A Filosofia da Guerra na Conceptualização dos Fenômenos da Guerra e da Paz

A filosofia da guerra é um campo fundamental para se investigar não apenas o significado da guerra, bem como o sentido da vitória ou da derrota.


A guerra é um dos fenômenos mais antigos da história humana, tão inseparavelmente ligada a ela que é difícil imaginar a existência da sociedade humana sem ela. Muitos tratados foram dedicados à “paz eterna”, ao problema da guerra e da paz nas obras de Frederico II, Immanuel Kant, Johann Gottfried Herder, Johann Gottlieb Fichte, Georg Wilhelm Friedrich Hegel, Carl Philipp Gottlieb von Clausewitz e outros. Autores alemães mostraram uma variedade de abordagens para o problema da guerra e da paz. Alguns aderiram à visão de que o desenvolvimento da história inevitavelmente leva à paz universal, enquanto outros insistiram na inevitabilidade de guerras e conflitos. Assim, Kant, ao levantar a questão da correlação entre paz eterna e repouso eterno, ao contrário de Frederico II, que assumiu a possibilidade de estabelecer a “paz eterna” nas condições do governo monárquico, associou o estabelecimento da “paz eterna” à conclusão de um tratado de paz universal, mas necessariamente nas condições de um governo republicano. Ao mesmo tempo, a “paz eterna” de Kant parece estar atrasada, e sua ocorrência é alcançável apenas no futuro [Zotkin 2016].

Nesse sentido, era difícil esperar que num futuro próximo a humanidade pudesse encontrar harmonia nas relações internacionais. Até hoje, o mundo continua a oscilar à beira da guerra e da paz; em uma região ou outra se aproximando do limite, além do qual a caixa de Pandora pode se abrir. O que determina o “periodomorfismo” que se manifesta na vida dos Estados e dos povos? Seguindo Heráclito de Éfeso, que declarou a guerra como a origem de tudo, muitos filósofos têm destacado o papel da guerra na história da civilização humana. Platão também considerava a guerra como um elemento permanente no desenvolvimento da sociedade. Em As Leis, ele escreveu: “… o que a maioria das pessoas chama de paz é apenas um nome; mas na realidade, há uma guerra eterna e irreconciliável entre todos os Estados por natureza” [Platão 1972, 86].

Entre os filósofos europeus, Platão foi um dos primeiros a falar sobre os fatores que determinam o surgimento das guerras. Ele reconheceu astutamente o papel do fator demográfico no surgimento de guerras entre Estados. Muitos filósofos da Antiguidade consideravam a guerra como atributo integral da existência do Estado. Isso se devia à compreensão da guerra como um meio de estabelecer dominação, uma fonte de poder escravo, riqueza, territórios, que permitia alcançar um estágio mais elevado de desenvolvimento da polis/republica antiga. Ao mesmo tempo, nem toda guerra era avaliada positivamente. Por exemplo, os antigos gregos eram contra guerras entre helenos, assim como guerras internas (chamadas de contendas), pois poderiam levar à autodestruição dos gregos [Platão 1971, 270]. Outro critério de admissibilidade e justificação moral da guerra era o princípio da justiça. As causas das guerras, consequências políticas, econômicas, demográficas, sociais e outras também foram objeto de reflexão filosófica.

Por muito tempo, a compreensão dos vários fenômenos da natureza e da sociedade permaneceu monopólio da filosofia. Mas mesmo o surgimento de outras abordagens para o estudo desses fenômenos não deslocou completamente esse paradigma, que foi formado ao longo de dois milênios. O fundador do positivismo, Auguste Comte, afirmou que toda ciência é uma filosofia em si mesma, avaliando inadvertidamente o status cognitivo da filosofia.

Formas mais recentes de conhecimento da guerra, em comparação com a filosofia, deixaram de lado seu predecessor e afirmam ter um conhecimento exaustivo do fenômeno, usando suas próprias ferramentas. À medida que as abordagens disciplinares para o estudo da guerra se multiplicavam, muitos defensores de abordagens não filosóficas tiveram a ilusão de que era possível encontrar respostas exaustivas para questões fundamentais sobre a guerra por meio dessas abordagens. No entanto, como a vida mostrou, esses equívocos foram rapidamente dissipados, já que essas abordagens apenas parcialmente resolveram os problemas declarados.

