A Terminologia da Entrevista de Alexander Dugin com Tucker Carlson

Ao dialogar com um estadunidense, Tucker Carlson, o filósofo russo Alexander Dugin teve que ter o cuidado de explicar para ele um entendimento específico do liberalismo que pode ser, inicialmente, de difícil acesso para o público norte-americano. Essas especificidades conceituais dos povos devem ser investigadas.

A entrevista com Tucker Carlson foi traduzida às pressas e um tanto imprecisamente para o russo. No geral, é compreensível. No entanto, existem algumas nuances. Estou falando com um americano e me dirigindo principalmente a uma audiência americana. Julgando pelos milhares de comentários, eles me entenderam perfeitamente.

Assim, na linguagem política da América contemporânea, existem termos comuns, como “woke” e “wokeism”, que não usamos. Isso é um apelo a todos os liberais para relatarem imediatamente aqueles que se desviam da agenda LGBT (proibida na Rússia) ou da teoria crítica da raça (que também requer explicação, mas isso é para outra ocasião) e àqueles que questionam o internacionalismo e o globalismo, assim como duvidam da necessidade de proteger a migração ilegal e qualquer migração. Também se trata de difamar todos os patriotas e conservadores (tanto atuais quanto históricos), acusando-os de ‘fascismo’. Aparentemente, o wokismo agora está sendo adotado ativamente pela jovem geração do movimento conservador russo, mas eu não estou me dirigindo a eles.

O processo se desenrola assim: um indivíduo woke (um esquerdista liberal woke) identifica um alvo (um conservador), escreve uma série de reclamações, cria um vídeo no YouTube (proibido na Rússia) ou Instagram, organiza um flash mob, e assim por diante. Isso se intensifica com ações de cancelamento, como investigações no local de trabalho, entrevistas tendenciosas que lembram interrogatórios e artigos encomendados, seguidos por demissão, ostracismo social, classificação deliberada inferior em pesquisas de mídia social, auditorias financeiras, negação de crédito, desativação de conta e, em casos extremos, assassinato (do alvo ou de seu parente). Este é o ciclo completo do terror esquerdista-liberal. As mesmas táticas são aplicadas a figuras históricas e seus legados: livros (junto com pinturas e filmes) são censurados ou proibidos, sua visibilidade nos rankings de mecanismos de busca diminui drasticamente e uma seção difamatória é adicionada à Wikipedia que não pode ser removida. Isso poderia afetar figuras como Dante, Dostoiévski, Rowling e até as Sagradas Escrituras se não forem consideradas politicamente corretas o suficiente.

Portanto, quando eu digo “woke”, as pessoas nos EUA me entendem imediatamente. Na Rússia, isso teria exigido um artigo inteiro com explicações e exemplos, após o qual muitos de nossos esquerdistas e esquerdistas-liberais domésticos ficariam envergonhados (se tivessem consciência, o que ainda está por ser provado).

Além disso, há outro termo que é familiar nos EUA: “progressista”. Este é um autodesignação de esquerdistas-liberais, os inimigos mortais de Trump, Tucker Carlson, conservadorismo, religião, família e valores tradicionais. Na Rússia, o termo ‘progressista’ também não é usado nesse sentido.

Nos EUA, há uma verdadeira guerra entre “progressistas” e “conservadores”. No entanto, é desigual: os conservadores acreditam que os progressistas, embora equivocados, têm o direito de existir, enquanto os progressistas rotulam todos os conservadores como “fascistas” e insistem que eles não têm o direito à vida e suas ideias não têm o direito de existir. Eles são os “inimigos da sociedade aberta” (Popper) que devem ser destruídos preventivamente – antes que possam destruir a sociedade aberta. Assim, os progressistas são sobre woke e cancelamento. O núcleo dos progressistas são os trotskistas – tanto diretos (a ala esquerda do Partido Democrata) quanto aqueles que se tornaram neocons (como Robert Kagan, William Kristol, Victoria Nuland, etc.). Essencialmente, os progressistas são defensores da Revolução Mundial liberal e globalista e do terror jacobino.

Finalmente, o termo mais difícil é “liberais”. Ele significa várias coisas ao mesmo tempo na linguagem política americana moderna:

Todo o sistema político americano como um todo, ou seja, o reconhecimento da legitimidade e supremacia do capitalismo, pode ser chamado de liberalismo. Nesse sentido, os liberais nos EUA são todos: esquerdistas-liberais do Partido Democrata e direitistas-liberais do Partido Republicano (GOP). Os primeiros são mais a favor da liberdade de migração, perversões e wokismo, os últimos a favor do imposto único e do grande capital.

