A Ideologia do Regime Sionista

Para entender o que está acontecendo em Israel é fundamental compreender a base religiosa da ideologia sionista e as prescrições de genocídio que a psicopatologia israelense encontra em textos bíblicos.

“Então Herodes, ao ver-se enganado pelos Magos, ficou extremamente irado e mandou matar todos os meninos que estavam em Belém e em todos os seus arredores, de dois anos para baixo”. (Mateus 2, 16)

“Lá, junto aos rios da Babilônia, – nos assentamos e choramos – ao lembrar-nos de Sião. / Nos salgueiros daquela terra penduramos nossas harpas”[1]. Esse início de um dos Salmos mais conhecidos (Super flumina Babylonis) foi transposto por Temistocle Solera para o famoso coro do Nabucco de Verdi; um século depois foi retomado por Salvatore Quasimodo para representar a condição dos poetas italianos que, oprimidos pelo “pé estrangeiro” (obviamente o alemão), haviam cessado de cantar: “Nos galhos dos salgueiros, por voto, / também nossas harpas estavam penduradas”[2].

A fama adquirida pelo início do salmo bíblico obscureceu, porém, o verso final, no qual o salmista exorta ao extermínio dos bebês babilônicos: “Feliz quem pegar os teus pequeninos e os esmagar contra a rocha!”[3].

O tema do infanticídio em massa, ampliado com um obsceno apelo ao esquartejamento das mulheres grávidas, também é encontrado no livro de Oséias, onde os destinados ao extermínio são os filhos dos samaritanos: “Samaria será aniquilada, porque se rebelou contra o seu Deus. Eles perecerão à espada, seus filhos serão despedaçados e suas mulheres grávidas serão dilaceradas”[4].

Não se pode dizer que as prescrições contidas no texto bíblico foram desobedecidas. Em 9 de abril de 1948, um mês antes do nascimento do “Estado de Israel”, Menachem Begin, autor do atentado que causou noventa mortes no King David Hotel em Jerusalém e futuro primeiro-ministro do regime sionista (1977-1983), além de Prêmio Nobel da Paz (1978), enviou os terroristas do Irgun para exterminar os habitantes da vila palestina de Deir Yassin[5], entre os quais, além de velhos, mulheres e crianças, havia trinta recém-nascidos. Quem o recorda não é um propagandista “antissemita”, mas o historiador israelense Ilan Pappe, que acrescenta, entre outras coisas: “Atiraram (…) em um grupo de crianças alinhadas contra um muro, que os judeus crivaram de balas ‘apenas por diversão’ antes de irem embora”[6]. Em muitas outras vilas palestinas ocorreram massacres semelhantes, como o de Ayn Zaytun descrito pelo jornalista judeu Hans Lebrecht: “A vila havia sido completamente destruída e entre as ruínas havia muitos cadáveres. Em particular, encontramos muitos corpos de mulheres, crianças e recém-nascidos perto da mesquita. Convenci o exército a queimar os cadáveres”[7].

Na Palestina ocupada pelos sionistas, os infanticídios em massa certamente não terminaram em Deir Yassin. Nos seis meses entre outubro de 2023 e março de 2024, “quase 26.000 crianças – equivalendo a pouco mais de 2% da população infantil de Gaza – foram mortas ou feridas”[8] na Palestina pelo exército dos ocupantes sionistas, o mesmo que “a única democracia do Oriente Médio” orgulhosamente vangloria como “o exército mais moral do mundo”. No mesmo período, “pelo menos 1.000 crianças tiveram uma ou ambas as pernas amputadas e cerca de 30 dos 36 hospitais foram bombardeados, restando apenas 10 parcialmente funcionais. Quase 90% dos edifícios escolares foram destruídos e cerca de 260 professores foram mortos”[9]. “Morreram mais crianças em seis meses em Gaza do que em todos os conflitos do mundo nos últimos quatro anos”, declarou o comissário-geral da Agência das Nações Unidas para o Socorro e a Ocupação dos Refugiados Palestinos no Oriente Próximo (UNRWA)[10].