Onde e quando começa a filosofia da guerra? As obras de filósofos que abordaram as questões da guerra são numerosas e diversas. Portanto, é difícil traçar uma linha divisória nítida entre aquelas obras que lidaram com o problema da guerra em fragmentos e aquelas que tinham uma indicação clara do assunto em estudo, bem como aquelas que foram totalmente dedicadas à guerra, mas não eram tratados filosóficos. Por exemplo, não encontramos em Clausewitz uma indicação clara da “filosofia da guerra”, embora ele seja considerado um dos principais clássicos nesta área. Hoje em dia, alguns pesquisadores consideram Clausewitz não apenas como um filósofo da guerra, mas como um filósofo político da guerra, argumentando que Clausewitz era percebido nessa capacidade dentro do conceito de “político” de Carl Schmitt [Belozerov 2018a; Belozerov 2018b].

Um dos principais méritos do general prussiano é considerado sua formulação engenhosa da determinação da guerra pela política. Antes dele, Navia-Osorio y Vigil, o Marquês de Santa Cruz de Marcenado, escrevera sobre isso [Navia-Osorio y Vigil, 1738]. Em uma formulação ainda mais precisa, a direção filosófica do estudo foi indicada no fragmento “Filosofia da Guerra” [Lloyd 1790], dos Memórias Militares e Militares de Henry Lloyd, traduzidos como Introdução à história da guerra na Alemanha em 1756 … ou Mémoires militaires et politiques du général Lloyd. Traduit et augmenté … d’un précis sur la vie … de ce général (Bruxelas: A. F. Pion, 1784), por Germain-Hyacinthe de Romance, um oficial francês. Nele, mesmo antes de Clausewitz, ele lançou as bases da filosofia da guerra e antes de Antoine-Henri Jomini ter substanciado os princípios da doutrina da estratégia operacional. Ele dividiu a ciência da guerra em duas partes: a primeira era de natureza mecanicista e podia ser ensinada aos alunos; a segunda era de natureza filosófica e não podia ser ensinada. Segundo diversos pesquisadores, essa dicotomia determinou em grande parte o pensamento estratégico do teórico britânico. Também influenciou o confronto entre dois principais estrategistas do século XIX: Jomini, defensor de abordagens puramente estratégicas, e Clausewitz, defensor da filosofia e dialética [Chalvardjian 2014, 166]. O período das guerras napoleônicas acelerou o processo de síntese entre filosofia e estratégia militar. Na França, um participante da campanha napoleônica na Rússia, o Marquês Georges de Chambre, um general do exército francês, publicou seu estudo, que foi o resultado de observações profundas, que ele chamou de Philosophie de la guerre (Filosofia da Guerra). Nele, explicou a importância da abordagem filosófica para o estudo da guerra e sua atitude em relação a ela [Chambray, 1829, V-VI].

A razão do interesse nas possibilidades epistemológicas da filosofia, aparentemente, era que as interpretações religiosas, em particular cristãs, da origem e leis da guerra já não satisfaziam nem os pensadores políticos nem os líderes militares. Nicolau Maquiavel, além de problemas políticos, em suas obras abordou questões do desenvolvimento militar. Isso se deveu à sua posição oficial eleita como secretário da Comissão Militar dos Dez (Dieci di Libertà e Pace), responsável por representar Florença em conflitos, bem como sua posição cívica como pensador político. Em seu tratado, Sobre a Arte da Guerra, ele apresenta a ideia de substituir o exército mercenário por um exército de cidadãos recrutados para o serviço por conscrição. Um aspecto essencial da filosofia política de Maquiavel foi a transição para um modelo político-filosófico secular de compreensão das interações de poder da sociedade italiana contemporânea, expandindo os limites do que era permitido pela Igreja.

