Jeff Bezos monitora seus funcionários para evitar sindicalização

Escrito por Hayley Peterson
De um modo geral, sempre se suspeito que as grandes empresas monitoravam seus funcionários. Mas, recentemente, foram vazados documentos internos da Whole Foods, corporação de “alimentos orgânicos” de Jeff Bezos, dono da Amazon, que indicavam o uso de espionagem tecnológica para a coleta de informações sobre as lojas, com o objetivo de bloquear tentativas de sindicalização dos funcionários. Bezos desenvolveu uma série de critérios para avaliar riscos, bem como técnicas para reduzir riscos. Em meio aos dados, a revelação: quanto mais diversidade, menor o risco de sindicalização; quanto menos diversidade, maior o risco de sindicalização.

A Whole Foods está de olho nas lojas em risco de sindicalização através de um mapa interativo de aquecimento, segundo cinco pessoas com conhecimento de documentos internos visualizados pela Business Insider.

O mapa de aquecimento é alimentado por um elaborado sistema de dados, que atribui uma classificação a cada uma das 510 lojas da Whole Foods, com base na probabilidade de seus funcionários formarem ou aderirem a um sindicato.

O dado de risco individual das lojas é calculado a partir de mais de duas dúzias de métricas, incluindo “lealdade”, rotatividade e diversidade racial dos funcionários; denúncias anônimas aos recursos humanos; proximidade a um escritório sindical; e violações registradas pela Administração de Segurança e Saúde Ocupacional.

O mapa também acompanha fatores econômicos e demográficos locais, como a taxa de desemprego na localização de uma loja e o percentual de famílias da área que vivem abaixo da linha de pobreza.

Os dados das lojas em cada métrica são inseridos no mapa de aquecimento, que é uma ilustração geográfica dos Estados Unidos salpicada de manchas vermelhas para indicar lojas da Whole Foods em alto risco.

O mapa de aquecimento revela como a Whole Foods está usando tecnologia e dados para ajudar a gerenciar sua vasta força de trabalho de mais de 95.000 funcionários.

Ele também fornece um olhar raro sobre as atividades de rastreamento de mão-de-obra corporativa, uma prática comum entre as grandes empresas, mas raramente discutida publicamente.

Uma declaração no mapa descreve seu propósito como específico para monitorar a sindicalização entre seus funcionários, que a empresa chama de “integrantes da equipe”.

“O Mapa de Aquecimento das Relações [dos Integrantes da Equipe] tem como objetivo identificar as lojas em risco de sindicalização”, diz o comunicado. “Essa identificação precoce permite que os recursos sejam canalizados para os locais de maior necessidade, com o objetivo de mitigar o risco, enfrentando os desafios precocemente, antes que eles se tornem problemáticos”.

A Whole Foods não respondeu a perguntas sobre que tipo de recursos são canalizados para as lojas “mais carentes”.

Em declaração fornecida ao Business Insider, a empresa disse que uma “maioria esmagadora” de seus funcionários prefere um “relacionamento direto” com a empresa em vez da representação sindical.

“A Whole Foods Market reconhece o direito dos membros da nossa equipe de decidir se a representação sindical é adequada para eles”, disse a empresa. “Concordamos com a esmagadora maioria dos membros de nossa equipe que um relacionamento direto com o Whole Foods Market e sua liderança, onde os membros da equipe têm linhas de comunicação abertas e cada indivíduo tem o poder de compartilhar feedback diretamente com os líderes de sua equipe, é o melhor”.

“Nossa política de comunicação de porta aberta nos permite entender e responder rapidamente às necessidades de nossa força de trabalho, enquanto reconhecemos, recompensamos e apoiamos as metas de cada membro de nossa equipe”, continuou a declaração. “No Whole Foods Market, estamos comprometidos em tratar todos os membros de nossa equipe de forma justa, criando um ambiente de trabalho seguro, inclusivo e fortalecedor, e proporcionando aos membros de nossa equipe oportunidades de progressão na carreira, grandes benefícios e remuneração competitiva, incluindo um salário mínimo inicial de $15/hora como líder do setor”.

Como a Whole Foods calcula o risco de sindicalização de uma loja

A Whole Foods utiliza o mapa de aquecimento e suas pontuações para determinar onde as lojas devem agir para enfrentar os riscos, de acordo com os documentos e as pessoas familiarizadas com o mapa.

No geral, pontuações mais altas indicam riscos menores de sindicalização.

O mapa monitora três áreas principais: “riscos externos”, “riscos da loja” e “sentimento dos membros da equipe”.

