As Armas Biológicas do Pentágono (Parte II)

Escrito por Dilyana Gaytandzhieva
Continuando com nossa série sobre as pesquisas e experiências do Pentágono no âmbito das armas biológicas e da guerra biológica, a segunda parte desse nosso dossiê foca no uso de insetos, especialmente moscas e mosquitos, na difusão de diversos vírus.

Segundo relatórios do próprio Exército Americano, o Pentágono tem há anos testado o mosquito Aedis Aegypti como arma de guerra, e este e outros insetos vetores de doenças apareceram apenas recentemente no sul da Rússia, após o início das atividades do laboratório do Centro Lugar, na Geórgia.

Experiências militares com insetos que picam

A guerra entomológica é um tipo de guerra biológica que utiliza insetos para transmitir doenças. O Pentágono tem alegadamente realizado tais testes entomológicos na Geórgia e na Rússia.

Em 2014 o Centro Lugar foi equipado com uma instalação para insetos e lançou o projeto “Conscientização sobre a Codificação das Moscas da Areia na Geórgia e no Cáucaso”. O projeto cobriu uma área geográfica mais ampla fora da Geórgia – Cáucaso. Em 2014-2015 foram recolhidas espécies de moscas da areia flebotominas no âmbito de outro projecto “Trabalho de Vigilância em Doença Febril Aguda” e todas as moscas da areia (fêmeas) foram testadas para determinar a sua taxa de infecciosidade. Um terceiro projecto, incluindo também a recolha de moscas da areia, estudou as características das suas glândulas salivares.

Como resultado, Tbilisi tem sido infestada com moscas picadoras desde 2015. Estes insetos picadores vivem dentro de casa, em banheiros, durante todo o ano, o que anteriormente não era o comportamento típico destas espécies na Geórgia (normalmente a época das moscas flebotominas na Geórgia é excepcionalmente curta – de junho a setembro). Os habitantes locais queixam-se de serem mordidos por estas moscas recém-aparecidas enquanto estão nu nos banheiros. Elas também têm uma forte resistência ao frio e podem sobreviver mesmo nas temperaturas abaixo de zero nas montanhas.

Moscas picadoras no Daguestão, Rússia

Desde o início do projeto do Pentágono, em 2014, surgiram moscas semelhantes às da Geórgia no vizinho Daguestão (Rússia). De acordo com a população local, elas picam e causam erupções cutâneas. Os seus habitats de reprodução são drenos domésticos.

As moscas da família flebotomínea transportam parasitas perigosos na saliva que transmitem através de uma picada nos humanos. A doença, que estas moscas transportam, é de grande interesse para o Pentágono. Em 2003, durante a invasão americana do Iraque, os soldados americanos foram severamente picados por moscas da areia e contraíram leishmaniose. A doença é nativa do Iraque e do Afeganistão e se não for tratada a forma aguda da leishmaniose pode ser fatal.

Um relatório do exército americano de 1967 “Artrópodes de importância médica na Ásia e na URSS europeia” lista todos os insetos locais, sua distribuição e as doenças que eles carregam. Moscas picadoras, que vivem em esgotos, também são listadas no documento. Os seus habitats naturais, porém, são as Filipinas, não a Geórgia ou a Rússia.

Fonte: “Arthropods of medical importance in Asia and the European USSR”, relatório do exército americano, 1967.

Operação Whitecoat: Moscas infectadas testadas para picar humanos

Em 1970 e 1972, foram realizados testes de febre das moscas da areia em humanos, de acordo com um relatório desclassificado do Exército dos EUA – Atividades do Exército Americano os Programas de Guerra Biológica dos EUA, 1977, vol. II, p. 203. Durante a operação, os voluntários da Whitecoat foram expostos a picadas de moscas da areia infectadas. A Operação Whitecoat foi um programa de pesquisa médica de defesa biológica realizado pelo Exército dos EUA em Fort Detrick, Maryland, entre 1954 e 1973.

Apesar do término oficial do programa de bio-armas dos EUA, em 1982 a USAMRIID realizou uma experiência sobre se moscas da areia e mosquitos poderiam ser vetores do vírus do Vale do Rift, da dengue, da chikungunya e da encefalite equina oriental – vírus, que o Exército dos EUA pesquisaram por seu potencial como bio-armas.