À medida que a humanidade evoluiu, novos meios técnicos de violência surgiram, e novas formas de luta armada se multiplicaram, mudando a face da guerra. Isso, por sua vez, levou a tentativas de repensar sua essência e transformações. Cada pesquisador viu nele características específicas, cuja natureza ele buscou penetrar. Em termos metodológicos, isso é a base para a síntese do geral e do singular, o objeto e o sujeito da filosofia da guerra. É possível destruir o aspecto filosófico presente no conhecimento como tal? Vem à mente a experiência de um ímã com um polo norte e sul. Tentar quebrar o ímã ao meio não resulta na formação dos polos norte e sul separadamente nos fragmentos resultantes. Cada nova peça terá um polo norte e sul assim como a amostra original. Da mesma forma, a filosofia será inerente a qualquer conhecimento que tenha alcançado um alto estágio de desenvolvimento. Qualquer que seja o nome de uma disciplina, sempre haverá um lugar para a filosofia nela. Essa compreensão da essência da questão da presença da filosofia no conhecimento teórico tornou-se característica no século XIX. Novos ramos do conhecimento apareceram, onde “filosofia” era uma parte constituinte. Isso foi especialmente difundido na literatura científica e popular alemã, onde a série literária Natur- und kulturphilosofische Bibliothek apareceu. Isso se aplicava em plena medida à ciência da guerra [Steinmetz, 1907].

A mutabilidade da guerra foi observada por muitos pensadores, que usaram várias metáforas para transmitir essa propriedade. Assim, Sun Tzu comparou a guerra à água: “… O exército não tem poder inalterável, a água não tem forma inalterável. Quem sabe como dominar mudanças e transformações dependendo do oponente e vencer, ele é chamado de deus” [Sun Tzu, 2002, 51]. Representantes da escola francesa de polemologia também associaram a mutabilidade ao elemento água. Eles compararam a guerra ao herói mítico, Proteu, filho de Poseidon, que (segundo Virgílio) tinha habilidades inexauríveis de transformações. Um exemplo clássico da mutabilidade da guerra é a afirmação de Clausewitz sobre as fontes internas e externas de transformação desse fenômeno: “Assim, a guerra não é apenas um verdadeiro camaleão, já que muda sua natureza um pouco em cada caso particular, mas também em suas formas gerais em relação às tendências predominantes, é uma estranha trindade composta de violência como seu elemento original, ódio e inimizade” [Clausewitz 1997, 58].

