As Mentiras de “Dois Papas”: O filme não passa de uma fantasia liberal

O site First Things demoliu de maneira abrangente o novo filme da Netflix, Os Dois Papas, estrelado por Anthony Hopkins como um papa mal-humorado Bento e Jonathan Pryce como um radiante cardeal Jorge Bergoglio, hoje conhecido como Papa Francisco. A Netflix está gastando enormes quantias tentando ganhar indicações ao Oscar pelo filme, dirigido pelo aclamado brasileiro Fernando Meirelles. (A Netflix está gastando enormes quantias em muitas coisas nesta temporada.)

Se você não escreve sobre filmes para ganhar a vida, pode ter a impressão de que os cineastas que contam histórias sobre pessoas reais fazem pelo menos alguns gestos vagos na direção da verdade. Você estaria errado. O filme é sobre Bergoglio contemplando a aposentadoria, mas sendo convocado para ver o papa Bento no Vaticano. Os dois passam dias juntos se tornando amigos e Bento diz a Bergoglio que ele vai renunciar e ungir Bergoglio como seu sucessor.

Nada disso aconteceu. O filme todo é ficção. Como John Waters escreve no First Things:

“Bergoglio não voou em 2012 para a Itália para se encontrar com o papa Bento em Castel Gandolfo para pedir permissão para se aposentar. Os dois homens não passaram dias juntos se conhecendo. O papa Bento XVI não deu ao cardeal Bergoglio conhecimento prévio de sua intenção de renunciar. Ele não lhe disse que se considerava incapaz de ser papa. Ele não revelou que havia decidido que Bergoglio seria a escolha perfeita para substituí-lo”.

Este parágrafo descreve praticamente o filme inteiro. É apenas uma mentira do começo ao fim. Mas quero falar sobre uma mentira mais profunda, que é a mensagem do filme. Os Dois Papas é um conto politicamente correto sobre como um ultraconservador atolado em formas de pensamento ultrapassados (Bento) pode encontrar um terreno comum com o equivalente da Igreja a um hippie: Bergoglio é uma alma romântica e sensível, um homem das pessoas que dança tango e ama o ABBA e o futebol e representa valores progressistas e o futuro inclusivo e amoroso da Igreja. Bento passa a mitra para Bergoglio porque percebe que seu tempo já passou.

Em outras palavras, liberais e conservadores podem encontrar um terreno comum, se os conservadores concordarem em entregar o campo das ideias aos liberais e sair do caminho. Sem dúvida, alguns conservadores pensam que tudo ficaria bem se os liberais simplesmente admitissem que estão errados e concordassem em calar a boca para sempre. Mas se você fizesse um filme sobre isso, seria justamente ridicularizado como pura fantasia. Os Dois Papas é fantasia construída sobre mentiras.

Fonte: https://www.nationalreview.com/corner/the-lies-of-the-two-popes/?fbclid=IwAR27RGY-FhLLkrs5m8EPvbhTZLWHA8KtXtY-O6S84p93yFTwtFGyH9en6Xs

Deixe uma resposta