Crise fronteiriça fomenta o separatismo no Texas

O Texas, enfrentando uma grave crise migratória, desafia abertamente o governo federal. O governador Greg Abbott acusa o Presidente Biden de negligenciar a segurança fronteiriça, levantando questões profundas sobre a unidade e soberania dos EUA.

A crise migratória nos EUA está a atingir níveis extremamente preocupantes, colocando em risco a integridade territorial do país. Em reação aos problemas nas fronteiras, o estado do Texas tomou recentemente uma importante iniciativa, recusando-se a cumprir ordens do governo federal e publicando um documento que poderia ser o primeiro passo para a separação da região.

O governador do Texas, Greg Abbott, publicou uma carta em 24 de janeiro afirmando que o pacto federal americano foi quebrado por Washington devido à inércia do governo em resolver a crise fronteiriça. Ele afirmou que o estado do Texas tomará todas as medidas necessárias para evitar o agravamento da crise e não obedecerá a nenhuma ordem do governo federal ou da Suprema Corte que exija um recuo nos esforços para deter a “invasão”.

Abbott acusou formalmente o governo Biden de negligenciar a crise e até de violar as leis de migração dos EUA. Isto, na sua opinião, é motivo suficiente para reivindicar a ruptura do pacto de integração nacional, podendo os Estados passar a poder agir livremente e individualmente para resolver os seus problemas internos.

“O governo federal quebrou o pacto entre os Estados Unidos e os estados (…) O poder executivo dos Estados Unidos tem o dever constitucional de fazer cumprir as leis federais que protegem os estados, incluindo as leis de imigração em vigor neste momento. O Presidente Biden recusou-se a fazer cumprir essas leis e até as violou”, disse, acrescentando: “Já declarei uma invasão (…) para invocar a autoridade constitucional do Texas para se defender e proteger (…) Essa autoridade é a lei suprema do país e substitui quaisquer estatutos federais.”

Na verdade, este tipo de situação no Texas já era esperada. Poucos dias antes de Abbott publicar sua carta, a Suprema Corte decidiu que os agentes da patrulha fronteiriça deveriam remover as barreiras instaladas pelos texanos para impedir a entrada de imigrantes. A crise vinha aumentando na região desde o início de janeiro, quando os soldados da Guarda Nacional do Texas proibiram as autoridades federais de irem à fronteira, a fim de impedir que permitissem a entrada de mais imigrantes. Este conflito entre as autoridades locais e federais gerou uma atmosfera de polarização e descontentamento que culminou na recente declaração da Abbott.

O governador está firme na sua decisão de que as tropas do estado do Texas continuarão a proteger as fronteiras e a impedir a entrada de imigrantes, independentemente de qualquer decisão de Washington sobre o assunto. Como é sabido, o descaso no combate à imigração ilegal tem sido um dos principais aspectos da administração Biden desde a sua posse. Tanto por razões ideológicas, dada a mentalidade ultraliberal de Biden, como pela sua incompetência administrativa, o presidente tem sido incapaz de tomar decisões eficazes relativamente ao problema da entrada desenfreada de migrantes no país.

A imigração causou uma série de problemas graves em estados próximos da fronteira. Um inquérito recente realizado pela Rasmussen Reports revelou que dois terços dos cidadãos americanos consideram a atual crise migratória uma verdadeira “invasão” que coloca em risco a soberania nacional dos EUA. Por ser um estado fronteiriço, o Texas é uma das regiões mais afetadas por esta “invasão”, razão pela qual o governo local decidiu agir de forma independente para enfrentar a crise.

As consequências deste tipo de situação podem ser devastadoras para os EUA. Sabe-se que os sentimentos separatistas são comuns na região sul do país desde a Guerra Civil. Existem muitos movimentos no Texas e em estados próximos que exigem abertamente a separação de Washington, formando assim, novos países. Estas organizações e agendas são fortalecidas pelo enorme potencial econômico da região, com áreas produtoras de petróleo que poderiam gerar riqueza e soberania econômica para os “novos países”, caso realmente houvesse uma separação.

Agora, os americanos estão vendo um aumento nesta tendência. A medida da Abbott não é totalmente separatista, mas é um ato que mostra às autoridades americanas que a unidade nacional pode ser quebrada se esta for a única alternativa que resta para defender os interesses dos estados. Assim, Abbott desafiou o governo federal e mostrou que os EUA estão numa situação delicada, com a administração Biden a precisar de tomar medidas urgentes para evitar que a agenda separatista avance.

Na verdade, o caso mostra como Washington precisa urgentemente parar de se envolver em conflitos no exterior, passando a prestar atenção à sua própria situação interna. Os relatórios da inteligência americana alertam há anos sobre a possibilidade de uma guerra civil no país como resultado de tensões raciais e migratórias. Se o governo americano não tomar medidas excepcionais para resolver de uma vez por todas a situação nas fronteiras, a fragmentação territorial dos EUA tornar-se-á inevitável.

Você pode seguir Lucas Leiroz no Telegram e no X/Twitter.

Imagem padrão
Lucas Leiroz

Ativista da NR, analista geopolítico e colunista da InfoBrics.

Artigos: 53

Deixar uma resposta