A multiplicidade da guerra tem sido observada e destacada por muitos contemporâneos. Um deles é o filósofo francês Alexis Philonenko, que se dedicou ao estudo de muitos problemas filosóficos, entre os quais a filosofia da guerra ocupa um lugar importante. Em seus Ensaios sobre a Filosofia da Guerra, (1976), ele examina o trabalho filosófico de vários filósofos – Maquiavel, Kant, Fichte, Saint-Just, Hegel, Clausewitz, Prudon, Tolstói, De Gaulle – em relação ao estudo do fenômeno da guerra. Ao fazer isso, ele abordou o problema da pluralidade de interpretações da guerra, assim como o problema da correlação entre guerra e paz. Entre as reflexões sobre as contribuições de filósofos e pensadores europeus, Philonenko dedica um lugar significativo às reflexões filosóficas de Leo Tolstói. Dos doze capítulos, quatro são dedicados a isso: “História e Religião em Tolstói” (IX), “Tolstói e Clausewitz” (X), “Tolstói ou Fatalismo” (XI), “Lógica e Estratégia: Cálculo Diferencial em Guerra e Paz” (XII). Comparando os dois pensadores diferentes em suas visões sobre a guerra, Philonenko escreveu: “Se às vezes parecia que Tolstói prevalecia sobre Clausewitz, deve-se reconhecer que um momento depois Clausewitz prevalecia sobre Tolstói, e que dessa forma o filósofo da violência às vezes prevalecia sobre o apóstolo da não violência, e vice-versa” [Philonenko, 1976, 247]. A atenção ao raciocínio filosófico de Tolstói, por parte do pesquisador francês, testemunha sua mente aberta ao trabalho de um dos representantes da filosofia russa da guerra. Esse interesse positivo pelos pensadores russos por parte de autores estrangeiros causa emoções positivas, porque nem sempre é assim. Um exemplo disso são os argumentos de Raymond Aron sobre a doutrina marxista-leninista da guerra e do exército (que, de fato, era a filosofia da guerra na URSS). Discutindo a multidimensionalidade da filosofia da guerra, O.A. Belkov, um pesquisador russo do Instituto de História Militar da Academia Militar do Estado-Maior das Forças Armadas da Federação Russa, observa: “Levando em consideração essas questões, a elucidação das quais constitui o conteúdo da compreensão filosófica da guerra, e os problemas que precisam dessa compreensão, podemos identificar as áreas de estudo filosófico da guerra: guerra como estado da sociedade, diferente da paz, sua essência e significado, propriedades e sinais; o papel da guerra na vida da humanidade e dos países individuais, o impacto que ela tem em vários aspectos dessa vida; consequências sociais da guerra; análise valorativa da guerra; fontes e causas de guerras e conflitos militares; ontologia da guerra, seu conteúdo existencial; a estrutura da guerra, as relações entre os vários componentes de seu conteúdo; a relação entre guerra e várias esferas da vida pública e tipos de atividade humana; o lado espiritual e a ética da guerra; determinantes políticos, econômicos, sociais e outros não militares e fatores do curso e resultado das guerras; contradições internas da guerra; o lugar e o papel do exército, da classe militar nos destinos da pátria; aparato conceitual e categorial e princípios metodológicos para o estudo da guerra, tipologia das guerras” [Belkov 2019, 120]. Isso mais uma vez prova que na presença de um único objeto de estudo (a guerra), o sujeito pode variar em grande medida. Ao perceber a multiplicidade de problemas enfrentados pela filosofia da guerra, vamos nos limitar neste artigo a alguns tópicos: o problema da verdade histórica sobre guerras e o problema da vitória e derrota na guerra. Ainda mais porque eles estão relacionados entre si.

Ucronia, ou Maneira de Distorcer a Verdade

Todos nós estamos familiarizados com o termo “utopia”, que é aplicado a algo que não existe na realidade, mas é desejável. Muitas vezes é usado para se referir a uma ordem social ideal, mais frequentemente associada a um futuro imaginário. Thomas More usou esse neologismo, um derivado etimológico do grego “topos” e do prefixo negativo “u”. Ou seja, é um lugar que não existe. Em 1857, um livro do filósofo francês Charles Renouvier (1815-1903) foi publicado, Ucronia. Utopia na História. No próprio título, o autor indicou inequivocamente, primeiro, a natureza utópica do conceito de “ucronia” e, segundo, seu foco na história. A fábula desta obra foi a vitória imaginária de Napoleão em Waterloo e suas consequências sociopolíticas para a Europa. Renouvier não foi o primeiro nesse tipo de fantasia histórica. Como as fontes atestam, Tito Lívio em seu tratado, História de Roma desde a Fundação da Cidade (Livro IX, seções 17-19), desenvolve uma hipótese sobre o que teria acontecido se Alexandre, o Grande, tivesse direcionado sua conquista para o Oeste em vez do Leste. Um autor posterior, o Abade Michel de Pure (1620-1680), publicou em 1659 seu romance, Epígono, História do Século Futuro, que é considerado do gênero da ucronia.

Por que surge tal desejo de “recriar” a história? Provavelmente porque os resultados reais do processo histórico não são satisfatórios, não coincidindo sempre com os desejos dos participantes, mesmo daqueles que não participaram deles e nem são contemporâneos. Isso se aplica ao livro de quatrocentas páginas de Marie-Pierre Rey, Uma Tragédia Terrível: Uma Nova História da Campanha Russa, no qual a autora, desviando-se dos fatos históricos aceitos, apresenta uma ideia modificada dos eventos da campanha de Napoleão na Rússia. O ex-presidente da República Francesa, Valéry Giscard d’Estaing, foi ainda mais longe em um livro que escreveu chamado A Vitória da Grande Armada, nele ele pinta um quadro da vitória do imperador francês sobre o exército russo. O triunfo da campanha é o retorno à pátria e a aquisição de grande status de poder pela França. Um exemplo de uma interpretação benéfica dos eventos reais foi o próprio Napoleão I.

