Feminismo: Como Uma Ideologia de Esquerda tornou-se Precursora do Neoliberalismo

No discurso político superficial haveria um vínculo indissociável entre o feminismo e o comunismo, mas será que isso é realmente aplicável à luz da história recente do feminismo?

Dediquei vários artigos à gênese do “liberalismo 2.0” de esquerda. Enumerei uma série de fatores, como a predominância da “vida nua” como princípio ético, descrita por Leo Strauss, e o abandono da ética da virtude.

Do mesmo modo, mencionei o progressismo americano, que representava quase uma pseudo-social-democracia favorável às empresas, mas onde o sujeito social-revolucionário não é o operário, mas sim o empresário e a grande empresa. (O historiador marxista Gabriel Kolko, o inventor do anarcocapitalismo Murray Newton Rothbard e o autor alemão Stefan Blankertz pesquisaram sobre esse tema, revelando coisas surpreendentes)[1]. Este sistema americano das grandes empresas, que os esquerdistas detestam, foi criado pelos “progressistas”. O progressismo também introduziu na política americana a ideia da eficiência econômica e técnica como objetivo político, que, em caso de dúvida, seria até superior à livre iniciativa. A ênfase na eficiência técnica como objetivo é particularmente interessante, devido ao conceito heideggeriano de Gestell como centro da modernidade técnica.

Podemos também identificar os tribunais de crimes de guerra de Nuremberg como uma raiz do liberalismo 2.0. Especialmente no que diz respeito à importância do “nazista mau” como inimigo da esquerda liberal, e à política do culto da culpa, onde o Holocausto e a reparação deste são invocados como razão de ser da política. E o fato de que, em outros países, busca-se quase outras coisas com temas como a escravidão ou o colonialismo, que, em vez do fenômeno alemão do Shoah, podem ser melhor considerados como pecados originais locais. Também é notável que o Ocidente se empenha em julgar pessoas estrangeiras como Pinochet ou Joseph Kony em tribunais ocidentais, ao invés de deixá-las a seu próprio povo. Por isso, o liberalismo 2.0 pode também ser considerado, de certa forma, como uma continuação dos tribunais de Nuremberg como um movimento político internacional e como uma “revolução permanente”. (Deve-se também dizer que o projeto de uma revolução cultural antitradicional falhou estrondosamente na Rússia, na China e na Coreia do Norte, etc., e que esses países são hoje os guardiões da tradição no mundo. A RFA, que quis revisar toda a sua história intelectual com base nas referências nazistas e cancelar autores como Heidegger, Nietzsche, Kant, etc., pode no entanto ser considerada como a primeira revolução cultural bem-sucedida da história. Isso desempenha um papel aqui).

Mas outro fator importante é o feminismo e seu caminho para o apoio ao neoliberalismo, assumindo quase a função que Weber atribuía ao espírito protestante no século XIX.

Muitos conservadores se divertem com razão das contradições internas do feminismo. Estas são muito marcantes, especialmente devido ao pós-modernismo e à interseccionalidade (onde o status de estrangeiro, de pessoa com deficiência, de trans, etc. pode determinar se um mesmo ato é criminoso, normal ou até heroico). Mas mesmo antes que o “bom senso” fosse declarado instrumento de opressão patriarcal, algumas ilogicidades foram fortemente notadas.

Uma em particular: as feministas descreviam a família heterossexual como uma exploração da mulher e uma opressão, mas descreviam ao mesmo tempo o trabalho e a carreira como emancipadores, libertadores e um meio de autorrealização. Apesar das práticas bem conhecidas das empresas, como o “hire and fire” (contratar e demitir). (E apesar de fatos como os de empresas como a Foxconn terem instalado redes antissuicídio nos edifícios da empresa).

Se considerarmos essas contradições levando em conta que o feminismo fazia parte da segunda teoria política (o impulso inicial do feminismo remonta em grande parte a Friedrich Engels e o termo feminismo foi inventado pelo socialista Charles Fourier), também é notável que essas contradições no feminismo na verdade têm sua origem numa ruptura das feministas com o marxismo. Segundo a teoria marxista ortodoxa, o trabalho é por definição exploração e alienação. Portanto, é totalmente ilógico, do ponto de vista marxista, que as feministas pensem poder se libertar “substituindo a família pelo trabalho assalariado”. A dissolução da família em uma comunidade de trabalhadores (como desejava, por exemplo, Léon Trotsky) só pode ocorrer após a revolução e não dentro do capitalismo. Ao mesmo tempo, segundo a teoria marxista, a opressão das mulheres e o capitalismo estão interligados, por isso um não pode ser resolvido sem o outro. Mais ainda, a exploração capitalista não pode ser um remédio para a exploração sexista.

