Marx e o Lumpemproletariado

Se originalmente Marx e Engels deixaram claro seu desprezo por criminosos, prostitutas e vagabundos, isso foi se tornando mais nebuloso ao longo do século XX, conforme intelectuais neomarxianos começaram a romantizar essa figura outrora execrada.

No dia 1º de maio, é tradição escrever um texto sobre o movimento operário e o socialismo, muitas vezes sobre Karl Marx e Friedrich Engels. Por coincidência, o texto deste ano abordará o ponto de vista dos dois barbudos sobre o que se chama de “proletariado esfarrapado” (o lumpemproletariado). Nos primeiros tempos do movimento operário, houve um debate sobre seu potencial revolucionário. O anarquista Bakunin o descrevia como “a flor do proletariado”, “a plebe, quase insensível à civilização burguesa”, e considerava seu potencial revolucionário importante. Por trás dessa avaliação, pode-se perceber a psicologia e a equação pessoal de Bakunin, cujos aspectos reapareceram de forma banalizada no contexto da esquerda de 1968.

Em contraste com Bakunin, há Karl Marx, descrito por Bakunin como o pior dos dois mundos, tanto o mundo judeu quanto o mundo alemão. Havia aí um elemento de confusão conceitual, já que Bakunin e Marx pareciam falar parcialmente de grupos sociais diferentes ao se referirem ao lumpemproletariado. De qualquer forma, para Marx, o “proletariado esfarrapado” não era de forma alguma uma flor, mas sim uma massa de lixo moral e socialmente em decomposição. Em sua linguagem gótica habitual, ele fala, no “O 18 de Brumário de Luís Bonaparte”, de “ócios arruinados, de meios de subsistência e descendência ambíguos […] de elementos abandonados e aventureiros da burguesia […], de vagabundos, soldados reformados, ex-presidiários, foragidos, escroques, lazzaroni, batedores de carteira, falsificadores, prostitutas, donos de bordéis, carregadores, literatos, proxenetas, catadores de lixo, ladrões, malandros, mendigos, enfim…” : toda essa massa indeterminada, heterogênea, errante, que os franceses chamam de boêmia. Nesse contexto, é interessante notar a afinidade social e mental que Marx destacou entre os “marginais” do proletariado esfarrapados e os “marginais” que Napoleão III e os capitalistas financeiros, os parasitas, estavam inclinados a encontrar uns nos outros. Isso pode ser relevante também nas análises das camadas superiores e inferiores do “transferiado” e da aliança entre “brâmanes, hilotas e dalits”.

A definição de lumpemproletariado dada por Marx variou. Às vezes, refere-se aos restos das camadas pré-capitalistas, outras vezes às camadas moralmente inferiores compostas de “criminosos, vagabundos e prostitutas”, ou ainda a um termo coletivo designando grupos fundamentalmente diferentes. Paradoxalmente, ele compartilhava a opinião da burguesia de que o lumpemproletariado era uma classe perigosa. Isso está parcialmente ligado à sua antropologia e ao foco na capacidade de luta disciplinada encontrada ali. Também está ligado à sua compreensão da realidade material do lumpemproletariado, das suas “condições de vida”. Eles estavam acostumados a viver de esmolas, de uma forma ou de outra, das autoridades. Assim, os lumpemproletários podiam às vezes ser levados por um movimento revolucionário, mas também eram igualmente suscetíveis de serem comprados pela reação. Deve-se mencionar aqui o conflito latente entre a classe trabalhadora e os numerosos “vagabundos” que a parasitam de fato (compare com a categoria de bandidos antissociais de Hobsbawm).

Engels também traçou uma linha clara de demarcação entre a classe trabalhadora e o lumpemproletariado, e alertou contra alianças com este último. Ele escreveu, de forma menos politicamente correta, que “o lumpemproletariado, essa mistura de elementos desintegrados de todas as classes, que estabelece seu quartel-general em cada grande cidade, é o pior de todos os aliados possíveis. É um apêndice explorável e totalmente desavergonhado. Se, durante a Revolução, os trabalhadores franceses escreveram ‘Morte aos ladrões’ em suas casas, e até mesmo mataram muitos, não foi por entusiasmo pela propriedade, mas porque acharam justamente necessário manter essa gangue à distância”.