A “reescrita” da história está se tornando uma prática cada vez mais comum nos dias de hoje. Este é o pecado de autores para os quais as ideias estabelecidas sobre o status quo mundial são um obstáculo para mudá-lo e criar uma nova ordem mundial, para a qual uma nova história será necessária para justificá-la. Para esse fim, o conceito historiosófico de ucronia, que fornece liberdade para as distorções mais audaciosas dos fatos históricos, é muito conveniente.

É bastante compreensível por que a história se tornou um campo de luta por novos significados e valores, porque é muito lucrativo obter dividendos morais e outros, apropriando-se do que nunca pertenceu aos “ucronistas” (no sentido amplo) e seus patrocinadores ideológicos, e retirar daqueles que foram a base para a resolução de situações de crise, especialmente aquelas de escala histórica. Essas tentativas são muito produtivas em casos em que testemunhas dos eventos falecem ou quando regimes políticos dominantes impõem ideias deliberadamente distorcidas sobre eventos reais na sociedade. Às vezes, esse desejo ultrapassa e até substitui o estudo ponderado e objetivo do material factual. Mas a história é uma coisa bastante teimosa. Mais cedo ou mais tarde, os fatos da história se tornam propriedade não apenas de especialistas, mas também do público em geral.

Nas reflexões filosóficas do participante da Guerra Patriótica de 1812 e das campanhas estrangeiras do exército russo em 1813-1814, Fedor Nikolayevich Glinka soa um aviso futuro: “O presente se repete no futuro como o passado faz no presente. Os tempos passarão; anos se transformarão em séculos, e virá novamente para alguns dos reinos da terra um período decisivo semelhante ao que agora cobriu a Rússia com cinzas, sangue e glória.” Infelizmente, seu aviso foi repetidamente confirmado na história.

Como podemos combater o avanço de “fantasias” históricas não seguras e distorções diretas de fatos? O caminho mais seguro é combatê-lo com a verdade histórica e documental. Esta é a única maneira de derrubar a mentira, não importa que tipo de disfarce ela use.

Na obra em três volumes, História da Guerra Patriótica de 1812, de acordo com fontes confiáveis (1859), o talentoso historiador russo Modest Ivanovich Bogdanovich fez uma análise objetiva das obras científicas de pesquisadores russos e estrangeiros que descreveram os eventos do confronto passado entre os exércitos de Napoleão e da Rússia. Ele valorizou muito a contribuição de compatriotas e estrangeiros na descrição confiável dos eventos. Ele elogiou o General Dmitry Buturlin, General Alexander Mikhailovsky Danilevsky, Dmitry Milyutin, Smith, Gepfner. Ao mesmo tempo, ele observou que nem sempre o nível das fontes estrangeiras sobre a Guerra de 1812 era suficientemente alto: “nenhuma delas corresponde nem à importância do assunto nem ao estado atual da ciência” [Bogdanovich, 1859, IV]. Apenas algumas obras de estrangeiros merecem, em sua opinião, elogios: “Memórias do Príncipe de Wurtemberg” (Erinnerungen aus dem Feldzuge des Jahres 1812 in Russland), “Notas do Conde Toll” (Denkwürdigkeiten des Grafen v. Toll) e “História da Expedição à Rússia” do General de Chambre (Histoire de l’expédition de Russie) (ver: [Soloviev 2017, 43]).

M.I. Bogdanovich corretamente observa: “Ao descrever a guerra, não se pode prescindir de comparar os testemunhos de ambos os lados, o que sozinho pode servir para investigar imparcialmente a verdade” [Bogdanovich, 1859, V]. Assim, ele enfatizou a importância metodológica do aspecto do evento do confronto militar tanto em termos epistemológicos quanto políticos. Esse tipo de inferência honra o autor não apenas como general, mas também como historiador e filósofo.

