lobista e o comprometimento das corporações que assumem os serviços e recursos públicos, fazendo avançar os planos de desmantelar a democracia e dar lugar a um retorno à oligarquia. A maioria será mantida cativa para que os ricos possam finalmente ser livres para fazer o que quiserem, por mais destrutivos que sejam.

MacLean argumenta que, apesar da retórica dos acólitos da Escola de Virgínia, encolher o governo não é realmente a questão. Os oligarcas exigem um governo com tremendos poderes novos para que possam contornar a vontade do povo. Isso, como aponta MacLean, requer uma grande expansão dos poderes policiais “para controlar a raiva popular resultante”. A difusão do uso da preempção pelas legislaturas estaduais controladas pelo Partido Republicano para suprimir as vitórias progressistas locais, como as portarias sobre o salário mínimo, é outro exemplo do uso agressivo do poder estatal por parte da direita.

Será que esses capitalistas poderiam permitir que empresas privadas enchessem as prisões com cidadãos indefesos – ou, ainda mais lucrativo, imigrantes sem documntos? Poderiam, e o fizeram. Será que eles poderiam engendrar uma crise da aposentadoria, empurrando os americanos para inadequados 401(k)s ? Feito. Tirar o direito dos consumidores e dos trabalhadores de levar reclamações aos tribunais, obrigando-os a assinar acordos de arbitragem forçada? Sim. Fatiar a educação pública ao ponto de as pessoas comuns terem perspectivas tão sombrias que não têm energia para protestar? A caminho.

Será que eles recusariam até mesmo água limpa para as crianças? Na verdade, sim.

MacLean observa que em Flint, Michigan, os americanos tiveram uma prova de como será a oligarquia emergente – ela tem gosto de água envenenada. Lá, o Centro Mackinac, financiado por Koch, pressionou por legislação que permitiria ao governador assumir o controle das comunidades em situação de emergência e colocar gerentes não eleitos no comando. Em Flint, um desses gestores mudou o abastecimento de água da cidade para um rio poluído, mas os lobistas do Centro Mackinac garantiram que a lei fosse fortificada por proteções contra ações judiciais que os habitantes envenenados poderiam ajuizar. Dezenas de milhares de crianças foram expostas a chumbo, uma substância conhecida por causar sérios problemas de saúde, incluindo danos cerebrais.

Tyler Cowen forneceu uma justificativa econômica para este tipo de brutalidade, afirmando que onde é difícil conseguir água limpa, as empresas privadas devem assumir e fazer as pessoas pagarem por ela. “Isso inclui dar-lhes o direito de excluir as pessoas que não pagam ou não podem pagar suas contas”, explica o economista.

Para muitos isso parece grotescamente desumano, mas é uma forma de pensar que tem raízes profundas na América. Em “Por que Eu, também, Não sou Conservador” (2005), Buchanan considera a acusação de desumanidade feita contra o tipo de liberal clássico que ele mesmo se considerava. MacLean interpreta sua discussão no sentido de que as pessoas que “falharam em prever e poupar dinheiro para suas necessidades futuras” devem ser tratadas, como disse Buchanan, “como membros subordinados da espécie, semelhantes a…animais que são dependentes”.

Você tem sua educação, assistência médica e aposentadoria financiadas pessoalmente contra todas as exigências possíveis? Então ele está falando de você.

Buchanan não era um romancista distópico. Ele foi um ganhador do Prêmio Nobel cuja lógica sinistra exerce grande influência sobre a trajetória da América. Não é de admirar que Cowen, em seu popular blog Marginal Revolution, não mencione Buchanan em uma lista de pensadores libertários subestimados e influentes, embora em outros lugares do blog, ele expresse admiração por várias das contribuições de Buchanan e reconheça que o economista sulista “pensava mais consistentemente em termos de ‘regras dos jogos’ do que talvez qualquer outro economista”.

As regras do jogo agora estão claras.

Pesquisas como a de MacLean dão esperança de que idéias tóxicas como a de Buchanan possam finalmente começar a enfrentar o escrutínio público. No entanto, neste exato momento, a Rede de Políticas de Estado dos Kochs e o Conselho Americano de Intercâmbio Legislativo (ALEC), um grupo que liga agentes corporativos a legisladores conservadores para produzir legislação, estão envolvidos em projetos que a mídia obcecada pelo Trump quase não percebe, como bombear dinheiro para as corridas judiciais estaduais. Seu objetivo é empilhar o baralho legal contra os americanos de formas que MacLean argumenta que podem ter efeitos ainda maiores do que o Citizens United, a decisão da Suprema Corte de 2010 que liberou gastos corporativos ilimitados na política americana. O objetivo é criar um judiciário que interprete a Constituição em favor das corporações e dos ricos de formas que Buchanan teria aprovado de coração.

“Os Estados Unidos estão agora em uma dessas bifurcações históricas no caminho cujo resultado será tão fatal quanto as dos anos 1860, 1930 e 1960”, escreve MacLean. “Valorizar a liberdade para a minoria rica acima de tudo e consagrá-la nas regras de governo da nação, como pediram Calhoun e Buchanan, e a rede Koch está conseguindo, joga por joga, é consentir com uma oligarquia em tudo, menos na casca exterior de forma representativa”.

Ninguém pode dizer que não fomos avisados.

Fonte: Naked Capitalism

Deixe uma resposta