Os avisos de Marx e Engels foram levados a sério por muito tempo pelo movimento operário, muitas vezes a ponto de se esterilizar em vez de se aliar ao lumpemproletariado. No entanto, uma mudança pode ser identificada em relação às tendências de 1968, embora a fascinação por “elementos de desintegração” de diferentes tipos remonte pelo menos à vanguarda do entre-guerras. Herbert Marcuse era um representante da nova visão do lumpemproletariado, Frantz Fanon era outro (embora sua definição fosse na verdade mais próxima da de Bakunin).

Fanon é menos interessante aqui do que Marcuse e a nova esquerda à qual ele está associado; podemos notar como as camadas sociais, que não eram elas mesmas trabalhadoras, eram incapazes de distinguir entre “pobres” e “classe trabalhadora”. Uma tendência a associar suas próprias camadas psicológicas primitivas a camadas sociais percebidas como primitivas também é perceptível, especialmente no contexto de 1968. Debord e Becker-Ho, por exemplo, identificaram elementos de “vida pré-capitalista” e ideais guerreiros na “gíria”. Mas o que predominou foi que camadas e indivíduos com psique desequilibrada romantizaram camadas sociais às quais atribuíam esperanças irreais. Hoje em dia, isso se tornou algo diferente do ingênuo “libertem os prisioneiros, eles são nossos” dos anos 70, pois uma dimensão étnica foi adicionada. As classes médias anêmicas romantizam e projetam seus próprios impulsos não apenas em pequenos grupos de vagabundos e “ladrões” indígenas, mas também em importantes camadas demográficas de origem estrangeira. O lumpenproletariado de Marx hoje se confunde em grande parte com seus fuidhirs.

Podemos ver que a “esquerda” estabelecida subverteu Marx; trata-se de classes médias, incluindo burocratas que raramente fazem parte da classe trabalhadora e, portanto, não podem reconhecer a diferença entre “pobres” e “classe trabalhadora”. Ao mesmo tempo, são as classes médias que estão, em parte, em conflito de interesses com a classe trabalhadora autóctone em geral, o que torna tentador aliar-se simbolicamente e na realidade com seus outros rivais. As tendências psíquicas infantis e primitivas que podemos identificar em Marcuse ainda estão presentes nessas camadas médias, o que significa que são facilmente projetadas nas camadas etno-sociais. No geral, é um coquetel poderoso que, por um lado, embaralha as cartas e defende as camadas lumpenproletárias como “classe trabalhadora” e, por outro, silencia ou legitima os comportamentos lumpenproletários. Ao mesmo tempo, a subclasse indígena e sua vulnerabilidade são frequentemente invisibilizadas; elas não se encaixam nos novos narrativas.

Em conclusão, notamos que o “lumpenproletariado” é, na verdade, um conceito do século XIX. Pode ter sido útil para capturar as tendências e armadilhas do jovem movimento operário, mas a situação hoje é um pouco diferente. A “reação” que Marx e Engels temiam, de ver os lazzaroni se venderem a outro, em vez de defender violentamente o papado, a classe inferior etnicizada de hoje troca transferências por votos a favor da social-democracia. O fator étnico, que aparece em Marx em vários contextos como primordial em relação à classe, significa também que estamos lidando com algo novo. De qualquer forma, aqueles que desejarem podem usar Marx e Engels para contrariar as tentativas recorrentes de assimilar a “classe trabalhadora” a elementos puramente lumpenproletários. Sua perspectiva permanece um ponto de partida frutífero para entender a relação entre as classes inferiores etnicizadas e algumas classes médias. A distinção feita por Evola entre duas tendências antiburguesas constitui um complemento útil. Uma aspira a algo mais elevado do que o burguês, a outra a algo mais baixo.

Fonte: Motpol.ru

Imagem padrão
Joakim Andersen
Artigos: 52

Deixar uma resposta