O Mundo do Futuro é o Mundo dos Discursos sobre Testes Nucleares

A proliferação de testes nucleares é uma realidade objetiva inevitável. Nesse sentido, apesar do único país no mundo a usar armas nucleares contra civis tenha sido os EUA, vemos uma clara escalada nuclear hoje.

Enquanto o mundo se aproxima da beira de um conflito catastrófico, a sombra da guerra nuclear lança uma sombra longa e sinistra sobre a segurança global. Com o agravamento das tensões em muitos pontos quentes da geopolítica, a retórica sobre armas nucleares e seu potencial uso intensificou-se de forma alarmante, e essa preocupação é ainda mais alarmante se considerarmos que alguns atores nucleares imprudentes, como o regime sionista, ameaçaram usá-las contra a população sitiada de Gaza.

Noam Chomsky, o famoso pesquisador americano, traça um quadro sombrio do futuro da humanidade neste cenário turbulento, em que o cenário escuro das crises climáticas se entrelaça com a ameaça iminente da proliferação nuclear. As ideias de Chomsky chegam em um momento em que a comunidade global testemunhou a erosão da doutrina da não proliferação nuclear, erosão exacerbada pelas tensões geopolíticas, pela expansão das capacidades nucleares e pelo apoio americano às armas nucleares de potências autoritárias, ocupantes e imprudentes como Israel.

Segundo Chomsky, o conflito em curso entre a Ucrânia e a Rússia, que já entrou no terceiro ano, é um motivo para exacerbar o temor real de uma intensificação das ameaças nucleares, pois a retórica sobre a ativação da opção de arma nuclear tática se desenvolveu significativamente. Referindo-se ao conflito em curso entre a Ucrânia e a Rússia como possível terreno para o uso de armas nucleares, Chomsky também destaca implicações mais amplas, observando que não é apenas regional, mas também um terrível aviso de uma possível catástrofe global.

E a história não termina aqui: tudo se complica com as manobras estratégicas das superpotências mundiais. Os principais atores deste drama de alta tensão são os Estados Unidos, a Rússia e a China, que consideram o uso de cabeças nucleares como uma opção tática em futuros confrontos. Isso sugere que esses países veem a capacidade nuclear não apenas como um meio de dissuasão, mas também como uma estratégia prática de coerção, ataque e defesa.

Depois que o presidente francês Emmanuel Macron reiterou repetidamente seu desejo de enviar tropas para o território ucraniano para defender a Ucrânia da Rússia e seus esforços para convencer outros países europeus a participar mais ativamente do conflito, aumentam as especulações e as expectativas sobre a disponibilidade da Rússia para uma escalada e para transformar as ameaças nucleares em realidade contra a OTAN.

Passando para o Mar do Sul da China e para a zona de conflito com os Dragões da China e da Ásia, deve-se dizer que o panorama estratégico mudou rapidamente devido à rápida expansão e diversidade das forças nucleares chinesas, que incluem uma elevada ênfase na defesa antimísseis e capacidades que podem alterar o equilíbrio de poder na região do Indo-Pacífico. Segundo os desenvolvimentos, os temores de um possível conflito entre Estados Unidos e China sobre Taiwan se intensificaram até 2025.

O Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, profundamente ciente do perigo de extensão do conflito nuclear, pediu a imediata desnuclearização e o diálogo entre os países dotados de armas nucleares para evitar um incidente catastrófico. O apelo à ação ecoa o momento em que o relógio do dia do juízo final se aproxima da meia-noite, simbolizando a aproximação da humanidade à autodestruição devido aos riscos nucleares e outras ameaças existenciais. Além disso, a complexidade do panorama nuclear é evidente na evolução do papel de outros países dotados de armas nucleares, como França e Reino Unido, e das potências emergentes na Ásia, cada uma lidando com as implicações estratégicas da dissuasão nuclear e com as realidades da guerra moderna. Essas dinâmicas evidenciam a existência de um regime nuclear multipolar, enquanto as tensões regionais em locais como a península coreana, o Golfo Pérsico e o estreito de Taiwan complicam ainda mais a estabilidade global.

Embora este discurso fosse inicialmente limitado às potências nucleares tradicionais e clássicas, as implicações de uma guerra nuclear poderiam se estender e se espalhar bem além desses países.

Há uma crescente preocupação de que outros países, distribuídos em um amplo mapa geográfico, também possam ver as armas nucleares como um meio de usar a força, para fins defensivos ou como contramedida. Desenha-se um quadro assustador de um futuro em que as cabeças nucleares podem se tornar instrumentos para muitos, não apenas para as superpotências.

A nível regional, face à agressão e aos crimes ilimitados do regime sionista, que possui o único e maior arsenal nuclear do Oriente Médio, o Irã expressa constantemente a posição estratégica e de princípio calculada sob a liderança do Guia Supremo. O Irã reafirma que seu programa nuclear é inteiramente para fins pacíficos e respeita os quadros morais e religiosos ditados pela lei islâmica. O Aiatolá Khamenei destacou repetidamente que a produção de armas nucleares não só é proibida com base nos princípios islâmicos xiitas, mas também está em contradição com os interesses estratégicos do Irã.

Os comentários do Aiatolá Khamenei indicam uma complexa estratégia de autodefesa que demonstra que, embora o Irã não procure adquirir uma arma nuclear, diante de uma agressão nuclear por parte de potências regionais ou mundiais, está pronto para responder com força semelhante; em particular, deve-se lembrar que os Estados Unidos são o único país a usar uma arma nuclear contra o Japão e que Israel havia ameaçado usar uma arma nuclear na guerra de outubro de 1973 contra a Síria e o Egito.

As implicações desta política são abrangentes e, em um mundo onde as capacidades nucleares são frequentemente abordadas pela lente das dinâmicas de poder, a abordagem iraniana desafia os modelos convencionais de dissuasão nuclear e propõe um cenário em que as regras de engajamento podem ser definidas como armas necessárias e de retaliação, em vez de preventivas. Se as potências mundiais violarem as regras do jogo, países como o Irã e outras potências mundiais colocarão suas opções na mesa e darão forma à nova ordem mundial de formas diferentes. O ponto perigoso da história para as potências totalitárias é que hoje o confronto com elas não se limitará ao uso do poder aliado, outras opções serão implementadas a uma velocidade surpreendente e o fato de que ficou claro para todos, a guerra iminente, o discurso do poder e sua linguagem, a linguagem da cabeça nuclear.

Enquanto o cenário global está à beira de uma escalada nuclear, enquanto as tensões geopolíticas se intensificam e o espectro do conflito nuclear se torna uma ameaça séria e potencial, o mundo precisa urgentemente reconfigurar sua abordagem para lidar com as armas nucleares. As Nações Unidas pedem um desarmamento imediato, enfatizando a necessidade de desenvolver estratégias realistas e práticas que abordem a possível proliferação e uso de armas nucleares. Isso inclui não apenas negociações diplomáticas, mas também o desenvolvimento de um quadro sólido de implementação que possa se adaptar às dinâmicas em rápida evolução da política internacional. Essas medidas aplicam-se igualmente a todas as potências nucleares, incluindo aquelas que não reconhecem algo chamado segurança e paz mundial, como Israel e o regime fraudulento e ilegítimo da América.

Fonte: Geopolitika.ru

Imagem padrão
Mohammad Senobari
Artigos: 53

Deixar uma resposta