O Sistema Fechado do Capitalismo de Guerra

Sem disposição para negociar um novo pacto internacional de segurança, o Ocidente tenta entrar em um ritmo de “economia de guerra” enquanto reprime críticos e suas melhores armas fracassam na Ucrânia.

O sistema econômico e político ocidental está “irremediavelmente desatualizado e, portanto, está se tornando um sistema fechado e totalitário”, afirma o acadêmico italiano Fabio Vighi.

Os poucos superricos (0,01%) que ainda se beneficiam do sistema capitalista estão dispostos a fazer qualquer coisa para prolongar sua existência. O último truque dos banqueiros para gerenciar e desacelerar o colapso é sempre o mesmo: a guerra.

Os gerentes do mecanismo capitalista baseado em dívidas são “tecnocratas em busca de lucro, cujo principal traço psicológico é a psicopatia”, diagnostica o Sr. Vighi. Eles são “tão devotados ao mecanismo que se tornaram extensões dele – como autômatos, eles trabalham incansavelmente para o mecanismo, sem nenhum remorso pela destruição da vida humana que ele causa”.

Entretanto, a psicopatia não se limita à camarilha financeira transnacional, mas se estende à elite política (de chefes de governo a administrações locais) e à chamada “intelligentsia” (que inclui vários especialistas, cientistas, filósofos, jornalistas e artistas).

Em outras palavras, “qualquer pessoa que entre no sistema deve aceitar suas regras e, ao mesmo tempo, adotar ipso facto suas características psicopatológicas. É assim que a objetividade capitalista cega (a busca do lucro) se torna inseparável dos sujeitos que ela representa”, filosofa Vighi.

Mas será que os tecnocratas desequilibrados estão superestimando sua capacidade de implantar um sistema fechado que ainda possa mascarar a decadência do capitalismo? “Primeiro a farsa trágica da pandemia e agora os ventos frios da guerra em curso estão testando a confiança dos cidadãos comuns em suas instituições representativas”, especula Vighi.

Foi relativamente fácil para os oportunistas políticos elevarem seu perfil e silenciarem os céticos durante a emergência da era Corona, mas “o envolvimento no genocídio de Gaza, combinado com a criação de uma frente neomcarthyista e anti-russa e a aceleração da corrida armamentista, pode começar a minar a confiança da maioria silenciosa”.

“Na nova normalidade totalitária, estamos vivenciando uma hiperrrealidade teorizada por Jean Baudrillard, que não é nem fato nem ficção, mas um recipiente narrativo que substituiu ambos”, explica Vighi, usando as palavras do famoso cientista social francês.

“Assim, a brutal limpeza étnica de Gaza continua em ritmo acelerado, ao mesmo tempo em que expressa preocupação com a situação dos civis, opondo-se ao extremismo e alertando sobre os perigos do antissemitismo desenfreado.”

“Ao mesmo tempo, somos lembrados 24 horas por dia de que os russos (quem mais?) estão preparando um ataque nuclear do espaço e um ataque à Europa.”

Esse “turbilhão de informações da mídia cria um estado de hipnose coletiva que está se mostrando mais eficaz do que a censura tradicional”. O discurso oficial e esterilizado sobre Gaza ou Ucrânia, por exemplo, “é constantemente transformado em um discurso sobre o próprio discurso, estritamente delimitado por binários moralmente pré-formulados (por exemplo, democracia/terrorismo)”.

Vighi, um homem de esquerda, reduz tudo à vida econômica, de modo que até mesmo a atual manipulação das massas é historicamente estabelecida “como resultado da virtualização econômica, na qual a rentabilidade do trabalho assalariado foi substituída pela rentabilidade simulada do capital especulativo”.

Seja em um colapso ou em uma correção drástica, os mercados financeiros se beneficiarão do aumento dos gastos com defesa. A produção militar para “compromissos de segurança de longo prazo” é agora um suporte essencial para o crescimento real cada vez mais fraco, medido pelo PIB.

“Por exemplo, dos US$ 60,7 bilhões destinados à Ucrânia no último pacote de ajuda, 64% vão para a indústria militar dos EUA. A fonte não é a TASS de Putin, mas o Wall Street Journal, que também admite que, desde o início do conflito na Ucrânia, a produção industrial dos EUA no setor de defesa aumentou 17,5%”, diz Vighi.

