A Dissolução da Assembleia Nacional da França: Um Plano Maquiavélico?

Após os resultados eleitorais europeus, Macron dissolveu a Assembleia Nacional da França e convocou eleições. Qual é seu plano?

Em um artigo anterior, escrevi que uma das chaves de interpretação das eleições seria a análise dos resultados em relação ao referendo de 2005. Muitos pensam que o resultado de um referendo reflete mais a popularidade do Presidente que o propõe do que a opinião real dos eleitores sobre a questão colocada. Analisado desta forma, o resultado da votação de 9 de junho é praticamente irrefutável para o presidente Macron, pois a lista “Renaissance” que ele apoiava só obteve 15% dos votos, ou seja, menos de um em cada seis eleitores. Uma declaração imediata mas refletida antecipadamente. Assim que os primeiros resultados foram conhecidos, Emmanuel Macron interveio para anunciar a dissolução imediata da Assembleia Nacional. Esta decisão, com graves consequências, não pode ser espontânea. Em outras ocasiões, o general de Gaulle, em minoria, havia renunciado porque considerou que “a tarefa se tornou impossível”.

Nosso Presidente poderia tê-lo imitado, o que estaria de acordo com o espírito de seu cargo, mas como nada o obriga a fazê-lo, ele escolheu outro caminho. Esta dissolução, que a Constituição o autoriza a fazer, só pode ser entendida, do seu ponto de vista, se levar a uma coabitação. A coabitação, a armadilha mortal de um falso poder. Em 1983, Edouard Balladur havia, em um artigo no jornal “Le Monde”, teorizado essa possibilidade que nada formal proíbe na Constituição. O problema é que seu funcionamento depende de uma espécie de “conivência” entre o Primeiro-Ministro e o Presidente, pois este último conserva a quase totalidade de seus poderes, incluindo o de nomear o Primeiro-Ministro. Há, portanto, uma subordinação evidente. Nas três coabitações que a França conheceu desde 1986, essas sempre se inclinaram a favor do Eliseu. Jacques Chirac, que muitos davam como vencedor no caso de uma eleição presidencial antecipada em março de 1986, foi severamente derrotado em 1988 por François Mitterrand, que havia “reconstruído sua imagem” entre 1986 e 1988, transferindo para Chirac o passivo eleitoral que ele havia acumulado durante os primeiros cinco anos de seu mandato.

Para justificar este fracasso esmagador, alguns que empurraram Chirac para essa coabitação declararam que, se ele não a tivesse aceitado, provavelmente Raymond Barre teria chegado ao Eliseu… Em 1993, foi a vez de Edouard Balladur (soube depois que Chirac o havia incentivado muito, e não se pode descartar que tenha sido por cálculo), e Balladur foi derrotado por Chirac já no primeiro turno da eleição de 1995, na qual François Mitterrand não era candidato. Finalmente, em abril de 1997, Jacques Chirac, após ter dissolvido a Assembleia Nacional, perdeu as eleições legislativas e nomeou Lionel Jospin para Matignon, este último deixou a vida política ao término deste mandato. Pode-se concluir que a coabitação sempre se revelou fatal para os Primeiros-Ministros que a aceitaram. Em outras palavras, você não tem chance de chegar ao Eliseu ao deixar Matignon. O plano de Emmanuel Macron.

Embora as intenções do Presidente não estejam, até o momento, claramente expostas, existe, no entanto, “um feixe de convergências” que mostra que ele considera possível nomear o presidente do partido que liderou a votação europeia e provável vencedor das próximas eleições legislativas, para o cargo de Primeiro-Ministro. Isso seria para ele um verdadeiro “golpe de mestre”, pois poderia ganhar em todos os tabuleiros. Como fez Mitterrand em seu tempo, ele responsabilizaria por seu passivo desastroso aquele que, por sua vontade, se tornaria o chefe do governo. E, obviamente, o Eliseu se tornaria o amplificador próprio para criticar todas as ações governamentais, permitindo a Emmanuel Macron, como fez François Mitterrand em seu tempo, se apresentar como guardião e defensor dos pobres e oprimidos sob o jugo de um governo cruel… Este governo, sem ter liberdade suficiente para responder golpe a golpe a esses ataques pérfidos, terá que aguentar sem poder responder e, assim, perderá grande parte de sua credibilidade junto às pessoas que esperavam ver nele, finalmente, uma nova equipe em quem pudessem confiar.

Imagem padrão
Jean Goychman
Artigos: 52

Deixar uma resposta