A Queda de Bolton: exercendo poder com a graça de uma barata

Fonte: https://www.strategic-culture.org/news/2019/09/11/the-fall-of-john-bolton-exercising-power-with-the-grace-of-a-cockroach/?fbclid=IwAR0sNWbovacXAzNhDWOHcdCnKbkpww_W7QJ3BcHNM-BE_wcPl_CJue-9cyA

Tradução: Mateus Iale

John Bolton foi consultor de segurança nacional dos Estados Unidos apenas por menos de 18 meses, mas pareceu que ele estava lá por uma eternidade. E ainda não estamos – infelizmente – livres dele.

A primeira coisa a ser dita sobre a queda de Bolton é que ela foi inteiramente consistente com seu padrão ao longo da vida. Ele foi relutante e partiu com toda a graça de uma barata. Ele não mostrou lealdade ou mesmo cortesia ao presidente que o ergueu de um velho a brevemente um dos homens mais poderosos do planeta. Ele nunca conseguiu ser gracioso ou grato, nunca conseguiu ser um cavalheiro. Ele não conseguia simplesmente calar a boca.

John Bolton nunca foi um gênio: embora como todos os seus amigos neoconservadores, ele se imaginava ser. Esta sempre foi a fantasia infantil de um psicopata assustador que nunca cresceu, sempre uma mentira.

Por décadas, as baratas e aranhas nos recantos mais obscuros de todos os think tanks conservadores, libertários e progressistas liberais, espalhados por Washington como crostas de varíola, falavam com admiração do cérebro brilhante de Bolton, sua ética de trabalho implacável e sua vasta memória. Eles estavam apenas expondo sua própria e ainda maior mediocridade.

Pois a Bolton sempre faltou qualquer forma de julgamento, sabedoria, discernimento ou moderação. Ele tinha uma mente rígida e simplista que nunca aprendeu nada de bom que era novo e nunca esqueceu tudo o que era velho e vil.

Em julho, ele foi elogiado em uma conferência denominada “nacional conservadora”, fora de Washington, como defensor da moderação e da paz na política externa. Josef Goebbels não poderia ter inventado uma mentira mais ultrajante e ridícula. Era como felicitar Jeffrey Epstein por sua castidade e respeito por virgens.

Bolton foi elogiado por gerações intermináveis ​​de prostitutas neoconservadoras na mídia americana por sua visão ampla, como se ele realmente entendesse o mundo. De fato, a única coisa que ele entendeu – e sabia jogar – foi a mídia e os jogos de fofocas dentro do Washington Beltway.

John Bolton afirmou defender a segurança nacional dos Estados Unidos: Outra mentira. Como de costume nos Bosques Infernais da Capital Nacional, tudo é o oposto do que é apresentado. De fato, ele trabalhou sem parar para colocar seu país em risco sem precedentes.

Até o fim, ele procurou manter os soldados americanos morrendo aos milhares em uma guerra sem fim no Afeganistão, que trabalhou tanto com suas almas gêmeas neoconservadoras para desencadear por meio de seu fantoche acéfalo George W. Bush. De fato, parece ter sido seus esforços para (pelo menos inicialmente com sucesso) atrapalhar as promissoras negociações de paz no Qatar entre o governo Trump e o Talibã que finalmente levaram seu presidente há muito tempo a ergue-lo. 

John Bolton nunca foi eleito para nada. Até ele parecia perceber que inspirava tanta confiança humana quanto uma cobra. Mas a bajulação descarada rendeu-lhe entradas diplomáticas e políticas para uma administração republicana após outra.

Cada uma de suas políticas falhou, custou centenas de bilhões de dólares ou tirou centenas de milhares de vidas. Isso nunca pareceu importar. Ele podia contar com os anfitriões e produtores indulgentes da Fox News para expulsá-lo sem parar, repetidamente, para apresentar as mesmas velhas e exautivas mentiras disfarçadas de sabedoria e verdade.

Ninguém jamais teve permissão para desafiá-lo na sua frente em rede nacional. Ele nunca permitiria isso. Como tantos guerreiros de poltrona, ele era um trapaceiro e sempre foi um valentão e um covarde.

Presidente Trump, para seu genuíno crédito, era um verdadeiro esportista e atleta. Ele jogou bem golfe. Toda a sua vida ele reverenciou campeões esportivos e heróis de guerra. Isso pode ser escarnecido como infantil, mas é muito preferível à arrogância intelectual fraudulenta dos neoconservadores, nenhum dos quais jamais viu um tiro disparado com raiva ou mesmo uma arma apontada em sua direção por um estranho com a testa franzida.

Bolton gostava de pensar em si mesmo como um enorme e viril campeão da liberdade: em vez disso, ele sempre foi Igor, o anão corcunda que saltita bizarramente ao lado do dr. Frankenstein, ou Dracula, os verdadeiros homens de poder ansiosos por se deleitarem em seu poder refletido.

Mas como Igor, ele sempre esteve lá: seus feitiços de poder e influência reais duraram três décadas e meia. Desde o primeiro governo Reagan, de 1981 a 1985, ele já estava desencadeando guerras civis, massacres e até genocídios contra mulheres e crianças da América Central. Foi, realmente, tudo em que ele sempre foi bom.

Bolton também foi uma figura central na destruição do Iraque em 2003. Ele aplaudiu a tentativa de destruir a Síria em 2011. Apoiou solene e cuidadosamente a destruição do legítimo governo democrático e constitucional na Ucrânia no golpe de Maidan em 2011. Quando chegou para soltar os Cães da Guerra, ele foi implacável e impiedoso até o fim.

Também não devemos comemorar prematuramente que nos livramos dele: um futuro presidente Mike Pence ou Nikki Haley seria perfeitamente capaz de tornar John Bolton secretário de defesa, secretário de estado ou consultor de segurança nacional pela segunda vez.

E não descarte que ele apareça magicamente reinventado como uma figura de suposta sabedoria e moderação ao lado de uma futura presidente Elizabeth Warren ou Kamala Harris. Comparado às realidades fantásticas, terríveis e bizarras de Washington, “O Senhor dos Anéis” de Tolkien é um documentário sóbrio.

John Bolton nunca viu um tratado de controle de armas nucleares que ele não odiasse. Ele era e é voluntariamente cego aos perigos do Armagedom.

Talvez os criadores do “Team America: World Police” estivessem certos em sua visão profética, exceto que a barata secreta do espaço sideral, disfarçada de ser humano e procurando destruir a raça humana, não é o líder da Coréia do Norte, mas Bolton, o “grande” “pensador” neoconservador e “estadista”.

Aplique a navalha de Occam – e essa é a hipótese que mais elegante e totalmente se encaixa e explica os fatos. Quem, a não ser uma barata, poderia querer guerra termonuclear? Quem além de uma barata – e John Bolton?

Deixe uma resposta