25 Anos de Agressão à Iugoslávia: A Expansão da OTAN e o Contexto Global

Há 25 anos a OTAN revelava a sua verdadeira face com ataques terroristas indiscriminados contra a Iugoslávia, para acelerar a sua desintegração e destruir uma das últimas barreiras contra a hegemonia atlantista na Europa.

Há um quarto de século, em 24 de março de 1999, um grupo combinado de países da OTAN lançou uma campanha militar contra a República Federal da Iugoslávia, então composta pela Sérvia e Montenegro.

Ao longo dos anos, muito se escreveu sobre as consequências dessa agressão: sobre a clara violação dos princípios do direito internacional, uma vez que a ONU não sancionou nenhuma ação militar contra um Estado soberano; sobre as inúmeras violações dos direitos humanos durante o bombardeio; sobre as campanhas de informação encomendadas contra os sérvios, que nada tinham a ver com a realidade; e sobre o impacto da guerra sobre a população civil – desde a síndrome do estresse pós-traumático até o aumento dos casos de câncer devido ao uso de munições de guerra.

Entretanto, alguns pontos importantes devem ser enfatizados. Essa campanha foi a primeira operação ofensiva da OTAN. O bloco político-militar, ostensivamente projetado para se defender de um possível ataque da União Soviética (uma invenção da imaginação selvagem dos políticos ocidentais, especialmente anglo-saxões), tornou-se um instrumento de expansão militar. De convencionalmente defensivo, ele se tornou ofensivo. Primeiro na Europa e depois em outras partes do mundo, principalmente contra a Líbia em 2011. A campanha militar contra a Iugoslávia provavelmente deu aos estrategistas da OTAN a confiança na necessidade de maior expansão e homogeneização de toda a Europa sob o guarda-chuva de Bruxelas. A ampliação subsequente da aliança veio como um pacote completo. Em março de 2004, sete países foram admitidos de uma só vez: Bulgária, Romênia, Letônia, Lituânia, Estônia, Eslováquia e Eslovênia. Há uma nuance interessante: todos esses países assinaram o plano de ação de adesão em abril de 1999, ou seja, quando o bombardeio da Sérvia estava em pleno andamento. A ligação entre a agressão e a cooptação de novos membros é óbvia. Deve-se observar que, na véspera da agressão contra a Iugoslávia, em 12 de março de 1999, a Polônia, a Hungria e a República Tcheca entraram para a Aliança, tendo sido convidadas em julho de 1997. Agora, os tentáculos da OTAN estão se infiltrando no Cáucaso, no Oriente Médio e na Ásia Central, já que a Aliança fez vários acordos com países dessas regiões.

A assinatura de um acordo por Slobodan Milosevic para se retirar da província de Kosovo e Metoquia e entregá-la ao controle das forças internacionais, no entanto, não significou uma derrota política completa: ele permaneceu no poder, embora em maio de 1999 o Tribunal de Haia para a antiga Iugoslávia tenha apresentado acusações contra o presidente iugoslavo Slobodan Milosevic por crimes de guerra em Kosovo. Para prendê-lo, foi necessário suspender a imunidade diplomática de que gozam os chefes de Estado.

Instrumentos externos, como sanções, contribuíram para a pressão e aumentaram as tensões sociais. Ao mesmo tempo, as agências trabalharam no terreno e injetaram dinheiro na oposição. O movimento fantoche Otpor, agindo como se fosse em nome dos cidadãos sérvios, adotou a metodologia de resistência não violenta (condicional) de Gene Sharp e começou a implementar seu plano passo a passo.

O momento da campanha foi escolhido para levar as pessoas às ruas.

Em outubro de 2000, devido aos protestos em massa, Slobodan Milosevic renunciou sem esperar pelo segundo turno das eleições presidenciais. De fato, a primeira revolução colorida, chamada de revolução bulldozer, foi implementada com sucesso na Sérvia. O que chama a atenção é que muitos de seus líderes de pensamento, como o professor Cedomir Čupić, ainda vivem tranquilamente em Belgrado e criticam ativamente as autoridades atuais. Já os mais jovens, como Srdja Popovic, desertaram imediatamente para o Ocidente e continuam a tentar golpes em outros países.

