Você quer ser tão foda quanto seus ancestrais? – Use anabolizantes, nootrópicos, faça seus próprios condimentos e pare de usar herbicidas!

Todas as evidências apontam para uma queda nas taxas médias de testosterona, na contagem de esperma, bem como para uma perda de valores e padrões comportamentais classicamente masculinos. O que está por trás disso? Nesse artigo traduzido, é abordado o envenenamento estrogenizante empreendido pela indústria alimentícia e pelo agronegócio, e como enfrentar esse problema a nível pessoal.

Para aqueles sem o benefício de uma educação em artes liberais, eu vou contar um segredo – praticamente todas as gerações na história olharam para uma era passada como uma “era dourada” mítica. Assim como a maioria das pessoas racionais veem seus relacionamentos passados através de óculos de cor rosa (a alternativa sendo a malícia estranha que se vê em todo o Facebook), a maioria dos historiadores da história vê as gerações anteriores como superiores às suas próprias. Claramente, eu não sou exceção a essa regra, e não faço nenhum tipo de autocrítica em relação a isso.

O que se segue, no entanto, dificilmente são as simples reflexões de um homem velho e rabugento. Esta é uma questão séria para a humanidade e requer uma solução séria, ao invés de apenas enterrarmos a cabeça na areia e fingirmos que tudo vai ficar bem, que a humanidade está evoluindo a um ritmo bastante excepcional. Quer isto se deva inteiramente ao nosso desrespeito pela situação do nosso ambiente ou à forma da natureza de reduzir o crescimento populacional do verdadeiro cancro que é a raça humana, a humanidade tem visto uma queda vertiginosa nos níveis de testosterona, na contagem de esperma e na atividade sexual, uma queda concomitante no QI e um aumento precipitado de uma nojenta gordura corporal (Engber, Harding).

Em resumo, estamos nos tornando menos incríveis a cada minuto. A cada momento que passa, há menos pessoas fazendo coisas épicas, menos pessoas descobrindo novos conceitos interessantes, menos pessoas fazendo comentários incisivos, e menos pessoas transando, e quando o fazem, o fazem menos bem, com paus mais moles. Não é que estamos simplesmente deslizando para o mundo da Idiocracia – isso seria uma dádiva em comparação. É mais como se estivéssemos nos tornando os corpos gordos amorfos de Wall-E, incapazes de transar e incapazes de articular nosso desejo de fazê-lo, mesmo que tivéssemos um. E enquanto o mundo estaria definitivamente melhor sem a humanidade, alguém tem que garantir que os lulus-da-pomerânia do mundo não morram de fome na nossa ausência (os gatos vão ficar bem sem nós).

O problema detalhado

Talvez você seja da opinião de que as minhas declarações acima são exageradas de alguma forma. Se temos intelecto suficiente para sair da Terra e entrar em órbita, certamente não somos retardados. E o Hafthor não acabou de bater um recorde de força de 1000 anos? Isso tem de contar para alguma coisa. E os maiores gangbangs de que há registro? Ainda estamos arrasando em termos sexuais.

Na verdade, não. Os gregos e romanos certamente nos superavam de uma perspectiva sexual (juntamente com basicamente todos os outros povos pré-modernos); Hafthor só foi capaz de superar Orm Storulfsson ao fazer do levantamento de peso a sua profissão, comendo muito mais calorias do que o viking, e provavelmente superando em 1,5 a 2x o seu peso corporal; e o QI médio caiu cinco pontos desde 1975. Não há como negá-lo – estamos, muito quantificável e indiscutivelmente, em um estado de acentuada involução.

Se seu avô é esse cara, você nem pode ser considerado humano em comparação

Você não é tão homem quanto seu pai, e nem pode ser categorizado como homem em comparação com seu avô

Correndo o risco de parecer um “boomer”, é verdade – nenhum de nós vale nada do ponto de vista da testosterona, em comparação com os nossos antepassados. O desgraçado menos masculino da sua linha familiar há 150 anos atrás provavelmente tinha mais testosterona bombeando através das veias aos 50 anos de idade. Sim, isso mesmo, uma mulher efeminada do século 19 teria uma chance justa de jogar você no chão se você decidisse agarrá-la. Sim, parece uma hipérbole séria, mas tragicamente, não tenho como exagerar em algo tão evidente.

