Dr. Shashi Tharoor – “Winston Churchill tem tanto sangue em suas mãos quanto os piores ditadores genocidas”

Tradução: Ana Siman

Fonte: https://www.independent.co.uk/news/world/world-history/winston-churchill-genocide-dictator-shashi-tharoor-melbourne-writers-festival-a7936141.html?fbclid=IwAR1G1fiKM438igDyrx2In-ZAv8h1eQcFPv11ToH3d2saWCRVGLJb49-qc3w

Um político indiano colocou Winston Churchill na mesma categoria de alguns dos  “maiores genocidas” do século 20 por causa de sua cumplicidade com a fome em Bengala.

O Dr. Shashi Tharoor, cujo novo livro Império Inglório narra as atrocidades do Império Britânico, argumentou que a reputação do ex-primeiro-ministro britânico como um grande líder de guerra e protetor da liberdade é totalmente errada devido ao seu papel em Bengala, onde 4 milhões de bangalis morreram de fome.

Em 1943, até quatro milhões de bengalis morreram de fome quando Churchill desviou alimentos para soldados britânicos e países como a Grécia, enquanto uma fome mortal varria Bengala.

Durante uma participação no Festival de Escritores de Melbourne transmitido pela ABC, o parlamentar indiano mencionou as ordens de Churchill relacionadas aos navios australianos que transportavam trigo nas docas indianas.

“Este é um homem que os ingleses querem que clamemos como um apóstolo da liberdade e da democracia, enquanto ele tinha tanto sangue nas mãos quanto alguns dos piores ditadores genocidas do século 20”, disse ele ao ser aplaudido.

Ele acrescentou: “As pessoas começaram a morrer e Churchill disse que a culpa era toda delas por se reproduzirem como coelhos. Ele disse ‘eu odeio os indianos. Eles são um povo bestial com uma religião bestial’”.

Dr. Tharoor, ex-subsecretário das Nações Unidas, também fez uma extensa descrição da exploração colonial britânica e aniquilação de indústrias indianas tradicionais como os têxteis, o que a reduziu a “um modelo da pobreza do terceiro mundo” na época em que os britânicos se retiraram em 1947.

Ele disse “a desculpa que os apologistas [do império britânico] gostam de usar é ‘não é nossa culpa, vocês perderam o ônibus para a revolução industrial’. Bem, nós perdemos o ônibus porque você nos jogou debaixo de suas rodas.”

Esta não é a primeira vez que o Dr. Tharoor expressou suas frustrações sobre a maneira como Churchill é lembrado pelos livros de história. Em março, ele argumentou que o ex-primeiro-ministro que levou a Grã-Bretanha à vitória na Segunda Guerra Mundial deveria ser lembrado ao lado dos ditadores mais proeminentes do século XX.

“Esse [Churchill] é o homem que os britânicos insistem em saudar como um apóstolo da liberdade e da democracia”, disse o autor ao UK Asian no lançamento de seu livro. “Quando na minha opinião ele é realmente um dos piores governantes do século 20 e só serve para ficar na companhia de homens como Hitler, Mao e Stalin “.

Ele acrescentou: “Churchill tem tanto sangue em suas mãos quanto Hitler. Particularmente as decisões que ele assinou pessoalmente durante a Fome de Bengala, quando 4,3 milhões de pessoas morreram por causa das decisões que ele tomou ou endossou “.

“Os britânicos não apenas perseguiram sua própria política de não ajudar as vítimas dessa fome que foi criada por eles mesmos. Churchill persistiu em exportar grãos para a Europa, não para alimentar os ‘robustos Tommies’, para usar sua frase, mas para aumentar os estoques reguladores que estavam sendo empilhados no caso de uma futura invasão da Grécia e da Iugoslávia ”.

“Navios carregados de trigo chegavam da Austrália atracando em Calcutá e foram instruídos por Churchill a não desembarcarem sua carga, mas a navegar para a Europa”, acrescentou. “E quando oficiais britânicos conscientes escreveram ao primeiro-ministro em Londres, apontando que suas políticas estavam causando perdas desnecessárias de vidas, tudo o que ele pôde fazer foi escrever de maneira rabugenta na margem do relatório: ‘Por que Gandhi ainda não morreu?’ “

Dr. Tharoor ganhou proeminência em Julho de 2015, depois de seu caloroso discurso na Oxford Union, discutindo o impacto econômico que o domínio britânico exerceu sobre a Índia.

Deixe uma resposta