As Manifestações dos Agricultores Alemães

As ruas alemães estão tomadas por tratores conforme os agricultores vão às ruas para protestar contra as medidas ecoglobalistas tomadas pelo seu governo, que ameaçam destruir a agricultura do país.

Durante a última semana, manifestações massivas de agricultores paralisaram partes da Alemanha, com comboios de milhares de tratores indo para o centro simbólico do país. Muitos agricultores e outros se reuniram em frente ao Portão de Brandemburgo para demonstrar sua insatisfação com o atual governo de centro-esquerda. O que está acontecendo é de interesse histórico contemporâneo, embora tenha recebido apenas uma cobertura limitada na grande mídia. De muitas maneiras, os eventos na Alemanha nos lembram os protestos dos camponeses na Holanda em 2022, sobre os quais escrevemos o artigo A Rebelião dos Camponeses Holandeses. Ao mesmo tempo, há diferenças entre as duas revoltas.

Em ambos os países, trata-se de uma questão de luta de classes, não tanto no sentido marxiano, mas no sentido pós-marxiano, que é mais compatível com a chamada “direita”; esse conceito de luta foi desenvolvido por Samuel Francis em sua obra póstuma intitulada O Leviatã e seus Inimigos, em que o conflito é entre os estratos gerenciais, os burocratas dos setores público e privado, de um lado, e as “pessoas comuns”, de outro. Esse aspecto do conflito é o aspecto populista, o conflito de interesses entre o povo e o establishment. Há um fator econômico, com os agricultores reagindo aos planos do governo de reduzir os benefícios fiscais sobre o combustível. Há também um fator político-econômico, com os agricultores reagindo a uma estrutura regulatória complexa e pouco clara. Uma diferença interessante entre a Holanda e a Alemanha parece ser o fato de os agricultores alemães terem sido representados até agora por organizações com um pé no establishment, enquanto na Holanda havia um elemento mais claro que permitiu que a revolta fosse comparada a “greves selvagens”.

Ao mesmo tempo, a insatisfação com o governo une os agricultores alemães ao público em geral, já que muitos cidadãos comuns foram afetados pelas medidas de austeridade econômica. Como resultado, o apoio aos agricultores é alto, e muitos os veem como representantes do povo, torcendo por eles ou comprando-lhes café. Uma pesquisa de opinião mostrou que 81% dos entrevistados eram a favor dos protestos dos agricultores. A AfD (Alternativa para a Alemanha) teve o maior apoio, com 98%, mas os eleitores social-democratas e verdes não ficaram muito atrás (70% e 61%, respectivamente). Os protestos coincidem com uma rejeição recorde do atual governo, com três em cada quatro eleitores alemães insatisfeitos com ele, de acordo com outra pesquisa. Essa é uma questão nacional.

Além dos fatores econômicos, há um aspecto intangível. Os agricultores expressam uma visão mais antiga da relação entre a terra e a agricultura, com pôsteres como “stirbt der Bauer stirbt das Land” (“se o agricultor morre, a terra morre”). Essa é uma marginalização percebida e muito real na narrativa pública, que hoje lida com grupos completamente diferentes dos moradores rurais. O conjunto de ideias expressas pelos agricultores é tradicionalmente encontrado com mais frequência na direita, onde o campo é visto como o coração da nação. Dadas as tendências industriais da agricultura, essa relação não está isenta de problemas, mas os agricultores como representantes simbólicos e políticos do povo são um desenvolvimento interessante e um tanto inesperado. Especialmente quando ocorre na Alemanha, o coração da Europa em um sentido muito mais amplo do que apenas geográfico. Esse é o aspecto de direita, até mesmo de extrema direita, dos protestos, mesmo que só possa ser percebido vagamente até o momento.

De qualquer forma, isso parece ser percebido até mesmo pelo establishment, já que quase todos os artigos sobre os protestos contêm parágrafos obrigatórios, muitas vezes reciclados, sobre “preocupações da extrema direita”, “extremistas de direita” tentando “se infiltrar” nos protestos, e assim por diante. Esses parágrafos expressam as neuroses do establishment e, ao mesmo tempo, são ferramentas conhecidas da política convencional para estigmatizar o descontentamento e as opiniões das pessoas comuns. Deve-se observar, no entanto, que em manifestações desse tipo, muitos participantes percebem que a categoria “extremistas de direita” é artificial, pois os eleitores do AfD e de outros partidos não são necessariamente diferentes de outros cidadãos comuns que estão fartos da política. O interessante nesse contexto é que o AfD, por um lado, votou a favor da política à qual os agricultores se opõem e, por outro lado, apoia os protestos. Ao mesmo tempo, a importância das manifestações não deve ser exagerada. Na Holanda, o partido agrícola BBB obteve um sucesso eleitoral significativo depois de 2022, em parte por ter tirado eleitores de outros partidos de direita. No entanto, a importância das manifestações também não deve ser vista isoladamente da história contemporânea; ela faz parte de um conflito contínuo e de longo prazo no qual um dos lados está se tornando cada vez mais consciente das linhas de conflito e cada vez mais acostumado a ocupar fisicamente centros simbólicos de poder. O último pode nos lembrar das revoltas camponesas da Idade Média, mas o primeiro não é o caso. As condições são diferentes hoje, para melhor ou para pior, o que significa que o ciclo histórico de revoltas camponesas que irrompem e são reprimidas não necessariamente se repetirá hoje. O fato de os aspectos populistas, nacionalistas e de direita coincidirem amplamente no cenário atual é uma prova disso.

Fonte: Geopolitika.ru

Imagem padrão
Joakim Andersen
Artigos: 53

Deixar uma resposta