Uma Mensagem Global: Refletindo sobre o Funeral de Raisi

Após a morte de Ebrahim Raisi, o Irã manda uma mensagem de força, união e continuidade.

O funeral de Seyyed Ebrahim Raisi é considerado um evento significativo e elevado no Irã, mostrando tanto a unidade nacional quanto a identidade iraniana autêntica para o mundo. Esta cerimônia, amplamente coberta pela mídia nacional e internacional, não apenas exibiu emoções coletivas profundas, mas também representou uma abordagem racional e estratégica para correntes espirituais e culturais, uma marca da influência de Raisi em destacar a cultura doméstica e os aspectos espirituais do Irã.

Esta enorme reunião transcendeu o mero respeito por um indivíduo, simbolizando uma redefinição e reafirmação de um renascimento espiritual esquecido que buscava insuflar nova vida na sociedade iraniana. O funeral de Raisi não foi apenas uma demonstração de compromisso nacional, mas também uma proclamação de despertar espiritual e fortalecimento dos alicerces da nação.

A transmissão ao vivo e precisa desta cerimônia pela mídia nacional mostrou uma ampla participação pública e proporcionou uma análise e entendimento mais profundos dos eventos, refletindo o compromisso social e o despertar nacional. As plataformas de mídia social também facilitaram a troca de experiências pessoais e pontos de vista, aprimorando a compreensão social e o conhecimento sobre os componentes fundamentais e os papéis espirituais de figuras como Raisi no fortalecimento das bases culturais e sociais do Irã.

No entanto, a cobertura da cerimônia pela mídia tradicional parecia cuidadosamente curada, com close-ups dominando as transmissões, possivelmente minimizando o verdadeiro tamanho da multidão. Embora muitos relatórios citassem “milhares” de participantes, especialistas em estimativas populacionais sugerem que milhões participaram das cerimônias. Algumas redes, como a CNN, conseguiram mostrar partes da multidão maior, proporcionando um vislumbre da mensagem que a nação iraniana procurava transmitir ao mundo.

É importante notar que, por décadas desde a Revolução Islâmica de 1979, grandes meios de comunicação e plataformas procuraram retratar negativamente o Irã, muitas vezes caracterizando-o como instável, inseguro, bárbaro e governado por um sistema de ditadura brutal. Essa cobertura tendenciosa contrasta com a recepção internacional mais ampla da cerimônia, que apresentou uma oportunidade para avaliar a imagem do Irã. Meios de comunicação ocidentais têm repetidamente procurado minar a legitimidade do Irã ao caracterizar seu governo como um “regime” ilegítimo—um termo usado para sugerir uma crise de legitimidade. Dessa forma, a mídia ocidental tentou retratar o governo do Irã como desconectado dos iranianos comuns e não representativo da nação.

No entanto, o Irã continua sendo o maior e talvez o sistema mais democrático do Oriente Médio, em meio a uma região dominada por governos autocráticos. O evento não foi apenas uma demonstração de unidade nacional, mas também uma chance de refletir os relacionamentos e valores compartilhados defendidos pelo povo iraniano. Proporcionar uma perspectiva abrangente e equilibrada sobre tais eventos é crucial para promover a compreensão mútua entre o Irã e a comunidade internacional. Em vez de perpetuar narrativas que não capturam a plena complexidade do Irã, uma abordagem matizada é necessária para fomentar um diálogo genuíno e cooperação.

O fenômeno da participação pública maciça em eventos político-religiosos, como os funerais do General Qasem Soleimani e do Presidente Raisi, destaca uma realidade significativa e inegável: a verdadeira natureza da sociedade iraniana é frequentemente mal representada na mídia ocidental e em textos acadêmicos. Escritores de ciências sociais e políticas devem abordar como, apesar de suas alegações de uma profunda divisão entre o governo e o povo, milhões de iranianos compareceram aos funerais de seus líderes, lamentando profundamente por seus oficiais do governo e representantes políticos.

Os chamados especialistas no Irã são obrigados a explicar como, de sua perspectiva, esse grupo de milhões não representa a população iraniana mais ampla, mas sim uma facção específica e limitada que advoga por valores antitéticos à cultura e ao estilo de vida iranianos. Esses valores, incluindo a promoção da nudez e da imodéstia, originam-se da cultura ocidental moderna, onde ideais materialistas e hedonistas são frequentemente priorizados. Esses valores distorceram as sociedades que infiltraram, a ponto de a identificação de gênero se tornar um foco principal e o tópico mais quente de discussão. Esses valores têm se infiltrado em várias sociedades, incluindo o Irã, há anos através de plataformas como filmes, mídias sociais e veículos de notícias.

O funeral de Seyyed Ebrahim Raisi foi uma afirmação profunda do espírito nacional do Irã e da unidade de seu povo. A cerimônia mostrou a integridade, resiliência e compromisso firme da nação iraniana com seus objetivos estratégicos e espirituais. Ao participar deste evento significativo, os iranianos demonstraram sua conexão inabalável com seus líderes e raízes culturais, desafiando narrativas que procuram representar erroneamente sua sociedade.

A ampla recepção internacional do funeral de Raisi destacou a necessidade de uma compreensão equilibrada do Irã, em contraste com a retratação frequentemente unilateral vista na mídia ocidental. O evento sublinhou a capacidade da nação para o luto coletivo, reafirmando uma herança cultural e espiritual profunda que transcende divisões políticas.

Em conclusão, o funeral de Seyyed Ebrahim Raisi foi mais do que um momento de luto nacional; foi uma declaração da unidade, resolução e dedicação do povo iraniano para preservar sua identidade cultural e valores espirituais, como apoiar os povos oprimidos da Palestina, combater a islamofobia e rejeitar novas formas de colonialismo e políticas hegemônicas.

Fonte: Geopolitika.ru

Imagem padrão
Jalaleddin Fanaei
Artigos: 54

Deixar uma resposta