Que esses crimes não devem ser imputados apenas à classe governante atual do regime sionista de ocupação, mas são conformes à ética militar do “exército mais moral do mundo” e às doutrinas que ele segue, é confirmado por um estudioso judeu autor de vários escritos sobre o judaísmo: Israel Shahak (1933-2001), nascido na Polônia, internado no campo de concentração de Bergen-Belsen e emigrado em 1945 para a Palestina, onde ensinou na Universidade Hebraica de Jerusalém. Israel Shahak relata que “numerosos comentaristas rabínicos do passado chegaram à conclusão lógica de que em tempo de guerra todos os gentios pertencentes a uma população inimiga podem, ou devem, ser mortos”[11] e nos informa que desde 1973 essa doutrina é ensinada nos círculos militares israelenses. Em um folheto publicado pelo “exército mais moral do mundo”, do qual Shahak revelou alguns trechos significativos traduzindo-os para o inglês[12], o grande rabino coronel A. Avidan afirma textualmente: “Quando, no curso de uma guerra ou em uma incursão armada, nossas forças encontram à sua frente civis dos quais não se pode ter certeza de que não nos farão mal, esses civis, de acordo com a Halakhah [o conjunto de normas jurídicas da doutrina tradicional judaica, nota do editor], podem e devem ser mortos (…) Em nenhum caso se deve confiar em um árabe, mesmo que ele tenha aparência de pessoa civil (…) Em guerra, quando nossas tropas realizam o assalto final, a Halakhah permite e ordena matar também os civis bons, ou seja, os civis que se apresentam como tais”[13]. A atualidade dessa doutrina é demonstrada pela correspondência trocada entre um recruta do exército israelense e seu rabino, relatada por Shahak. O soldado Moshe pergunta ao rabino Shimon Weiser: “Devemos tratar os árabes como os amalequitas? Quer dizer, é lícito matá-los deliberadamente até que sua memória seja apagada debaixo do céu[14], ou devemos agir como em uma guerra justa, na qual apenas os soldados são mortos?”[15] O piedoso rabino responde a Moshe citando o célebre imperativo talmúdico de Rabbi Shim‘on ben Yochay: “O melhor dos gentios, mate-o (Tob shebe-goyim harog); ao melhor dos serpentes, esmague o cérebro”[16]. Portanto, argumentando com base em uma passagem das Tôsâphôth (uma coletânea de interpretações do Talmud), conclui que em tempo de guerra a matança de civis é uma mitzvah, ou seja, uma prescrição religiosa.

“Tratar os árabes como os amalequitas?” pergunta a jovem recruta, participante do ódio inextinguível nutrido pelos judeus contra o antigo povo de Amaleque, arquétipo do inimigo que deve ser eliminado da face da terra. De fato, o mandamento de Javé transmitido por Samuel a Saul ainda é válido[17]: “Agora vai e ataca Amaleque e Ierim e tudo o que lhes pertence; não deverás deixar que sobrevivam, mas deverás destruir completamente ele e tudo o que lhe pertence; não deverás poupá-lo, mas deverás matar homens e mulheres, crianças e bebês, bois e ovelhas, camelos e jumentos”[18]. Mas, como “Saul e seu povo pouparam Agague [rei de Amaleque] e a melhor parte das ovelhas, dos bois, dos alimentos, dos vinhedos e de todas as coisas boas e não quiseram destruí-los completamente, mas destruíram completamente apenas o que não tinha valor e era desprezado”[19], Samuel completou a obra matando pessoalmente o rei de Amaleque. Até a tradição judaica posterior narrou este episódio seguindo os termos bíblicos. Flávio Josefo, por exemplo, escreve que Saul “prosseguiu com o extermínio de mulheres e crianças, considerando que não estava cometendo nada de cruel ou desumano: em primeiro lugar, porque agia assim contra inimigos e, em segundo lugar, porque obedecia a um comando de Deus, que seria perigoso desobedecer (…) Deus odiava tanto a nação dos amalequitas que lhe ordenou que não poupasse nem os bebês, por quem é natural sentir maior piedade”[20].