Alguns dos fatores que contribuem para a pontuação de risco externo incluem o tamanho do sindicato local; a distância em milhas entre a loja e o sindicato mais próximo; o número de denúncias apresentadas à Diretoria Nacional de Relações Trabalhistas alegando infrações à legislação trabalhista; e um “rastreador de incidentes trabalhistas”, que registra incidentes relacionados à organização e à atividade sindical.

Outros fatores externos incluem o percentual de famílias dentro do código postal da loja que ficam abaixo da linha de pobreza e a taxa de desemprego local.

O mapa de aquecimento da Whole Foods diz que menores taxas de diversidade racial aumentam os riscos de sindicalização

O segundo grupo de métricas do sistema de dados, chamado de risco de loja, não é uma causa direta de risco, “mas pode predispor uma loja ao risco”, de acordo com documentos.

As métricas de risco de loja incluem remuneração média da loja, média de vendas totais e um “índice de diversidade” que representa a diversidade racial e étnica de cada uma. As lojas com maior risco de sindicalização têm menor diversidade e menor remuneração dos funcionários, bem como maior faturamento total das lojas e maiores taxas de reivindicações de remuneração dos trabalhadores, de acordo com os documentos.

A terceira área de métricas é o “sentimento de membro da equipe”. Essas métricas, que incluem itens como lealdade e engajamento dos funcionários, são “concebidas para serem as mais acionáveis”, mostram os documentos.

Os dados do “sentimento” são extraídos de pesquisas internas com funcionários e “é provável que seja a primeira pontuação a melhorar com base em seus esforços”.

Essas medidas avaliam o feedback dos colaboradores sobre a qualidade e segurança de seu ambiente de trabalho e se eles se sentem apoiados e respeitados, entre outras coisas.

O rastreamento do potencial de sindicalização é comum entre as grandes empresas

Com o mapa de aquecimento, a Whole Foods parece estar tentando identificar e tratar circunstâncias maduras para a agitação dos funcionários que poderiam levar a tentativas de formar um sindicato.

Esse tipo de análise da força de trabalho é algo que as grandes empresas fazem há décadas, embora sem algumas das tecnologias disponíveis hoje que possam automatizar partes desse processo, de acordo com especialistas em mão-de-obra.

O Walmart, por exemplo, contratou um serviço de inteligência da Lockheed Martin e classificou as lojas por atividade trabalhista quando enfrentou protestos há oito anos organizados pelo grupo de ativistas apoiados pelo sindicato OUR Walmart, de acordo com uma reportagem da Bloomberg Businessweek de 2015, citando milhares de documentos judiciais.

“Os empregadores gastam milhões de dólares por ano para contratar assessores sindicais para evitar a organização de seus trabalhadores”, disse Celine McNicholas, diretora de Assuntos Governamentais e Assessoria Trabalhista do Instituto de Política Econômica.

Motivos para algumas empresas acompanharem de perto a atividade sindical

“A preponderância da comunidade empresarial [tem] uma alergia total à sindicalização”, disse Wilma Liebman, que serviu no Conselho Nacional de Relações Trabalhistas sob os presidentes Obama, Bush e Clinton.

Os sindicatos dão aos funcionários mais poder de barganha sobre coisas como salários e benefícios de saúde, disse ela. Eles também podem aumentar as chances de greve dos funcionários, o que pode atrapalhar os negócios”.

As empresas “não querem nada que interfira com sua autonomia e sua capacidade de agir unilateralmente” e “às vezes estão convencidas de que [os sindicatos] vão custar-lhes mais do que podem pagar”, disse Liebman.

Pesquisas mostram que trabalhadores sindicalizados tendem a ganhar salários mais altos e têm maior probabilidade de ter acesso a certos benefícios, como planos de saúde pagos pelo empregador.

Os críticos dos sindicatos argumentam, no entanto, que as organizações podem prejudicar economicamente as empresas, forçando demissões ou terceirização de empregos, e que elas não têm em mente os interesses dos trabalhadores.

É por isso que algumas empresas monitoram seus trabalhadores para tentar lidar com quaisquer sinais de que os funcionários possam se organizar em levante.

A legislação trabalhista americana protege o direito dos funcionários ao sindicato. É legal, entretanto, que uma empresa monitore e aborde a organização do trabalho, desde que não ameace, restrinja ou interfira com os esforços de sindicalização.

No total, as empresas americanas gastaram pelo menos US$ 100 milhões em consultoria para campanhas antissindicais entre 2014 e 2017, de acordo com dados do Instituto de Política Econômica, baseados em formulários de divulgação arquivados no Departamento do Trabalho dos EUA.

McNicholas disse que usar um mapa de aquecimento alimentado por dados para monitorar os riscos de sindicalização “é apenas a próxima fronteira da oposição patronal aos sindicatos”.

Fonte: Business Insider

Deixe uma resposta