  • um estudo de 2007 no Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism mostrou um declínio médio anual nos níveis de testosterona desde 1980. Isso significa que um homem de 60 anos em 2004 tinha níveis de testosterona 17% mais baixos que os de um homem de 60 anos em 1987 (Travison). Se você ainda não entendeu, isso significa que seus níveis de testosterona natural são agora basicamente metade do que um cara de sua idade tinha em 1980. Isso significa que o teu natural não é igual ao natural dos anos 80, em qualquer sentido, é quase indizivelmente inferior.
  • Um estudo semelhante feito na Dinamarca mostrou que o problema vai ainda mais fundo que isso – os rapazes nascidos nos anos 60 tinham em média 14% menos testosterona do que os homens nascidos nos anos 20 (Nordal). O SHBG (a merda que determina quanta testosterona seu corpo pode realmente usar) também aumentou 26% no mesmo período, então eles não só estavam produzindo menos testosterona, mas eles podiam usar menos do pouco que produziam (Andersson).
  • Você é muito mais fraco do que o seu pai era. Um estudo de 2016 mostrou que, em média, um homem de 20 a 34 anos de idade podia aplicar 98 libras [44.5kg] de força com a mão direita, contra 117 libras [53kg] por um homem da mesma idade em 1985. Os jovens millennials (25-29 anos) são hilariantemente fracos em comparação com os homens da mesma idade quando o “De Volta para o Futuro” estava nos cinemas – eles podem exercer 25 libras [11kg] a menos de força do que os seus antepassados. Isso significa que, independentemente dos níveis de testosterona, a força da sua mão enquanto homem é, na melhor das hipóteses, 84% do que um rapaz da sua idade tinha 30 anos atrás (Ingraham). 
  • E senhoras, não pensem que vocês estão em situação melhor – enquanto as millennials mais velhas são mais fortes que suas antepassadas, as millennials mais novas e as mulheres da Gen Z são tão fracas que podem muito bem ser quadriplégicas (Ibid).

Se isso não te faz prestar atenção, então nada mais faz. Isso não é nenhum tipo de bobagem idiota de MGTOW feita por afrescalhados que querem “resistir contra ataques à masculinidade”, porque os caras promulgando essa merda são umas mocinhas que perderiam uma briga para uma cópia em papelão úmido do Sylvester Stallone. Isto é simplesmente uma chamada de despertar de que o que você pensa que é “natural” não é realmente nada do tipo – é um estado quimicamente alterado criado pelos efeitos combinados de fito- e xenoestrógenos no seu sistema, combinado com uma dieta péssima, um nível nojento de adiposidade, preguiça, e sem dúvida uma série de outros fatores ambientais.

Em outras palavras, você não é “natural” por não estar ciclando – você está usando drogas anticoncepcionais, o que dificilmente pode ser considerado natural. Você está em uma busca ativa por uma mudança de sexo

E se você é um desses idiotas que andam com a calcinha torcida porque um comercial te disse para não cantar garotas na rua (que é o pior tipo estratégia possível), mas você ainda está natural porque “você não precisa de esteroides” ou como quer que vocês idiotas falem, considere isso – não só sua estratégia de merda é culpada por você não conseguir transar, mas o fato de você ser uma vadiazinha em comparação com o pai dela faz com que seja ainda mais difícil entrar naquelas calcinhas.

