Antes do Capitalismo camponeses medievais tinham mais tempo livre do que você. Aqui está o porquê.

Por Lynn Parramore
Traduzido por Ana Siman
Fonte: http://evonomics.com/capitalism-medieval-peasants-got-vacation-time-heres/

Volte há 200, 300 ou 400 anos e descobrirá que as pessoas não trabalhavam tantas horas.

A vida do camponês medieval certamente não era um piquenique. A vida foi sombreada pelo medo da fome, doenças e explosões de guerra. A dieta e higiene pessoal deixaram muito a desejar. Mas apesar da reputação de miserável, você invejaria suas férias.

A lavoura e a colheita eram uma tarefa árdua, mas o camponês desfrutava de oito semanas a metade do ano livre. A Igreja, consciente de como impedir uma população de se rebelar, impôs feriados obrigatórios frequentes. Casamentos, festas e nascimentos poderiam significar uma semana de folga para comemorar, e quando malabaristas e eventos esportivos chegavam à cidade, o camponês esperava a folga para se divertir. Havia domingos livres de trabalho, e quando as estações de lavoura e colheita terminavam, o camponês também conseguia tempo para descansar. De fato, a economista Juliet Shor descobriu que, durante períodos de salários particularmente altos, como a Inglaterra do século XIV, os camponeses não trabalhavam mais do que 150 dias por ano.

Quanto ao trabalhador americano moderno? Depois de um ano no trabalho, ele recebe uma média de oito dias de férias por ano.
Não deveria ser assim: John Maynard Keynes, um dos fundadores da economia moderna, fez uma famosa previsão de que, até 2030, as sociedades avançadas seriam suficientemente ricas para que o tempo de lazer, em vez do trabalho, caracterizasse os estilos de vida nacionais. Até agora, essa previsão não parece boa.

O que aconteceu? Alguns citam a vitória da moderna jornada de trabalho de oito horas por dia, 40 horas por semana, sobre as punitivas 70 ou 80 horas que um trabalhador do século XIX passou trabalhando como prova de que estamos indo na direção certa. Mas os americanos já há muito tempo deixaram a carga horária de 40 horas semanais, e o exame dos padrões de trabalho de Shor revela que o século XIX foi uma aberração na história do trabalho humano. Quando os trabalhadores lutavam pela jornada de trabalho de oito horas, eles não estavam tentando conseguir algo radical e novo, mas restaurar o que seus ancestrais tinham desfrutado antes que os capitalistas industriais e a lâmpada elétrica entrassem em cena. Volte 200, 300 ou 400 anos e você verá que a maioria das pessoas não trabalhou muito tempo. Além de relaxar durante as férias prolongadas, o camponês medieval passava seu tempo comendo, e o dia muitas vezes incluía tempo para uma soneca à tarde. “O ritmo da vida era lento, até mesmo vagaroso; o ritmo do trabalho tranquilo ”, observa Shor. “Nossos ancestrais podem não ter sido ricos, mas eles tiveram uma abundância de lazer”.

Avance rapidamente para o século 21, e os EUA são o único país avançado sem qualquer política nacional de férias. Muitos trabalhadores americanos devem continuar trabalhando em feriados públicos, e os dias de férias geralmente não são utilizados. Mesmo quando finalmente conseguimos um feriado, muitos de nós respondem a e-mails e “fazem check-in”, seja acampando com as crianças ou tentando relaxar na praia.
Alguns culpam o trabalhador americano por não aceitar o que lhe é devido. Mas em um período de desemprego consistentemente alto, insegurança no emprego e sindicatos fracos, os empregados podem não ter escolha senão aceitar as condições estabelecidas pela cultura e pelo empregador individual. Em um mundo de empregos “à vontade”, em que o contrato de trabalho pode ser rescindido a qualquer momento, não é fácil levantar objeções.

É verdade que o New Deal trouxe de volta algumas das condições que os trabalhadores agrícolas e artesãos da Idade Média tomaram como garantidas, mas desde a década de 1980 as coisas têm decaído constantemente. Com o emprego seguro de longo prazo se esvaindo, as pessoas saltam de emprego em emprego, de modo que a antiguidade não oferece mais os benefícios de dias de folga adicionais. A tendência crescente do trabalho de hora em hora e de meio período, estimulada pela Grande Recessão, significa que, para muitos, a ideia de férias garantidas é apenas uma lembrança.
Ironicamente, esse culto de trabalho incessante não ajuda muito no resultado final. Estudo após estudo mostra que o excesso de trabalho reduz a produtividade. Por outro lado, o desempenho aumenta após as férias e os trabalhadores voltam com energia e foco restaurados. Quanto mais tempo de férias, mais relaxadas e energizadas as pessoas se sentem ao retornar ao escritório.

As crises econômicas dão aos políticos de mentalidade austera desculpas para falar de diminuir o tempo livre, aumentando a idade de aposentadoria e cortando programas de seguro social e redes de segurança que deveriam nos permitir um destino melhor do que trabalhar até cairmos. Na Europa, onde os trabalhadores têm entre 25 a 30 dias de folga por ano, políticos como o presidente francês François Hollande e o primeiro-ministro grego, Antonis Samaras, estão enviando sinais de que a cultura de férias mais longas está chegando ao fim. Mas a crença de que férias mais curtas trazem ganhos econômicos não parece aumentar. Segundo a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), os gregos, que enfrentam uma economia horrível, trabalham mais horas do que qualquer outro europeu. Na Alemanha, uma potência econômica, os trabalhadores ocupam o penúltimo lugar em número de horas trabalhadas. Apesar de mais folgas, os trabalhadores alemães são o 8º mais produtivo da Europa, enquanto os gregos, que trabalham há muito tempo, estão em 24 de 25 na produtividade.

Além do esgotamento, as férias de fuga fazem com que nossos relacionamentos com familiares e amigos sofram. Nossa saúde está se deteriorando: depressão e maior risco de morte estão entre os resultados para o nosso país sem férias. Algumas pessoas com visão de futuro tentaram reverter essa tendência, como o economista progressista Robert Reich, que argumentou a favor de uma obrigatoriedade de três semanas de folga para todos os trabalhadores americanos. O congressista Alan Grayson propôs o Ato de Férias Pagas de 2009, mas, infelizmente, o projeto sequer chegou ao plenário do Congresso.
E por falar em Congresso, seus membros parecem ser as únicas pessoas na América a passar tanto tempo livre como o camponês medieval. Eles ganham 239 dias de folga este ano.

Deixe uma resposta