Alemanha: A AfD é a grande vencedora – especialmente entre trabalhadores e jovens

Seguindo uma tendência continental, o AfD consolida sua posição não apenas no cenário político alemão, mas especificamente como um partido da classe trabalhadora e da juventude.

Os eleitores enviaram uma mensagem clara à coalizão alemã para “mudar drasticamente [sua] política em relação à migração, à economia e à proteção climática”, escreveu o diário alemão Bild após as eleições europeias realizadas no domingo.

Os três partidos do governo liberal de esquerda sofreram uma derrota humilhante, com os social-democratas obtendo o pior resultado de sua história. O partido do chanceler Olaf Scholz ficou em terceiro lugar, com 13,9%, o que significa 14 assentos no Parlamento Europeu (dos 96 atribuídos à Alemanha).

Os Verdes sofreram perdas ainda piores, caindo para 11,9% (12 assentos) dos 20,5% (21 assentos) de cinco anos atrás – um sinal de que os eleitores estão fartos das políticas climáticas e energéticas – como o fechamento de todos os reatores nucleares da Alemanha – que sobrecarregaram os cidadãos, a guerra contra os agricultores e os planos de proibir novos carros com motor a combustão. Como a publicação conservadora Junge Freiheit disse em tom de brincadeira:

“Os eleitores que, graças às ‘promessas de progresso’, agora podem escolher seu gênero a cada ano, mas que em alguns anos não poderão mais escolher o carro que podem dirigir, enviam seus cumprimentos”.

O terceiro parceiro de coalizão, o liberal FDP, que foi ofuscado por seus parceiros no governo e não conseguiu seguir suas próprias políticas de energia sensata, políticas fiscais e de imigração mais rígidas, permanece em um estado depauperado com 5,2% e 5 assentos – o mesmo que em 2019.

O comparecimento às urnas na Alemanha foi o mais alto desde que as eleições europeias foram realizadas pela primeira vez em 1979, com 64,8%, o que prejudica ainda mais a legitimidade do governo.

O secretário geral da CDU, de centro-direita e oposição, Carsten Linnemann, disse que Olaf Scholz deveria pedir um “voto de confiança” após o resultado desanimador. A coalizão deve mudar de rumo “ou abrir caminho para novas eleições”, acrescentou. A aliança CDU/CSU venceu as eleições no domingo, recebendo 30% dos votos (29 assentos), embora seu resultado não tenha sido muito melhor do que os 28,9% obtidos em 2019, quando também conquistou 29 assentos no Parlamento Europeu.

Os grandes vencedores do dia da eleição foram dois partidos antiestablishment e antiglobalistas, o AfD, de direita, e o Bündnis Sahra Wagenknecht (BSW), de esquerda. O AfD terminou em segundo lugar e aumentou sua participação nos votos de 11% para 15,9% – de 11 para 15 assentos – apesar dos inúmeros contratempos e escândalos nos últimos meses.

O partido está sendo perseguido pela elite política e pela grande mídia por sua postura anti-imigração: houve pedidos para que o AfD fosse banido por supostamente colocar em risco a ordem democrática, e ele está sendo legalmente espionado pelos serviços de inteligência. Um artigo de ataque contra a AfD feito pelo meio de comunicação de esquerda financiado pelo governo, Correctiv, que acusou falsamente o partido de estar envolvido em um complô para deportar milhões de migrantes, também tinha a intenção de diminuir a popularidade do partido. O último revés veio de palavras muito mal escolhidas pelo principal candidato do partido nas eleições para o Parlamento Europeu, Maximilian Krah, que relativizou os crimes dos soldados da SS. Seus comentários levaram à expulsão do AfD do grupo de direita Identidade e Democracia no Parlamento Europeu.

No entanto, o partido obteve grandes ganhos e, juntamente com a aliança CDU/CSU, é o partido mais popular entre os eleitores jovens de 16 a 24 anos. Ele aumentou sua participação entre os jovens em 12 pontos percentuais, chegando a 17%. Entre os trabalhadores de colarinho azul, o AfD foi, de longe, o maior partido.

A copresidente da AfD, Alice Weidel, avaliou o desempenho de seu partido dizendo:

“Tivemos um bom desempenho porque as pessoas se tornaram mais antieuropeias. As pessoas estão incomodadas com tanta burocracia de Bruxelas”.

Ela também pediu a Olaf Scholz que convocasse eleições antecipadas.

O AfD aproveitou as frustrações com a coalizão de Scholz, já que o descontentamento dos eleitores continua alto em relação a questões que vão desde as leis climáticas até os cortes de gastos, bem como a criminalidade e a imigração. O recente assassinato de um policial por um afegão que não conseguiu obter asilo destacou os problemas que a Alemanha está enfrentando.

“Apesar das feridas autoinfligidas e do forte e recém-fundado BSW, o AfD conseguiu continuar sua melhora. A CDU/CSU não se beneficiou do estado desastroso do governo. O Brandmauer (firewall) para excluir a AfD caiu”, disse Hermann Binkert, diretor do instituto de pesquisas INSA, ao Bild.

As frustrações com a guerra em curso na Ucrânia e o apoio militar inabalável da Alemanha também podem ter desempenhado um papel no aumento da popularidade do AfD e do BSW. Este último, um partido fundado apenas este ano por Sahra Wagenknecht (ao se separar do Die Linke), obteve 6,2% dos votos (6 cadeiras) no domingo. O partido fez campanha em uma plataforma anti-imigração e antiguerra, pedindo ao governo que interrompesse o fornecimento de armas à Ucrânia e se concentrasse em negociações de paz.

Fonte: European Conservative

Imagem padrão
Zoltán Kottász
Artigos: 52

Deixar uma resposta