“A maioria dos homens millennials americanos relatam sentir-se pressionados a projetar uma imagem tradicional de masculinidade caracterizada por traços como dureza, autossuficiência e hipersexualidade – mas quando perguntados se eles mesmos desejam imitar essas características, a maioria não o quer. Uma pesquisa separada pediu aos homens que se classificassem em uma escala de “completamente masculino” a “completamente feminino”. Apenas 30% dos jovens de 18 a 29 anos escolheram “completamente masculinos”. Isso é comparado com 65% dos homens com mais de 65 anos. Todas estas mudanças sociais e culturais também deixaram as mulheres millennials em águas desconhecidas. Números maiores enfrentam uma piscina de encontros onde parceiros de educação e status iguais são mais difíceis de encontrar, deixando-as à espera que os homens cheguem ao seu nível ou decidem seguir sozinhas. “Eles não são homens”, disse uma jovem mulher à Revista Philadelphia. “Eles são meninos.” É um sinal de uma inversão de gerações a longo prazo: Quando as mulheres boomer estavam chegando à idade adulta, elas queriam homens mais gentis e sensíveis em contato com os seus sentimentos. Agora as mulheres millennials anseiam por homens que ‘virem homens’ e assumam o controle” (Howe).

O que quer que você faça, seja mais como os samoanos. Essa parece uma boa regra.

Em resumo, está tudo seriamente ruim. Temos medicamentos contraceptivos, medicamentos psiquiátricos e escoamento estrogênico de pesticidas em nossas fontes de água, xenoestrogênios vazando de plásticos em nossos alimentos e bebidas (mesmo naquela porcaria sem BPA), todos massacrando os sistemas endócrinos masculino e feminino ao redor do mundo desenvolvido (Yang, Bittner). E se isso não fosse suficiente, a grande agricultura decidiu despejar xarope de milho com alto teor de frutose em um número tão absurdo de alimentos que, a menos que você mesmo o tenha feito ou diga “sem açúcar” no rótulo, é quase uma certeza que o monte de escória química conhecida como xarope de milho com alto teor de frutose está envolvido na fabricação da porcaria que você está comendo. Sim, não é suficiente que a Monsanto tenha feito crescer tetas em você só com a água da torneira, eles também decidiram aumentar a aposta e te dar síndrome metabólica só para tornar mais difícil ficar seco pra ir à praia.

“Nós confirmamos estudos anteriores que demonstram que o HFCS pode induzir a desregulação metabólica e que se somam a dados acumulados que indicam que isso pode surgir na ausência da obesidade. A redução da dopamina está associada à obesidade e pode contribuir para uma alimentação compulsiva. Demonstramos que o HFCS pode prejudicar a função dopamínica na ausência de ganho de peso ou aumento do consumo de gordura. Como uma função dopamínica reduzida tem sido implicada em comportamentos compulsivos e na redução do gasto energético e a desregulação insulínica incorre no aumento do risco de obesidade, alterações na regulação da glicose e na função dopamínica induzidas pelo HFCS podem preceder e contribuir para a obesidade a longo prazo. O aumento do consumo de refrigerantes açucarados tem sido associado ao aumento das taxas de obesidade e distúrbios metabólicos, especialmente nos países desenvolvidos que consomem uma dieta “ocidental” quando comparados com os países de menor acesso” (Meyers).

Você acha que é esperto? Você só acha isso porque não é tão esperto quanto deveria

Isto pode ser um osso duro de engolir, mas para além do fato de os nossos sistemas endócrinos serem basicamente estrume de cão molhado em comparação com os dos nossos avós, mas os nossos cérebros também são um lixo. Estudos realizados na Dinamarca, Grã-Bretanha, França, Holanda, Finlândia e Estônia mostraram que, embora o QI tenha aumentado de forma constante de 1962 a 1975, tem vindo a diminuir acentuadamente desde esse ano (Smith, Bratsberg). Embora a queda tenha sido de apenas cinco pontos percentuais, imagino que poucas pessoas que leem este site estejam dispostas a aceitar a diminuição do QI, e tenham em conta que cinco pontos podem ser a diferença entre a inteligência média e a fronteira do retardo mental.

Embora os cientistas ainda não tenham identificado a causa exata, eles estão certos de que a causa é ambiental e não genética, então, mais uma vez, você está sendo envenenado pelo seu ambiente.