Do ponto de vista da distorção do estado real das coisas, devemos observar diferentes níveis desse processo: distorções da verdade histórica no nível de conceitos e teorias, e, por outro lado, interpretação tendenciosa em seu favor no nível factual. As técnicas de distorção da informação para fins militares e políticos são conhecidas em todos os tempos. O famoso historiador Yevgeny Viktorovich Tarle relata exemplos de “guerra de informação” durante a Guerra Patriótica de 1812: “Os falsos boletins do quartel-general de Napoleão feitos na França, Polônia, Alemanha, Áustria, Itália deram a impressão que pretendiam causar” [Tarle, 2015, 155]. Como alguns pesquisadores russos contemporâneos observam, os franceses frequentemente usavam métodos de distorção de informação, que podem ser considerados como protótipos de “guerra de informação” [Bezotosny, 2004, 190-202]. Os temas de falsificação eram perdas militares, resultados de batalhas, superioridade da estratégia militar e ambições civilizacionais [Zemtsov, 2002, 38-51].

Vitória e Derrota

O tema da vitória e derrota em termos historiosóficos interessava a muitos autores. Foi abordado por nosso famoso compatriota Nikolay Yakovlevich Danilevsky, o ideólogo do pan-eslavismo, um dos fundadores da abordagem civilizacional à história. As ideias originais desse pensador no campo da filosofia política provocaram respostas ambíguas dos contemporâneos. Ao mesmo tempo, a declaração dos problemas foi caracterizada por uma elaboração minuciosa. Em janeiro-fevereiro de 1879, na revista Russkaya rech’ (Fala Russa), ele publicou um artigo “Ai dos vencedores!”, no qual ele abordou o problema da política militar da Rússia na Questão Oriental. Ele avaliou pessimisticamente a situação geopolítica na região: “… nós deveríamos conseguir pela guerra: a resolução de todos os obstáculos, tanto morais quanto materiais, separando os eslavos do nordeste, ou seja, a Rússia, dos eslavos do sudeste e de todos os povos ortodoxos que habitam a Península Balcânica. E todos os obstáculos foram destruídos pelas baionetas dos soldados russos – e reconstruídos novamente, e alguns até foram fortalecidos e criados novamente pelas penas dos diplomatas russos. Os resultados negativos alcançados pela política russa superaram em muito os negativos alcançados pela arte militar russa e pelo valor militar russo! O paradoxo estranho e ridículo, ai dos vencedores, a Rússia conseguiu transformar em um fato triste, mas inegável” [Danilevsky, 1998]. De fato, esse problema tem uma história ainda mais longa. Essa situação está consagrada na expressão alada “vitória pírrica”, entendida como uma vitória obtida a um preço exorbitante, que igualou o vencedor e o derrotado (existem antecessores dessa expressão).

O polemologista francês Julien Freund, em sua obra “Sociologia do Conflito”, aborda o problema da correlação entre vitória e derrota na guerra. Este problema filosófico está sempre no centro das atenções de filósofos, pensadores e políticos. Quem realmente desfruta dos frutos da vitória militar, e se a vitória militar e política são idênticas? Falando da vitória militar, ele escreve: “A vitória, que significa a derrota do outro, é uma conclusão que corresponde à lógica interna do conflito, já que visa quebrar a resistência do inimigo para impor nossa vontade sobre ele. Em princípio, como é uma relação bilateral, apenas um dos oponentes pode ser o vencedor. Assim, fenomenologicamente, o triunfo de um e a derrota do outro constituem essencialmente o resultado mais apropriado para o espírito do conflito. Sob esse ponto de vista, a vitória deveria ser, se possível, a mais completa e a derrota, se possível, a mais esmagadora. C. Clausewitz nunca se cansa de repetir isso, variando as palavras” [Freund 2008, 58].

Cientistas russos modernos são atentos ao problema da vitória e derrota. Não é difícil encontrar uma explicação para isso. Vitória ou derrota para a União Soviética foi um problema de vida e morte não apenas para um indivíduo, mas para toda a nação. A guerra travada pela Alemanha de Hitler contra a URSS foi uma guerra de extermínio. A memória histórica do povo eternamente preserva os eventos que foram um crime contra a humanidade. É uma espécie de imunidade genética contra a ignorância nacional, que no século XXI pode desarmar internamente um cidadão de seu país.