Além disso, a conquista da “terra prometida” foi marcada por uma série de massacres e matanças que não pouparam nem mulheres, nem crianças. Como Seon, rei de Esbom, havia se recusado a permitir que os israelitas passassem por seu território, eles destruíram todos os centros habitados, massacrando todos os habitantes: “Naquele tempo, apoderamo-nos de todas as suas cidades [do reino de Seon] e destruímos completamente todas as cidades, incluindo mulheres e crianças: não deixamos ninguém com vida”[21]. No reino de Basã, destruíram sessenta cidades: “Condenamo-los à destruição, como fizemos com Seon, rei de Esbom, e condenamos à destruição todas as cidades, incluindo mulheres e crianças”[22]. Quando os israelitas entraram em Jericó, “Josué condenou à destruição tudo o que havia na cidade: homens e mulheres, jovens e velhos, bezerros e animais de carga, todos foram mortos ao fio da espada”[23]. Em Ai, os israelitas também massacraram todos os habitantes, sem distinção de sexo e idade: “Naquele dia, os mortos foram doze mil, todos os habitantes de Ai (…) depois Josué incendiou a cidade”[24]. Na parte sul de Canaã, os israelitas “tomaram Maquedá no mesmo dia e a passaram ao fio da espada, destruindo todos os seres vivos: não deixaram que ninguém se salvasse ou escapasse”[25]. Depois foi a vez de Lebna: “a passaram ao fio da espada com todos os seres vivos dentro dela: não deixaram que ninguém se salvasse ou escapasse”[26]. Então “o Senhor entregou também Laquis nas mãos de Israel, que a tomou no segundo dia, a passou ao fio da espada e a destruiu”[27]. Em seguida, Josué tomou Eglom e “a passou ao fio da espada; dentro dela passaram ao fio da espada todos os seres vivos”[28]. Então foi a vez de Hebrom: “a passou ao fio da espada e não deixou sobreviver nenhum ser vivo daqueles que ali se encontravam”[29]. O massacre seguinte ocorreu em Debir: “a passaram ao fio da espada, a destruíram com todos os seres vivos que lá estavam e não deixaram ninguém com vida”[30]. Quando os israelitas se voltaram contra a parte norte de Canaã e tomaram a cidade de Hazor, “não foi deixado nela um só ser vivo”[31]. Finalmente, toda a terra de Canaã foi conquistada e saqueada, e seus recursos foram divididos entre as várias tribos israelitas.

Abordando o tema das origens bíblicas da estratégia seguida pelos sionistas para ocupar a Palestina e identificando seu modelo arquetípico no relato épico do Livro de Josué, Youssef Hindi observou que “a história da conquista foi mitologizada pelos rabinos e escribas que redigiram e falsificaram a Bíblia, transmitindo-nos não tanto a realidade histórica, mas a sua concepção de Deus e suas relações com os goim, os não judeus”[32]. A acusação sobre a falsificação das Escrituras feita pelos judeus, claramente formulada no texto corânico[33], é conhecida e familiar ao autor muçulmano, que a relança citando como caso exemplar justamente o Livro de Josué e apresentando a prova de sua manipulação. “Quando a conquista de Josué chega ao fim, – ele escreve – diz-se que, posteriormente, Moisés atribuiu cada parte às tribos dos filhos de Israel e que ele permaneceu na outra margem do Jordão (Josué 13, 29-33)”[34]. Mas Moisés, objeta Youssef Hindi, “já havia morrido no deserto antes que Josué e Israel entrassem na terra prometida e depois que Deus lhe havia anunciado que ele não veria a terra prometida e ficaria na outra margem do Jordão”[35].

No entanto, o que importa não é a verdade ou a credibilidade histórica do relato bíblico, mas sim seu valor como história exemplar, no sentido em que são exemplares os mitos, os quais, “pelo simples fato de enunciarem o que aconteceu illo tempore, são uma história exemplar do grupo humano que os conservou e do cosmo desse grupo”[36]. Assim como os mitos, também o relato bíblico, contido em um texto que o judaísmo considera revelado por Deus e nunca mais revogado, pode ou deve ser repetido, encontrando “seu significado e valor na própria repetição”[37]. Uma manifestação eloquente dessa concepção é dada pelo discurso proferido em 9 de março de 2017, diante de um Vladimir Putin desconcertado, pelo primeiro-ministro israelense Netanyahu, que, para sustentar suas “razões” contra a República Islâmica do Irã, evocou o massacre de 75.000 persas cometido pelos judeus no século V a.C. [38] e desde então revivido anualmente na festa de Purim.

Portanto, tenham realmente ocorrido ou sejam fruto da fantasia de agiógrafos afetados por um sadismo particular, as ações infanticidas e genocidas descritas com mórbido deleite nos trechos bíblicos acima citados inspiraram os sionistas, que, considerando-as santas, exemplares e normativas, as tomaram como modelo para seus crimes.