É então notável que a segunda teoria política era, na verdade, uma crítica às hierarquias em nome da igualdade. Algumas de suas variantes não queriam abolir as hierarquias, mas substituir as hierarquias capitalistas injustas por novas formas de organização, mais justas aos seus olhos. Mas o fato é que a ideia do feminismo de carreira vai completamente contra essas duas atitudes. Uma feminista de carreira quer, como o nome sugere, subir na hierarquia de sua empresa. Isso afirma fundamentalmente as hierarquias capitalistas existentes e equivale a dizer “a exploração é ruim se o explorador for um homem, mas se as mulheres explorarem outros homens e mulheres, não há nada de repreensível nisso”. (Veja também o famoso livro feminista “The Will to Lead”, ou seja, “A vontade (feminina) de liderar”)[2].

Este feminismo de carreira também inclui uma “moral da inclusão”, na verdade neutra em termos de valores, que transforma de repente o feminismo de uma ideia de esquerda em uma ideia que se torna compatível com o liberalismo e até, propriamente dito, com o fascismo, porque eleva a inclusão das mulheres (e mais tarde de grupos como os homossexuais, os transsexuais, os deficientes, etc.) ao nível de valor em si, sem fazer a pergunta óbvia de “inclusão em quê?”. Como se os campos de tortura como Guantánamo e Abu Ghraib se melhorassem automaticamente pelo fato de haver um maior número de mulheres e pessoas trans em seu pessoal.

Quanto à afirmação da hierarquia, ao contrário da abordagem liberal clássica, não se incentivou as mulheres a criarem sua própria empresa e a chegarem ao topo da hierarquia mundial. Em vez disso, incentivou-se as megacorporações estabelecidas a incluírem mulheres em seus conselhos de administração por meio de cotas femininas. Assim, impediu-se as feministas de fazer uma revolução socialista e uma revolução capitalista. Em vez de derrubar as grandes empresas “patriarcais” como a VW, a Mercedes ou a Monsanto, convenceu-se as feministas a aderirem a essas empresas. Assim, o feminismo também se tornou um apoio econômico para os “grandes” do mercado, em vez de perturbar o mercado.

É preciso então dizer que o feminismo de carreira teve seu auge na era neoliberal dos anos 2000 e coincidiu de maneira muito marcante com a propaganda de que os chefes de empresa e os membros dos conselhos de administração eram “prestadores de serviços” particularmente importantes, mais valiosos do que as classes baixas pobres e os “parasitas sociais” vivendo em uma “decadência romana tardia”. (E mesmo hoje, muitas pessoas na Alemanha perdem a cabeça quando jovens novatas se queixam da dureza e da desumanidade do trabalho remunerado em tempo integral. Assistimos então a verdadeiros linchamentos)[3].

Em seguida, o feminismo de carreira, ao supor que a participação no capitalismo confere às mulheres uma independência econômica em relação aos outros (e ao negar assim o fato de que o capitalismo é precisamente uma rede massiva de interdependências), e que esse objetivo não é apenas desejável, mas essencial para o desenvolvimento do indivíduo, cai exatamente na concepção da Primeira Teoria Política do indivíduo independente (cuja independência deve ser encorajada ao máximo) e do homo oeconomicus. Além disso, esse feminismo se aproxima do ideal progressista do empreendedor como classe social revolucionária: neste sistema, a grande empresa apoia o feminismo de carreira, especialmente fornecendo às mulheres empregos no topo da escala profissional. (O que tem algumas consequências frequentemente muito ridículas a posteriori, como o fato absurdo de Harvey Weinstein, por exemplo, ter se celebrado como um defensor dos direitos das mulheres).

O feminismo de carreira está um tanto fora de moda com a crise econômica de 2008 e a presidência de Obama, e foi em grande parte substituído pela abordagem de Butler em questões de gênero. No entanto, como Dugin mostrou várias vezes, essa abordagem segue um paradigma individual. Na abordagem de gênero, a definição de sexo é considerada uma restrição para o indivíduo e, portanto, é politicamente necessário libertar o indivíduo da biologia por meio de regras linguísticas, barrigas de aluguel, operações cirúrgicas, transumanismo, etc. E assim se separou parcialmente o liberalismo e o feminismo da questão econômica. (Essa separação, contudo, foi apenas parcial. De fato, para outras questões como a inclusão de deficientes, etc., o feminismo manteve o conceito de emancipação do indivíduo através da participação no capitalismo como trabalhador).

Um grande grupo de vítimas do trabalho a todo custo, particularmente glorificado pelo “neoliberalismo”, são novamente os jovens homens. Evola escreveu que o homem conhece fundamentalmente dois arquétipos: o eremita e o guerreiro. O eremita não é muito relevante aqui, pois vive sozinho e se retira da sociedade. O guerreiro, por outro lado, é ainda mais pertinente. (O melhor exemplo é o Japão, onde a ética do guerreiro, distorcida, se tornou uma ética do trabalho). Contudo, o guerreiro vive para sacrificar, como dizia Evola, tudo o que é meramente humano nele para o “mais alto do mais alto”. Para a maioria dos trabalhadores masculinos, a mulher e a família também eram uma encarnação do Altíssimo. No entanto, o neoliberalismo feminista torna a fundação de uma família mais difícil. Ele até diaboliza os homens pelo desejo de mulher e filhos, qualificando-os como tóxicos, perigosos, potenciais estupradores, etc. Em vez disso, é necessário sacrificar a si mesmo e sua independência dentro de um individualismo selvagem, e essa independência deve ser obtida principalmente pela acumulação de dinheiro no “capitalismo selvagem”. Consequentemente, o jovem homem deve hoje se sacrificar para seu saldo bancário. Assim, a ética do guerreiro foi pervertida e diz-se aos jovens para se sacrificarem não pelo mais elevado, mas pelo mais baixo. O fato de resultar em uma crise de sentido entre os jovens homens (ver Jordan Peterson e seus seguidores) é mais que lógico [4].

