O Eurovisão e o Satanismo Cultural no Ocidente

Enquanto no passado o elemento “demoníaco” esteve adstrito às figuras de linguagem da contracultura, hoje ele emerge no próprio coração da sociedade do espetáculo, como commodity central da indústria cultural e de forma absolutamente literal, como vimos no Eurovisão 2024.

Hoje existem dois tipos de idiotas: os hipnotizados que adoram tudo o que lhes é dado (guerra, vacina, miséria, satanismo) e os anestesiados que não entendem nada. Não tendo televisão, tive que esperar pelo texto do Vigilant Citizen para entender como as bruxas do Macbeth globalista e luciferiano estavam devorando as almas do público entorpecido (palavra já usada por Tocqueville, Chateaubriand ou Gaume). O fato de sites católicos (sempre atrasados) ou antissistema não terem entendido não surpreende. Com 180 milhões de telespectadores, parece que estamos evoluindo no antigo filme de John Carpenter “Eles Vivem” (1985) ou na “Invasão dos Invasores de Corpos”, sobre o qual Don Siegel disse se tratar de uma crítica aos “vegetais” que nos tornamos (1955, invasão dos lares americanos pela TV)…

Resumindo, quase todos os grupos de dança e canto promoviam o satanismo, especialmente (se minha memória não falha) o espanhol, o irlandês ou o inglês. Na Europa, resta apenas uma língua, a do inglês mágico da Microsoft; as outras línguas em breve serão proibidas, assim como a família ou a simples propriedade (mas nem isso os faz reagir…). Estamos em um sabá ao ar livre e o Citizen lembrou que Conchita Wurst, a mulher barbada, vencedora do concurso em 2014, foi convidada para cantar para as “pessoas importantes” deste mundo, várias vezes. O satanismo é a religião oficial do Ocidente, facilitado pela ascensão ao poder deste papa, trazido ao poder pela idolatria das massas a Obama. Quase todo mundo não se importa, exceto os distraídos que seguem alguns alertadores, os mesmos que não querem uma guerra de extermínio contra a Rússia. Jean Raspail me escreveu há um tempo para me dizer que Bergoglio era o Bento XVI de seu “O Campo dos Santos”.

O satanismo cultural, no entanto, é uma velha história no Ocidente: falei sobre isso em meu “A Maldição das Estrelas”, livro publicado pela Filipacchi em 1996 e inexplicavelmente ignorado pela mídia… O último capítulo mencionava punições – que realmente aconteceram – que atingiram estrelas consideradas muito subversivas e sulfurosas. Mas também escrevi aqui sobre a arte degenerada do goy (veja meu texto sobre Max Nordau) e sobre a degeneração da arte ocidental desde o Renascimento papista: Tolstói escreveu um livro muito bom sobre isso, que criticava corajosamente Shakespeare ou Wagner (só isso? sim, sim: só isso). A cultura pós-cristã ocidental está mergulhando em um desastre apenas parcialmente explorado por Barzun, com seus altos e baixos. Em termos de satanismo cultural, a França estava na vanguarda no Século das Luzes (veja Cazotte ou meu texto sobre Sade) e vimos aonde isso nos levou. O homem tipográfico de McLuhan liquidou o latim, a Igreja, a Fé, e o homem da internet o resto: os sexos, a carne, a alma, a liberdade e até mesmo a prosperidade (mas nem mesmo com isso eles se importam, caramba, nem mesmo com seu dinheiro!). 666 dólares pelo primeiro computador Apple! O dançarino finlandês insano estava nu, vestindo uma camisa da Microsoft no show. Falei sobre os vínculos entre ocultismo e informática em meu “Internet, uma Nova Via”.

Falei sobre o fim da solidificação em meu texto sobre Guénon recentemente. O Ocidente está à deriva desde os anos sessenta (Thomas Frank sempre, e a era do cool) e o cinema, assim como a música, a quem devemos alguns clássicos, está em queda livre demoníaca. Seja em Cannes, na cerimônia do túnel de Gothard, no esporte americano (Orange Bowl), no futebol, no Eurovisão ou em qualquer lugar, é sempre a mesma coisa: Sodoma, Gomorra e o satanismo idiota para todos, tudo reservado para os estúpidos (Debord e Baudrillard também usam esse termo) e para uma imprensa de idiotas úteis ou de agentes duplos que trabalham para as potências das trevas, descomplexadas pela facilidade com que agem. Eu sei, não podemos desesperar, vamos acordar…

De Davos emana a mesma egrégora satânica e tirânico deste show.

Fonte: Strategika

Imagem padrão
Nicolas Bonnal

Historiador e ensaísta francês.

Artigos: 53

Deixar uma resposta