Insetos Assassinos

O Pentágono tem uma longa história na utilização de insetos como vetores de doenças. De acordo com um relatório parcialmente desclassificado do Exército Americano de 1981, os cientistas americanos de guerra biológica realizaram uma série de experiências com insetos. Estas operações fizeram parte da Guerra Entomológica dos EUA, no âmbito do Programa de Armas Biológicas dos EUA.

Pentágono: Como matar 625 mil pessoas por apenas $0,29 de custo por morte

Um relatório do Exército dos EUA em 1981 comparou dois cenários – 16 ataques simultâneos a uma cidade por mosquitos A. Aegypti, infectados com febre amarela, e um ataque de aerossol de Tularemia, e avalia sua eficácia em custo e baixas.

Operação Big Itch: Foram feitos testes de campo para determinar padrões de cobertura e sobrevivência da pulga de rato tropical Xenopsylla cheopis para uso como vetor de doenças na guerra biológica.

Operação Big Buzz: 1 milhão de mosquitos A. Aegypti foram produzidos, 1/3 foram colocados em munições e largados de aviões, ou dispersos no chão. Os mosquitos sobreviveram ao lançamento e procuraram ativamente por sangue humano.

Fonte: Avaliação da Guerra Entomológica como um perigo potencial para os EUA e as nações europeias da OTAN, Exército dos EUA, Relatório de Março de 1981

Operação May Day: Mosquitos Aedes Aegypti foram dispersos através de métodos terrestres na Geórgia, EUA, durante uma operação do Exército dos EUA com o nome de May Day.

Partes do relatório do Exército dos EUA de 1981, como a “Produção em massa do Aedes Aegypti”, não foram desclassificadas, o que potencialmente significa que o projeto ainda está em andamento.

O Aedes Aegypti, também conhecido como mosquito da febre amarela, tem sido amplamente utilizado nas operações militares dos EUA. A mesma espécie de mosquitos são supostamente os vetores da dengue, da chikungunya e do vírus Zika, que causam malformações genéticas em recém-nascidos.

Operação Bellweather

O Comando de Pesquisa e Desenvolvimento Químico do Exército dos EUA, Seção de Armas Biológicas, estudou a atividade de picada de mosquitos ao ar livre numa série de testes de campo em Dugway Proving Ground, Utah, em 1960. As fêmeas virgens do mosquito Aedes aegypti, que haviam passado fome, foram testadas em tropas ao ar livre.

Para referência: Estudos de Atividade de Picada de Mosquitos ao Ar Livre, Projecto Bellweather I, 1960, Relatório Técnico, Exército dos EUA, Campo de Provas de Dugway.

Experiências Militares com Mosquitos Tropicais e Carrapatos na Geórgia

Tais espécies de mosquitos e pulgas (estudadas no passado no âmbito do Programa de Guerra Entomológica dos EUA) também foram coletadas na Geórgia e testadas no Centro Lugar.

No âmbito do projecto DTRA “Vírus e outros Arbovírus na Geórgia” em 2014, o mosquito tropical Aedes albopictus, nunca antes visto, foi detectado pela primeira vez e após décadas (60 anos) a existência do mosquito Aedes Aegypti foi confirmada na Geórgia Ocidental.

O Aedes Albopictus é um vetor de muitos patógenos virais, vírus da febre amarela, dengue, chikungunya e zika.

Estes mosquitos tropicais Aedes Albopictus, nunca antes vistos na Geórgia, também foram detectados nas vizinhas Rússia (Krasnodar) e Turquia, de acordo com dados fornecidos pelo Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças, a sua propagação é incomum para esta parte do mundo.

Os mosquitos Aedes Aegypti tem estado distribuídos apenas na Geórgia, sul da Rússia e norte da Turquia. Eles foram detectados pela primeira vez em 2014, após o início do programa do Pentágono no Centro Lugar.

Sob outro projeto do DTRA “Epidemiologia e Ecologia da Tularemia na Geórgia” (2013-2016) foram coletados 6.148 carrapatos terrestres; 5.871 foram coletados do gado e 1.310 pulgas e 731 carrapatos foram capturados. Em 2016, mais 21.590 carrapatos foram coletados e estudados no Centro Lugar.

Esta é a segunda parte de uma série. Continue lendo aqui.

Fonte: Arms Watch

Deixe uma resposta