Alexander Dugin – Anticomunismo e antifascismo são ferramentas de capitalismo

Por Alexander Dugin

No período pós-soviético, o comunismo passou por várias etapas em nossa sociedade. Primeiro, após a queda da URSS, havia círculos marxistas que ainda tinham inércia, que não se renderam, acreditando que a catástrofe era temporária. Nessa atitude passiva, uma nostalgia indecisa e conformista tornou-se uma forma de suicídio e levou ao seu desaparecimento. Havia também comunistas radicais nos anos 90 que tentavam se reunir – entre eles havia pessoas apaixonadas que não eram significativas durante a própria URSS, mas nos anos 90 eles se mostraram pessoas honestas e íntegras – mas gradualmente elas também deixaram de ser. Por um tempo na Rússia, ficamos sem comunistas.

Recentemente, no entanto, novos grupos esquerdistas começaram a se formar – na maioria das vezes eles não tinham relação com a URSS, ou seja, eram comunistas, mas não por inércia soviética, mas como resultado de suas próprias razões.

O comunismo representava o sistema binário de um ator geopolítico sério – a URSS, mais a China comunista e outros países socialistas. O comunismo estava em oposição ao capitalismo, e essa oposição foi confirmada pelo poder, diplomacia e território. Mas em 1991 tudo entrou em colapso.

Isso levou a uma mudança fundamental no status da esquerda: se antes de 1991, um comunista podia confiar no potencial geopolítico da URSS, depois de 1991, o comunismo se transformou em uma certa tendência, um movimento social que havia perdido seu componente de poder. Tornou-se um fenômeno solto e menos compreensível. Historicamente, o fim da URSS foi o fim de uma luta ideológica bipolar.

Depois de 1991, os comunistas são frequentemente usados ​​como condimento para pratos preparados por liberais para resistir ao renascimento nacional. Exercem, assim, a mesma função reservada a os fascistas após 1945, quando se tornaram um instrumento de uma estratégia liberal.

Os fascistas estão atacando os “comunistas”, ou apoiam o separatismo em países individuais. Os comunistas ganharam importância dos liberais para combater os “fascistas”. Hoje, falando da luta dos comunistas contra os fascistas, estamos falando da estratégia dos liberais, que os usam em seus planos memocêntricos.

O perigo para a humanidade é o liberalismo *. É o inimigo da esquerda e da direita – e se a esquerda e a direita estão lutando contra o liberalismo, elas podem ser verdadeiramente de esquerda ou direita. Se o antifascismo se torna o principal tema para a esquerda e o anticomunismo é a principal para a direita, então estamos lidando com as ferramentas do sistema.

São espetáculos de simulacros trabalhando para Soros.

Hoje o liberalismo governa.

Devemos entender que este é nosso inimigo e, enquanto ele não é esmagado, é o objeto de nossa luta comum.

* A ideologia do capitalismo em condições de atraso e pós-modernidade.

Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa e um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Deixe uma resposta