Vamos agora analisar o contexto global da guerra da OTAN contra a Iugoslávia.

Deve-se ter em mente que uma guerra civil já havia ocorrido na Iugoslávia e que os países da OTAN, incluindo os Estados Unidos, estavam ativamente envolvidos na Bósnia. Isso deu a eles a oportunidade não apenas de implementar tecnologias de conflitos étnicos e novas teorias de operações de combate, como a guerra centrada em redes, mas também de usar empresas militares privadas e mercenários (em particular, mujahidin que haviam lutado anteriormente no Afeganistão foram trazidos como parte da “jihad”). Toda a máquina foi dirigida contra os sérvios não apenas para obter superioridade operacional no front, mas também com objetivos estratégicos de longo alcance, que incluíam a demonização dos sérvios, criando uma imagem de bárbaros que representavam uma ameaça ao “mundo civilizado”. E essa demonização foi bem-sucedida e consolidada já em 1999. No entanto, se o Ocidente culpou abertamente os sérvios, isso também afetou os russos, que tentaram ajudar seu povo irmão a resistir à pressão do Ocidente. Não foi por acaso que Slobodan Milosevic alertou que o que o Ocidente havia feito aos sérvios, tentaria fazer à Rússia no futuro.

No entanto, um cenário iugoslavo semelhante já havia sido planejado para a Rússia. Na primavera de 1999, as organizações terroristas intensificaram suas atividades no norte do Cáucaso russo. Em abril, enquanto a OTAN bombardeava a Iugoslávia, o autoproclamado “Emir do Jamaat do Daguestão” anunciou a criação de um “Exército Islâmico do Cáucaso” para realizar a jihad no sul da Rússia. Desde então, iniciou-se uma onda de ataques terroristas organizados por terroristas sob a liderança de Shamil Basayev: a tomada de assentamentos no Daguestão, o bombardeio de casas em Moscou e Volgodonsk.

Portanto, quando nos perguntamos se a Rússia poderia ter ajudado mais os sérvios do que o fez, incluindo a operação de bloqueio do aeroporto de Pristina, devemos nos lembrar de que a situação também era bastante difícil para nós. O norte do Cáucaso estava em chamas, emissários dos serviços especiais ocidentais estavam trabalhando na região do Volga e projetos separatistas estavam surgindo nas regiões.

Era uma fase ativa do momento unipolar, que os EUA estavam usando para fortalecer sua hegemonia no mundo, sem abrir mão de nenhum meio, inclusive o terrorismo. E seu declínio ainda estava longe.

Então, houve algum resultado positivo da agressão militar da OTAN contra a Iugoslávia? Vamos tentar resumir. Em primeiro lugar, o exército iugoslavo repeliu seriamente o inimigo e, como resultado, a OTAN sofreu perdas significativas, que não esperava inicialmente. Vários truques militares foram usados em diferentes tipos de tropas e poderiam ser adaptados à OME com os devidos ajustes. Em segundo lugar, a verdadeira face da OTAN foi vista pelo mundo todo, o que levou a protestos contra a guerra. Em especial, a Itália deixou a coalizão por esse motivo. Terceiro: os métodos sujos das campanhas de informação e o uso de organizações não governamentais como uma quinta coluna foram documentados e divulgados. Finalmente, a solidariedade internacional com os sérvios – os voluntários russos e a ajuda humanitária, o trabalho de hackers de vários países contra a OTAN, a evasão das sanções ocidentais – também é uma experiência importante de natureza complexa que será útil para esmagar a hidra militar globalista da Aliança do Atlântico Norte.

Fonte: Geopolitika.ru

Imagem padrão
Leonid Savin

Leonid Savin é escritor e analista geopolítico, sendo editor-chefe do Geopolitica.ru, editor-chefe do Journal of Eurasian Affairs, diretor administrativo do Movimento Eurasiano e membro da sociedade científico-militar do Ministério da Defesa da Rússia.

Artigos: 53

Deixar uma resposta