Prepare o terreno, começa o ataque: se prepare para o discurso pró-anabolizantes

Ser natural hoje em dia é como travar uma batalha do Álamo contra as forças combinadas da genética, da grande agricultura, do grande petróleo e do bom senso, em vez do exército maltrapilho mexicano, só que, em vez de 200 homens de fronteira endurecidos e fortemente armados, você está lutando com crianças do jardim de infância tão duras quanto merda mole armados com clipes de papel e elásticos. Sério, seria como ter a pessoa menos dura no seu abrigo de emergência insistindo que todos vão lutar contra os mutantes canibais nus e armados com sanduíches de manteiga de amendoim. É tão sensato quanto consumir detergente, mas sem a honra concomitante de ingerir voluntariamente veneno para que sua morte divirta os outros.

Falando a partir da posição de alguém que foi straight edge até os 27 anos de idade, eu tenho o benefício de ter sido ainda mais militante do que o seu powerlifter médio, só que com mais lógica e melhor música ao meu lado. Eu não era natural pela desculpa de ser mais fraco – eu era natural porque eu gostava de provar que eu era melhor do que todos ao meu redor sem nenhuma das ajudas de que todos tiravam proveito. Se eu estava em uma festa e via alguém doidão e se divertindo muito, eu não dizia “sim, bem, isso é fácil quando você está doidão” – eu só agitava ainda mais. O mesmo acontecia na academia – naqueles dias não havia nenhuma frescura de esfregar as mãos e choramingar por ser natural com a minha equipe e comigo. É incrível o que um pouco de esforço extra consegue fazer.

Foi somente quando percebi que a satisfação inerente a esse conhecimento me tornava teoricamente superior aos outros em minha mente, mas inferior ao meu potencial real, que fui forçado a rever minha posição. Não é que eu estivesse tendo um desempenho abaixo dos padrões de qualquer um, mas sim dos meus próprios padrões, e, de qualquer forma, sendo acusado por todos os lados de uso ininterrupto de drogas, achei que não havia razão para não usá-las. Afinal, eu ainda enfrentava esta grande questão existencial:

“Será que eu era, de fato, moralmente, fisicamente e espiritualmente superior àqueles que usavam as ajudas que eu rechaçava, ou eu simplesmente tinha medo de que, uma vez que eu nivelasse completamente o campo de jogo usufruindo daquilo, eu não excederia o desempenho dos outros tanto quanto eu esperava?”

Para mim, essa foi uma crise existencial infernal. Eu cresci cantando as letras do Minor Threat, espancando moleques na roda de mosh ao som de Earth Crisis enquanto berrava “I AM STRAIGHT EDGE”, e trocando porrada com skinheads depois dos shows. Eu percebi, no entanto, que enquanto a superioridade moral que eu sentia era bastante legal, eu era praticamente intolerável de estar perto na academia para meus amigos, e eu estava deixando passar muita diversão por praticamente nenhuma razão. Assim, aos 27 anos eu mudei de ideia, mas ainda assim me abstive de usar qualquer tipo de substância para aumento de desempenho (embora tal como a Courage Crew costumava parar com o sangue deles nos meus punhos por eu beber Diet Coke enquanto usava o “X” por causa da cafeína que ela tinha, a Associação Americana de Powerlifting acabaria em uma situação semelhante por causa do meu amor pela efedrina e pela cafeína) até que eu comecei a usar “pró-hormônios” por volta dos 31 anos. Francamente, no início não sabíamos que eram esteróides do mercado negro, e não nos importamos – legal era legal, e isso contava como “natural” para mim. Alguns anos depois eu percebi que bomba é bomba e passei a usar apenas da boa, que desde então tenho usado esporadicamente, em um estilo absolutamente não científico típico dos anos 80 (mas de qualquer forma com doses muito baixas).