De certa forma, o feminismo e a ideia de emancipação também se tornaram a base da nova definição do indivíduo liberal. Isso resultou no que Wesley Yang se referiu como seu conceito de “ideologia da sucessão”. Ele descreveu o fenômeno segundo o qual havia uma luta entre a definição liberal clássica do indivíduo e os liberais de esquerda, e que os liberais de esquerda queriam transformar fundamentalmente o liberalismo. Os liberais de esquerda queriam mudar a ideia do indivíduo, afastando-se da definição clássica de um ser humano dotado de razão e portador de direitos e deveres iguais, para ir em direção a uma definição interseccional. O conceito de interseccionalidade vem da Teoria Crítica da Raça e combina o feminismo com o antirracismo e outros temas da esquerda liberal.

Em um texto anterior, já fiz referência à teoria da interseccionalidade. Trata-se, grosso modo, de um abandono da narrativa de esquerda sobre a luta de classes (a comparação com a ideia de pós-modernidade como rejeição de todas as “grandes narrativas” e ideologias também é importante aqui) em favor de uma espécie de reconciliação da ideia de classe com a de indivíduo. A interseccionalidade diz, em suma, que um indivíduo não é apenas um trabalhador, um homem, uma mulher, etc., mas que diferentes categorias de relações de dominação se combinam em um único indivíduo. Alguém pode ser um homossexual discriminado que, no entanto, tem 60 bilhões em sua conta bancária e, portanto, não é um proletário. Mas também se pode ser, ao mesmo tempo, homossexual, sem-teto, deficiente, mulher, etc. E a vida dessas duas pessoas seria fundamentalmente diferente em teoria. Este é apenas um exemplo para ilustrar a ideia de interseccionalidade. Basicamente, esse sistema não é uma narrativa de uma classe oprimida contra uma classe opressora, nem de um indivíduo totalmente independente, mas, ao mesmo tempo, reúne de certa forma as duas. (Ou, já que, segundo os interseccionais, também se pode reunir, por exemplo, identidades oprimidas como “deficiente” e identidades opressoras como o homem cis, a interseccionalidade pode também ser interpretada como uma forma de dissolução do homem no dividu esquizofrênico no sentido de Deleuze e Guattari).

Notas

[1] L’ère progressiste : préhistoire de l’État social impérialiste – Murray Rothbard Institut für Ideologiekritik (murray-rothbard-institut.de)
[2] Aqui, com relação a hierarquias, etc., há uma grande diferença entre personalidades empresariais masculinas e feministas carreiristas. Por exemplo, o inventor do Super Mario, Shigeru Miyamoto, apesar de seu sucesso, recusou privilégios especiais na Nintendo e insistiu em ser tratado como um trabalhador normal. O inventor do Game Boy, Gunpei Yokoi, se gabava tão pouco de suas habilidades que inicialmente lhe foi dado um emprego como zelador, e foi apenas por acaso que mais tarde se descobriu que ele possuía as cobiçadas habilidades na produção de eletrônicos. E quando o Virtual Boy fracassou, ele assumiu toda a culpa (embora a gerência também tenha participado do fracasso) e aceitou sua demissão. Steve Jobs não reclamou nem mesmo durante seu horário de trabalho na Atari, quando foi relegado a um pequeno escritório em uma ala isolada porque os outros funcionários ficaram constrangidos com sua falta de higiene pessoal. Enquanto isso, na Disney, as feministas de carreira expulsaram talentos lendários como John Lasseter, e a feminista de carreira Kathleen Kennedy é seriamente celebrada como uma visionária progressista, apesar de ter conseguido fazer de Guerra nas Estrelas e Indiana Jones fracassos. E quando um de seus subordinados do sexo masculino, John Favreau, conseguiu produzir produtos que foram mais bem recebidos do que os dela, mas que também teriam salvado Star Wars como marca, Kathleen Kennedy o removeu de seu cargo. Esse tipo de personalidade entre as feministas de carreira é muito marcante. (E, é claro, isso tende a prejudicar as empresas no final).
[3] Os jovens não querem mais trabalhar!!!! (youtube.com)
[4] Aqui, no entanto, temos de defender um pouco os liberais clássicos. Joseph Schumpeter descreveu a preocupação com a família como um motor central da ação econômica e disse que a destruição da família e o espírito de sacrifício que a acompanha, a longo prazo, privaria o capitalismo de sua base vital.

Fonte: Geopolitika.ru

Imagem padrão
Michael Kumpmann
Artigos: 52

Deixar uma resposta