A direita “nacionalista” é o caminho imediato para a traição!

Se nacionalista é quem defende os interesses de sua pátria ou nação, então não existe nacionalismo real à direita. Isso não impede, porém, que muitos nacionalistas sinceros se associem equivocadamente com a direita, como idiotas úteis, nem que muitos direitistas oportunistas pavoneiem o termo “nacionalismo” para todo lado, sem o serem.

Em uma época na qual uma mídia hegemonicamente liberal de esquerda vomita os termos “extrema-direita”, “ultradireita” e “nacionalista” para todo lado, sem qualquer tipo de critério, é importante separar verdades e mentiras, e apontar quem é nacionalista e quem é reacionário.

Porque todos que se digam nacionalistas e que não tenham este seu nacionalismo centrado nos interesses reais de seu povo, não é um nacionalista, é apenas um chauvinista reacionário. É questão de definição.

É nacionalista quem dá um golpe de Estado a mando de uma potência estrangeira? É nacionalista quem, após chegar ao poder, começa a vender os bens públicos de seu país a preços irrisórios para empresas estrangeiras? É nacionalista quem se esforça para piorar as condições materiais do próprio povo em prol de enriquecer estrangeiros e uma pequena elite parasitária?

Independentemente de quem se esteja falando, é evidente que não. Portanto, figuras como Francisco Franco, da Espanha, Augusto Pinochet, do Chile, Jorge Videla, da Argentina, Alfredo Stroessner, do Paraguay e Humberto Castelo Branco e Artur da Costa e Silva, do Brasil, não são nacionalistas. Estes são, é claro, apenas alguns exemplos. Ao longo de todo o século XX abundaram figuras assim principalmente na América Latina, Ásia e África.

Eles começam enganando o povo. Dizendo defender os interesses da pátria, da família, da fé, da “moral e bons costumes” contra os “apátridas”, contra os “subversores”, etc.

Mas após tomar o poder eles vendem a pátria, suas políticas econômicas desagregam famílias, seu discurso vilipendia a fé e afasta os pobres dela, suas barbáries ofendem todo senso moral. Eles se revelam apátridas e subversores. Ao povo, enganado, resta resistir, sofrer e orar por dias melhores.

Não pode haver nacionalismo dissociado do povo, não pode haver nacionalismo que seja inimigo do povo. O resto, ou é chauvinismo reacionário à direita, ou internacionalismo liberal à esquerda.

Combater o chauvinismo!

Defender o Povo!

Deixe uma resposta