O objetivo desta anedota incaracteristicamente pessoal é que eu entendo o argumento “natural” de coração, tanto de uma perspectiva espiritual como moral. Se você está evitando usar bomba por uma perspectiva fisiológica, apenas pare de ler e coloque o capacete e o babador de volta, porque você é muito estúpido para absorver o resto desta missiva. Francamente, se você é tão medroso e triste assim, eu não tenho ideia de como você veio parar aqui em primeiro lugar, mas você deve considerar a utilização de outro recurso – os efeitos de doses baixas a moderadas de testosterona não vêm com suficientes efeitos negativos para saúde para justificar o não uso, especialmente quando a alternativa é uma vida longa, fraca, deprimida, chata e temerosa estacionada na frente da porra da televisão, ou no caso dos menores de 25 anos, escondendo-se do sol e de uma vida social no porão dos pais.

E embora eu não saiba de ninguém que tenha proposto isso, o declínio precipitado da testosterona no Ocidente parece coincidir com o aumento da expectativa de vida, então talvez isso seja em parte responsável pelo aumento. Francamente, para mim é tudo acadêmico, porque por mais rico que você seja, ser velho demais é uma merda. Ficarei feliz em tirar uns anos do fim para empacotar mais excepcionalidade no meio.

Não preciso dizer a vocês que as coisas estão péssimas. Todo mundo sabe que as coisas estão péssimas. É uma depressão. Todo mundo está desempregado ou com medo de perder o emprego. O dólar compra o equivalente a um níquel. Os bancos estão falindo. Os lojistas guardam uma arma debaixo do balcão. Os vagabundos andam à solta na rua e não há ninguém em lado nenhum que pareça saber o que fazer, e não há fim para isto. Sabemos que o ar é impróprio para respirar e a nossa comida é imprópria para comer, e sentamos todos para assistir nossas televisões enquanto um jornalista local nos diz que hoje tivemos quinze homicídios e sessenta e três crimes violentos, como se fosse assim que as coisas deveriam ser.

Sabemos que as coisas estão péssimas – piores do que péssimas. Elas estão insanas. É como se tudo estivesse enlouquecendo em todo o lado, e por isso não saímos mais de casa. Nos sentamos em casa, e lentamente o mundo em que vivemos está ficando menor, e tudo o que dizemos é: “Por favor, pelo menos nos deixem sozinhos em paz nas nossas salas de estar. Me deixem ter a minha torradeira, a minha televisão e os meus radiadores de aço e eu não direi nada. Nos deixem em paz”.

Bem, eu não te vou deixar sozinho. Quero que você fique louco!