Em um sentido mais restrito, e em uma discussão bipartidária, geralmente “liberais” especificamente se refere a “esquerdistas-liberais”, ou seja, aqueles que apoiam o wokismo, a cultura do cancelamento e que são “progressistas”. Às vezes, eles – sendo verdadeiros fascistas – aparecem como “antifascistas”. Sua lógica é a seguinte: “Se você não enviar um suspeito de ‘fascismo’ para um campo de concentração antecipadamente, ele nos enviará para lá”. Tais liberais acreditam que os Republicanos, e especialmente os trumpistas, ou seja, sua ala conservadora, deveriam ser presos ou até mesmo exterminados. Novamente – antes que eles próprios sejam exterminados (veja o novo filme Civil War – é exatamente sobre isso e retrata com precisão a mentalidade dos esquerdistas-liberais americanos).

Em um contexto completamente diferente, “liberais” (embora isso esteja acontecendo cada vez menos) podem se referir a “velhos liberais” – como o próprio Tucker Carlson. Às vezes, o termo “libertários” é usado para distingui-los. Eles são mais semelhantes aos anarquistas, apenas não de esquerda, mas de direita. Progressistas muitas vezes os identificam com fascistas porque os libertários interpretam o liberalismo de forma muito diferente dos esquerdistas-liberais. Qualquer um que não seja um esquerdista-liberal é um fascista e deve ser cancelado. Os libertários defendem um imposto de renda único ou até sua ausência e são contra o envolvimento do governo na economia. Eles também apoiam o direito de portar armas (a Segunda Emenda) e a liberdade irrestrita de fazer o que quiser, dizer o que quiser e ser quem quiser. Tais “velhos liberais” acreditam que os “novos liberais” (woke, LGBT, progressistas, internacionalistas) tomaram o poder no governo federal e querem construir “stalinismo”, “comunismo” ou um “Estado corporativo” nos EUA.

Portanto, ao falar com Tucker Carlson sobre liberalismo, tive que considerar todos os três significados do termo, e como evidenciado pelos comentários, a audiência americana me entendeu perfeitamente. Se eu tivesse que explicar tudo isso com mais detalhes, Tucker Carlson teria de fato envelhecido e ficado grisalho como nos memes. Para a audiência russa, eu teria que organizar um curso inteiro sobre liberalismo, sua história, suas origens, suas mutações (do Hayek de direita ao Soros de esquerda – apenas no estágio final), e a semântica política contemporânea nos EUA. E então outro curso, mostrando que tudo isso não tem nada a ver conosco – então por que o primeiro curso foi necessário, aqueles que entendem o segundo poderiam perguntar? Na verdade, é isso que tenho feito repetidamente – no Centro de Estudos Conservadores da Universidade Estadual de Moscou, no Instituto Tsargrad, na Escola Superior de Política nomeada em homenagem a Ivan Ilyin, em inúmeras palestras, cursos, vídeos (curtos e longos), livros didáticos e monografias.

Enquanto isso, a audiência americana está um pouco preparada para minhas ideias. Houve uma campanha selvagem por globalistas e esquerdistas-liberais para minha total difamação. Às vezes, até fui chamado de “conselheiro de Trump” para facilitar sua destruição. Então, para os progressistas, wokistas e liberais, eu sou o “filósofo mais perigoso do mundo” e o “Doutor Mal” em escala global. Enquanto isso, Dimitri Simes Junior, filho do destacado especialista político, pensador e analista Dimitri Simes Senior, que cresceu nos EUA, me disse que foi apresentado aos meus livros (em inglês, naturalmente – pelo menos uma dúzia deles foram traduzidos e publicados nos EUA) na escola. Seus colegas de classe mostraram a ele Geopolítica ou A Teoria de um Mundo Multipolar de debaixo de seus casacos, se gabando de seu acesso à literatura dissidente – até que uma lésbica afro-americana woke notou e os denunciou, levando à inevitável expulsão.

Nunca tive um formato de comunicação com os americanos como no caso da entrevista com Tucker Carlson, especialmente após a histórica e fenomenal entrevista de nosso Presidente Vladimir Vladimirovich Putin com o jornalista número um do mundo. A mídia globalista só mostra o que é benéfico para eles, e tudo o que digo definitivamente não é benéfico para eles. Portanto, eles dizem todo tipo de coisas inventadas e absurdas em meu nome. A mídia americana alternativa, onde apareço de vez em quando, não tem ampla cobertura e está em uma posição semilegal – como os jornalistas falantes da verdade Alex Jones e Larry C. Johnson. Tucker Carlson é uma exceção. Ele e seu programa ainda são mainstream americano, enquanto suas opiniões estão em completa contradição com a elite dominante totalitária dos “progressistas”, “woke”, “liberais” e antifascistas.

Fonte: Geopolitika.ru

Imagem padrão
Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Artigos: 49

Deixar uma resposta