Notas

[1] “Έπὶ τῶν ποταμῶν Βαβυλῶνος – ἐϰεῖ ἐϰαθίσαμεν ϰαὶ ἐϰλαύσαμεν – ἐν τῷ μνησθῆναι ἡμᾶς τῆς Σιων. / ἐπὶ ταῖς ἰτέαις ἐν μέσῳ αὐτῆς ἐϰρεμάσαμεν τὰ ὄργανα ἡμῶν” (Sl 136, 1-2; Trad. Septuaginta).
[2] Salvatore Quasimodo, Con il piede straniero sopra il cuore, Quaderni di costume, Milão 1946.
[3] “μαϰάριος ὃς ϰρατήσει ϰαὶ ἐδαφιεῖ τὰ νήπιά σου πρὸς τὴν πέτραν” (Ps. 136, 9; Trad. Septuaginta).
[4] “ἀφανισθήσεται Σαμάρεια, ὅτι ἀντέστη πρὸς τὸν θεὸν αὐτῆς- ἐν ῥομφαίᾳ πεσοῦνται αὐτοί, ϰαὶ τὰ ὑποτίτθια αὐτῶν ἐδαφισθήσονται, αἱ γαστρὶ ἔχουσαι αὐτῶν διαρραγήσονται” (Os, 14, 1; Trad. Septuaginta).
[5] Em seu livro The Revolt: History of the Irgun, Begin escreveu que “o Estado de Israel não teria nascido sem a vitória de Deir Yassin” (p. 200).
[6] Ilan Pappe, The Ethnic Cleansing of Palestine (A limpeza étnica da Palestina), Fazi Editore, Roma 2008, p. 117.
[7] Hans Lebrecht, The Palestinians. History and Present, Zoo Ha-Derech, Tel Aviv, 1987, p. 177.
[8] Em seis meses de guerra, 26.000 crianças foram mortas ou feridas em Gaza, ansa.it, 4 de abril de 2024.
[9] Ibid.
[10] tg24.sky.it/mondo/2024/04/28/
[11] Israël Shahak, Histoire juive – Religion juive. Le poids de trois millénaires, La vieille taupe, Paris 1996, pp. 157-158.
[12] I. Shahak, Jewish History, Jewish Religion. The weight of three thousand years, Pluto Press Limited, Londres 1994.
[13] A. Avidan, Tohar hannesheq le’or hahalakhah (‘The Purity of Arms in the Light of the Halakhah’), Centre Region Command, 1973, citado em I. Shahak, op. cit. Shahak, op. cit. p. 158.
[14] “Apagarás a memória de Amaleque debaixo dos céus” (Deuteronômio, 25:19).
[15] Rabino Shim’on Weiser, The Purity of Arms (A pureza das armas). Uma troca de cartas, em “Niv Hammidrashiyyah Yearbook”, 1974, p. 29. O anuário é publicado em hebraico, inglês e francês, mas as cartas citadas aqui apareceram apenas em hebraico. A tradução citada aqui vem de I. Shahak, op. cit., pp. 158-164.
[16] “O melhor dos gentios, mate-o; a melhor das cobras, esmague seus miolos” (Abhodah Zarah, 26b, Tôsâphôth). “Simon ben Yohaj é, por excelência, o mestre antigentio. Em uma coleção de três de seus ditos que começam com a palavra-chave tôbh (=bom) (Yer. Kid. 66c; Massek. Soferim XV, 10; Mek. Beshallah 27a; Tan., Wayera ed. Buber, 20) encontra-se a expressão frequentemente citada pelos antissemitas ‘Tob shebe-goyyim harog’ (= ‘O melhor dos gentios merece ser morto’)” (The Jewish Encyclopedia, Nova York 1901-1906, vol. V, p. 617).
[17] Das 613 mitzvot que o israelita piedoso é chamado a observar, três se referem a Amaleque.
[18] “Agora, pois, oras, ferirás a Amaleque e a Jerim e a todos os seus e não te ocuparás dele e o destruirás e a todos os seus e não serás poupado dele. não serás poupado dele ϰηη e de um homem ϰη e de um homem ϰη e de uma mulher ϰη e de um bebê a um bebê de peito ϰη e de um bezerro a uma ovelha ϰη e de uma maçã a um cordeiro ϰη” (I Samuel, 15, 3; trad. Septuaginta).
[19] “E todo o povo se preocupou com Saul, e todo o povo se preocupou com Agague vivo, e com o bem dos rebanhos, e com as ovelhas, e com as ovelhas, e com a carne, e com a carne dos rebanhos. vinhas, e todas as coisas boas, e que não fossem destruídas; e toda obra que é envergonhada, e toda obra que é exaltada, destruída” (I Samuel; trad. Septuaginta).