As Soluções, Como Eu As Vejo

  • Beba a partir do vidro. Como citei acima, até mesmo as sanguessugas de plástico sem BPA vazam estrogênio em tudo que estiver dentro delas.
  • Armazene a sua comida em vidro. Jogue fora todas as coisas de plástico da sua casa e arranje umas porcarias dessas.
  • Pare de usar herbicidas no teu quintal. “Estes herbicidas, pesticidas e outros químicos são conhecidos como ‘mimetizadores de estrogênio’, ‘desreguladores hormonais’, desreguladores endócrinos ou xenoestrógenos. Estes químicos semelhantes aos estrogênios ligam-se aos receptores de estrogénio que estão ligados à gordura. Os estrogênios e mimetizadores de estrogênio de herbicidas e outras substâncias, aumentam os padrões vasculares e o metabolismo no seio. Se você tem um grupo de células que se tornaram anormais e estão crescendo, ou um tumor canceroso está presente, o óxido nítrico é liberado a partir destas células anormais. Se a rede vascular tiver aumentado na área do tumor e os vasos estiverem agora dilatados devido à liberação de óxido nítrico e à maior disponibilidade de oxigênio e nutrição, é provável que o tempo de duplicação do tumor se torne mortal. Os tumores estabelecem seu próprio fluxo sanguíneo conhecido como neo-angiogênese. A literatura médica sobre exposição a pesticidas/herbicidas é clara sobre o fato de que estes químicos prejudicam os sistemas neurológico, reprodutivo e hormonal” (Edstrom).
  • Tome nootrópicos. Embora tenham sido considerados “suplementos não nutricionais” pela FDA e, portanto, ilegais de incluir no Cannibal Genius (o que nos levou a descontinuá-lo), os racetams são o creme de la creme na minha mente. Eu geralmente evito anfetaminas e não me sentiria à vontade de recomendá-las a ninguém, especialmente porque nunca entendi como alguém poderia desenvolver um vício opiáceo, e ainda assim estamos vivendo em um terreno baldio pós-apocalíptico cheio de heroína, neste momento. Como regra geral, não tomem nada que esteja quimicamente programado para formar hábitos por mais de três dias seguidos – posso dizer, por experiência própria, que quando se passa a marca dos três dias, a tendência é perder o foco na vida como um todo.
  • Tome anti-estrógenos e testosterona. Se ninguém mais o vai dizer, eu vou. Para alguém com menos de 25 anos, isto é provavelmente uma má ideia, e eu não sou um grande fã de exagerar na bomba, por isso não estou recomendando que sigam na linha Michalik/Grymkowski/Piana. Dito isto, eu não sou nenhum guru dos anabolizantes e não vou fazer nenhuma recomendação específica além do fato de que alguns arimidex e 300mg de testo por semana fazem bem ao corpo (e um pouco mais poderia ser ainda melhor). Claramente, senhoras, vocês usariam menos do que isso, mas eu não conheço nenhum bom recurso para usar como guia – eu pediria aos treinadores que ajudam competidoras da categoria physique por recomendações.
  • O suplemento natural não vai te dar o aumento de 40%-50% em testo que você precisaria para igualar os níveis de testo dos levantadores de meados do século 20, então eu não vejo sentido em lidar com isso. Eu percebo que você vai fazer muitas perguntas específicas para as quais eu não tenho respostas, porque eu não me importo com bomba mais do que com o tipo de martelo que eu estou usando para bater em pregos.
  • Se você é um redditor/channer, entenda que trembolona não é uma substância mágica. Como é que vocês tiveram essa ideia, eu nunca saberei, mas é burrice demais. Ele te ajuda a crescer seco. Sem magia.
  • Tome T3 quando estiver secando (ou apenas periodicamente ao longo do ano). Você tem HFCS no teu sistema, o que significa que o teu metabolismo está fodido. As mulheres parecem ser especialmente susceptíveis à síndrome metabólica, e isso joga tudo no inferno, desde o seu humor até ao seu depósito de gordura. Eu não o administraria por mais de 6-8 semanas, para que você não foda a capacidade do seu corpo de produzir T3 naturalmente, mas se você quiser tentar, aqui está um guia.
  • Faça os seus próprios condimentos. Eles não só terão um sabor consideravelmente melhor do que a porcaria que você tem na sua geladeira, mas eles não conterão xarope de milho com alto teor de frutose ou qualquer outra merda horrível que você vai encontrar na sua garrafa média de lixo da Heinz. Se você não presta para cozinhar, dê um jeito e aprenda, mas enquanto isso consiga as porcarias sem HFCS dentro.

E aí está – um raciocínio detalhado, ainda que longo, sobre o porquê de todos nós termos de dizer “dane-se o governo” e começar a aumentar o nosso uso de substâncias de aumento de performance. Você pode discordar da minha conclusão, mas isso seria porque você está errado, pelas razões que eu detalhei acima, e você vai mudar de ideia assim que puser aqueles racetams e anti-estrógenos pra fluir. Em qualquer caso, tome suas próprias decisões e escolha seu próprio caminho, porque no final das contas, essa é a única liberdade que realmente temos.

Está a fim de me trollar nos comentários sobre como você não precisa de bomba e masculinidade tóxica e sobre como você é o cara? Sinta-se à vontade. Mas antes de começar, saiba isto:

O comportamento associado à masculinidade tóxica é o comportamento dos bullies, e os bullies têm uma testosterona muito mais baixa do que as pessoas cujo saco elas enchem. Bullies são vadias medrosas e fracas que agem de uma maneira que parece dura porque eles não fazem ideia do que é dureza de verdade (Vaillancourt). Então, se a sua “calcinha” se retorce por causa do conceito de masculinidade tóxica, é porque você é uma vadia.

