O impacto humano na natureza facilita a propagação de vírus

Conforme a quantidade de espaços selvagens e intocados vai diminuindo por conta da expansão humana, o desmatamento e o comércio de animais aumentam a probabilidade de que animais transmitam as suas doenças para seres humanos. Mesmo que se descubra que não foi essa a causa da atual pandemia, é fundamental combater o comércio de animais selvagens e reduzir o impacto humano sobre o meio ambiente. Isso inclui o nosso próprio país, o Brasil, onde a ingestão de todo tipo de animal selvagem e o tráfico de animais em extinção correm muito mais soltos do que na China.

A caça, a agricultura e a mudança global de pessoas para as cidades causaram declínios maciços na biodiversidade e aumentam o risco de vírus perigosos como o Covid-19 se espalharem de animais para seres humanos, concluiu um grande estudo.

Em um artigo que sugere que a causa subjacente da presente pandemia pode se relacionar ao contato crescente dos humanos com a vida selvagem, cientistas da Austrália e dos EUA descobriram quais são os animais com maior probabilidade de compartilhar patógenos com os seres humanos.

Tomando 142 vírus conhecidos por terem sido transmitidos de animais para seres humanos por muitos anos, eles os associaram à lista vermelha da IUCN de espécies ameaçadas.

Animais domesticados como gado, ovelhas, cães e cabras compartilharam o maior número de vírus com seres humanos, com oito vezes mais vírus de origem animal do que espécies de mamíferos selvagens.

Animais selvagens que se adaptaram bem a ambientes dominados por humanos também compartilham mais vírus com as pessoas. Roedores, morcegos e primatas – que geralmente vivem entre pessoas e perto de casas e fazendas – juntos foram considerados hospedeiros de quase 75% de todos os vírus. Os morcegos têm sido associados a doenças como Sars, Nipah, Marburg e Ebola.

O estudo, publicado na revista Proceedings, da Royal Society B, descobriu que o risco de disseminação era mais alto quando associado a animais selvagens ameaçados de extinção cujas populações haviam diminuído em grande parte devido à caça, ao comércio de animais selvagens e à perda de habitat.

“A invasão humana em áreas da biodiversidade aumenta o risco de disseminação de novas doenças infecciosas, permitindo novos contatos entre humanos e animais selvagens… Descobrimos que espécies de primatas e morcegos eram significativamente mais propensas a abrigar vírus zoonóticos em comparação com todas as outras ordens”, diz o estudo.

“A disseminação de vírus de animais é resultado direto de nossas ações que envolvem a vida selvagem e seu habitat”, disse a autora Christine Kreuder Johnson, diretora do EpiCenter for Dynamics Disease no One Health Institute, um programa da Escola de Medicina Veterinária da UC Davis.

“A conseqüência é que eles estão compartilhando seus vírus conosco. Essas ações ameaçam simultaneamente a sobrevivência das espécies e aumentam o risco de transbordamento. Em uma infeliz convergência de muitos fatores, isso causa o tipo de confusão em que estamos agora ”, disse ela.

“Precisamos estar realmente atentos à maneira como interagimos com a vida selvagem e às atividades que unem humanos e vida selvagem. Obviamente, não queremos pandemias dessa escala. Precisamos encontrar maneiras de coexistir com segurança com a vida selvagem, visto que eles podem disseminar muitos vírus”, disse Johnson.

Separadamente, mais de 200 dos grupos de proteção à vida selvagem do mundo escreveram para a Organização Mundial de Saúde (OMS) pedindo que se recomendasse aos países uma abordagem altamente preventiva ao comércio de bilhões de dólares em animais silvestres e uma proibição permanente de todos os mercados de animais selvagens vivos e do uso da vida selvagem na medicina tradicional.

Algumas pessoas acreditam que a pandemia de Covid-19 tenha se originado em mercados de animais selvagens na China e tenha sido transmitida aos seres humanos como resultado da proximidade entre animais e pessoas.

Os grupos, que incluem o Fundo Internacional para o Bem-Estar Animal, a Sociedade Zoológica de Londres e Peta, afirmam que a proibição global dos mercados de vida selvagem ajudará a prevenir a propagação de doenças e abordará “um dos principais fatores de extinção de espécies”.

“Essa ação decisiva, dentro do mandato da OMS, seria um primeiro passo impactante na adoção de uma abordagem altamente preventiva ao comércio de animais silvestres, que representa um risco para a saúde humana”, diz a carta.

As organizações argumentam que as doenças zoonóticas são responsáveis por mais de 2 bilhões de casos de doenças humanas e mais de 2 milhões de mortes humanas a cada ano, incluindo Ebola, Mers, HIV, tuberculose bovina, raiva e leptospirose.

A carta segue o apelo da chefe da biodiversidade da ONU, Elizabeth Maruma Mrema, ao Guardian nesta semana, pedindo proibição global dos mercados de animais selvagens.

Ao contrário dos grupos de conservação, Mrema, o secretário executivo em exercício da Convenção das Nações Unidas sobre Diversidade Biológica, enfatizou que milhões de pessoas, particularmente na África, dependem de animais selvagens para alimentação e que são necessárias alternativas aos mercados úmidos.

Em um sinal crescente de que as organizações globais estão envergonhadas pelo surgimento de doenças zoonóticas nos animais comercializados, o Cites, o órgão que regula o comércio internacional de animais, se recusou a ser atraído para o crescente debate sobre as origens do Covid-19.

Em uma declaração concisa, dizia: “Assuntos relacionados a doenças zoonóticas estão fora do mandato da Cites e a Secretaria não tem competência para fazer comentários sobre as notícias recentes a respeito de possíveis ligações entre o consumo humano de animais selvagens e o Covid-19”.

Fonte: The Guardian

Deixe uma resposta