[20] “Ele foi para a matança de mulheres e bebês, nenhum ser humano, nem um crime mais cruel da natureza, primeiro entregando-os aos guerreiros, depois por ordem de Deus, que trouxe o perigo não convincente. (…) pois Deus inspirou assim a nação dos amalequitas, não como de crianças, mas de crianças, não como de crianças, mas de filhos de crianças, que caíram da graça para a misericórdia” (Flavio Giuseppe, Antichità giudaiche, VI, 7, 136-138).
[21] “E tiramos todas as cidades de suas cidades na terra dos eunucos, e cortamos cada cidade seis a seis, e suas mulheres e seus filhos, e não fizemos uma aliança” (Deuteronômio 2, 34; trad. Septuaginta).
[22] “Nós os destruímos, como destruímos a Siom, rei dos heteus, e destruímos todas as cidades, tanto as mulheres como as crianças” (Deuteronômio 3:6; trad. Septuaginta).
[23] “E Jesus a curou, e a todos os que havia na cidade, desde o homem até a mulher, desde o jovem até o bezerro e a mulher menor de idade, ao fio da espada” (Josué 6:21; trad. Septuaginta).
[24] “E os que caíram naquele dia nasceram de homem para mulher doze mil, todos os que eram da mesma idade (…) e Jesus incendiou a cidade” (Josué 8, 25-28; trad. Septuaginta).
[25] “E naquele dia tomaram Maϰida ϰ e a mataram ao fio da espada ϰ e destruíram tudo o que nela ardia, ϰ e ninguém ficou nela, ninguém se salvou ϰ e ninguém foi destruído” (Josué 10, 28; trad. Sptuaginta).
[26] “Eles a mataram ao fio da espada, e tudo o que havia nela foi morto, e nada restou nela que não tenha sido destruído, nem nada que tenha sido salvo ou perecido” (Josué 10, 30; trad. Septuaginta).
[27] “O Senhor entregou Laquis nas mãos de Israel, e eles a tomaram no segundo dia, e a mataram ao fio da espada, e a destruíram” (Josué 10, 32; trad. Septuaginta).
[28] “ἐφόνευσεν αὐτὴν ἐν στόματι ξίφους, 🏰αὶ πᾶν ἐμπνέον ἐν αὐτῇ ἐφόνευσαν” (Josué 10, 35- μετάφραση Septuaginta).
[29] “ἐπάταξεν αὐτὴν ἐν στόματι ξίφους ϰαὶ πᾶν ἐμπνέον, ὅσα ἦν ἐν αὐτῇ, οὐϰ ἦν διασεσῳσμένος” (Josué 10, 37- μετάφραση Septuaginta).
[30] “ἐπάταξαν αὐτὴν ἐν στόματι ξίφους ϰαὶ ἐξωλέθρευσαν αὐτὴν ϰαὶ πᾶν ἐμπνέον ἐν αὐτῇ ϰαὶ οὐ 🏰ατέλιπον αὐτῇ οὐδένα διασεσῳσμένον” (Josué 10, 39- μετάφρ. Septuaginta.
[31] “οὐ 🏰ατελείφθη ἐν αὐτῇ ἐμπνέον” (Ιησούς του Ναυή 11:11, μετάφραση των Εβδομήκοντα).
[32] Youssef Hindi, Biblical Origins of the Israeli Strategy of Conquest, “Ευρασία”, 1/2024, σ. 39.
[33] “Αλίμονο σ’ αυτούς που γράφουν το βιβλίο με τα χέρια τους (yaktubūna al-Kitāba bi aydīhim) και μετά λένε: ‘Αυτό είναι από τον Θεό’ και το ανταλλάσσουν με μια άθλια τιμή! Αλίμονο σ’ αυτούς για όσα έγραψαν τα χέρια τους και για όσα κέρδισαν” (Κοράνι ΙΙ, 79).
[34] Y. Χίντι, ό.π., σ. 40, αρ. 1.
[35] Ibid.
[36] Mircea Eliade, Trattato di storia delle religioni, Boringhieri, Τορίνο 1972, σ. 447.
[37] M. Eliade, ό.π., σ. 1.
[38] “Έτσι οι Εβραίοι χτύπησαν όλους τους εχθρούς τους με το σπαθί: ήταν μια αληθινή σφαγή, μια αληθινή εξόντωση: έκαναν με τους εχθρούς τους ό,τι ήθελαν” (Εσθήρ, 9, 5).

Fonte: Eurasia Rivista

Imagem padrão
Claudio Mutti

Filólogo, estudioso do tradicionalismo e diretor da revista Eurasia, Rivista di Studi Geopolitici.

Artigos: 52

Deixar uma resposta