Fontes

Andersson AM, Jensen TK, Juul A, Petersen JH, Jørgensen T, Skakkebaek NE.  Secular decline in male testosterone and sex hormone binding globulin serum levels in Danish population surveys.  J Clin Endocrinol Metab. 2007 Dec;92(12):4696-705.

Bratsberg B, Rogeberg O.  Flynn effect and its reversal are both environmentally caused.  Proc Natl Acad Sci U S A. 2018 Jun 26;115(26):6674-6678. 

Edstrom, Ingrid.  Pesticides, herbicides, chemicals- oh my!  ZRT Lab.  28 Apr 2015.  Web.  6 Aug 2019.  https://www.zrtlab.com/blog/archive/pesticides-herbicides-chemicals-oh-my/

Engber, Daniel.  The great endumbening.  Slate.  19 Sep 2018.  Web.  3 Aug 2019.  https://slate.com/technology/2018/09/iq-scores-going-down-research-flynn-effect.html

Ferder L, Ferder MD, Inserra F.  The role of high-fructose corn syrup in metabolic syndrome and hypertension.  Curr Hypertens Rep. 2010 Apr;12(2):105-12. 

Harding, Anne.  Men’s testosterone levels declined in last 20 years.  Reuters.  19 Jan 2007.  Web.  14 Jun 2019.  https://uk.reuters.com/article/health-testosterone-levels-dc-idUKKIM16976320061101

Howe, Neil.  You’re not the man your father was.  Forbes.  2 Oct 2017.  Web/  16 Jun 2019.  https://www.forbes.com/sites/neilhowe/2017/10/02/youre-not-the-man-your-father-was/#26916de08b7f

Ingraham, Christopher.  Today’s men are not nearly as strong as their dads were, researchers say.  The Washington Post.  15 Aug 2016.  Web.  14 Jun 2019.    https://www.washingtonpost.com/news/wonk/wp/2016/08/15/todays-men-are-nowhere-near-as-strong-as-their-dads-were-researchers-say/?noredirect=on&utm_term=.66ccebe8ce81

Kimbrell, Andrew.  The big lie: Monsanto and the New York Times.  Huffington Post.  16 Dec 2019.  Web.  14 Jun 2019.  https://www.huffpost.com/entry/the-big-lie-monsanto-and_b_13654204

Meyers AM.  High fructose corn syrup induces metabolic dysregulation and altered dopamine signaling in the absence of obesity.  PLoS One. 2017; 12(12): e0190206.

Nordal, Erlingur.  Testosterone levels decreasing in Danish men.  Ice News.  17 May 2010.  Web.  14 Jun 2019.  https://www.icenews.is/2010/05/17/testosterone-levels-decreasing-in-danish-men/#axzz4f1HF2xrr

Smith, Rory.  IQ scores are falling and have been for decades, new study finds.  CNN.  14 Jun 2018.  Web.  5 Aug 2019.  https://www.cnn.com/2018/06/13/health/falling-iq-scores-study-intl/index.html

Travison TG, Araujo AB, O’Donnell AB, Kupelian V, McKinlay JB.  A population-level decline in serum testosterone levels in American men.  J Clin Endocrinol Metab. 2007 Jan;92(1):196-202. 

Vaillancourt T, deCatanzaro D, Duku E, Muir C.  Androgen dynamics in the context of children’s peer relations: an examination of the links between testosterone and peer victimization.  Aggress Behav. 2009 Jan-Feb;35(1):103-13

Yang CZ, Yaniger SI, Jordan VC, Klein DJ, Bittner GD.  Most Plastic Products Release Estrogenic Chemicals: A Potential Health Problem That Can Be Solved.  Environ Health Perspect. 2011 Jul 1; 119(7): 989–996.

Fonte: https://plagueofstrength.com/want-to-be-as-badass-as-your-ancestors-start-taking-steroids-racetams-and-anti-estrogens-make-your-own-ketchup-and-for-fucks-sake-stop-using-weed-killers/?fbclid=IwAR1n0WJ22zCFkNFLKi1TUcqhxDqZya919ho_UiyJFme7SbJAYSJcvFtXHhA

2 Comments

Deixe uma resposta