“A psicopatia que alimenta a guerra é, em última análise, uma extensão da psicopatia econômica, o resultado da tomada de riscos especulativos descontrolados”, conclui Vighi. O setor de armamentos é “um guardião do capitalismo financeiro semelhante a Cérbero que, em sua versão tradicional – um mundo de fantasia de pleno emprego, consumo de massa hedonista, crescimento sem fim e progresso democrático – está morto e enterrado há algum tempo”.

Consequentemente, o objetivo declarado dos Estados Unidos e de seus estados vassalos é “manter a hegemonia militar como a espinha dorsal da hegemonia do dólar e proteger o estoque já praticamente insustentável de dívida tóxica”.

É por isso que a primeira-ministra da Estônia, Kaja Kallas, recomendou à UE a mesma estratégia de política econômica da época do coronavírus: desta vez, emitir euro-obrigações no valor de mais de 100 bilhões de euros para reavivar a indústria bélica da UE.

Tomar empréstimos para lidar com a ameaça russa e outras “emergências apocalípticas” promovidas pela mídia do poder (falso) é o mais recente modelo de negócios do capitalismo de crise ocidental. As potências vassalas dos Estados Unidos, a Grã-Bretanha e os países do euro, começaram a se armar rapidamente.

Enquanto os tambores da guerra soam, estamos entrando em uma “era de crescente endividamento militar”. Como previu o secretário de Defesa do Reino Unido, Grant Shapps, nos próximos anos, não apenas a Rússia, mas também outros inimigos jurados do Ocidente, como a China, o Irã e a Coreia do Norte, participarão de uma série de teatros de guerra com motivações econômicas.

Como Julian Assange disse em 2011, referindo-se ao Afeganistão, “o objetivo é uma guerra sem fim, não uma guerra vencida”. Observando os conflitos atuais em todo o mundo, é mais provável que eles estejam aumentando do que diminuindo.

Vighi adverte, entretanto, que seria “enganoso acreditar que a narrativa do ‘nobre engajamento militar’ do Ocidente é apenas o último episódio de uma série da Netflix que podemos nos dar ao luxo de assistir de nossos sofás, a uma distância segura”.

À medida que o capitalismo financeiro vacila, aqueles que continuam a lucrar com ele não hesitam em sacrificar às “bombas democráticas” não apenas populações como os palestinos, há muito tempo abandonados à miséria desumana, mas também os habitantes dos países ocidentais, que a psicodelia valoriza “tanto quanto o gado que está sendo alimentado com um smartphone colado no focinho”.

“O agora permanente chamado às armas (contra o vírus, Putin, Hamas, os Houthis, Irã, China e todos os vilões que virão) serve como um disfarce desesperado e criminoso para uma lógica financeira falida, à mercê do declínio econômico e dos constantes créditos distribuídos nas telas dos computadores dos bancos centrais”, declara Vighi.

O drama da emergência deve continuar sem parar ou a bolha de lucros vai estourar. A cabala dos bancos centrais – a superclasse proprietária do Federal Reserve e das empresas de gestão de ativos – “logo precisará da alavancagem de novas emergências para justificar a redução das taxas de juros e a injeção de dinheiro recém-impresso no sistema”.

Nesse cenário de múltiplas crises, a classe média ocidental está presa em seu passado. Ela está convencida de que “o capitalismo democrático liberal do pós-guerra não é apenas fundamentalmente correto como modelo de organização social, mas também eterno e indiscutível”. Isso não é verdade, é claro, mas é difícil se livrar da ilusão e da indulgência.

A ilusão nasceu durante a Grande Depressão, quando as pessoas estavam desfrutando de um boom econômico e faziam parte de um contrato social lucrativo, resultado da “destruição criativa” causada pelas duas guerras mundiais. Hoje, ainda estamos perdidos na névoa da guerra. Será que a história vai se repetir em breve?

Fonte: Geopolitika.ru

Imagem padrão
Markku Siira

Escritor

Artigos: 49

Deixar uma resposta