Andrei Afanasievich Kokoshin, especialista em questões militares-políticas, reagiu ao livro “Vencendo Guerras Modernas” (2003), do general americano aposentado Wesley Clark, com um pequeno artigo, “Sobre o Significado Político da Vitória em uma Guerra Moderna”, dedicado à consideração do componente político em um conflito militar. O trabalho soa moderno e, em certo aspecto, nos faz pensar não apenas sobre o significado político da vitória em guerras modernas ou passadas, mas também sobre seu conteúdo moral.

O objeto de estudo da filosofia da guerra pode ser várias guerras específicas ou guerras em sua totalidade. Cada fonte fornece ao pesquisador material rico para estudo e generalizações. Nesse sentido, a Guerra Patriótica de 1812 é de grande interesse, porque é, em nossa opinião, um modelo que inclui a rica experiência de guerras passadas, e que também se tornou um protótipo para guerras futuras.

Quando começou a guerra contra o Império Russo, Napoleão tinha superioridade numérica, vasta experiência de combate, o potencial econômico combinado da França e da Europa conquistada, etc., mas falhou em usar essas vantagens. As explicações para isso por parte dos franceses eram irracionais (“costumes bárbaros”, etc.), mas os motivos eram bastante reais – no mínimo, a má organização do fornecimento do exército francês. O historiador napoleônico, participante da campanha francesa na Rússia, Eugene Labaume, descreveu a condição das tropas francesas: “O clima, que era lindo o dia todo, ficou frio e úmido à noite. O exército se instalou no campo de batalha e se estabeleceu parcialmente nos redutos, que tão gloriosamente capturou. Esse bivaque foi severo; homens e cavalos não tinham nada para comer, e a escassez de lenha nos fez experimentar toda a severidade de uma noite chuvosa e gelada” [Labaume 1820, 160]. Labaume, que não questionou a vitória do exército de Napoleão na campanha, sem querer, revelou uma de suas fraquezas – a logística deficiente.

Outra confirmação da situação catastrófica das tropas francesas, que ainda não haviam tomado Moscou, é o testemunho do Conde Philippe-Paul de Ségur, que descreveu o campo de Borodino após a batalha em suas memórias: “… há soldados por toda parte, vagando entre os cadáveres e procurando comida até nas mochilas de seus camaradas mortos” [Ségur, 1910, 147]. Então ele faz uma conclusão que divergiu da opinião geralmente aceita na historiografia francesa, que insistia na derrota incondicional dos russos em Borodino: “Se os restantes (tropas russas – A. S.) se retiraram em tão boa ordem, orgulhosos e tão pouco desanimados, quão importante era a maestria de um único campo de batalha? Em áreas tão vastas, os russos sempre terão terra suficiente para lutar” [Ségur 1910, 148].

Mas suas observações e conclusões profundas são desarmoniosas com outras inferências tendo o caráter de superioridade civilizacional: “É óbvio que eles (soldados russos – A. S.) pareciam mais resistentes à dor do que os franceses; isso não é porque eles suportaram o sofrimento mais corajosamente, mas eles sofreram menos, já que são menos sensíveis tanto no corpo quanto no espírito, o que se deve a uma civilização menos desenvolvida e a órgãos endurecidos pelo clima” [Ségur, 1910, 149-150]. Tentativas similares de menosprezar as conquistas e sucessos da Rússia e de seus cidadãos podem frequentemente ser encontradas hoje em muitos autores ocidentais.

Conclusão

Concluindo, vale a pena notar que o problema da guerra e da paz ainda é fundamental, e abordá-lo de uma perspectiva filosófica é muito importante para compreender as origens e as relações essenciais que surgem na transição de um estado pacífico para um estado de guerra. e vice versa. A filosofia da guerra contribui muito para isso, permitindo-nos penetrar na essência das mudanças na imagem da guerra e, em alguns casos, antecipar a direção das transformações das guerras modernas.

Fonte: The Postil

Imagem padrão
Alexey Soloviev
Artigos: 48

Deixar uma resposta